Maquiagem

Ver Revista na íntegra Edição Atual - Maquiagem

Vamos em frente

Vivemos uma das maiores tragédias na história recente da humanidade, com impactos brutais nos sistemas de saúde e na economia global. Os números e os cenários da pandemia de Covid-19 mudam rapidamente. Crescem as projeções sobre as consequências da crise, bem como os estudos científicos e os esforços para continuar caminhando.

A propagação da doença expõe nossas mazelas – como a vulnerabilidade de populações que vivem em condições inadmissíveis de alimentação, higiene e saneamento –, mas também evidencia a necessidade (e a nossa capacidade) de reinventar, de antecipar e de cooperar, em um mundo sem barreiras.

Iniciativas da indústria demonstram uma das poucas certezas do momento: não podemos parar.

De acordo com a pesquisa Barômetro Global Covid-19, realizada pela Kantar com 500 brasileiros, a população espera que as empresas sejam úteis nesse momento. O estudo foi feito em 30 mercados pelo mundo, com mais de 25 mil consumidores. De forma geral, a pesquisa aponta que 88% dos entrevistados acreditam que as marcas devem comunicar seus esforços para enfrentar a situação. Os brasileiros também esperam que as marcas sirvam de exemplo e guiem a mudança (25%), sejam práticas, realistas e ajudem consumidores no dia a dia (21%), ataquem a crise e demonstrem que ela pode ser derrotada (20%) e usem seu conteúdo para explicar e informar (18%).

Aos médicos, aos profissionais de enfermagem, aos farmacêuticos, aos biomédicos, aos integrantes das forças de segurança e de transportes, e às outras áreas essenciais para a sociedade, que fazem parte do batalhão de frente de combate ao novo coronavírus, deixamos o nosso respeito e a nossa gratidão.

Esta edição da Cosmetics & Toiletries Brasil traz a trajetória de Walter Ihoshi, criador da Shizen, em Persona. Apresenta também dois artigos com alternativas à fabricação de álcool em gel, tão necessário no momento presente, e outros artigos sobre produtos para os cabelos e maquiagem.

Hamilton dos Santos
Publisher

Moléculas e Mecanismos na Informação Genética - Camila Martins Kawakami, Lorena Rigo Gaspar (Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP, Ribeirão Preto SP, Brasil); Felipe Canto de Souza (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP, Ribeirão Preto SP, Brasil)

Neste artigo, são revisadas as estruturas e propriedades das moléculas que compõem o núcleo celular e, posteriormente, são discutidos os mecanismos envolvidos na transmissão da informação genética, tais como divisão celular, duplicação do DNA e síntese de proteínas, e, ainda métodos para avaliação de danos no DNA.

En este artículo, se revisarán estructuras y propiedades de las moléculas que componen el núcleo celular y luego se discuten los mecanismos involucrados en la transmisión de información genética, como la división celular, la duplicación de ADN y la síntesis de proteínas, así como métodos para evaluar el daño del ADN.

In this article the structures and properties of cell nucleus are reviewed and, then the mechanisms involved in the transmission of genetic information, such as cell division, DNA duplication and protein synthesis are discussed, and methods for assessing DNA damage, are discussed

Comprar Artigo

Produtos de Origem Vegetal para os Cabelos - Monique SJ Simmonds (Royal Botanic Gardens, Kew, Surrey, Reino Unido); Jennifer M Marsh, PhD (The Procter & Gamble Company, Cincinnati OH, EUA)

A demanda por produtos naturais para o tratamento dos cabelos fez com que surgissem novas estratégias para fortalecer a cadeia de suprimento, de modo a assegurar que os extratos prometidos pelos fabricantes fossem os extratos realmente entregues. Este artigo dá uma repassada nos usos históricos de produtos vegetais nos cabelos, comenta sobre fontes de suprimento responsáveis e analisa as técnicas para examinar os extratos e seus componentes.

La demanda de productos naturales para el cuidado del cabello ha dado lugar a nuevas estrategias para fortalecer la cadena de suministro y garantizar que los extractos prometidos sean también los extractos recibidos. Este artículo ofrece una visión de los usos históricos de productos botánicos en el cabello, considera el abastecimiento responsable y revisa las técnicas para verifi car los extractos y sus componentes.

Demand for naturals in hair care has given rise to new strategies for fortifying the supply chain and ensuring the extracts promised are also the extracts received. This article provides a look at historic uses of botanicals in hair, considers responsible sourcing, and reviews techniques to verify extracts and their constituents.

Comprar Artigo

O Impacto dos Cabelos na Autoestima - Katerina Steventon, PhD (FaceWorkshops LLC, York, Reino Unido)

O grisalho prematuro e outras alterações nos cabelos, fruto da idade, são uma causa importante para baixar a autoestima. Este artigo faz uma breve revisão a respeito de recentes pesquisas sobre o envelhecimento dos cabelos e as conexões emocionais com os consumidores.

El envejecimiento prematuro y outros cámbios en el cabelo con la edad son una causa importante de baja autoestima. Este articulo presenta una breve revisión de la investigación reciente sobre envejeciminento del cabello y las coneciones emocionales con los comsunidores.

Premature graying and other changes in hair with age are a significant cause of lowself esteem. Following is a brief review of recent hair aging research and emotional connections with consumers.

Comprar Artigo

A Arte e a Ciência de Combinar Cores - Stacey House & Edward Bartholomey (Kobo Products Inc., South Plainfield, NJ, EUA)

Transmitir a cor e a imagem certas tem o poder de atender ao desejo do consumidor de demonstrar determinada personalidade. Obter essa conexão de cor não é um desafi o exclusivo para o consumidor, mas também para quem desenvolve o produto. Este artigo traz sugestões e dá dicas para garantir o sucesso de uma combinação de tonalidades.

Transmitir el color y las imágenes correctas puede cumplir los deseos del consumidor para uma determinada persona. Hacer esta conexión de color depende no solo de los consumidores sino también de los desarrolladores de produtos. Este artículo describe consejos y trucos para garantizar el éxito de la combinación de tonos.

Conveying the right color and imagery can fulfill consumer desires for a given persona. Making this color connection is up to not only consumers, but also product developers. This article describes tips and tricks to ensure shade-matching success.

Comprar Artigo

Alternativas para Fabricação de Álcool em Gel - Wallace C Porto Magalhães (Pró G9 Tecnologia da Informação, Belo Horizonte MG, Brasil)

Com a pandemia do Covid-19 está havendo altíssima demanda global por antissépticos, notadamente pelo álcool etílico 70% em gel para limpeza das mãos. A disponibilidade de carbômeros, ingredientes tradicionais na fabricação do álcool em gel, não é suficiente para atender a demanda mundial. Neste artigo são apresentadas matérias-primas alternativas aos carbômeros.

Con la pandemia de Covid-19, existe una demanda mundial muy alta por antisépticos, en particular por el alcohol etílico 70% en gel para limpeza de manos. La disponibilidad de carbómeros, ingredientes tradicionales en la fabricación del alcohol en gel, no es suficiente para satisfazer la demanda mundial. Este artículo presenta matérias primas alternativas a los carbómeros.

With the Covid-19 pandemic, there is a very high global demand for antispetics, notably ethyl alcohol 70% in gel as hand sanitizer. The availability of carbomers, traditional ingredients in the manufacture of alcohol in gel, is not suffucient to meet world demand. This article presents alternatives raw ingredients to carbomers.

Comprar Artigo

Gel Alcoólico a 70% com Hidroxietilcelulose - IL Lúcia Milani Barzotto, SM Menegatti de Oliveira, F Giacomini Bueno, P Guerrero de Sousa (Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel PR, Brasil)

Os objetivos deste trabalho são apresentar uma formulação alternativa, com hidroxietilcelulose (HEC), para a manipulação de álcool etílico em gel a 70% e compará-la à formulação do carbômero 940 proposta pelo Formulário Nacional da Farmacopeia Brasileira. A formulação com HEC apresentou aspectos técnicos compatíveis com a formulação usando carbômero 940, sendo, portanto, uma alternativa para a fabricação do álcool etílico a 70% em gel.

Los objetivos de este trabajo son presentar una formulación alternativa con hidroxietilcelulosa (HEC) para preparar el alcohol etílico en gel 70%, y compararlo con la formulación de carbomero 940 propuesta por la Formulario Nacional de Farmacopea Brasileña. La formulación con HEC presentó aspectos técnicos compatibles con los del carbomero 940 y, por lo tanto, es una alternativa para la fabricación de alcohol etílico 70% en forma de gel.

The aim of this work are to present an alternative handrub formulation with hydroxyethylcellulose (HEC) for ethyl alcohol gel 70% and to compare it with the carbomer 940 formulation proposed by the Brazilian Pharmacopeia National Formulary. The formulation with HEC presented technical aspects compatible with that one using carbomer 940 and is, therefore, an alternative for the manufacture of 70% ethyl alcohol in gel form.

Comprar Artigo

Insumos Naturais em Sistemas de Liberação para Cosméticos - Lívia Rodrigues, Claudia Regina Elias Mansur (Instituto de Macromoléculas (IMA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro RJ, Brasil); Cristal dos Santos Cerqueira Pinto (Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Rio de Janeiro RJ, Brasil); Elisabete Pereira dos Santos (Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro RJ, Brasil)

As empresas farmacêuticas e de cosméticos têm investido em formulações à base de insumos naturais devido à biocompatibilidade e à baixa toxicidade desses materiais. Óleos vegetais, ceras e polímeros naturais são aplicados em sistemas de liberação de ativos na área cosmética. Sistemas emulsionados podem ser formulados com óleos vegetais, encapsulando e protegendo ativos, e o próprio óleo, da degradação. Já os carreadores lipídicos nanoestruturados (CLNs) são sistemas que, além de óleo vegetal, contêm ceras que atuam como o lipídio sólido, compondo uma matriz rígida. Outras nanopartículas, como as poliméricas, podem ser utilizadas na encapsulação de ativos cosméticos. Polímeros naturais são utilizados como hidrogéis, controlando a viscosidade de formulações. Alguns polímeros têm ação como modificadores de viscosidade e, também, se apresentam como ativos antioxidantes e anti-idade.

Las compañías farmacêuticas y cosméticas han invertido en formulaciones basadas en ingredientes naturales debido a la biocompatibilidad y baja toxicidade de estos materiales. Aceites vegetales, eras y polímeros naturales son aplicados a sistemas activos de liberación de cosméticos. Sistemas emulsionados se pueden formular com aceites vegetales, encapsulando y protegiendo los activos y el aceite mismo de la degradación. Los carreadores de lípidos nanoestructurados (CLNs) son sistemas que, además del aceite vegetal, continen ceras que actúan como lípidos sólidos que componen una matriz rígida. Otras nanopartículas como las poliméricas en la encapsulación de activos cosméticos. Polímeros naturales se usan como hidrogeles, controlando la viscosidade de las formulaciones. Algunos polímeros tienen acción como modificadores de viscosidade y, también, se presentan como activos antioxidantes y antienvejecimiento.

Manufacturers companies have invested in formulations based on natural raw materials due to the biocompatibility and low toxicity. Plant oils, waxes and natural polymers are used in actives carrier systems applied in the cosmetic field. Emulsified systems are commonly based on plant oils, where other actives can be encapsulated and protected from degradation. Nanostructured lipid carriers (NLC) are another type of carrier system, where besides the plant oil, natural waxes are used acting as a solid lipid which composes a stiff matrix. Other types of nanoparticles as the polymeric ones, can be used to encapsulate cosmetic actives. Natural polymers are used as hydrogels, controlling the viscosity of the formulations. Some polymers are also applied as antioxidants and anti-aging.

Comprar Artigo
John Jimenez
Tendncias por John Jimenez

Beauty and hope

Escrevo esta coluna durante o perodo de quarentena determinado pelo governo pela pandemia de Covid-19. Espero que, quando voc estiver lendo, j tenhamos superado a situao e que nossos pases estejam voltando ao normal. interessante ver como a pandemia abriu novas tendncias em cosmticos.

- Remote culture: em todo o mundo, as empresas esto usando tecnologia e servios para incluir mais os funcionrios. A digitalizao fez com que os funcionrios optassem pelo trabalho remoto - e ainda mais em situaes como da pandemia.

- Cosmetics and home: como as diferentes categorias de cosmticos funcionaro aps o surto? Estamos vendo mudanas no comportamento de compra de nossos consumidores. A Kantar, uma renomada empresa de consultoria em dados, publicou as seguintes previses:

1 - A categoria de hair care est sendo afetada porque temos condies diferentes das do surto de SARS de 2003, quando as pessoas no entraram em quarentena. Os consumidores normalmente mantinham o ritmo normal de trabalho e ficavam mais preocupados quando voltavam para casa para seus cuidados pessoais. Assim, naquela ocasio, categorias como shampoo e gel de banho ganharam destaque. Em vez disso, este ano, com perodos de quarentena de pelo menos 14 dias na maioria dos pases, as pessoas diminuram a frequncia de lavagem dos cabelos e a hashtag #nohairwash est em alta.

2 - Por outro lado, a maquiagem tambm ser uma das categorias mais afetadas. Embora nessa situao o home office, as videoconferncias, as selfies e as transmisses ao vivo nas redes sociais comandem a parada - e, portanto, muitos consumidores continuem usando produtos de maquiagem -, a tendncia que, durante o tempo que estamos em casa em perodos de quarentena, usemos menos os cosmticos coloridos.

Skin care uma categoria com um comportamento diferente durante o surto. Como as pessoas seguem protocolos rgidos de lavagem das mos e do corpo, estamos vendo um aumento no uso de hidratantes, produtos que acalmam a irritao e mscaras caseiras.

3 - Diariamente, usamos sprays, lquidos desinfetantes, gis e lcool, seguindo as recomendaes para controlar a epidemia, e isso, somado a uma menor socializao fora de casa, tambm se reflete no menor uso de perfumes. A projeo que essas categorias comecem a se recuperar assim que a crise terminar.

- Virtual caregiver: as marcas esto criando cuidadores virtuais que apoiam pessoas com diversas necessidades mdicas e pessoas com problemas de sade. A tecnologia tem a capacidade de ser onipresente. Recentemente, foi lanado o termmetro Ear Fun, que reproduz msicas enquanto mede a temperatura.

- Cleansebot: o primeiro rob que mata bactrias foi lanado em janeiro, tem um tamanho pequeno que cabe no seu bolso e perfeito para viajar! Pode desinfetar as superfcies da cama e do piso. Possui luz UVC, que ajuda a impedir a propagao de vrus no ar. Em um teste, verificou-se que ele pode remover 99,9% do E. Coli.

- Home body aesthetic: as marcas comearo a tirar proveito da esttica domstica para promover produtos, para que os consumidores se sintam calmos. Os conceitos se concentraro em aumentar a sensao de calma nas casas. Nossas casas se tornaram os locais mais seguros, e novos conceitos se concentraro em atender s necessidades do consumidor domstico. Home is the new spa. Os tratamentos caseiros de spa e a personalizao esto crescendo.

- The next rising star: environment friendly products: o coronavrus nos ensinou uma tima lio, e os consumidores agora esto mais do que nunca preocupados com o meio ambiente e a sade. As marcas se concentraro mais na educao em sustentabilidade, e as pessoas sero mais exigentes com esses conceitos.

- Solido autorreferida: nos ltimos anos, a solido foi considerada uma epidemia e, por esse motivo, alguns pases como a Inglaterra criaram o ministrio da solido. Agora, estar isolado em casa est rapidamente se tornando uma necessidade universal, sem contar os riscos sade mental associados a longos perodos sem contato social, que podem ser perigosos em casos como a pandemia de coronavrus. As interaes sociais digitais tornam-se uma necessidade em vez de luxo.

- Aesthetic Eco: novos dispositivos e itens que detectam contaminao apresentam designs modernos. Mesclar moda e atratividade o novo elemento atrativo e diferenciador.

- Purifyccesories: novos acessrios de tecido para uso domstico esto comeando a ser feitos de materiais de purificao do ar que podem absorver poluentes. J estamos vendo o lanamento de camisetas que podem absorver e purificar o ar.

Em tempos de crise, os esteretipos de beleza so parte integrante dos desafi os da vida moderna, e por isso que os cosmticos estaro mais prximos do consumidor com produtos que cuidam deles e cuidam do meio ambiente. Nossa indstria se reinventa com solues simples, sensoriais e prticas, com o objetivo de preservar o bem-estar e a sade da humanidade.

Carlos Alberto Pacheco
Mercado por Carlos Alberto Pacheco

E o amanh, como ser?

A face do mundo nunca mais ser a mesma. Com certeza voc j deve ter escutado muito isso nestes ltimos quarenta dias. Mas isso mesmo! No seremos os mesmos depois de tudo isto. As relaes humanas em todas as suas dimenses sofreram uma disrupo, ou seja, vivemos um momento em que tudo muda a cada dia, e o futuro passa a ser contado como antes e depois dessa disrupo.

Este evento que vivemos talvez seja o primeiro aps o real mergulho da humanidade na primeira parte da curva da 4 Revoluo Industrial (4RI), j em andamento. Em virtude da velocidade das constantes mudanas, que uma das caractersticas da 4RI, ou seja, tudo junto e interligado ao ponto de j no mais nos permitir ver as coisas de forma aristotlica separadas, bem classificadas, estanques , este primeiro evento nos pega de surpresa, pois no h pr-experincia para lidar com ele. Como todas as coisas pertinentes a esta 4RI, teremos que aprender a administr-lo com a Terra em movimento, cientes de que as solues propostas hoje podem hoje mesmo ficar facilmente obsoletas.

No a primeira vez que a humanidade passa por uma experincia causada por uma pandemia. No vamos retroceder ao incio da humanidade nem Idade Mdia. Mas podemos ir at o comeo do nosso sculo. J se foram dois grandes surtos pandmicos de gripes do tipo coronavrus. A primeira foi em 2002 (SARS) e, depois, em 2014 (MERS). E, no meio do caminho, foi inaugurado o novo Regulamento Sanitrio Internacional (2007) para o enfrentamento dessas dificuldades. Nesse sculo, tambm j ocorreram outras grandes pandemias dos tipos Infl uenza A, B e C, tambm conhecidas como A H1N1, como a de 2009. O H se refere hemaglutinina, e o N diz respeito neuraminidase, que so protenas presentes no material que envelopa a carga gentica viral, e os nmeros referem-se aos diversos aminocidos ligados a estas duas protenas at o momento j foram identificados 16 tipos de hemaglutinina e 9 neuraminidases.

No entanto, apesar desses constantes ataques virticos, nenhum havia causado tamanho impacto, amplitude e profundidade que o atual. No mais raro escutarmos falar de impressoras 3D imprimindo equipamentos de segurana para a rea da sade. Aplicativos de comunicao em massa como Zoom App tornando-se mais populares mesmo nas camadas da sociedade menos habituadas a novas tecnologias. O trabalho remoto, que antes era impensvel para muitos, vem se tornando a regra e sendo absorvido facilmente pelas partes integrantes.

Drones vm sendo usados de maneira ainda no pensada ou difundida em larga escala. A logstica est sendo levada ao extremo e convidada a propor aes de esterilidade na cadeia de distribuio nunca antes questionada. O mundo globalizado sendo posto em dvida como modelo e o velho just in time sendo desnudo. Os governos reinventando-se a cada dia. As economias beira da extino. As relaes interpessoais sendo questionadas. As dificuldades de se manter o confinamento levando ao questionamento do que mais importante: a necessidade individual ou o bem coletivo. A ordem do dia passou a ser mais do que nunca o questionamento.

Nada do que foi dito acima est sendo classificado como bom ou ruim, certo ou errado. Estou apenas evidenciando que, como ditam as bases da 4RI, no temos tempo para pensar e controlar tudo. Temos de estar cientes de que primeiro as coisas acontecem e depois so avaliadas e que ningum mais tem a hegemonia, seja l do que for. As fragilidades esto expostas. A cada instante, uma nova soluo aparece num canto do mundo e, em outra ponta, tudo est sendo posto abaixo por outra soluo sem sabermos se ela melhor ou no. O eixo do poder poltico/tecnolgico parece ter parado, entrado em estado de inrcia.

Portanto, diante do exposto, o momento de exercer a calma ativa, aquele estado de esprito que no nos coloca em pnico ao mesmo tempo em que nos libera para continuarmos tentando ter as rdeas da situao. Apesar dos pesares, a raa humana, como entidade coletiva, vai saber como contornar esta difi culdade. Entender este momento como um processo, com comeo, meio e fim, vai nos ajudar a chegar a um bom fim.

Cristiane M Santos
Direito do Consumidor por Cristiane M Santos

Relaes de consumo em tempo de pandemia

Tempos difceis. Quem pensou que 2019 foi um ano complicado nunca poderia imaginar o que era esperado para 2020: um vrus um inimigo invisvel que iria chacoalhar o mundo!

No vou me ater falta de investimento em polticas pblicas nos setores de sade, aos cortes em pesquisas, s relaes internacionais, a possveis omisses da China, recesso econmica mundial iminente, mas apenas s consequncias intensas que j repercutem e repercutiro nas relaes de consumo, ilustrando com os setores que j esto sofrendo com isso.

No ltimo dia 18 de maro, o governo emitiu a Medida Provisria 925/2020, que dispe sobre medidas emergenciais para o setor areo, como, por exemplo, o prazo de 12 meses para reembolso do valor da passagem e a iseno de penalidades contratuais aos consumidores que optarem pela utilizao do crdito.

O governo tambm promulgou, em 8 de abril, a Medida Provisria 948/2020, que trata sobre o cancelamento nos setores de turismo e cultura. Esta MP garante que as empresas que tiveram que cancelar pacotes tursticos, reservas de hotis, ingressos para shows ou eventos culturais em virtude da pandemia Covid-19 no estaro obrigadas a reembolsar os valores pagos pelo consumidor desde que assegurem a remarcao das reservas e eventos cancelados, disponibilizem o crdito para uso em outro servio ou formalizem um acordo com o consumidor, entre outras determinaes e contradies jurdicas.

rgos de defesa do consumidor, como o Procon e o Idec (Instituto de Defesa do Consumidor) tambm se posicionaram quanto s medidas que devem ser aplicadas nos segmentos que sofreram imediatamente com a disperso do vrus.

Mas, apesar de tudo isso, tendo sempre em vista os princpios que regem as relaes de consumo, como o da isonomia e da boa-f, fundamental incentivarmos o dilogo e exercermos a empatia, seja na posio de consumidor, seja na de fornecedor. Esta ser a melhor forma de resolvermos os conflitos.

claro que cada caso deve ser analisado, mas temos que ter em mente que estamos diante de um novo cenrio sem precedentes , e o caminho que escolhermos para resolver este tipo de conflito ser determinante para o equilbrio entre a proteo do consumidor e a preservao da atividade econmica.

Por isso, hora de as empresas divulgarem com clareza seus canais de relacionamento com o consumidor, ouvirem atentamente e compreenderem melhor o problema da demanda, humanizando seu atendimento.

Por outro lado, o consumidor deve agir com bom senso, ser flexvel claro que sem perder de vista seus direitos e buscar os meios de composio de acordo, como a mediao e a conciliao, que esto mudando a cultura da advocacia.

Resistncia de qualquer um dos lados ser sinnimo de prejuzo. Ento, diante deste tenebroso cenrio, vamos buscar uma poltica de ganha-ganha, com cada lado cedendo um pouquinho.

Penso que, neste momento to delicado, as palavras de ordem so solidariedade, dilogo, empatia, flexibilidade, unio e bom senso e que, incorporando estes conceitos, estaremos contribuindo para a economia girar.

Empresas do setor cosmtico j esto colocando isso em prtica, como a Natura e a Avon, que anunciaram a doao de produtos de higiene para as comunidades carentes do Brasil e de outros pases da Amrica Latina, onde tm operao. Outro exemplo a Granado, que doou sabonete lquido a projetos da Unicef em prol de crianas e adolescentes vulnerveis no Rio de Janeiro.

Vai passar, tudo passa... Mas o mundo e cada um de ns seremos outros!

Antonio Celso da Silva
Embale Certo por Antonio Celso da Silva

Prazo de validade nas embalagens

No se assuste! s para a gente discutir o tema e sanar dvidas que tenho visto e ouvido no mercado.

Para contextualizar, vamos lembrar que, em um passado no muito distante, no tnhamos prazo de validade para nenhum insumo, e o mesmo acontecia para os produtos acabados. No existia a preocupao de fazer FIFO (first in, first out) ou PEPSI (primeiro que entra o primeiro que sai).

Numa empresa multinacional em que trabalhei na dcada de 1980, j era parte dos procedimentos internos, fazer reanlise das matrias-primas a cada seis meses at o seu consumo total na produo, independentemente de obrigaes legais. Ela era aprovada ou rejeitada em funo dos resultados de anlise, obedecendo a sua especifi cao tcnica. Lembro tambm que, na reanlise, eram feitas as principais anlises das especifi caes e, no caso de no conformidade em um ou mais resultados, repetiam-se as anlises, porm na sua totalidade.

Com a implantao do Cdigo de Defesa do Consumidor, em 11 de setembro de 1990, atravs da Lei 8.078, que efetivamente entrou em vigor em 11 de maro de 1991, tudo mudou.

Com a nova lei, tudo tinha que ter um prazo de validade, inclusive as matrias-primas e os cosmticos, a exemplo dos medicamentos, para os quais j era obrigatrio.

Isso mudou completamente a rotina e os controles internos nas fbricas, at porque existiam prazos de validade desde as fragrncias, que era de 12 meses, at os pigmentos, que vinham com validade indeterminada.

Foi na sequncia, nos anos seguintes, que comearam as terrveis fi scalizaes, que levaram e at hoje levam presos os responsveis tcnicos e os donos de empresas, por estarem usando matrias-primas vencidas, seja por descontrole dos seus estoques, por desconhecimento da lei ou mesmo por m f.

Nesse pacote de obrigatoriedade de prazos de validade, as embalagens no foram includas, o que de certa forma foi um alvio para o setor.

O prazo de validade nas matrias-primas obriga hoje o setor a descartar toneladas de insumos ano a ano, causando para as empresas um grande prejuzo fi nanceiro. Imaginem a catstrofe que seria, tanto para as pequenas empresas quanto para as grandes, se fosse obrigatrio o prazo de validade nas embalagens.

Por mais que exista um controle de estoque, ningum controla as regras do mercado. Pegando o exemplo de uma empresa que atua na venda direta, s vezes ela faz uma previso para vender uma quantidade, vendas extrapolam e ela vende dez, vinte, trinta vezes mais. O resultado todo mundo correndo, buscando reabastecimento de insumos e com mais difi culdade nas embalagens do que nas matrias-primas.

Quando acontece o inverso, fi cam os insumos no estoque e com certeza vai vencer a validade sem serem usados. Some-se a isso o prejuzo do descarte das matrias-primas e um prejuzo muito maior com o descarte das embalagens. Isso porque normalmente o custo das embalagens em um produto maior que o custo das matrias-primas.

Portanto, para o setor cosmtico no existem leis ou alguma obrigatoriedade de colocar prazo de validade nas embalagens.

Por outro lado, consultando fornecedores de embalagens e empresas de produto acabado, me deparei com dois cenrios. O primeiro foi a confirmao de que os fabricantes realmente no colocam validade nas suas embalagens, seja na famlia dos plsticos, cartonados, metais, vidraria ou outro qualquer.

Outro cenrio mostrou algumas empresas de produto acabado exigindo que suas embalagens venham com prazo de validade, independentemente da legislao. O fornecedor atribui, ento, um prazo apenas para atender ao pedido da empresa. S posso acreditar que seja para reforar o controle de FIFO interno.

Convm ressaltar que algumas embalagens, independentemente de obrigatoriedade do prazo de validade, so mais sensveis e realmente perdem sua efetividade depois de algum tempo, ainda mais se armazenadas em condies e temperaturas no adequadas, considerando que no prtica das empresas, principalmente as de pequeno e mdio porte, controlar a temperatura do seu almoxarifado de embalagens. Estou falando nesse caso dos rtulos autoadesivos.

Um cuidado semelhante se faz necessrio com as caixas de embarque, cartuchos e etiquetas, ou seja, independentemente do prazo de validade, o inadequado armazenamento das embalagens pode torn-las imprprias para o uso na produo.

Finalizando, o que me levou a escrever essa matria nessa edio foi uma visita que fiz a uma conhecida empresa de cosmticos do norte do pas. No almoxarifado de embalagens, existiam pelo menos trs paletes de frascos pet, de um conhecido fornecedor aqui do Sudeste, reprovados e devidamente alocados numa rea para reprovados. Motivo: validade vencida. Obviamente no era nenhuma validade do fornecedor, mas sim uma validade que a prpria responsvel tcnica atribuiu ao lote, que, aps vencido, convenceu a proprietria a fazer o descarte.

Denise Steiner
Temas Dermatolgicos por Denise Steiner

Cabelos: principais danos e como combat-los

A sade do cabelo tem relao com a alimentao, a herana gentica, o estado de sade, a idade e os hbitos ligados ao cabelo.

O envelhecimento do fio um processo contnuo que sofre influncias da gentica, da idade e dos fatores ambientais. Basicamente, o fio vai ficando mais fino e tambm com a cutcula desgastada, deixando-o mais poroso e ressecado.

Este processo acelerado pelas agresses da radiao ultravioleta, pelos poluentes, por procedimentos qumicos, pelas doenas e pelo envelhecimento e tambm mais rpido em quem tem calvcie. A idade na qual se comea a perceber o envelhecimento capilar aps os 50 anos, sendo que, na mulher, a menopausa tambm intensifica o processo.

Para prevenir, importante cuidar da alimentao, da hidratao, do tratamento sistmico da calvcie e da proteo em relao ao sol e evitar o fumo. Tambm fundamental lavar com frequncia para evitar a dermatite seborreica, com shampoo adequado para o tipo de cabelo, alm de evitar calor em excesso ou seja, maneirar no uso do secador.

Quando h queda de cabelo, necessrio checar doenas internas, como problemas na tireoide e tambm regimes violentos, dieta inadequada e estresse intenso, entre outros aspectos. importante procurar o dermatologista, que quem cuida dos cabelos, sempre que necessrio. Hoje so utilizadas drogas como a finasterida, alm de suplementos como biotina, zinco e taurina, entre outros. O minoxidil e o 5-alfa estradiol tambm auxiliam no tratamento da queda e do fio muito fino.

Luzes como LED, lasers de baixa potncia, tratamentos com CO2 e radiofrequncia mais fatores de crescimento so utilizados como coadjuvantes no tratamento capilar. Tambm importante para a sade do fio de cabelo manter os nveis normais de ferro, ferritina e vitamina D.

A exposio aos raios UV pode induzir oxidao das molculas de enxofre dentro da haste capilar, que so importantes para a fora dos cabelos. Quando ocorre essa oxidao, os cabelos se tornam quebradios, ressecados e speros.

Os cabelos descoloridos ou com luzes podem tambm apresentar pequenas mudanas de cor quando expostos aos raios UV.

Para proteger seus cabelos dos danos causados pelos raios solares, deve se usar condicionadores leave-in que contenham xido ntrico.

Outra proteo so os bons e chapus feitos com trama fechada e tambm com proteo solar especfica.

Colorir os cabelos uma das mudanas visuais mais praticadas pelas mulheres. A cor dos cabelos dada por uma protena, a melanina. Ela o pigmento que d cor pele, aos cabelos e aos olhos. Quando se quer mudar a cor dos cabelos, pode-se usar trs tipos de tcnicas:

1.Tintura temporria: usa-se tonalizante - um tipo de produto indicado para realar o tom natural do cabelo e disfarar os fios brancos. Consiste em aplicar pigmentos na parte externa dos cabelos. Essa tintura dura em mdia 20 lavagens e no to agressiva cutcula.

2.Tintura semipermanente: nesse caso, os pigmentos aderem a pequenas aberturas na juno das clulas da cutcula. Por ficar aderido, o pigmento no sai to facilmente. H o somatrio da cor natural dos cabelos e do pigmento, resultando numa nova cor.

3.Tintura permanente: em geral, tem amnia e gua oxigenada na frmula para que possa alterar a cor original do fio. Como tem durao mais longa e mais agressiva, consiste em um processo qumico mais complexo. Deve sempre ser aplicada por um profissional habilitado. Aplica-se um produto qumico que abre a cutcula, logo aps usa-se o perxido de hidrognio (gua oxigenada), que descolore o fio. Em seguida, aplica-se um novo pigmento, que dar a nova cor aos cabelos.

Deve se usar shampoos condicionantes e condicionadores regularmente, para melhorar a aparncia dos cabelos, evitando ressecamento e efeito frizz.

Deve se optar por produtos que contenham dimeticone, disponvel em shampoos, condicionadores, cremes de pentear e sprays. Este ingrediente diminui a eletricidade esttica, aumenta o brilho e facilita o manejo dos fios.

Tentar o uso dos sruns capilares recentemente introduzidos no mercado, base de leos como silicone e argan, aplicando algumas gotas nas mos e deslizando-as nos fios (no devem ser aplicados diretamente no couro cabeludo).

Quando a pessoa pratica um processo qumico no cabelo, importante hidratar sempre, pois o maior prejuzo destas prticas o ressecamento capilar. O fio tem a cutcula (escama) aderente ao fio, que, quando rompida, pode expor o crtex e lesar o fio de forma intensa.

Wallace Magalhes
Gesto em P&D por Wallace Magalhes

O desafio da continuidade

Como todas as atividades, o setor de cosmticos sofre grande impacto com a pandemia do novo coronavrus. A abrupta mudana totalmente indita e exigir correes de curso. Mesmo no estado atual das coisas, haver importante demanda de mercado, que deve ser at maior que o previsto para alguns produtos, como os de higiene e sanitizao das mos. Esta demanda precisa ser atendida, no como oportunidade de negcio, mas como um chamado de responsabilidade social.

Como no h experincia semelhante vivida para servir de referncia, a conduta durante todo o desenrolar dos acontecimentos, como tambm a preparao para o retorno normalidade, dever ser estabelecida por uma anlise criteriosa e que deve gerar procedimentos especficos. Haver a necessidade de reavaliar metas criando-se pelo menos trs cenrios distintos, dizem os especialistas. Tambm ser necessrio ajustar o fluxo de caixa e o oramento do ano. No se deve cair na tentao de transferir toda a dificuldade financeira momentnea para os fornecedores, porque pode haver quebra de confiana. Todo o funcionamento deste perodo precisa ser monitorado por gestores capazes de identifi car e corrigir inadequaes e tambm resolver fatos novos ou no considerados no planejamento.

Algumas matrias-primas devero ter a oferta reduzida, o que exigir respostas rpidas do P&D. A conduta regulatria precisa ser previamente estabelecida, porque nem sempre ser possvel fazer em tempo hbil as devidas correes no processo de regularizao dos produtos na Anvisa. Por outro lado, dever haver, por parte das autoridades sanitrias, a compreenso e a sensibilidade em relao ao fato de que, em funo da absoluta excepcionalidade do momento, o preciosismo burocrtico ser descabido e prejudicial. Pelo lado das empresas, possveis ajustes de formulaes devem ser feitos com muita responsabilidade, observando todos os aspectos tcnicos e documentando fartamente o processo. Como nem sempre haver tempo para verifi cao formal da estabilidade, as alteraes devero ser feitas com rigorosa avaliao tcnica, dando prioridade a materiais que tenham o mximo de semelhana em relao queles que sero substitudos. Protocolos de estabilidade de carter acelerado sero de grande utilidade. Alm da centrifugao, ensaios em estufas, geladeira e ciclos podero, com sete ou quinze dias de prazo, subsidiar concluses por extrapolao de dados, quando os resultados de anlises se assemelharem aos obtidos na avaliao das amostras da formulao original.

A opo da fbrica em continuar funcionando durante este perodo pode ser uma escolha correta do ponto de vista da responsabilidade social. Se assim for, deve vir acompanhada da implantao de procedimentos que protejam os seus colaboradores e suas famlias. A disponibilizao de lcool 70% nos postos de trabalho e as prticas de higienizao constante devem ser reforadas. Deve ser considerado o remanejamento do horrio de funcionamento para evitar viagens em horrios de pico. Caronas ou a contratao de transporte prprio devem ser avaliadas.

Um mercado modificado deve surgir com a volta da normalidade. A percepo da enorme importncia dos produtos de higiene pessoal ser signifi cativamente reforada, e o seu carter essencial fi car mais explcito. O ato de lavar constantemente as mos e o uso do lcool em gel nas atividades externas devero se tornar rotineiros, de agora em diante. Mas no sero somente estas as mudanas que este evento vai gerar. Num primeiro instante, os cremes para as mos devem ter seu consumo elevado, porque a lavagem constante com gua e sabo e o uso contnuo de lcool em gel deixaro peles ressecadas como herana. Estes cremes precisaro ser efi cazes porque sero avaliados com mais rigor. Devero restaurar a hidratao e a maciez, sem deixar filme pegajoso nas mos ou resduos nos objetos tocados.

O retorno normalidade pode vir ainda acompanhado de uma demanda reprimida, correspondente s compras que no foram feitas durante o isolamento. Produtos capilares, maquiagem e perfumes devem retomar seu ritmo de consumo, at com possibilidade de um leve pico nos dois ou trs meses ps-pandemia. Como, neste perodo, a capacidade de pagamento das pessoas deve fi car diminuda, cabvel reavaliar a formao de preo, com avaliao de opes que possam reduzir o custo. O uso de embalagens mais simples pode ser uma soluo. Cabe tambm rever as margens de lucro. Ac redite: as dificuldades sero temporrias.

Olivier Fabre
Fragrncias por Olivier Fabre

Memrias de um avaliador de fragrncias

Na edio anterior da Cosmetics & Toiletries Brasil, contei a curta histria do meti de avaliador em fragrncias. Hoje, vou relatar algumas lembranas aps exercer esse meti durante quase 40 anos.

Primeiro, farei algumas consideraes de ordem geral. Uma pergunta recorrente a seguinte: Ser que existem fragrncias globais que sejam as mesmas para produtos vendidos em diferentes mercados do mundo, que o sonho de muitas empresas multinacionais?. A resposta um rotundo no! H diferentes razes para isso. Citarei duas delas. Culturais: uma fragrncia apreciada em um pas ou regio no necessariamente ser apreciada em outro pas ou outra regio. Geogrficas: nos diferentes lugares do mundo, as bases dos shampoos, condicionadores, sabonetes, cremes etc. podem variar olfativamente e a fragrncia vai precisar ser adaptada para chegar ao mesmo cheiro e mesma performance do produto original. Estas so as duas razes principais.

O exemplo mais conhecido a fragrncia do sabonete Dove. Nos Estados Unidos, esse sabonete perfumado com uma fragrncia rosa powdery, enquanto na Europa perfumado com uma fragrncia floral verde amadeirada. Quando a Unilever quis lanar o sabonete Dove na Europa, ele foi testado com a fragrncia norte-americana. Teve rejeio clara. Ento a Unilever abriu um briefi ng para a criao de uma fragrncia europeia para o sabonete Dove. No Brasil, o sabonete Dove est sendo perfumado com uma variante da fragrncia europeia adaptada para a base brasileira. Portanto, so 3 regies, 3 fragrncias.

Outra pergunta comum : Ser que se pode desenvolver uma fragrncia com ingredientes 100% naturais? Nesse caso, a resposta sim. Porm, devem ser levados em conta outros aspectos importantes relacionados ao desenvolvimento dessa fragrncia: a fragrncia vai ser muito cara e poder variar olfativamente. O custo de um lote de produo para outro tambm poder variar. E a paleta olfativa disponvel para o perfumista restrita.

Finalmente, a fragrncia pode carecer de sofi sticao e delicadeza, pois os ingredientes naturais geralmente esto em estado bruto e tm odor muito potente. Das vrias dezenas de briefi ngs que recebi para desenvolver uma fragrncia com ingredientes 100% naturais, apenas um produto chegou a ser lanado no mercado, pelo que me lembro! Porm, com o rpido desenvolvimento atual da perfumaria de nicho, vemos cada vez mais produtos reivindicando fragrncias com ingredientes 100% naturais. Essa uma interessante evoluo da perfumaria.

Durante minha vida profi ssional, recebi muitos briefings. Um deles me deixou perplexo: eram trs pginas escritas por um famoso costureiro italiano, nas quais ele descrevia a mulher ideal (Como se isso existisse, comenta minha esposa). Baseando-se nesse briefi ng, o perfumista tinha que criar a fragrncia do prximo lanamento feminino desse costureiro.

Outro briefing me revoltou. Ele foi mandado por um dono de uma mina de ouro da frica do Sul. Seu pedido era que o perfumista desenvolvesse uma fragrncia que cobrisse o cheiro de cadver em decomposio. No preciso aclarar que no aceitei trabalhar para esse cliente.

Outro briefing me fez rir: seu objetivo era que o perfumista desenvolvesse uma fragrncia para sabonete, mas esta no podia ter cheiro nem deixar cheiro na pele. O mundo de cabea para baixo! A fragrncia era para o sabonete de uma franquia de motis de um pas da Amrica Central.

O briefing o instrumento mais importante da relao da fbrica de produtos com a casa de perfumaria, no que se refere ao desenvolvimento de uma fragrncia. Portanto, o briefing tem que ser o mais objetivo e preciso possvel e ter as informaes mais pertinentes possveis. Na prxima edio vou abordar esse importante tema.

Carlos Alberto Trevisan
Boas Prticas por Carlos Alberto Trevisan

Semelhana e coincidncia

Sem a inteno de utilizar a atual pandemia causada pelo novo coronavrus como parmetro, nesta oportunidade vou fazer uma reflexo com o objetivo de apontar, de modo inquestionvel, as consequncias da ausncia de aes preventivas contra no conformidades, podero trazer danos para o sistema de Qualidade nas organizaes.

Guardadas as devidas propores, em quaisquer reas, ao longo do tempo, a omisso dos gestores que tem dado causa a fatos de graves consequncias. Esclarecendo melhor, a contumaz ausncia de aes preventivas acaba surgindo, de modo extremamente danoso, quando menos se espera. Por essa razo, devemos reforar o conceito de que Qualidade preveno.

Inmeras vezes, na minha atividade de consultoria, para a implantao das Boas Prticas de Fabricao, indiquei os pontos de no conformidades que deveriam ser evitados em:

● ambientes de vestirios e sanitrios: devem-se considerar as condies de conservao de armrios, vasos sanitrios e chuveiros, especialmente quanto ao seu uso adequado, sem danos decorrentes de atos de vandalismo, sem que esses ambientes sejam utilizados para descanso ou para refeies e, o mais importante, eles devem ser adequados quantidade de colaboradores;
● ambientes de refeitrios;
● ambiente de pesagem: a atividade de pesagem, como sabemos, a mais importante do processo de fabricao. A boa organizao dessa rea vai evitar pesagens no conformes, que teriam consequncias irremediveis;
ambiente de reas produtivas: nessas reas, primordial observar as efetivas condies de higiene e limpeza, e a documentao de registro das operaes;
● ambientes de armazenagem;
● ambiente de laboratrios, em especial microbiologia quando houver;
● ambiente de reas adjacentes s reas de produo;
● documentao adequada e confivel: deve-se enfatizar a necessidade da existncia da documentao com registros confi veis que possibilitem o rastreio efetivo das atividades e dos processos praticados;
● utilizao correta de EPIs, especialmente mscaras, luvas, toucas, uniformes, aventais pro p etc., quando necessrios; esse um dos aspectos comportamentais mais importantes, tendo em vista que os EPIs so destinados ao uso no perodo de trabalho, mas, no raramente, so vistos em uso fora dos ambientes internos e muitas vezes so guardados nos bolsos, alm de ser utilizados pelos funcionrios para sentar no cho;
● equipamentos e utenslios nas reas operacionais;
● equipamentos de laboratrio;
● condies reais de limpeza e sanitizao em todos os ambientes, equipamentos e utenslios;
● comportamentos dos colaboradores lembrando que quem faz a Qualidade so pessoas;
● treinamento;
● atendimento das reclamaes;
● tratamento das devolues e recall;
● tratamento das no conformidades;
● sistema de gua;
● sistema da qualidade, quando houver;
● controle da qualidade, em especial da amostragem.

Finalmente devo mencionar o treinamento dos colaboradores como atividade obrigatria e permanente. Essa a nica ferramenta que existe para capacitar e qualifi c-los.

Se os gestores das atividades no investirem na manuteno da integridade do sistema da Qualidade, nem apostarem nas aes preventivas, quando meno s se esperar, poder surgir um desequilbrio operacional com consequncias graves para a organizao, similar ao que estamos vivendo nos dias de hoje.

Valcinir Bedin
Tricologia por Valcinir Bedin

Maquiagem para cabelos

Quando consultamos os dicionrios para procurar a palavra maquiagem, encontramos maquilagem ou at maquilhagem. uma palavra de origem francesa que quer dizer aplicao de substncias especifi camente destinadas para o corpo com efeito cosmtico de embelezamento ou disfarce. Normalmente, so produtos que mudam de acordo com as tendncias da moda.

Colorir a pele uma atividade que o ser humano faz desde os tempos das cavernas, e at hoje existem povos isolados que ainda fazem isso. Para tanto, utilizam substncias vegetais como urucum ou minerais como carvo, argilas ou pedras modas. Esses rituais de tintura so utilizados em festividades religiosas e militares.

Na Austrlia, os aborgenes fazem uso deste tipo de maquiagem at os dias atuais, pintando o corpo todo com figuras geomtricas.

Uma representante maior desta prtica foi Clepatra, a rainha do Egito, que usava e abusava da maquiagem da sua poca. Ela sempre retratada com o contorno dos olhos e sobrancelhas delineados e alongados com uma tinta preta chamada de khol.

No decorrer da histria do mundo, houve uma interrupo no uso da maquiagem durante a Idade Mdia, tambm conhecida como Idade das Trevas, quando a Igreja dominava e a maquiagem foi proibida pois os religiosos acreditavam que estimularia pensamentos impuros.

A maquiagem teve seu auge no sculo XX, quando o cinema popularizou a sua prtica e disseminou seu uso.

At aqui falamos de maquiagem no sentido mais estrito da palavra. Produtos aplicados no corpo, preferencialmente na face, para mudar sua aparncia, mas os cabelos fazem parte do corpo, apesar de serem um anexo da pele, tm uma importncia crucial quando se fala de autoestima.

Quando falamos de cabelos, o que podemos perguntar se tudo que fazemos neles no poderia ser enquadrado na definio de maquiagem. Os procedimentos qumicos, as coloraes, os processos de estilo Tudo tem um vis que passa pelo conceito de maquiagem.

Podemos excluir deste tpico tratamentos que alterem a haste capilar, como os alisamentos e os permanentes, assim como as tinturas definitivas. Em resumo, deixaremos fora deste conceito procedimentos que envolvam a abertura das cutculas capilares e vamos focar em produtos que possam ser alocados sobre a haste.

Sendo mais restritos e no to genricos, podemos afunilar o conceito e falar apenas de produtos que possam ser usados para disfarar a falta de cabelos, quer seja numa situao temporria, como na ps quimioterapia, ou numa mais definitiva, como no caso da alopecia androgentica.

Existem, no mercado, produtos que so acondicionados em forma de sprays ou em tubos para aplicao. Os primeiros normalmente so produzidos com um colorante e um espessante para dar cor e aumentar a espessura dos fios.

Os que aparecem em p so feitos na verdade de microfibras que, por efeito eletrosttico, aderem aos fios da rea aplicada e do a impresso de aumentar sua espessura.

Em ambos os casos, deve-se levar em conta que o que se quer dar a impresso de ter mais cabelos. Ento, deve-se cuidar para que apenas estes fiquem coloridos - e no o couro cabeludo. Portanto, a aplicao deve ser feita a uma certa distncia e com tcnica adequada. Outro fato importante que estes procedimentos s fazem sentido quando o usurio tem alguma quantidade de fi os que seja razovel para poder ser aumentada. Ele ou ela tem que ter fios do tipo velos que sirvam de base para o produto aplicado. No serve para reas sem pelo algum!

Outro inconveniente muito presente em todas as marcas destes produtos a durabilidade. Claro que temporrio - afinal, maquiagem! Mas, neste caso, ainda estamos aguardando produtos que sejam mais duradouros quando submetidos gua e que no causem constrangimento quando o usurio sair na chuva, por exemplo. J houve relatos de usurios serem pegos com manchas escorrendo pelo pescoo aps terem sado por minutos sob uma chuva leve.

Assim como temos prteses de cabelo que so verdadeiras joias de perfeio, j hora de os formuladores criarem produtos de maquiagem capilar que sejam mais adequados ao pblico consumidor.

No meu entender, eles deveriam ter algumas caractersticas, tais como: ser de fcil aplicao; ser atxico e antialrgico; ter variedade de cores; ser duradouro (algo que resistisse a duas ou trs lavagens); ser de custo acessvel.

Caso consigamos encontrar num produto com todas essas qualidades, com certeza teremos em mos um sucesso.

Novos Produtos