Tricologia

Podemos tratar um adulto como uma criança, mas não o inverso

Maro/Abril 2017

Valcinir Bedin

colunistas@tecnopress-editora.com.br

Valcinir Bedin

Quando se trata de cuidados mdicos ou gerais, existe um dogma que diz que podemos tratar um adulto como se fosse uma criana mas nunca o inverso! Fala-se isso em relao a drogas, posologias e formas de apresentao.

Quando falamos de cabelos, isso no diferente. Apesar de eles serem estruturas sem atividade fisiolgica intensa e de os cabelos das crianas no serem muito diferentes dos cabelos dos adultos, alguns cuidados so bem diferentes.

Os pelos corporais comeam a se formar a partir do quarto ms da gestao e, na vigsima segunda semana, todos eles j esto formados. nesse momento que temos a maior quantidade de pelos no corpo. A partir da, ocorre seu amadurecimento, mas sua quantidade vai diminuindo no decorrer da vida.

A espessura dos cabelos aumenta at a vida adulta e, aps os 50 anos, ocorre uma diminuio da densidade, o que d a impresso de que h menos fios.

A cor dos cabelos das crianas mais clara do que ser na vida adulta. Isso ocorre porque a melanina na infncia est imatura e, portanto, mais clara. Entre os 6 e os 18 anos de idade, ocorre a transformao da cor, que vai ganhando mais fora, escurecendo os fios.

O formato dos fios de cabelo pode sofrer alterao devido interao hormonal. Assim, uma criana pode ter fios lisos at a adolescncia e, a partir da, eles podem comear a ficar cacheados ou ondulados. Isso tambm pode ocorrer em situaes nas quais exista uma alterao hormonal intensa, como na gravidez, por exemplo.

Naturalmente, o cabelo tende a ser mais fino e macio durante a infncia, como resultado da ausncia de uma medula na estrutura capilar.

Os fios de cabelo so mais arredondados e, conforme as crianas crescem, eles tendem a ficar mais achatados. Com o aumento da idade, a medula, o ncleo central do cabelo, vai se desenvolvendo e fazendo com que o cabelo fique mais grosso com o passar dos anos.

A estrutura qumica e proteica dos fios no se altera da infncia para a vida adulta, e dados como velocidade de crescimento no podem ser atribudos a eventos ocorridos nos primeiros anos de vida, como se ouve eventualmente. H casos de crescimento vagaroso que so atribudos a cortes ou acidentes com os cabelos ocorridos nos primeiros anos de vida.

O que existe sim uma diferena no couro cabeludo das crianas em relao ao couro cabeludo dos adultos. Os primeiros so mais sensveis a agresses e tm a sua composio do manto hidrolipdico diferente da dos adultos. As crianas apresentam menos secrees de sebo que os jovens e adultos, o que significa que no h necessidade de lavar todos os dias a cabea. Alm disso, o sebo presente quimicamente diferente: nas crianas, colesterol e steres de colesterol esto em nveis mais elevados, enquanto esqualeno, cidos graxos livres e steres esto em nveis mais baixos. As diferenas so, sem dvida, relacionadas a efeitos hormonais.

Na adolescncia, existe um despertar dos hormnios e h uma quantidade maior de leo no couro cabeludo.

Portanto, cada fase deve ter o seu conjunto de produtos especficos.

Como vimos, as crianas tm menos secrees sebceas que os adultos e, por isso, shampoos com alto poder de detergncia, que contm sulfatos, fazem uma limpeza mais intensa, deixando os cabelos mais ressecados e o couro cabeludo sensibilizado.

Alm disso, h diferenas na composio qumica. Nos shampoos para adultos, a faixa de pH est entre 5,5 6,5, o que pode ser irritante para os olhos e o couro cabeludo infantil.

Os shampoos e condicionadores com pH na faixa de 7,0 8,5 evitam a irritao dos olhos e a limpeza excessiva do couro cabeludo, sendo, portanto, mais indicados para bebs e crianas pequenas, que no entenderiam a ordem de manter os olhos fechados.

Caso seja necessrio o uso de condicionador, ele deve ser aplicado por um adulto, para que no haja o risco de excesso de produto nos cabelos.

A frequncia ideal de lavagem dos cabelos em dias alternados, para que eles se mantenham limpos e, ao mesmo tempo, no se retire o manto hidrolipdico necessrio homeostase desta regio.

Um estudo da Sociedade Brasileira do Cabelo mostrou que a idade em que as meninas brasileiras comeam a fazer tratamentos qumicos nos cabelos de 9 anos!

No preciso ser nenhum expert para perceber que muito cedo para se alterar as estruturas dos fios de cabelo, mas isso ocorre na prtica.

Estimuladas pela mdia e sem condies de avaliar que uma das vantagens de ser brasileiro a diversidade racial, estas crianas acabam por exigir dos seus pais condutas que nem sempre so para o seu bem.

O que devemos fazer, como profissionais conscientes da nossa responsabilidade, alertar, especialmente os pais e responsveis por estas crianas, de que h uma idade adequada para tudo e de que mexer dessa maneira nos cabelos e, eventualmente, no couro cabeludo, no a atitude mais saudvel que podemos ter.



Outros Colunistas:

Deixe seu comentário

código captcha

Seja o Primeiro a comentar

Novos Produtos