Tricologia

Produtos Capilares

Maro/Abril 2006

Valcinir Bedin

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Valcinir Bedin

importante ressaltar que, por definio, e at por lei, considerado criana um indivduo com at 12 anos de idade. Nesta fase da vida a pessoa no responde pelos prprios atos, tendo, portanto, um tutor que, na ausncia dos pais, tutores naturais, pode ser o prprio Estado.

Por que estas consideraes? Porque temos visto, de uma maneira que, no nosso entendimento, beira a irresponsabilidade, campanhas publicitrias instigando crianas de bem tenra idade ao uso de produtos cosmticos.

A pele da criana no difere muito, do ponto de vista anatmico, da pele de uma pessoa adulta, a no ser no quesito mais importante para o uso de produtos tpicos, que a absoro e a defesa imunolgica. Ento, quando se pensa um produto especfico para esta faixa etria, deve-se pensar sempre neste quesito.

As clulas de Langerhans e de Merckel, presentes na nossa pele e responsveis pelo sistema de informao imunolgica, tm de aprender durante a vida, para que se tornem eficientes naquilo para o qual foram feitas, a preservao imunolgica. Entenda- se a, alm de eventuais doenas, as dermatites mais comuns, como a de contato por irritante primrio e por sensibilizao.

Com relao especificamente aos plos e cabelos, sabemos que, na pr-puberdade o corpo no produz hormnios sexuais e que estes esto muito ligados a esses anexos. Assim que vamos encontrar na infncia infeces fngicas no couro cabeludo que no encontramos na fase adulta, a no ser que o indivduo tenha alguma complicao no seu sistema imunolgico.

Os cabelos podem ser stio de algumas sndromes que apresentam quadros dermatolgicos, chamadas de genodermatoses.

As mais importantes so: sndrome de Netherton (cabelos em forma de bambu), sndrome dos cabelos impenteveis (na qual a forma da haste, estabelecida por informaes genticas, faz com que esta fique sempre armada), ticotiodistrofia, na qual o metabolismo do enxofre est alterado, fazendo com que os cabelos fiquem com aparncia de rabo de tigre. H perdas capilares, em situaes de psiquismo alterado, como na tricotilomania, na qual a criana acometida por este mal arranca cabelos ou plos e, quase sempre, os engole! Outra perda importante se d nos quadros de alopecia areata, quando se perdem, temporariamente, reas de cabelos ou plos corporais.

Mas, em se tratando de crianas sem problemas nesta rea, os produtos capilares podem ser os mesmo utilizados pelos adultos?

Vamos comear com os mais bsicos: shampoos e condicionadores. Como os cabelos infantis, geralmente so virgens de tratamentos qumicos, e como as crianas no produzem a mesma quantidade de sebo que os adultos, uma vez que no tm os estmulos hormonais, os shampoos e condicionadores devem levar em considerao estes dois fatores.

Houve um momento quando os shampoos infantis eram fabricados com substncias anfteras, que no ardiam nos olhos, mas, descobriu-se que, ao invs de ser um benefcio, este atributo podia ser uma fonte de agresso a crnea, uma vez que no havia o ardor e a dor como fatores de afastamento do agente agressor.

Com relao a tinturas e colorantes, o nosso entendimento que s deveriam ser utilizados, muito eventualmente, os que se sobrepem a cutcula, uma vez que agentes mais agressivos podem danificar a cutcula definitivamente.

Com relao aos modificadores do formato da haste somos frontalmente contra a sua utilizao em menores de 12 anos. Na adolescncia, com ressalvas.

Gis, mousses e produtos de estilo podem ser utilizados sem problema, uma vez que, ficam apostos na haste. O nico risco seria, como em todos os outros, o da dermatite de contato quando estes produtos atingirem a pele ou mucosas.

Mais do que em relao aos produtos para adultos, os produtos infantis devem se reger pela parcimnia, na qual o adgio menos mais e sempre valioso.



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos