Mercado

Um pouco mais de Dieese

Julho/Agosto 2020

Carlos Alberto Pacheco

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Carlos Alberto Pacheco

O Dieese (Departamento Intersindical de Estatstica e Estudos Socioeconmicos), como o nome indica, mantido e dirigido h mais de 60 anos pelos diversos sindicatos da federao. O art. 3 de seu estatuto, entre os objetivos, preconiza a realizao de estudos, pesquisas e atividades de educao, produo e difuso de conhecimento e informao sobre o trabalho em um contexto multidisciplinar, tendo como instrumento de anlise o mtodo cientfico, a servio dos interesses da classe trabalhadora, sem prejuzo da diversidade das posies e enfoques sindicais. Ao longo de sua histria, a instituio providenciou dados estatsticos interessantes para os que precisam correlacionar variveis de mercado com o fim de estabelecer estratgias de colocao de produtos em uma regio to continental como o Brasil.

Entre os dados disponibilizados pela instituio, gostaria de destacar o valor da cesta bsica de alimentos.

A composio da cesta bsica definida pelo Decreto-Lei n 399, de 30/4/1938 (republicado em 24/5/1938 e ainda vigente), que tem como escopo aprovar o regulamento para execuo da Lei n 185, de 14/1/1936, que institui as Comisses de Salrio Mnimo, publicado no Dirio Oficial de 17/5/1938 pelo ento Presidente Getlio Vargas.

No art. 6 encontra-se a seguinte disposio: O salrio mnimo ser determinado pela frmula Sm = a + b + c + d + e, em que a, b, c, d e e representam, respectivamente, o valor das despesas dirias com alimentao, habitao, vesturio, higiene e transporte necessrios vida de um trabalhador adulto e, no quadro V , h a definio dos treze itens e quantidades por regio que compem as despesas dirias de alimentao (Ex.: 4,5kg/trabalhador/ms de feijo para o territrio nacional).

A partir de janeiro de 2016, mensalmente o Dieese passou a pesquisar estes itens nas 27 capitais da federao e avaliar o impacto deste custo na populao que ganha entre um a trs salrios mnimos. A pesquisa considera vrios tipos de locais de aquisio dos itens, que vo desde vendedores ambulantes at supermercados, passando por emprios, mercearias, feiras livres, padarias, aougues etc.

O que podemos fazer com estes dados? Vrias coisas. Avaliando-se os dados do perodo entre abril/2017 e maro/2020 (3 anos), percebe-se uma correlao superior a 80% entre o valor da cesta bsica alimentar paulista e outras dez capitais da federao.

Por exemplo, com esta simples anlise de correlao, nota-se que 92,7% dos pontos da correlao entre o valor da cesta paulista e carioca so explicados pela equao da reta (y = 1,0224*x 18,6564), com 95% de intervalo de confiana. Da equao podemos avaliar que, a cada R$ 1,00 acrescido no valor da cesta em So Paulo, haver um decrscimo de R$ 17,63 no valor da cesta no Rio de Janeiro para os assalariados que ganham entre 1 a 3 salrios mnimos. O mesmo pode ser feito para outras capitais. Esta anlise poder ajud-lo a ver como o aumento ou a diminuio do valor da cesta poder concorrer com o valor destinado compra de outros produtos (por exemplo, cosmticos e produtos de higiene) levando em conta que a prioridade de consumo dada a itens de alimentao.

Outra anlise que se pode fazer entender quanto do salrio mnimo comprometido para a aquisio da cesta bsica. Na capital paulista, nos meses de maro a junho de 2019, mais de 50% do salrio mnimo foi comprometido para este fim. Fenmeno semelhante ocorreu em dezembro ltimo.

Uma anlise semelhante anterior pode ser feita, substituindo-se a varivel salrio mnimo por rendimento mdio do trabalho principal, que considera a renda das famlias. Considerando-se a renda familiar paulista em dezembro de 2019, verifica-se que a cesta bsica paulista comprometia 17,4% da renda familiar.

Outros cruzamentos podem ser desenhados, e h muito mais a ser explorado nos estudos do Dieese. Eles indicam que, para atender a premissa estabelecida no art. 6 do Decreto-Lei n 399, o salrio mnimo deveria ser 4,4 vezes maior que o atual, ou seja, R$ 4.562,60 realidade muito distante do atual quadro econmico nacional, considerando que 60% da fora de trabalho ainda ganha menos de um salrio mnimo mensal (IBGE-PNADC).



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos