Embale Certo

Bisnagas rotuladas

Maro/Abril 2017

Antonio Celso da Silva

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Antonio Celso da Silva

A indstria brasileira de embalagens para cosmticos tem dados interessantes. No me canso de falar das difi culdades das embalagens injetadas, principalmente dos estojos para maquiagens.

Em contrapartida, tambm falo da abundncia de boas grficas e da grande disponibilidade de embalagens sopradas, sejam elas standard (disponveis para todo o mercado), sejam elas exclusivas (isso por conta do baixo investimento em moldes e do pouco tempo necessrio para inserir esse molde na produo).

No meio desses dois segmentos, vejo que existe uma famlia de embalagens que sempre gerou desconfiana nas empresas de produtos acabados, que usam ou querem usar essa embalagem. Trata-se das bisnagas.

Guardo na memria o tempo em que apenas uma indstria fabricante de bisnagas tinha sua produo disputada no grito pelas fbricas de cosmticos. E o termo no grito no nenhum exagero, pois realmente quem gritava mais alto tinha prioridade, considerando que o grande volume da produo de bisnagas era destinado para a indstria alimentcia, ficando os cosmticos para um esquecido segundo plano, por conta das pequenas quantidades de compra.

Lembro tambm que uma grande empresa de cosmticos at criou um cargo denominado seguidor de entregas, que era uma pessoa que deveria ficar plantada nos fabricantes de embalagens para ver se o seu molde estava em mquina e para apressar a entrega. A razo da criao desse cargo era essa indstria que fabricava bisnagas.

Naquele tempo, pouco se falava em importao, por conta da dificuldade logstica, do preo e do prazo de entrega.

Um cenrio muito parecido era o de vlvulas spray ou pump, j que apenas uma empresa do Rio de Janeiro atendia quase todo o mercado brasileiro, mesmo com a qualidade deixando a desejar.

Ainda que com toda essa dificuldade, eu diria que eram bons tempos, pois na ponta existia uma carteira recheada de bons pedidos, que a indstria de cosmticos no tinha condies de atender, por falta dessas embalagens. Hoje, carteira recheada de pedidos privilgio de poucas empresas.

Recentemente, entrou no mercado uma empresa fabricante de bisnagas com caractersticas peculiares, das quais esse mesmo mercado era - ou melhor, - to carente. Quantidades menores, preo justo, qualidade impecvel e prazo de entrega menor que as suas concorrentes. Todos achavam que boa parte do problema de fornecimento de bisnagas tinha sido resolvido. Ledo engano!

O que se percebe hoje que essa empresa j foi contaminada pelas grandes contas, e a carncia do mercado continua.

Essa pelo menos a informao que o mercado passa quando fala em bisnaga.

A boa notcia que entrou no mercado uma empresa fabricante de rtulos, que, em uma parceria com uma fabricante de bisnagas, promete ser a soluo para esse eterno problema.

Nesse mercado em crise, s sobrevive quem pensa fora da casinha, e exatamente isso que eles fazem, ou seja, conseguem atender quantidades bem menores, tm um prazo de entrega menor que suas concorrentes, boa qualidade e preo muito competitivo.

Mas a grande novidade que entregam a bisnaga rotulada, pois fazem a aplicao do rtulo juntamente com a selagem da bisnaga. E tudo em um curto prazo, exatamente por conta do estabelecimento dessa parceria.

Com isso, acaba a preocupao em relao quele longo prazo para produzir a bisnaga e ao prazo da decorao. Vale considerar tambm que, se o cliente precisa lanar vrios produtos diferentes em bisnaga e com artes diferentes, a quantidade mnima exigida acaba por inviabilizar o lanamento se for uma empresa de pequeno ou mdio porte, o que exige que se faa uma compra para vrios meses. Alm disso, se um produto tiver venda maior que o outro, com certeza vai haver ruptura (falta), porque foram compradas quantidades iguais para cada verso.

S nos resta torcer para que essa empresa no mude seus planos e busque crescimento, atendendo as maiores carncias do mercado quando se fala em bisnagas: quantidades mnimas menores, prazos de entrega menores, bisnagas rotuladas, prontas para colocar na linha de produo, e preo competitivo.

Enquanto todo mundo fala de crise, a gente percebe um sobrevivente usando a velha mxima na crise, inove para sobreviver.



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos