Tricologia

Couro cabeludo

Novembro/Dezembro 2010

Valcinir Bedin

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Valcinir Bedin

O couro cabeludo a parte da pele do corpo onde se concentra a maior quantidade de pelos, em termos de densidade, chamados de cabelos. Ele tem caractersticas especiais e deve, portanto, ser tratado como tal. Apresenta uma pele de cor rosada (dependendo da raa da pessoa) e sem alteraes.

A pele do couro cabeludo tem espessura intermediria, entre a pele da plpebra, que a mais fina, e a da regio da nuca, que a mais espessa. o local de assentamento de, aproximadamente 150.000 folculos pilosos, cada um com uma haste pilosa e uma glndula sebcea. , portanto, um local de intensa atividade metablica na produo do sebo e na atividade do ciclo capilar, contemplando as fases angena, catgena e telgena dos fios. uma rea homognea e, quando saudvel, no apresenta alteraes.

O que pode aparecer de errado no couro cabeludo?
Qualquer alterao de volume no couro cabeludo deve ser avaliada pelo mdico, pois pode ser uma simples verruga, um cisto sebceo ou at mesmo um tumor. Se houver alterao da cor e no de volume, deve-se prestar ateno se essa cor avermelhada ou arroxeada, pois isso pode indicar alterao vascular. Caso haja sangramento, essa alterao deve ser examinada com urgncia, devido ao risco de perda exagerada de sangue! A presena de um hemangioma (alterao vascular) pode ser, hoje, rapidamente tratada com laser.

Com relao s descamaes, elas podem ser uma simples pitirase furfurcea (descamao natural da pele do couro cabeludo) ou um quadro de dermatite seborreica (caspa). Pode ainda, em casos mais graves de descamao, ser um quadro de psorase, doena que pode aparecer apenas no couro cabeludo ou no corpo todo.

Infeces bacterianas podem aparecer tambm, mas so mais raras e seguidas de calor no local, de vermelhido e de dor.

reas sem cabelo podem ser consequencia de alopecia areata (pelada) ou de outras doenas chamadas de alopecias cicatriciais (como a pseudopelada de Brocq e o lpus).

Em crianas, podem ocorrer quadros de infeco por fungos (micoses), o que no ocorre em adultos. Se um adulto apresenta micose no couro cabeludo porque, provavelmente, ele tem algum problema de deficincia de imunidade.

Quando um profissional no mdico, como um farmacutico, tricologista, cabeleireiro ou visagista, observar alguma alterao no couro cabeludo do paciente, o ideal perguntar a ele se tem conhecimento da leso. Discretamente, em local reservado e no em pblico, o profissional deve lembrar ao paciente que aquela alterao pode ser algo mais importante do que ele est pensando, e sugerir-lhe passar por consulta mdica.

As doenas do couro cabeludo podem ser classificadas em trs grupos: as genticas ou metablicas, as sistmicas e as infecciosas ou adquiridas.

As genticas ou metablicas podem englobar os tumores e as alteraes da perda de cabelo, como as peladas ou as alopecias cicatriciais.

As sistmicas so aquelas que so a representao de uma doena interna, como uma doena autoimune ou lupus eritematoso.

As infecciosas so as causadas por fungos (s em crianas), bactrias ou vrus.

Apenas as infecciosas so transmissveis, pois qualquer contato pode passar um fungo, uma bactria ou um vrus, por meio da manipulao, com as mos, de instrumentos de trabalho no esterilizados adequadamente.

Existem normas especiais da Agncia Nacional de Vigilncia Sanitria (Anvisa) para a esterilizao de equipamentos e instrumentos de sales de cabeleireiro. O ideal que se tenha uma autoclave (e no apenas uma estufa) para a realizao desse processo.

O mais importante, como tudo o que se relaciona com a nossa sade, lembrarmos que sempre melhor prevenir do que tratar as doenas, e que no devemos nunca negligenciar qualquer cuidado com ela.



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos