Boas Prticas

Reflexão sobre comportamento e qualidade

Maro/Abril 2011

Carlos Alberto Trevisan

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Carlos Alberto Trevisan

Ultimamente, tenho sido convidado para proferir palestras sobre temas relativos determinados comportamentos das pessoas, que as impedem de colaborar efetivamente na implantao dos conceitos de Qualidade definidos pelas empresas nas quais trabalham.

Minha experincia profissional de vrios anos, em implantar processos da Qualidade, tem me sugerido que o desconhecimento das causas da no participao de colaboradores no processo de tamanha magnitude que, em primeira anlise, parece impossvel mudar esse quadro.

A implantao de um processo da Qualidade implica energizar os colaboradores, fazendo que eles apliquem, em suas atividades, no somente suas capacidades, mas tambm, e principalmente, paixo e iniciativa.

Para que isso acontea, necessrio pesquisar qual o objetivo do colaborador, no necessariamente o pecunirio ou o de interesse individual, responsvel por criar o comprometimento.

Devemos considerar que as pessoas precisam encontrar sentido no que fazem, ou seja, elas necessitam ter autonomia, ter a sensao de pertencer equipe e, portanto, de serem confiveis.

Devemos considerar que existe a necessidade de se encontrar um sentido maior para aquilo que se faz. Podemos dizer que o comportamento da boiada, ou seja, seguir sempre as mesmas trilhas, faz que as coisas percam o significado.

Um fato incontestvel que, em sua grande maioria, as pessoas so adaptveis. O talento para inovar natural nas pessoas. Contudo, na rotina do trabalho, parece existir uma atitude de desvinculao das nossas caractersticas humanas com o que se faz, o que resulta na ausncia de atitudes e em comportamentos menos participativos na implantao dos processos.

Nas empresas, segue-se o conceito de somente dar importncia eficincia e produtividade; o restante considerado sem importncia.

importante lembrar que as equipes desempenham papel fundamental e no existem equipes sem lderes. Porm, deve-se considerar que os prprios lderes no esto imunes a essa dinmica.

Os lderes, quando se sentem ameaados, tambm reagem. Entretanto, suas reaes repercutem mais intensamente, pois so captadas por um maior nmero de pessoas da empresa.

O lder que conhece a si prprio transmite segurana em momentos de grandes incertezas, proporcionando condies aos colaboradores de se manterem centrados em seu trabalho.

Com a mudana de seu comportamento, o lder consegue desanuviar o ambiente e criar condies para o desenvolvimento motivacional da criatividade.

Deve-se ressaltar que a implantao do processo da Qualidade necessita de intensivo compartilhamento de informaes, que descrevam as expectativas futuras da empresa com sua implantao e o impacto desta nos colaboradores da empresa.

Por menor que seja o volume de informaes disponveis no incio do processo, recomenda-se que medida que novas informaes surjam, estas sejam transmitidas imediatamente aos colaboradores.

Para o bom desempenho do processo da Qualidade fundamental haver transparncia na comunicao, para assim ser iniciado um relacionamento com credibilidade.

O que deve ser evitado, a qualquer preo, que se estabelea a sensao de que no se sabe o que vai acontecer, o que poderia ser extremamente debilitante, pois afastaria as pessoas do momento presente devido sua incerteza em relao ao futuro.



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos