Tricologia

Shampoos e preservantes

Julho/Agosto 2009

Valcinir Bedin

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Valcinir Bedin

Entende-se por preservantes as substncias que, adicionadas como ingredientes aos produtos cosmticos, tm a finalidade principal de inibir o desenvolvimento de microrganismos nesses produtos.

Todos os cosmticos necessitam de preservantes capazes de reduzir a carga microbiana em nveis aceitveis durante o tempo de uso, no prazo de validade. Os preservantes devem apresentar atividade antimicrobiana efetiva, sendo seletivamente txicos e eficazes contra bactrias, fungos e leveduras.

Essas substncias podem igualmente ser adicionadas aos produtos cosmticos, noutras concentraes que no as previstas como preservantes, para outros fins especficos que se destaquem da apresentao do produto cosmtico, como, por exemplo, desodorizantes nos sabonetes ou agentes anticaspa nos shampoos. Outras substncias utilizadas na frmula dos produtos cosmticos podem possuir propriedades antimicrobianas, podendo, por esse fato, contribuir para a conservao desses produtos, como, por exemplo, numerosos leos essenciais e alguns lcoois.

Para se ter uma idia da importncia do assunto, em janeiro de 2008, cinco pacientes de um hospital em Barcelona foram infectados pela bactria Burkholderia cepacia, encontrada em um leite hidratante utilizado em seus tratamentos aps a higienizao. Os investigadores descobriram que os produtos foram contaminados por ineficcia do sistema preservante.

O problema o preservante ser considerado o segundo responsvel (perde s para a fragrncia) pelas manifestaes cutneas adversas. Devido s suas caractersticas intrnsecas, por conta da sua origem sinttica, podem apresentar reaes ao usurio, tais como irritao total, dermatite de contato, hipersensibilidade e outras. Atendendo s expectativas do mercado de cosmticos, que busca formulaes com menor potencial de toxicidade, diminuindo a incidncia de irritao e alergia, foram desenvolvidas muitas pesquisas quanto eficcia de uso de preservantes de origem vegetal. A planta Rubus rosaefolius (Roscea), conhecida popularmente como morango silvestre ou amora-do-mato, uma das fontes naturais que est sendo pesquisada atualmente.

Como os shampoos tm grande volume de gua em sua formulao, so mais susceptveis contaminao microbiolgica e, por essa razo, utilizam preservantes, entre eles, os steres do cido phidrxibenzico (os parabenos).

Um trabalho relata que os preservantes da famlia dos parabenos apresentam propriedades estrognicas, ou seja, comportam-se como se fossem o hormnio feminino, o estrognio. A notcia publicada no peridico americano (J of Applied Toxicology 24:513, 2004) despertou interesse dos consumidores e dos cientistas de todo o mundo, obrigando os fabricantes a repensarem urgentemente as formulaes e a investir massivamente em pesquisas.

Em outra oportunidade, outro journal publicou que o uso de parabenos em produtos cosmticos destinados aplicao na rea axilar (como desodorizantes, por exemplo) deve ser reavaliado, pois estudos recentes levantaram a hiptese (ainda especulada) de que o uso continuado nessa regio pode estar associado ao aumento da incidncia de cncer de mama (Int Journal of Toxicology 27:1-82, 2008). Isso alarmante, pois enorme a utilizao desses cosmticos por gestantes, lactantes, crianas e pacientes sob tratamentos diversos como o cncer, reposies hormonais e terapias crnicas.

Hoje, o mercado possui preservantes naturais, ou mais modernos que, at o momento, demonstraram segurana, permitindo aos pesquisadores o desenvolvimento de formulaes mais seguras.

Longe de criar polmica, o intuito de se levantar hipteses, que obviamente precisam ser confirmadas, obrigao de todos os que trabalham na rea cosmtica.



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos