Temas Dermatolgicos

Fotodermatoses: doenças causadas ou agravadas pela radiação solar

Setembro/Outubro 2017

Denise Steiner

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Denise Steiner

As fotodermatoses de causa exgena incluem a fototoxia, a fotoalergia e a exacerbao ou induo de doenas sistmicas (tais como o lpus eritematoso, a porfiria e a pelagra), em que a fotossensibilidade uma manifestao clnica proeminente. Entre os frmacos capazes de produzir reaes fototxicas, esto includos os psoralenos, porfirinas, alcatro de carvo, antibiticos e anti-inflamatrios no-esteroidais (AINEs), enquanto entre os responsveis pela fotoalergia esto antibiticos tpicos, fragrncias, filtros solares e AINEs, alm de diversas plantas e medicaes psiquitricas. As reaes fototxicas tm uma incidncia muito superior s fotoalrgicas: os espectros de ao para a maioria das fototoxinas e dos fotoalergnicos esto localizados na faixa das radiaes UV-A, motivo pelo qual so fundamentais o desenvolvimento e a aplicao de fotoprotetores que protejam a pele precisamente contra esse espectro de radiaes.

A fotossensibilizao pode ser definida como o uso de uma substncia que absorve uma determinada faixa de radiao especfica (chamada de fotossensibilizante), produzindo a modificao de um outro componente (chamado de substrato) pela ao desta radiao e induzindo, consequentemente, uma reao diante de uma radiao que normalmente seria incua. A fotossensibilizao geralmente devida a produtos qumicos exgenos, mas em determinados casos produzem-se fotodermatoses idiopticas, de mecanismos muito menos conhecidos, entre as quais se incluem a erupo polimorfa lumnica e suas variantes, a urticria solar e a dermatite actnica crnica. H poucos dados acerca da incidncia relativa ou absoluta destas fotodermatoses.

Em um estudo realizado no Centro Mdico de Veteranos de Nova York, foram avaliados 203 pacientes com fotossensibilidade, durante um perodo mdio de 7,3 anos (idade mdia de 50 anos, sendo 63% dos participantes do sexo feminino). Os diagnsticos mais frequentes foram erupo polimorfa lumnica (26%), dermatite actnica crnica (17%), dermatite de contato fotoalrgica (8%), fototoxicidade sistmica a agentes teraputicos (7%) e urticria solar (4%). Os alergnicos e fotoalergnicos clinicamente relevantes, identificados com maior frequncia, foram os fotoprotetores, as fragrncias e os agentes antimicrobianos.

Nas crianas, a maioria das fotodermatoses tem um mecanismo fototxico, sendo as manifestaes mais frequentes, entre as de causas exgenas, a queimadura solar e as fito-fotodermatites. Neste grupo etrio, preciso considerar as porfirias, especialmente a porfiria eritropoitica e a porfiria cutnea tardia, os albinismos e o vitiligo, os transtornos de reparao celular do DNA (xerodermia pigmentosa, sndrome de Bloom, sndrome de Cockayne, sndrome de Rothmund-Thompson), os transtornos do metabolismo do triptofano, a erupo polimorfa lumnica com suas variantes e a Hidroa vacciniforme, com sua possvel variante, o prurido estival.

A erupo polimorfa luz, as porfirias e determinadas fotodermatoses idiopticas com resposta patolgica luz visvel demandam a utilizao de fotoprotetores eficazes contra o espectro da luz visvel, os quais geralmente requerem a incorporao de filtros fsicos na forma de sais metlicos micronizados. A adio de dixido de titnio microfino proporciona um grau de proteo superior contra a luz visvel e as radiaes UV-A em relao aos fotoprotetores qumicos eficazes contra os raios UV-A e UV-B (6). A adio de um agente capaz de absorver a luz visvel, como o xido de ferro, aos filtros fsicos com ao de disperso tem um efeito sinrgico; por outro lado, a adio de pigmentos aos fotoprotetores fsicos incrementa tanto a fotoproteo quanto a sua aceitabilidade cosmtica.

Filtro solar um produto cuja formulao ter ingredientes capazes de proteger a pele do sol. Existem dois tipos de filtros solares: o filtro qumico e o filtro fsico. O primeiro interage quimicamente com a radiao ultravioleta e a transforma em calor. O segundo protege por meio de uma barreira, promovendo o reflexo dos raios ultravioleta. Os filtros tambm podem ter outros princpios ativos como: hidratantes, vitaminas antioxidantes e clareadores. O filtro tambm pode ter vrios veculos diferentes, como pomadas, cremes, gis e loes, que vo ser indicados conforme o tipo de pele.

H inmeros princpios ativos que so utilizados nos filtros solares, como: cido aminobenzona, avobenzona, octil metoxicinamato, xido benzona, xido de zinco e dixido de titnio. H muita controvrsia a respeito da absoro das substncias qumicas dos filtros solares pela pele.

Estes assim, como outros temas relacionados ao filtro solar, tm que ser esclarecidos.

Hoje, a proteo solar fundamental para proteger a pele dos danos relacionados acima.

Otimizar essa capacidade, criando formulaes completas e estveis, a meta principal para proteger e preservar a pele de forma completa.



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Caro Florindo, Fico muito gratificada com o recebimento de seu comentrio to gentil e estimulante para que continue escrevendo artigos cientficos. Pode ter certeza que irei divulgar o tema o mximo possvel. Atenciosamente Denise Steiner

por Denise Steiner 17/10/2017 - 17:39

Novos Produtos