04-06-2019

SBD divulga nota sobre segurança no uso de filtros solares

SBD divulga nota sobre segurança no uso de filtros solares
A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) divulgou um esclarecimento à população e aos médicos sobre o impacto do uso de filtros solares comerciais para a saúde. Trata-se de posicionamento técnico oficial em relação a notícias que circulam pela internet e em redes sociais, as quais relacionam a adoção dessa substância a possíveis efeitos adversos, como sua absorção em níveis não recomendados.


“Com essa nota, a SBD espera eliminar dúvidas com respeito ao uso dos filtros solares. Entendemos que a população e os médicos devem estar sempre bem informados sobre todos os tópicos relacionados à saúde”, disse o presidente da entidade, Sérgio Palma. No esclarecimento, a SBD informa que está acompanhando a realização de estudos sobre o tema, e ressalta que, até o momento, não há qualquer resultado que justifique mudança na recomendação de uso de filtros solares registrados pela Anvisa com o objetivo de proteger a pele e reduzir os efeitos da radiação sobre ela. Ou seja, esses produtos podem e devem ser utilizados, conforme a prescrição dos médicos.


Os filtros solares são uma composição de substâncias cujo uso na pele exposta ao Sol é importante para o tratamento e prevenção de inúmeras doenças, que são agravadas pela radiação solar. Filtros solares também são essenciais na prevenção do câncer de pele, em pessoas predispostas.


Segundo o dermatologista Hélio Miott, responsável pela nota técnica da SBD, estudo clínico específico, conduzido pela FDA, a agência reguladora de medicamentos norte-americana, investigou a absorção de quatro componentes de filtros solares (avobenzona, oxibenzona, ecamsule e octocrileno) aplicados sobre a pele, em regime intenso de uso. O resultado apontou aumento da concentração das substâncias no sangue dos participantes.


Contudo, destaca o dermatologista na nota da SBD, o experimento foi realizado com aplicações de grandes quantidades de filtro solar, em 75% da superfície da pele, reaplicado em um regime de quatro vezes por dia, por quatro dias. Na avaliação da entidade, essas características “contribuem para uma maior absorção de qualquer substância testada, e não representam o uso cotidiano de filtros solares pela população”.


Como alertou a SBD, a absorção de produtos aplicados sobre a pele depende de vários elementos ligados à substância, aos veículos associados, quantidade do produto utilizada, espessura da pele, idade, local de aplicação, oclusão, hidratação da pele, integridade da pele, frequência do uso e extensão de pele aplicada.


Além disso, os autores da pesquisa norte-americana ainda destacaram que as concentrações encontradas no sangue não significavam risco direto de câncer em órgãos internos, efeitos hormonais ou mesmo risco para gestação ou lactação. Outros trabalhos estão sendo elaborados para elucidar o caso, os quais estão sendo acompanhados pela SBD.




Notícias relacionadas

L’Oréal Brasil cria programa de capacitação em cosmetologia

A empresa abriu inscrições para a primeira edição do Cientistas do Futuro

+

Dia Mundial do Meio Ambiente

O tema eleito para este ano é a poluição do ar

+

Com aumento dos casos de dengue, Abihpec destaca importância dos repelentes

Neste ano já foram registrados mais de 675 mil casos prováveis de dengue, contra 134 mil no mesmo período de 2018

+

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos