Gesto em P&D

Interfaces do P&D

Janeiro/Fevereiro 2018

Wallace Magalhães

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Wallace Magalhães

Como parte de uma organizao, seja do porte que for, boa parte do trabalho do P&D acontece nas interfaces com outros setores. A forma como isto feito repercute na qualidade do trabalho e no resultado da empresa, tanto positiva quanto negativamente. Talvez o maior desafio seja harmonizar as diferentes lgicas e os diferentes interesses envolvidos no processo, porque vai exigir certo grau de empatia funcional e habilidade para interagir com outras pessoas. Debates e interlocues so eventos rotineiros.

Quando o pessoal do marketing concebe um produto, uma campanha ou um texto, eles podem fazer com tanto entusiasmo, que o contedo pode no ter respaldo cientfico ou cabimento regulatrio. Todos os benefcios anunciados devem ser suportados pelos produtos, e quem tem que cuidar disto o P&D. No se pode mais correr o risco de inventar uma histria deslumbrante e entregar um produto que no corresponda expectativa criada. Seja do ponto de vista regulatrio ou de negcio, em um mercado maduro, isto um verdadeiro tiro no p. Sem falar em valor tico, que, atualmente, um componente importante do valor das empresas.

O P&D tem que interagir com o marketing para que a argumentao usada na divulgao seja impactante, mas verdadeira e tecnicamente vivel. Que as imagens sejam apropriadas e no sugiram, por exemplo, o uso inadequado do produto, porque isso poderia comprometer a segurana do consumidor. Se neste processo entra o pessoal de vendas, pode haver mais um grande desafi o: ter o melhor produto do mercado com o menor preo possvel, o que, c entre ns, no um bom princpio.

E no cabe ao P&D, em conjuno com Assuntos
Regulatrios, ficar s dizendo isto pode ou isto no pode, porque vai criar a imagem negativa. A perda de prestgio e importncia em trabalhos futuros ser inevitvel. H de se ter, do lado do P&D, o compromisso de fazer jus sigla que o identifica, ou seja, pesquisar e desenvolver tecnologia para obter um produto com o mximo de desempenho, e ter fundamentao para argumentar com clareza sobre o que efetivamente possvel e legalmente permitido, sem que isto reduza o entusiasmo e as perspectivas do novo projeto.

Para um olhar despreparado, o P&D pode parecer um setor que s consome recursos. Em uma atividade de base tecnolgica, como o caso da fabricao de cosmticos, este um equvoco grosseiro, que, por incrvel que parea, ainda ocorre com frequncia em empresas que tm ao seu dispor o quarto maior mercado do planeta. Se o P&D fizer um bom trabalho e for acompanhado pela Produo e Qualidade -, o que o consumidor receber, l no fim da linha, ser um produto que corresponder s suas expectativas. A empresa possivelmente ganhar um consumidor fiel e propaganda gratuita, que podero garantir bons resultados financeiros e crescimento sustentvel. Negar recursos ou disponibilizar recursos insuficientes ao P&D outro tiro no p.

No que se refere a custos, deve ser estabelecida uma planilha que resulte ao desenvolvimento de formulaes e embalagens os valores que podero ser usados para a realizao de um projeto. O P&D, principalmente no que se refere ao custo da formulao, precisa compreender que a mxima que diz que tcnico bom aquele que faz mais barato um despropsito. Mesmo sabendo que o desempenho de uma formulao no obrigatoriamente proporcional concentrao de ativos, o uso de toda a margem de custo deve ser uma diretriz, seja na concentrao, seja na escolha de ingredientes de qualidade superior, porque aumenta a possibilidade de entregar ao consumidor um produto melhor.

A interface com fornecedores pode ser muito proveitosa porque existe uma convergncia de interesses. Seus representantes devem ser tratados com muita considerao. Eles podem ter informaes sobre tendncias, sugestes de formulao e resultados de trabalhos cientfi cos que iro facilitar tremendamente o trabalho do P&D, que, por sua vez, tem que compreender que no basta copiar e colar, porque h o risco de se obter um produto sem personalidade, j que as informaes no sero exclusivas. Mas isto, nem de longe, diminui a importncia deste parceiro. Do lado do fornecedor, espera-se a disponibilizao de informaes tcnicas completas (composio, alrgenos, especificaes, etc.) na entrega das amostras, porque uma exigncia cientfica natural.

Fornecer informaes somente na aprovao do material um desrespeito ao trabalho do P&D.



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos