Cosmticos para Esportistas

Erica Franquilino

A força do movimento

Intensidade e duração

Alta performance

Matérias-primas

Segurança e eficácia

Efeitos biológicos

 

Edição Temática Digital - Março de 2022 - Nº 71 - Ano 17

 

 

A força do movimento

 

Manter a saúde mental foi o principal motivo apontado para a prática de atividades físicas entre os entrevistados de uma pesquisa feita pela Asics no Brasil, em 2021. Esse benefício foi mencionado por 66% das pessoas. O equilíbrio entre corpo e mente faz do esporte uma ferramenta de transformação. Enquanto mais e mais pessoas descobrem isso, cabelos são danificados pelo cloro, bolhas surgem nos pés, e o atrito com a roupa castiga a pele. A indústria aperta o passo para atender a essas e outras necessidades.

 

Em novembro de 2020, o Google realizou um estudo com dois mil brasileiros para entender a relação dessas pessoas com a prática de atividades esportivas em meio à pandemia. As informações foram combinadas às modalidades e práticas esportivas mais pesquisadas no sistema de busca do Google, bem como a dados de comportamento no YouTube e a pesquisas realizadas pela consultoria Sport Track, nos anos de 2006 a 2020.

 

Entre março e novembro de 2020, dobraram as buscas por exercícios em casa. Também houve aumento no interesse por ciclismo (144%) e natação (230%). De acordo com o estudo, 39% do público entrevistado declarou ter começado a praticar um esporte novo no período. A porcentagem dos que declararam praticar esportes cresceu de 58% em 2018 para 69% em 2020.

 

A pesquisa da Asics, que abre essa reportagem, também traz dados sobre a intenção de realizar atividades físicas no pós-pandemia. O estudo foi realizado com base na opinião de sete profissionais do esporte e de entrevistas on-line com 812 brasileiros de todas as regiões do país – 51% mulheres e 49% homens.

 

Caminhadas e corridas ao ar livre são as atividades mais praticadas (57%), sobretudo pelos homens (41%) e os mais velhos (61% com 55 anos ou mais, entre homens e mulheres). No público de 18 a 24 anos, a preferência é pela musculação em casa, opção mencionada por 21% das pessoas desse grupo. A intenção da maioria que já pratica um esporte é intensificar esse hábito após a pandemia (63%). Essa tendência é mais forte entre os jovens de 18 a 24 anos (70%).

 

 

Intensidade e duração

 

Há uma diferença relevante entre os termos “atividade física” e “exercício físico”. No primeiro, ocorre a transição do repouso para a atividade, com alteração do funcionamento do corpo, mas sem um objetivo preestabelecido. No exercício físico, existe uma meta a ser cumprida, o que demanda controle de variáveis como volume, intensidade e duração.

 

A fisiologia do exercício é o estudo das adaptações agudas (rápidas) e crônicas (em longo prazo) que o corpo precisa fazer em resposta a qualquer tipo de atividade física, realizada em diferentes temperaturas e altitudes, dentre outras condições ambientais. Fisiologistas são essenciais na preparação de atletas de alta performance, ao lado de fisiatras, psicólogos e outros profissionais.

 

Basicamente, o desempenho esportivo de uma pessoa está relacionado a sua aptidão física: a capacidade que um indivíduo tem de satisfazer as exigências de uma tarefa específica. A aptidão física é composta por elementos de aptidão aeróbia (resistência à longa duração) e anaeróbia (resistência de curta duração), bem como força muscular e flexibilidade. Todas as pessoas usam um ou mais desses elementos de aptidão em suas práticas esportivas.

 

A intensidade da atividade pode ser leve, moderada ou intensa, e a duração se divide em curta, média ou longa. Há uma inter-relação entre duração e intensidade: atividades muito intensas tendem a durar menos, e as duradouras precisam ser menos intensas.

 

Quando o corpo está em movimento, o organismo busca, prioritariamente, obter energia para conseguir manter o esforço realizado. Durante o movimento, o músculo usa adenosina trifosfato (ATP) como fonte de energia, para contração ou relaxamento.

 

A quantidade de ATP presente no organismo é muito pequena, sufi ciente apenas para alguns segundos de contração muscular. O organismo, por sua vez, tem a capacidade de ressintetizar o ATP. Essa ressíntese acontece por meio de diversas reservas de substâncias existentes no corpo, como fosfocreatina, glicose e triglicérides. O que determinará qual será a fonte de energia predominante para o fornecimento de ATP será a intensidade e a duração do exercício.

 

Caminhada, corrida, ciclismo e natação são exemplos de exercícios aeróbios, nos quais o oxigênio funciona como fonte de queima dos substratos que produzirão a energia transportada para os músculos que estão em atividade. Trata-se de um exercício de longa duração, contínuo e de baixa ou moderada intensidade, no qual vários grupos musculares são utilizados ao mesmo tempo. O exercício aeróbio aumenta a capacidade cardíaca e pulmonar para suprir de energia o músculo, a partir do consumo do oxigênio.

 

O exercício anaeróbio utiliza uma forma de energia que não depende do uso de oxigênio. É um exercício de alta intensidade, realizado por um número limitado de músculos e de curta duração. São exemplos os exercícios de velocidade com ou sem carga; corridas de 100 metros rasos; saltos e arremesso de peso; exercícios de força, como pilates; e exercícios resistidos com peso, como a musculação.

 

 

Alta performance

 

A indústria de produtos voltados ao esporte é diversificada, abrangendo calçados, roupas, suplementos alimentares, medicamentos, equipamentos, acessórios... Grandes marcas de cosméticos têm criado linhas específicas para esse mercado, e outras já nasceram com o esporte no DNA.

 

Criada em 2013, a Pink Cheeks oferece uma linha de produtos de alta performance para a prática de esportes, aliando tecnologia, “matérias-primas de alta efi cácia e muita expertise”, afirma Corina Godoy Cunha, farmacêutica e co-fundadora da empresa criada por três amigas adeptas de corridas. O portfólio é dividido nas categorias: protetor solar, antiatrito, maquiagem, capilar e outros cuidados. A categoria de maior destaque é a de proteção solar.

 

A trajetória ascendente sofreu o impacto da queda drástica das vendas nos primeiros meses da pandemia, “o que nos trouxe vulnerabilidade e incertezas”. “Foi necessário ter muita prudência e organização. Tivemos medo de perder colaboradores e a força da marca. Com muito foco e dedicação, conseguimos passar por esse período com resultados positivos e nos estabilizar. Hoje a Pink Cheeks está em crescimento, e temos expectativas muito otimistas para os projetos e novidades de 2022”, comenta.

 

Os últimos lançamentos da Pink Cheeks são o Clear Stick Full Protection, a linha Speedo e o Corretivo Sport Makeup by Bia Neres. Em formato bastão, o protetor solar tem FPS 70 e FPUVA 50 e oferece cobertura completamente transparente, sem deixar resíduo branco quando aplicado na pele. O produto é altamente resistente à água e ao suor.

 

“A grande marca Speedo Multisport, assim como nós, prioriza qualidade, conforto, tecnologia e inovação em seus produtos. Compartilhamos dos mesmos propósitos: proteger e acompanhar o movimento de diversas modalidades esportivas, no sol e na chuva, dentro ou fora, antes-durante-depois. Por isso nos unimos, para inspirar o movimento”, diz.

 

Os produtos da linha Speedo são: Filtro Solar FPS 96 e FPUVA 60, que não escorre e não arde os olhos; Antiassaduras em Bastão, que ajuda a diminuir o atrito e previne assaduras na pele em contato com tecidos e acessórios; e Anti Shock Swim, leave-in que protege os fios dos danos causados por agentes como cloro, mar, sol e suor.

 

“Assinado pela campeã brasileira de triathlon Bia Neres, o corretivo da linha Sport Makeup tem alto fator de proteção, FPS 40 e FPUVA 30, devido aos filtros solares nobres químicos e físico”, menciona. A formulação é enriquecida com vitamina E, nitreto de boro e derivado de vitamina C. O produto está disponível em três tonalidades.

 

Em 2021, a Rexona fez a maior reformulação dos últimos 10 anos em seu portfólio de antitranspirantes regulares, com uma tecnologia exclusiva que permite entregar 72 horas de proteção, ativada pelo movimento.

 

“As partículas menores e mais estáveis da nova formulação criam uma barreira de proteção mais resistente contra o suor e o mau odor. A cada sinal de movimento, as cápsulas de perfume se rompem, liberando proteção extra e fragrância. A mudança chegou para revolucionar a categoria, uma vez que a maioria dos produtos no mercado oferece 48 horas de proteção”, afirma Andreza Graner, gerente de marketing de Rexona no Brasil.

 

A linha Rexona Clinical Aerosol promete três vezes mais proteção do que os antitranspirantes comuns, mesmo em situações de suor extremo. “Em uma pesquisa feita recentemente no Brasil, 9 em cada 10 consumidores concordaram que Rexona Clinical Aerosol oferece o melhor nível de proteção contra o suor”, cita.

 

A marca da Unilever reafirma seu propósito de inspirar o movimento, para uma vida melhor e mais saudável. “No entanto, sabemos que grande parte da sociedade enfrenta barreiras estruturais e psicológicas para ter uma vida mais ativa”, comenta. O Projeto Rexona Quebrando Barreiras apoia crianças e adolescentes, especialmente aqueles que enfrentam maiores dificuldades para serem ativos, como jovens de periferias e pessoas com deficiência.

 

 

O projeto tem dois pilares estratégicos de atuação. O primeiro é focado em parcerias com ONGs que promovem inclusão social por meio do movimento físico, e o segundo consiste numa robusta grade de treinamentos projetados para mentores e professores, com o objetivo de proporcionar a eles as ferramentas de que precisam para continuar inspirando suas comunidades. Com lançamento inicial no Brasil, nos Estados Unidos e no Reino Unido, o programa deve ser estendido a outros mercados no decorrer de 2022.

 

 

“Pesquisas recentes apontam que a reclusão vivida durante parte da pandemia potencializou a vontade das pessoas de praticar atividades físicas e se desafiar em novos esportes. Essa demanda fortalece o mercado de antitranspirantes, por isso acreditamos que o cenário nos próximos anos é bastante positivo para a Rexona”, conclui.

 

 

 

Power Stay é uma linha de alta performance da Avon, com produtos de maquiagem que garantem longa duração, sem transferir, borrar ou escorrer. “É a opção ideal para pessoas que não dispensam a make enquanto praticam seu esporte. A jogadora de futebol Marta Silva, embaixadora da linha, usou o batom líquido Power Stay Roxeando pela primeira vez durante a Copa do Mundo Feminina, realizada na França, em 2019. O batom permaneceu intacto durante os 90 minutos de partida. Depois desse dia icônico, ela nunca mais jogou sem o Power Stay”, diz Juliana Barros, diretora de marketing da categoria Colors de Avon.

 

Entre os produtos da linha estão: caneta delineadora (resistente à água e com duração de até 24 horas); batom líquido (com duração de até 16 horas sem retoques); lip tint (com duração de até 10 horas); gel de sobrancelhas (com alta pigmentação, que resiste a suor, calor e umidade); e máscara de cílios (a tecnologia Color Lock associa colágeno, proteínas e aminoácidos, que envolvem os fios em uma formulação superpreta).

 

A linha ainda contempla a Base Líquida Power Stay, disponível em 20 tonalidades, que atendem à diversidade brasileira, com cobertura de média a alta. “A tecnologia ComforLast mantem os pigmentos no lugar e garante aparência de maquiagem recém-aplicada por até 24 horas, sem borrar, escorrer, craquelar, manchar ou transferir para a máscara de proteção, já que é à prova de umidade, calor e suor”, menciona.

 

O corretivo líquido, também formulado com a tecnologia ComforLast, resiste por até 18 horas e proporciona acabamento natural e confortável, que permite a construção de camadas de acordo com a necessidade.

 

“Esse é um mercado que está em crescimento exponencial e traz muitas oportunidades para as marcas de beleza. Afinal, maquiar-se é um ato de cuidado e que também está presente no dia a dia de quem pratica esportes. Consumidores têm se interessado por produtos tecnológicos e de alta performance, que resistem ao calor, à umidade e ao suor, por exemplo. Os amantes do esporte não precisam deixar a vaidade de lado para praticar exercícios físicos, que contribuem para o bem-estar e a qualidade de vida”, afirma.

 

O Boticário e a Track&Field fizeram uma parceria para atender às necessidades dos apaixonados por esportes e por maquiagem. Trata-se da linha Make B. Track&Field Unlimited, lançada em junho de 2021, que oferece um portfólio de maquiagens com proteção e ultra resistência em todas as modalidades de atividade física, até mesmo as aquáticas.

 

A linha contempla os itens: Make B. Track&Field Base Compacta Ultra Resistente, Balm Hidratante, Máscara de Cílios à prova d’agua 24h, Lápis Gel Ultra Resistente e Batom Líquido Ultra Tint.

 

Com FPS 100 e ação antioxidante, a base traz a tecnologia “drop force”, que forma uma película de extrema proteção e resistência, especialmente quando o produto entra contato com a água ou a transpiração.

 

“No processo de criação dessa linha, conversamos com variados perfis de consumidores e pesquisamos muito em meios digitais sobre os principais pedidos e queixas. Para o lançamento, buscamos parceria com uma marca que é expert no assunto e que compartilha de conceitos alinhados”, diz Mirele Agustinho Martinez, diretora da categoria de Maquiagem do Grupo Boticário.

 

 

 

 

 

 

Matérias-primas

 

Cosméticos formulados para esportistas e atletas precisam prevenir ou atenuar desconfortos que podem surgir durante a atividade física. É importante entregar benefícios como hidratação, resistência à água e auxílio no processo de cicatrização.

 

A exposição ao sol é um grande desafio para atletas que participam de provas de resistência. No caso dos triatletas, as etapas de natação, ciclismo e corrida acontecem em áreas descobertas. Os raios UVA são os principais produtores de radicais livres, que em longo prazo podem causar danos como manchas, flacidez e rugas.

 

A radiação UVA tem intensidade constante o ano todo, atingindo a pele – quase da mesma forma – durante o inverno e o verão. Por penetrar profundamente na pele, ela é a principal responsável pelo fotoenvelhecimento, tem participação significativa nas fotoalergias e predispõe a pele ao surgimento do câncer. Além de sensorial agradável, toque seco e boa resistência ao suor, filtros solares para a prática de esportes precisam entregar altíssima proteção.

 

Os produtos antiatrito, que englobam os antibolhas e os antiassaduras, devem proporcionar sensação de suavidade na região afetada, deslizando facilmente sobre a pele. A resistência à água durante todo o período de treino ou competição é um ponto crucial para atletas de um grande número de modalidades. A formação de filme e o deslizamento são fundamentais para minimizar o atrito da pele com a roupa ou com os acessórios.

 

“A crescente prática de esportes, alinhada com a vaidade, tem impulsionado o mercado cosmético a criar produtos versáteis, que proporcionem proteção, tratamento, longa duração e eficácia. A Kobo oferece produtos de alta performance para o desenvolvimento de cosméticos focados no público que busca alinhar alto rendimento em seus treinos aos produtos que usa no cotidiano”, comenta Jessica Ribeiro, analista de laboratório de aplicação da Kobo.

 

 

A Kobo apresenta uma seleção de pigmentos com diversos tipos de revestimentos, capazes de melhorar a sua hidrofobicidade e aumentar a compatibilidade com a pele, auxiliando na aderência e longa duração das formulações. “Além disso, os revestimentos de superfície ajudam a evitar aglomerados de pigmentos, que causam um sensorial ruim, aumentam sua molhabilidade e dispersibilidade e reduzem a atividade superficial, melhorando também a estabilidade”, aponta.

 

Para formulações que exigem conforto e longa duração, ela destaca o Koboguard 5400 NH. Trata-se de um polímero solúvel em óleo e disperso em um alcano de origem natural, que ajuda a melhorar a adesão da formulação cosmética à pele, aos cílios, aos cabelos e às unhas, melhorando a resistência à água e ao atrito, bem como a estabilidade do filme.

 

O ativo tem alta compatibilidade com hidrocarbonetos, óleos e ésteres e capacidade de conferir brilho e ajudar na suspensão de pigmentos. “Não tem odor e tem excelente estabilidade de cor, o que o torna um substituto ideal para resinas e seus homólogos”, diz.

 

Jessica menciona a adesão aos protetores solares com cor entre os praticantes de atividades físicas ao ar livre. Além da proteção contra os raios UV, eles conferem uniformidade à pele, sem deixar uma cobertura pesada. A Kobo oferece a formulação KFL-294A, um tinted sunscreen que funciona para todos os fototipos.

 

“Essa composição contém GCP45XZJ, uma dispersão natural de óxido de zinco não nano em Caprylic/Capric Triglyceride, que confere transparência à formulação e amplo espectro de proteção. O efeito tinted é obtido pelas dispersões GCG50TRSG e GCG50TYSG de óxidos de ferro transparentes”, explica.

 

Esses óxidos de ferro transparentes têm tamanhos de partículas menores do que os convencionais e oferecem cor com menor cobertura, minimizando o efeito branco e mantendo um acabamento natural na pele, “além de contribuírem para a proteção contra os raios UVA e UVB, dependendo da concentração utilizada, e serem muito versáteis por proporcionarem uma coloração ao produto que atende diversos tons de pele”.

 

Fernanda Soro, gerente sênior de marketing LATAM da Sensient, ressalta a importância do protetor solar em esportes outdoor. “O produto tem de oferecer longa duração, com formulação resistente à água e ao suor e que não derreta nem escorra nos olhos durante a atividade física.”

 

 

Para essas demandas, a Sensient oferece:

 

• Opções em filtros físicos de origem natural, como o UVR TiO2 (dióxido de titânio), indicado para peles sensíveis, e que, se submetido a tratamento, aumenta a resistência à água. “Dentre nossas tecnologias de tratamento de superfícies hidrofóbicas, sugerimos tanto a versão AS – Alkyl Silane, que se incorpora facilmente à formulação e apresenta excelente relação custo-benefício, como a versão natural BA- Botanical, obtida a partir de 100% de óleo de abacate orgânico, para uma ampla gama de formulações com alta carga de pigmento, mas com sensorial suave e leve”, diz.

 

• Formadores de filme naturais, como a opção Natpure Film GR, oriundo de árvores de pinheiro, que potencializa a resistência à água.

 

• Linha de sílicas naturais, como a Sensibead 175, que atua como “difusor ótico” para auxiliar no disfarce de rugas. O ativo também reduz a oleosidade e o aspecto brilhante da pele. “Essa sílica forma um filme efetivo que ajuda a prolongar a permanência do produto na pele, ao mesmo tempo em que promove sensorial leve e seco, evitando que o produto escorra com a transpiração”, aponta.

 

 

Fernanda destaca que adicionar cor ao protetor solar facial colabora para disfarçar imperfeições e proteger a pele contra a luz visível. “É aí que entram nossos óxidos de ferro (vermelho, preto e amarelo) e TiO2. Eles formam uma mistura que agrega cor ao tom da pele, fornecendo uma camada adicional de proteção, ao desviar a luz visível. É possível formulá-los em diversas tonalidades. Vale lembrar que, no caso de cútis pretas e pardas, que têm maior tendência à hiperpigmentação, a proteção contra a luz visível é essencial.”

 

Para composições em formato stick – que não suja as mãos e facilita a aplicação –, ela sugere o range Covalip, composto por um blend de ceras sem óleo de rícino. “Ele é totalmente estável para a formulação, oferece longa duração sem escorrer e um excelente pay-off”, diz.

 

Durante a atividade física, os fios ficam expostos aos raios solares por mais tempo, o que deteriora a fibra capilar e reduz sua proteção natural, acarretando em desidratação e oxidação dos pigmentos. “Os esportistas lavam os cabelos todos os dias, devido ao excesso de transpiração. Essa higienização frequente pode ressecá-los. Para sanar esse problema, a Sensient conta com o Sensishield, um fitoativo de proteção UV de cabelos tingidos”, cita.

 

A tecnologia tem propriedades antioxidantes advindas de polifenóis e cafeína, que combatem o ataque de radicais livres. A presença de catequinas específicas fornece proteção UV superior. “Testes recentes comprovaram.proteção contra sucessivas lavagens, além da melhora considerável na maciez dos fios”, acrescenta.

 

“O couro cabeludo também deve ser levado em consideração, pois a saúde dos fios começa por ele, e a lavagem frequente pode torná-lo mais sensível e ressecado”, afirma. O Sensishield Scalp é composto por ativos da folha Guayusa, obtidos pelo processo patenteado PhytoCleanTM, que utiliza 100% de água subcrítica para fitoquímicos de alta pureza e performance. Além de proteger o couro cabeludo, ele tem ação antioxidante e preserva a fibra capilar.

 

No que diz respeito aos nós que se formam em fios longos, a recomendação é o Natpure Feel M Eco, alternativa natural para a substituição do silicone e que proporciona forte efeito condicionante, sem pesar nos fios. O ativo ajuda no desembaraço, evitando danos mecânicos.

 

“Mesmo tomando todos os cuidados, às vezes não é possível evitar danos. Até porque, além da prática de esportes, existe uma série de outros fatores que interferem na saúde capilar. A Sensient tem uma tecnologia inovadora que restabelece a hidrofobicidade dos fios, aumenta a resistência mecânica e repara a cutícula, resultando em maciez e redução da quebra. Trata-se do Sensibiopro R”, destaca.

 

O Sensibiopro R é uma composição biomimética, obtida a partir da associação de aminoácidos provenientes de bionutrientes e de ácidos graxos de fontes vegetais. O efeito é potencializado pelo calor, o que torna essa tecnologia ideal para o desenvolvimento de produtos “termoativados”.

 

A relação entre cosméticos e esportes vai muito além da necessidade básica de proteção. “Nos últimos anos, os produtos voltados à beleza estão cada vez mais presentes em campeonatos esportivos. O que antes era improvável está mais presente no cotidiano: atletas femininas e cosméticos dentro da arena”, afirma Claudia Asano, analista de produtos da Volp.

 

A Volp e a parceira Mibelle Biochemistry apresentam o LipPerfection, ativo de origem vegetal para uso exclusivo na região dos lábios. Derivado do broto da mostarda, ele é capaz de aumentar o fluxo sanguíneo local, avolumando os lábios e deixando-os com uma aparência mais “viva”.

 

“Os lábios são muito mais sensíveis do que a pele. Com espessura mais fina e exposição contínua ao ambiente, eles podem se enfraquecer, ressecar e perder volume mais rapidamente que outras partes do corpo humano. Estudos indicam que, além de promover um aspecto mais carnudo e vermelho aos lábios, o LipPerfection é capaz de aumentar a hidratação em 10% em uma única aplicação, quando comparado a um placebo”, menciona.

 

Para os fios dos atletas, que tendem a ser mais sensibilizados, ele destaca o SantEnergy, da Mibelle Biochemistry. O ativo é rico em extratos polifenóis e atua como um poderoso antioxidante, protegendo o cabelo contra a ação das espécies reativas ao oxigênio. “Além disso, estudos mostram que o SantEnergy tem ação protetora contra os efeitos negativos provenientes da exposição aos raios UV, promovendo maior longevidade ao fio, que consequentemente torna-se mais saudável e volumoso”, completa.

 

 

Segurança e eficácia

 

“Durante a prática de esportes, é habitual o uso de cosméticos que cumprem desde as funções elementares de controle do suor, odor e proteção solar, até aquelas associadas aos cuidados estéticos com a pele e os cabelos. Para atender com eficiência esses atributos, várias técnicas estão disponíveis em nossos laboratórios”, diz Samara Eberlin, gerente técnica internacional do grupo Kosmoscience.

 

Para ação antitranspirante e/ou desodorante, é importante que o produto apresente proteção maximizada, para suportar a transpiração e a produção de odor resultante da atividade física intensa.

 

 

A avaliação do efeito antitranspirante é realizada de acordo com diretrizes preconizadas pelo FDA (Guidelines for Eff ectiveness Testing of OTC Antiperspirant Drug Products) e consiste na comparação entre produção de suor pela axila tratada e a axila controle, em uma sala climatizada.

 

Para a comprovação da ação desodorante, a empresa realiza uma avaliação sensorial olfativa, conhecida como “sniff test”, conforme a norma ASTM E1207-14 (Standard Guide for Sensory Evaluation of Deodorancy). Nesse ensaio, a intensidade do odor produzido pelas axilas é avaliada de forma subjetiva e classifi cada por uma escala de 0 a 10 pontos.

 

No que diz respeito à fotoproteção, é desejável que o produto apresente resistência a condições ambientais variadas. “Para enriquecer os atributos de um fotoprotetor, seguimos com o ensaio descrito na ISO 24444 (Cosmetics — Sun protection test methods — In vivo determination of the sun protection factor (SPF)) para a determinação do FPS estático, e com a COLIPA (Guidelines for Evaluating Sun Product Water Resistance) para avaliação da resistência à água e ao suor”, informa.

 

Para o ensaio de resistência, as participantes da pesquisa são mantidas em banheiras de hidromassagem com jato d’água e/ou em saunas, para posterior avaliação do FPS.

 

“Os cuidados com a beleza se estendem à prática de atividade física, atraindo a atenção da indústria cosmética. Para atender esse público, atributos direcionados aos esportistas aparecem cada vez mais nos rótulos e nas propagandas de produtos para cuidado da pele e dos cabelos”, comenta.

 

Atributos como resistência à água e ao suor podem ser conferidos por meio de estudos in vitro ou clínicos. Nos testes in vitro, a formulação é aplicada em um substrato mimético à pele humana e desafiada a resistir a uma condição de imersão em água por um tempo previamente determinado.

 

No estudo clínico, após a aplicação da maquiagem, a pele é exposta a agentes de depreciação, como água,.suor sintético, água de piscina (água clorada) e água do mar (água salobra), em condições de laboratório, com avaliação de painel treinado.

 

“Ensaios também estão disponíveis em nosso portfólio para o cuidado dos cabelos, especialmente durante a prática de natação e hidroginástica, seja na piscina ou no mar”, cita. Para conferir esses atributos, mechas de cabelo são expostas à água clorada e/ou salobra para posterior avaliação da fibra capilar por microscopia eletrônica de varredura, associada à espectroscopia de energia dispersiva.

 

Para a proteção dos fios contra os danos fotoquímicos da radiação solar, as mechas de cabelos são expostas à radiação UV e analisadas por espectroscopia de fluorescência, “tendo como desfecho a preservação das cadeias proteicas do triptofano”, menciona.

 

A sudorese corporal excessiva pode ocasionar irritação na barreira cutânea e evoluir para uma dermatite irritativa (ou assadura), principalmente na virilha, nas coxas e nas axilas. Esse desconforto acontece devido à constante fricção da pele, bem como ao calor e à umidade comuns nesses locais. Tais problemas podem ser evitados ou minimizados com o uso de cosméticos específicos com ação calmante, antieritematosa e de proteção de barreira.

 

“Para comprovação desses atributos, aplicamos técnicas como colorimetria, corneometria e evaporimetria antes e após a simulação de um insulto cutâneo, por meio da técnica de tape stripping, numa oclusão com patch umedecido com o agente de depreciação: suor sintético, água clorada, água salobra ou outra substância”, explica.

 

Adriano Pinheiro, diretor-executivo do grupo Kosmoscience, ainda cita os têxteis, atualmente considerados uma “segunda pele”. A avaliação da eficácia de uma roupa esportiva pode ser feita por meio do acompanhamento do desempenho dos atletas durante uma rotina de exercícios.

 

O desempenho de um atleta antes, durante e depois da atividade física pode ser analisado objetivamente por meio de estudos termográficos (termografia corporal de não contato) e pela dosagem de lactato no sangue.

 

“O lactato é produzido pelo organismo após a glicólise, para o fornecimento de energia, sem a presença de oxigênio (metabolismo anaeróbico láctico). Em atividades de longa duração, o suprimento de oxigênio nem sempre é suficiente. O organismo busca essa energia em fontes alternativas, produzindo o lactato. O acúmulo dessa substância nos músculos pode gerar hiperacidez, causando dor e desconforto logo após o exercício”, diz.

 

“A determinação da concentração sanguínea do lactato permite avaliar indiretamente a acidose metabólica do exercício, sendo uma das ferramentas diagnósticas utilizadas pela fisiologia do exercício”, completa.

 

 

EFEITOS BIOLÓGICOS

 

 

São muitas as alterações que ocorrem em nosso corpo quando praticamos exercícios físicos. Conheça algumas delas:

 

Músculos – usam mais glicose e ATP (energia) para a contração e o movimento. Para criar mais ATP, o corpo precisa de oxigênio extra. A respiração então aumenta e o coração começa a bombear mais sangue para os músculos.

 

Pulmões – como os músculos passam a exigir mais oxigênio (15 vezes mais do que quando se está em repouso), a taxa de respiração aumenta. Os músculos que rodeiam os pulmões não podem se mover mais rapidamente, então o organismo aciona o chamado VO2max, que é a capacidade máxima de utilização de oxigênio. Quanto maior o VO2max, maior é o fôlego pulmonar.

 

Coração – a frequência cardíaca aumenta com a atividade física, para fornecer mais sangue oxigenado aos músculos. Com a melhora no VO-2max, o coração pode trabalhar mais duro. Como efeito colateral bom, esse aumento da eficiência do coração irá reduzir a frequência cardíaca em repouso. A pressão arterial também irá diminuir, como resultado da formação de novos vasos sanguíneos.

 

Cérebro – o aumento do fluxo de sangue também beneficia o cérebro, permitindo que ele, quase imediatamente, passe a funcionar melhor e com mais oxigenação. Como resultado, o esportista tende a se sentir mais focado depois de um treino. Fazer exercícios regularmente também irá promover o crescimento de novas células cerebrais. No hipocampo, essas novas células ajudarão a impulsionar a memória e a aprendizagem. O cérebro se acostuma com o aumento frequente de sangue. As mudanças aumentarão a função das células cerebrais, o que poderá proteger a pessoa contra doenças como Alzheimer e Parkinson ou mesmo contra um acidente vascular cerebral. São acionados neurotransmissores como a endorfina, a serotonina, a dopamina e o glutamato – alguns deles são bem conhecidos por seu papel no controle do humor.

 

Articulações e ossos – o pico de massa óssea é atingido na idade adulta e, em seguida, começa um declínio lento, mas o exercício pode ajudar o praticante a manter a massa óssea saudável à medida que envelhece. Quando uma pessoa fortalece seus ossos e suas articulações por meio de exercícios físicos, ela pode suportar de cinco a seis vezes o peso do próprio corpo. A musculação é, portanto,

um dos “remédios” mais eficazes contra a osteoporose.

 

Algumas das principais diferenças entre as capacidades físicas masculinas e femininas:

 

• O sistema cardiorrespiratório dos homens é, em média, 39% maior do que o das mulheres, e o consumo máximo de oxigênio (VO2max) delas é cerca de 17% menos eficiente que o dos homens. Isso acontece, dentre outros fatores, porque as mulheres têm níveis menores de hemoglobina, o coração é 25% menor e elas têm maior quantidade de gordura corporal – o VO2max está diretamente relacionado ao tamanho do corpo. Após a puberdade, os meninos superam as meninas em todas as características de desempenho atlético, exceto em flexibilidade, elasticidade e coordenação.

 

• As mulheres têm duas vezes mais chances de ter uma lesão no joelho. A anatomia feminina tem o centro de gravidade mais baixo do que o do homem, e isso favorece uma sobrecarga nas pernas. A mulher também tem menos massa muscular, o que diminui a proteção dos joelhos.

 

• Os ligamentos das atletas são geralmente mais relaxados e frágeis. Isso dá aos atletas uma vantagem em.esportes que envolvem lançamento, velocidade e pontapé, e explica a maior incidência de lesões musculoesqueléticas entre as mulheres. Por outro lado, a pelve mais larga e o centro de gravidade mais baixo proporcionam às mulheres excelente equilíbrio, como se vê na ginástica artística.

 

• Os homens têm maior proporção de massa muscular em relação ao peso corporal, o que permite maior velocidade e aceleração do corpo. Isso explica porque os recordes de velocidade das mulheres, em modalidades como corrida e natação, são 10% mais lentos do que os dos homens.

Matérias relacionadas:

A volta dos cachos

Erica Franquilino

Produtos para Unhas

Erica Franquilino

Novos Produtos