Gesto em P&D

Certo ou errado?

Setembro/Outubro 2019

Wallace Magalhães

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Wallace Magalhães

Existem, basicamente, trs maneiras, ou seja, trs jeitos de realizar uma mesma tarefa. O jeito certo, o errado e o mais ou menos.

Quando algum realiza uma tarefa, vai se encaixar em uma destas trs classes. Pode parecer simplista, mas s existem estas trs. assim em todas as atividades, independentemente de sua natureza ou complexidade. Obviamente, tambm assim no P&D. E razovel imaginar que empresas e pessoas inclusive especialistas - que fazem do jeito certo so os que tm maior valor. Por isso, muito importante se avaliar constantemente.

Para comear, preciso ter em mente que a definio de certo e errado tem a ver com o momento. O jeito certo de ontem no , obrigatoriamente, o jeito certo de hoje. E esta uma grande armadilha, principalmente em uma situao como a atual, em que tudo se transforma em alta velocidade. No ambiente corporativo ou tecnolgico, aquela histria de j fazemos assim h muito tempo ou sempre fizemos assim e deu certo normalmente fica fora de propsito, principalmente porque denota acomodao, o que altamente temerrio e at dramtico em tempos de grandes mudanas, principalmente se envolve mercado.

Considerando especificamente o P&D e eliminando o fator pessoal, os principais elementos que determinam se uma tarefa est sendo feita do jeito certo so a tecnologia, as normas regulatrias e a coerncia com o mercado. Em tecnologia, temos que considerar primeiramente capacidade de obter, interpretar, processar, gerar e armazenar informao. Se isto no estiver bem equacionado, haver naturalmente perda de eficincia, alongamento de prazos, perda de dados e at inconsistncia regulatria. Isto significa aumento de custo e pode gerar perda dos valores investidos no trabalho. Muitas vezes, este requisito negligenciado at pelos tcnicos. Ainda sobre tecnologia, devem ser avaliados tanto os recursos disponveis, como tambm a atualidade e adequao dos procedimentos e protocolos adotados. Recursos insuficientes e protocolos ultrapassados reduzem ou at eliminam a possibilidade de acerto. Em um mercado competitivo, se no houver meios para avaliar todos os atributos do produto e comparar com os existentes no mercado, as chances de sucesso ficam muito reduzidas. Para fazer certo, tem que haver investimento em recursos e ter tempo para desenvolver e aprimorar protocolos. Sobrecarga operacional no P&D um jeito errado.

Outro fator determinante da correo de uma tarefa no P&D a legislao, principalmente a sanitria. Um exemplo icnico ocorreu em 2005, quando a Anvisa criou a obrigatoriedade de elaborar o dossi de produto. Alm de facilitar aes de uma auditoria, a ideia bsica deve ter sido orientar o processo de desenvolvimento de forma a abordar todos os pontos tecnicamente relevantes. Assim, o dossi deve ser montado medida que o trabalho vai avanando. O que estranho que, at hoje, quase quinze anos depois, existem empresas e tcnicos que ainda no adotam esta prtica e no tm estas informaes dispostas de acordo com a norma, hoje especificada no Anexo III da RDC 288/19. E a desculpa que, se a fiscalizao pedir, o dossi ser montado. O equvoco que a norma j exigiu que estivesse montado. E o que na prtica acontece que quem adota esta conduta normalmente no tem todos os dados necessrios. A vira um corre-corre, com perda de tempo, aumento de custo e risco de penalidade. Definitivamente, no o jeito certo.

E, por fim, o fator mercado. Alm da capacidade de compra, tm que ser levadas em conta as expectativas e as reais necessidades dos consumidores. Isto no pode ficar restrito a dados tericos e nem ao discurso de marketing. Alm de estabilidade e segurana estudos obrigatrios , o certo fazer avaliao de eficcia mesmo nos casos em que no h exigncia. Esta etapa um desafio, principalmente em produtos para a pele, em que os modelos alternativos podem no ser facilmente aplicveis, e por causa da Resoluo 466/12 do Conselho Nacional de Sade. Mas alternativas existem e devem ser pesquisadas.

E o jeito mais ou menos? Este o mais perigoso de todos. Ele pode parecer certo e ser, na verdade, totalmente errado. Conseguir desenvolver um produto de custo adequado, estvel, de tima aparncia, de sensorial agradvel, com ingredientes nas concentraes permitidas, mas sem cumprir todo um protocolo tcnico e sem atender integralmente a todas as exigncias da legislao , na melhor das hipteses, o jeito mais ou menos no P&D.



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos