Proteo Solar

Ver Revista na íntegra Edição Atual - Proteo Solar

Sempre foi difícil respirar

O que é ser antirracista? Dentre outras ações, é não se omitir diante de práticas racistas, reconhecer privilégios e injustiças históricas, unir atitude ao sentimento de indignação e ouvir. Cara pessoa branca, por favor, vá além da revolta momentânea ante os horrores recentes e reflita sobre o racismo estrutural. Ele é cruel e está no dia a dia, nas piadinhas que ouço desde criança, no fato de pessoas negras serem mortas com mais frequência pela polícia, no inconsciente coletivo que marginaliza pessoas negras.

 

Vivemos 300 anos de escravidão e fomos um dos últimos países a abolir o sistema – sem medidas de reparação e integração dos negros à sociedade. As raízes da noção de superioridade racial e discriminação de outras etnias são complexas, globais e passaram por transformações. No entanto, ainda persistem os estigmas, “as coisas de preto”, assim como os movimentos de resistência e de valorização da cultura negra.

 

Dói ver o joelho do policial branco sobre o pescoço de um homem negro, que agoniza. Também é doloroso saber que um jovem negro morre a cada 23 minutos no país, segundo a ONU Brasil. Precisamos unir forças, negros e brancos, entendendo o lugar de fala de cada um (não cabe a uma pessoa branca falar sobre o que é ser negro). Os movimentos atuais, felizmente, mostram esse direcionamento.

 

Também não se trata de diminuir histórias de superação, mas sim de gritar por igualdade de oportunidades. Escrevo por mim, por minhas filhas, pelas guerreiras que foram minha mãe e minha avó (lavadeira e analfabeta) e por todos os que vieram antes. Sempre foi difícil respirar.

 

Erica Franquilino
Redatora

Biologia, Histologia e Fisiologia da Pele - I de Souza, R Spagolla Napoleão Tavares, MG Landim Bravo, L Rigo Gaspar (Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto USP, Ribeirão Preto SP)

Este artigo traz uma revisão sobre a pele, no qual são abordados alguns tópicos da biologia, fisiologia e histologia da pele. São discutidos os tipos celulares, bem como as proteínas e as estruturas anexas que auxiliam o funcionamento da pele.

Este artículo proporciona una revisión de la piel, cubriendo algunos temas en biología, fisiología e histología de la piel. Se discuten los tipos de células que componen este órgano, así como las proteínas y las estructuras unidas.

This article provides a review on the skin and some topics regarding skin biology, physiology and histology are discussed. Cell types, proteins and accessory structures related to skin function are reviewed.

Comprar Artigo

Métodos Alternativos para Teste de FPS - Uli Osterwalder (Sun Protection Facilitator (SPF) GmbH, Basileia, Suíça); Steffen Uhlig, PhD, Bertrand Colson (QuoData Quality and Statistics, GmbH, Berlim/Dresden, Alemanha); Jürgen Volhardt, PhD (DSM Nutritional Products Ltd. Basileia, Suíça)

Este artigo apresenta métodos alternativos ao método ISO 24444:2019 para teste de produtos de proteção solar, considerado o padrão ouro. O leque de opções varia desde métodos in vivo calibrados, ferramentas in silico e procedimentos em placa in vitro até um método híbrido. Esta discussão destaca seu potencial e os procedimentos para sua validação, visando substituir os padrões atualmente em uso.

Este artículo presenta métodos alternativos de prueba de productos de protección solar al método ISO 24444:2019 considerado el estándar oro. Las opciones van desde calibrado in vivo, herramientas in sílico y procedimentos de placa in vitro, hasta um procedimento de placa in vitro, hasta un método híbrido. Esta discusión destaca su potencial y procedimentos para su validación com el objetivo de reemplazar el estândar actual.

This article presents alternative sunscreen test methods to the gold standard ISO 24444:2019. Options range from in vivo calibrated, in silico tools and in vitro plate procedures, to a hybrid method. This discussion highlights their potential and procedures for their validation with the aim of replacing the current standard.

Comprar Artigo

Impacto de Fragrâncias na Percepção Sensorial - Gabriela Daniels, Ru En The, Marianne Martin, Slobodanka Tamburic, PhD (London College of Fashion, University of the Arts London, Londres, Reino Unido)

Este estudo comparou o impacto de dois tipos de fragrância na percepção tátil de cabelos secos e descoloridos, tratados com uma base ou com um condicionador que permanece após o enxágue. Testes sensoriais mostraram que uma fragrância frutada foi mais bem-sucedida em melhorar a percepção dos cabelos.

Este estudio comparó el impacto de dos tipos de fragancias en la percepción táctil del cabello seco y decolorado tratado con una base o un acondicionador sin enjuague mejorado. Las pruebas sensoriales mostraron que una fragancia afrutada fue más exitosa en impartir la percepción del cabello acondicionado.

This study compared the impact of two fragrance types on the tactile perception of dry, bleached hair treated with a base or enhanced leave-on conditioner. Sensory tests showed a fruity fragrance was most successful at imparting the perception of conditioned hair.

Comprar Artigo

Envelhecimento dos Lábios e Tratamentos Tópicos - Dra. Charlene DeHaven (Innovation Skincare/IS Clinical, Burbank CA, EUA)

Este artigo revisa a anatomia da área labial e considera suas alterações com a idade. Além disso, descreve ingredientes típicos para melhorar a hidratação, a integridade, a função de barreira e mais.

Este artículo revisa la anatomia del área del labio y considera como eso cambia con el envejecimiento. Además, describe ingredientes tópicos para mejorar la hidratación, la plenitude, la función de barrera y más.

This article reviews the anatomy of the lip area and considers how it changes with aging. In addition, it describes topical ingredients to improve hydration, fullness, barrier function and more.

Comprar Artigo

Tratamento do Melasma - Camila Alves Silva, Paula de França Carmo da Silva (Universidade Anhembi Morumbi UAM, São Paulo SP, Brasil)

O melasma trata-se de uma hipercromia cutânea que altera a coloração da pele principalmente em mulheres em idade adulta no período gestacional. Essa hipercromia caracteriza-se por manchas acastanhadas com contornos irregulares localizadas em áreas fotoexpostas, como face, fronte e têmporas, podendo raramente acometer pálpebras, nariz e membros superiores. O presente estudo trata-se de uma revisão bibliográfica na qual os autores discutem a eficácia dos ácidos tranexâmico, glicólico e mandélico no tratamento do melasma.

El melasma se trata de una hipercromia cutánea que altera la coloración de la piel, principalmente, en mujeres en edad adulta en el período gestacional. Esta hipercromia se caracteriza por manchas pardas con contornos irregulars localizados en áreas expuestas como cara, nariz y miembros superiores. El presente studio se trata de una revision bibliográfica en la cual los autores discuten la eficacia de los ácidos tranexámico, glicólico y mandélico en el tratamiento del melasma.

The melasma is one kind of a cutaneous hyperchromia which changes the skin color, mainly, on adult women on gestational period. This hyperchromia characterizes as brown spots with irregular outlines positioned in photoexposed areas as face, forehead, temples, it can, rarely, rushes eyelids, nose and superior members. This study attends of a literature review in which the authors discuss the efficiency of tranexamic, glycolic and mandelic acids action on melasma treatment.

Comprar Artigo

Os Biofilmes e o Microbioma da Pele - K Steventon, MC Richardson (National Biofilms Innovation Centre, Reino Unido); JS Webb (University of Southampton, Southampton, Reino Unido); AJ McBain (University of Manchester, Manchester, Reino Unido); M Cámara (University of Nottingham, Nottingham, Reino Unido)

Atualmente, o microbioma e o papel dos biofilmes sobre a pele são temas de pesquisa altamente ativos. Os consumidores também estão interessados no impacto dos produtos de cuidado pessoal em seu próprio microbioma. Por essa razão, este artigo avalia as atuais oportunidades da pesquisa de biofilmes no contexto do microbioma da pele, para fazer considerações no desenvolvimento de produto.

El microbioma y el papel de las biopelículas en la piel son temas de investigación muy activos em la actualidad. Los consumidores también están interesados en el impacto de los produtos de cuidado personal en su próprio microbioma. Como tal, el presente artículo evalúa las oportunidades actuales en la investigación de biopelículas em el contexto del microbioma de la piel, para consideracón en el desarrollo del produto.

The microbiome and role of biofilms on the skin are highly active research themes at present. Consumers also are interested in the impact of personal care products on their own microbiome. As such, the present paper reviews current opportunities in biofilm research in the context of the skin microbiome, for product development consideration.

Comprar Artigo
John Jimenez
Tendncias por John Jimenez

Psychosmetics

As estatsticas dizem que 3 em cada 10 pessoas dormem mal e uma tem problemas de insnia. O mercado do sono est avaliado em US$ 432 bilhes e chegar a US$ 585 bilhes at 2024. Segundo estatsticas da Organizao Mundial da Sade (OMS), estima-se que mais de 300 milhes de pessoas sofram de depresso no momento no mundo. Infelizmente, o distanciamento e o confi namento social que estamos enfrentando devido pandemia esto aumentando essas taxas.

Os cosmticos tm um papel fundamental que pode ajudar a mitigar essas consequncias, e por isso que veremos as tendncias que nossa indstria pode aplicar imediatamente para ajudar a manter o bem-estar das pessoas.

- Wellness music: h relatos de tecnologias que capturam nossos dados biomtricos para criar passagens sonoras curativas. A msica est passando por uma grande transformao em direo ao bem-estar. A msica poderosa no controle das emoes, e existem evidncias mdicas para a musicoterapia.

Quando se trata de cosmticos, h um mundo para descobrir. Em fevereiro de 2019, foi publicado um estudo muito interessante sobre como a musicoterapia conseguiu diminuir os nveis de cortisol salivar em um painel de jovens. Tambm foi publicado um estudo com 117 pessoas que assistiram a um concerto musical e mostrou como os nveis de cortisol, avaliados antes e depois do concerto, melhoraram signifi cativamente no grupo. Os efeitos do cortisol no nvel da epiderme, derme e hipoderme esto muito bem documentados, e a cincia cosmtica conseguiu elucidar o efeito do cortisol nos sinais de envelhecimento.

Existem vrios relatrios cientficos sobre como a msica pode melhorar a resposta galvnica da pele (GSR) e a condutncia da pele, que a medida de variaes contnuas nas caractersticas eltricas da pele, como a condutncia, que pode estar diretamente relacionada hidratao da pele.

As condies atuais de pandemia e confinamento aumentam o estresse e, portanto, a pele perde brilho, hidratao e luminosidade. A msica tem uma ao comprovada na reduo dos ndices de ansiedade, e por isso que a indstria cosmtica comear a aprofundar estudos e testes sobre como a msica tambm pode melhorar certos parmetros de qualidade da pele. O consumidor do futuro poder se automedicar atravs da msica, e isso se refletir em benefcios cosmticos.

- J-Wellness: o Japo oferece uma cultura integral de bem-estar e incentiva o mundo a seguir o exemplo. Em 1965, o pas tinha 153 centenrios e, em 2017, havia 67.824. Este pas lder em inovaes de bem-estar com alcance global, como Ikigai - fi nalidade com um ritmo moderado, Kintsugi - arte de reparar cermicas quebradas, Wabi-Sabi - adotando a imperfeio e transitoriedade, Marie Kondo mudar o valor espiritual de nossas posses e Shinrin-Yoku - tomando banho na floresta. A J-Beauty continuar sendo um fluxo de inovao e inspirao em nvel global. As empresas japonesas de cosmticos continuam nos surpreendendo em formatos, texturas e benefcios. Em 2019, uma renomada empresa lanou uma tecnologia de spray de fibra que combina uma essncia com uma membrana ultrafina, formando uma segunda pele, que estimula protenas e que tem a capacidade de liberar maquiagem para criar uma aparncia natural que cobre poros e manchas.

- Wellness tech: estamos vendo inovaes futuristas, como virtual care, wearables, chatbots & digital terapeutics. Este um novo ecossistema, no qual as pessoas podem confiar em uma ampla gama de ferramentas digitais para combater problemas modernos, como exausto, solido e ansiedade. uma nova abordagem holstica do bem-estar psicolgico, da qual a indstria cosmtica tambm comea a participar.

- Circadian health: Sleeping well is the new luxury. Estamos vendo inovaes em vrias categorias para ajudar a regular os ritmos circadianos, incluindo iluminao circadiana para quartos, circadian diets, circadian apps, relgios inteligentes que acompanham nossa qualidade de sono, sleep ice cream, robs projetados para nos abraar e controlar nossa respirao. Vimos at novas condies, como a orthosomnia, na qual a ansiedade no rastreamento do sono causa problemas no sono. A situao do coronavrus est afetando os ciclos biolgicos circadianos das pessoas. A indstria cosmtica est avanando bastante nessa rea e, por isso, continuaremos vendo nas feiras e lanando tecnologias relacionadas ao mecanismo circadiano. Bye bye lightmare.

- Yoga, zen & meditation: h tambm um nmero significativo de relatrios cientficos na literatura sobre como essas atividades melhoram a resposta galvnica da pele.

- Minimalism: Less Ingredients Is More. A transparncia ser o princpio central das decises de compra, e a clean beauty passar de uma tendncia para um padro amplamente adotado para produtos de beleza.

A cincia conseguiu estabelecer como as emoes afetam a qualidade da pele. Psychosmetics = Psychology + Cosmetics. Os cosmticos tm o poder de ajudar o bem-estar emocional das pessoas, o que se refletir em uma melhor qualidade de vida e uma aparncia saudvel da pele.

Carlos Alberto Pacheco
Mercado por Carlos Alberto Pacheco

Tendncias populacionais: como isto me afeta?

As pessoas ao redor do mundo esto vivendo mais. Em vista desta nova realidade, o mundo a nossa volta vai transformando-se e mudando as atuais formas de demanda de consumo. Sendo assim, no ser inteligente as reas de negcios fi carem cegas diante do fato. Elas devem comear desde j a abraar as oportunidades que a longevidade j nos traz.

As duas dimenses que ajudam a tornar o mundo mais snior so o aumento da expectativa de vida ao nascer e a diminuio da mortalidade infantil. Em 2019, tivemos pela primeira vez na histria mundial uma populao com 65 ou mais anos de vida maior do que a populao com 4 ou menos anos. A estatstica aponta para cerca de 990 milhes de pessoas com 65 anos ou mais em 2030 (perodo inferior a 10 anos, ou seja, num horizonte bem curto), sendo que um quarto delas estaro na China. A expectativa de vida ter um aumento significativo no primeiro tero do sculo 21, passando de 66,7 anos (aos nascidos em 2000) para 74,4 anos em 2030. Some-se a estas evidncias o fato de que a faixa da terceira idade que mais crescer entre 2019 e 2030 formada pelas pessoas entre 75 e 79 anos de idade.

Para os que tm um olhar mais atento, fcil ver que a atual populao snior j adota um estilo de vida diferente quando comparada com a populao snior de 10, 20 ou 30 anos atrs. As avs de hoje no so as mesmas de geraes anteriores. A atual construo de imagem da av no a da mulher com bengala, culos, rugas e xales que vamos na cartilha Caminho Suave da dcada de 1970. Hoje o estilo difundido na mdia e que espelha a tendncia o de uma av que usa internet, viaja e retarda os efeitos visuais da terceira idade por meio de cosmticos, roupas e cirurgias estticas.

Quer as pessoas aceitem, quer no, a situao financeira de uma parcela expressiva da terceira idade hoje melhor do que a de geraes anteriores. A ideia no afirmar que essa situao financeira seja excelente, mas enfatizar que melhor em comparao com a anterior. Sendo assim, as pessoas aproveitam a matria-prima escassa aos jovens inseridos no mercado de trabalho, ou seja, o tempo livre, para privilegiar viagens e suprir demandas pessoais para obter novas experincias, que vo desde o desejo de aprender trabalhos manuais ou novos idiomas at o consumo de vitaminas.

Os shoppings vo se reinventando para esta nova realidade. Espaos especficos para este pblico vo surgindo, pois as necessidades de segurana, mobilidade e descanso deste pblico so diferentes daquelas exigidas pelos mais jovens, que no se importam com agitao, barulho e ausncia de sanitrios adaptados ou espaos para simplesmente tirar um cochilo aps o almoo antes de ir s compras.

O mercado de automao de casas tem crescido com a oferta de servios, produtos e itens que trazem confortos para os que preferem passar mais tempo indoor. A Alexa da Amazon que o diga. Atualmente, ela age como uma fonte de informao fcil para os que no esto to acostumados com a tecnologia. Voc pergunta e ela responde. De forma subliminar, sugere solues baseadas nos algoritmos obtidos a partir do seu histrico de navegao em equipamentos eletrnicos. No entanto, em um futuro no to distante, ser tambm uma espcie de companhia, algum para conversar, discutir, ser confi dente etc. A IOT (Internet das Coisas, preconizada pela 4 Revoluo Industrial) ter um papel crucial neste campo, pois caber a ela expandir hbitos e necessidades do consumidor para equipamentos alm de celulares, tablets, computadores, smart TVs e relgios de pulso inteligentes.

Deste modo, saber cruzar as trs grandes tendncias populacionais - a saber: aumento da urbanizao, da migrao interna e externa e da populao idosa - trar vantagens competitivas j no curto prazo. Por exemplo, a urbanizao facilitar a redistribuio e a implantao de centros de distribuio mais adequados populao que migra para cidades que j tm mais de 10 milhes de habitantes. A estimativa de que, em 2030, a populao urbana corresponda a 61% do total. A urbanizao ajudar a conexo dos consumidores com os meios de compra e entrega - ser o mundo dos deliveries. A configurao de casais seniores, formados por pequenas famlias (um ou nenhum filho), exigir produtos premium e qualidade na prestao de servios como jamais se viu.

As empresas que primeiro entenderem estas mudanas e agirem no sentido de atender as novas demandas sero as mais preparadas para o mercado

Cristiane M Santos
Direito do Consumidor por Cristiane M Santos

hora de desjudicializar!

Aumento de divrcios, reclamaes trabalhistas, descumprimentos contratuais, demandas consumeristas, despejos imobilirios etc. Especula-se que depois da crise econmica a pandemia ir provocar um caos na justia. Ser?

Sabemos que o sistema judicial brasileiro, independentemente do coronavrus, j meio catico.

Segundo o relatrio Justia em Nmeros, do Conselho Nacional de Justia (CNJ), o estoque de processos pendentes ao fi nal de 2018, em todos os rgos do Poder Judicirio, foi de 78.691.031 aes. Num pas de aproximadamente 209 milhes de habitantes, podemos dizer, num raciocnio bem simplista, que quase todos os brasileiros tm um processo na justia, j que necessrio ter pelo menos duas partes.

Quem experimentou ingressar com uma ao sabe quanto tempo isso pode perdurar at uma deciso definitiva. A ttulo exemplificativo, em meados de maio entrei na fase de cumprimento de sentena de um processo, que havia iniciado em 2003 h 17 anos!

Mas ser que precisamos esperar a pandemia passar e a vida voltar ao normal para resolvermos os nossos conflitos? Claro que no!

O sistema judicial brasileiro j vinha sofrendo um processo de desjudicializao, de busca pelo consenso, que certamente se intensificou com esta pandemia.

Mas, afinal, o que desjudicializao?

Desjudicializar incentivar a resoluo de conflitos por meio de mtodos adequados (ou mtodos alternativos - MASCs) tambm conhecidos pela sigla ADR (do ingls, alternative dispute resolution) -, nos quais se resolve o conflito sem o ingresso de uma ao judicial e, por consequncia, uma deciso de um juiz.

So exemplos desses mtodos a negociao, a conciliao, a mediao, as prticas colaborativas e a arbitragem.

Vale destacar que os mtodos adequados no existem para substituir o mtodo tradicional de utilizao do sistema judicirio, mas para auxili-lo, propiciando uma alternativa s pessoas fsicas ou jurdicas que buscam solues diferenciadas e especficas para o seu conflito.

Esses mtodos so legtimos, previstos em lei e mais econmicos, e a deciso resultante tem fora de sentena judicial, podendo ser, inclusive, homologada por um juiz.

Outra caracterstica desses mtodos a sua celeridade em comparao ao poder judicirio, que pode demorar muitos anos para proclamar uma sentena.

Os MASCs ou ADRs podem ser utilizados em conflitos de pessoas fsicas ou jurdicas, em questes de famlia, empresariais, escolares, relaes de consumo e trabalhistas, entre outros, e seu trmite pode ser realizado de forma presencial ou online (ODR Online Dispute Resolution ou Mtodos Virtuais de Soluo de Conflitos).

Por conta do momento de isolamento ou distanciamento social que estamos vivendo, perfeitamente adequado e possvel utilizar as formas virtuais. Em confl itos de relaes de consumo, esses mtodos tm sido cada vez mais incentivados e aderidos pelas empresas e consumidores.

So exemplos as plataformas digitais de algumas empresas para resolver questes de seus consumidores por meio de uma negociao direta entre as partes.

Tambm possvel realizar conciliaes ou mediaes virtuais, nas quais as partes so auxiliadas pela figura de um conciliador ou mediador - terceiro imparcial e sem poder de deciso, que facilita a comunicao e estimula a construo de solues consensuais para a controvrsia. Outro exemplo que vale a pena ser citado, principalmente para demandas de baixo valor que no compensam a contratao de um profissional da rea, a plataforma consumidor. gov.br - servio pblico que permite a comunicao direta entre consumidores e empresas para soluo de conflitos de consumo pela internet.

O acesso ordem jurdica justa no deve se limitar ao sistema convencional. Cada caso merece um meio adequado para alcanar uma soluo efetiva.

E os advogados de hoje tm a obrigao de oferecer aos seus clientes todas as alternativas e, de preferncia, tentar sempre evitar um processo na justia!

Wallace Magalhes
Gesto em P&D por Wallace Magalhes

O novo desafio das embalagens

comum ouvir muito sobre ingredientes, formulaes, estudos de estabilidade, segurana e eficcia no P&D, mas no se fala das embalagens com o destaque necessrio. Mesmo que criadas fora dos domnios dos laboratrios de desenvolvimento, a elaborao do projeto de embalagem de grande importncia no desempenho do novo produto. Diferentemente da embalagem de um produto eletrnico - que normalmente descartada assim que este desembalado -, a embalagem do cosmtico, na grande maioria dos casos, permanece com o consumidor durante toda a vida til do produto, cumprindo, inclusive, um papel essencial na manuteno das caractersticas e utilidades do produto. E cumpre este papel no somente ao conter ou proteger a formulao, mas tambm ao dar informaes importantes ao consumidor sobre modo de uso e precaues e, ainda, ao disponibilizar o produto de forma segura. Estes fatos j so motivos suficientemente relevantes para que o desenvolvimento de embalagens seja muito tecnolgico, mas existem outros requisitos que tm ganhado muita relevncia.

Especialistas entenderam a importncia da comunicao da embalagem nos tempos atuais, em que as pessoas so constantemente bombardeadas por mensagens publicitrias. Assim, ela tambm passa a ser uma pea de publicidade, porque estar constantemente vista do consumidor. Alm de adequada, elegante e funcional, ter que ser honesta e verdadeira. No h mais espao para imagens exageradas ou fora de contexto. Imagens inadequadas podem comprometer at a segurana do produto, ao promover um uso inadequado. Tambm no h espao para inverdades ou exageros. No uma boa prtica desapontar o consumidor. Alm de desvalorizar o produto, desvalorizaria a marca e a imagem do fabricante. Seria uma publicidade negativa e constante. Um prejuzo e tanto.

Na lista de desafios, no se pode deixar de falar da questo custo e preo. Muitas vezes, o custo da embalagem consideravelmente maior que o custo da prpria formulao. Isto acontece provavelmente para que ela cumpra parte de sua misso, que encantar o consumidor. Ou seja, o consumidor paga para ser encantado. Por mais que seja comum e lgico, isto sempre me pareceu injusto. Agora, numa poca na qual a conscincia valoriza o gasto racional e privilegia aquilo que efetivamente vai gerar o benefcio, parece que ser necessrio rever este conceito. Talvez este excesso ainda seja permitido somente aos perfumes. Pelo menos por um tempo.

Existe outro desafio igualmente importante e difcil. O desafio do impacto ambiental. O senso comum acredita que a conta ambiental - que s era esperada para geraes futuras - j chegou.

Assim, o excesso de material na embalagem ser cada vez mais um ponto negativo. A coleta e a reciclagem podem ser uma boa sada, mas devem esbarrar em dificuldades logsticas e no custo sempre ele. O sach, embalagem com menos plstico, uma boa opo, e j vem sendo usada em sabonetes lquidos e refil de alguns produtos. Outra sada seria mudar a concepo do desenvolvimento de formulaes, para criar produtos mais concentrados, com menos gua.

Isto j est acontecendo com saneantes. Desde que os produtos sejam simples de usar e no obriguem o consumidor a realizar operaes complexas, este formato pode ser muito vantajoso, no s por reduzir o volume de material de embalagem, mas tambm por proporcionar enormes redues de custo e preos. Inmeras vantagens benefi ciariam toda a cadeia. Seria necessrio tratar menor volume de gua para a produo, o custo do transporte sofreria reduo, com menos consumo de combustvel e menos emisso de poluentes. Haveria aumento da capacidade de produo e estocagem das indstrias, sem necessidade de investimentos. O volume de efluentes seria menor, e haveria reduo do consumo de energia eltrica. A possibilidade de reduo da quantidade de conservantes, corantes e outros materiais reduziria tambm o impacto ambiental. Esta face, que at pouco tempo estava oculta, j apareceu com muito destaque, quando o governo do Hava proibiu o uso da oxibenzona e do octinoxato em protetores solares em seu territrio. Alm do descarte, temos que lembrar que, quando algum toma banho, uma enorme quantidade de material vai para o meio ambiente. Muitas toneladas de conservantes, corantes e outros materiais atingem os oceanos e podem prejudicar o ecossistema.

Prepare-se. Vm a novos e grandes desafi os. E nem precisa explicar muito para os consumidores. Eles j sabem e esto s esperando.

Denise Steiner
Temas Dermatolgicos por Denise Steiner

Fotoproteo

A aplicao adequada do protetor solar pode evitar danos causados pela radiao UV na pele, mas a parte do UVB bloqueada tambm necessria para a produo de vitamina D. Embora intuitivamente suspeitemos de que o uso adequado do protetor solar impea a sntese suficiente de vitamina D, h poucos estudos que analisam esta questo.

A radiao ultravioleta do tipo B (UV-B), com pico de ao em 296 nm, atua no metabolismo da vitamina D, transformando, na epiderme, 7-di-hidrocole-terol em pr-colecalciferol (pr-vitamina D3). A partir da, uma sequncia de reaes metablicas de hidroxilao vai ocorrer no fgado e nos rins at a produo da forma ativa da vitamina D (1,25-di-hidrocolecalciferol).

A dose estimada de UV-B necessria para a produo de 1000 UI de vitamina D de 0,25 Dose Eritematosa Mnima (DEM), quando cerca de 25% da rea corporal total exposta. , portanto, uma dose considerada pequena se comparada dose necessria para a produo de eritema.

Em um pas com altos nveis de insolao, como o Brasil, poucos minutos de exposio ao ambiente externo, qualquer que seja o clima, somente de mos e face, seriam suficientes para a produo de vitamina D. Portanto, devemos ter maior preocupao com os riscos relacionados exposio solar do que com os riscos relacionados sua no exposio.

Em relao ao horrio de exposio ao sol, sabemos que o nvel de radiao UV-B no perodo anterior s 10 horas da manh e aps as 15 horas (desconsiderando-se o horrio de vero) mnimo. Por isso, no se justifica a exposio solar durante esse perodo com a inteno de produo de vitamina D.

Sabemos que o uso adequado de fotoprotetores reduz de forma significativa a quantidade de radiao UV-B que atinge a superfcie cutnea, podendo, desta maneira, interferir teoricamente na produo de vitamina D. Entretanto, na prtica, sabemos que o uso regular de fotoprotetores no leva deficincia de vitamina D.

A possvel justificativa encontrada seria a de que, pelo fato de os usurios no aplicarem o protetor solar na quantidade adequada e com a frequncia e regularidade recomendadas, uma quantidade sufi ciente de radiao UV-B atingiria a superfcie da pele para a produo de vitamina D.

Assim, o uso de fotoprotetores, da forma como so habitualmente utilizados pelos usurios, no poderia ser considerado como um fator predisponente ao desenvolvimento de defi cincia de vitamina D.

O Consenso Brasileiro de Fotoproteo faz as seguintes recomendaes:

1. A exposio ao sol, de forma intencional e desprotegida, no deve ser considerada como fonte para a produo de vitamina D ou para a preveno de sua deficincia.

2. O uso de protetores solares com FPS superiores a 30 deve ser recomendado para todos os pacientes, acima de 6 meses, expostos ao sol. No se deve realizar a exposio ao sol sem o uso adequado de protetores solares. Crianas abaixo de 6 meses no devem se expor diretamente ao sol e no devem fazer uso regular de fotoprotetores.

3. Pacientes considerados como sendo de risco para o desenvolvimento de deficincia de vitamina D devem ser monitorados por exames peridicos e podem utilizar fontes dietticas ou suplementao vitamnica para a preveno de deficincia de vitamina D.

4. So considerados fatores de risco para o desenvolvimento de deficincia de vitamina D:

a. Lactentes recebendo amamentao exclusiva
b. Idosos (pele envelhecida produz menos vitamina D) c. Indivduos com baixa exposio ao sol
d. Condies climticas extremas
e. Uso rigoroso de medidas de fotoproteo
f. Cobertura da pele por prticas religiosas
g. Pessoas com pele escura (fototipos V e VI)
h. Pacientes com sndrome de m absoro
i. Obesos mrbidos

5. A dose diria recomendada de vitamina D para a preveno de deficincia em indivduos de risco a seguinte:

a. 0 a 12 meses: 400 UI/dia
b. 1 a 70 anos: 600 UI/dia
c. Acima de 70 anos: 800 a 1000 UI/dia

A preveno ao cncer de pele, por meio da fotoproteo consciente, a medida prioritria em termos de sade pblica para o Brasil, particularmente na rea da dermatologia, e a Sociedade Brasileira de Dermatologia continua a estimular a populao a evitar a exposio ao sol sem a adequada proteo, especialmente no perodo de maior risco, entre 10 e 15 horas.

Antonio Celso da Silva
Embale Certo por Antonio Celso da Silva

Embalagens: o que a crise nos ensinou

No d para falar de embalagem sem mencionar o momento que estamos vivendo.

Como todos sabem, na crise que a gente tem que se reinventar e se superar, mesmo com dificuldades de toda ordem.

A histria nos conta que os grandes eventos nasceram na difi culdade, as solues mgicas de problemas surgiram quando as pessoas perceberam oportunidades de mudar e no mais conviver com aquele problema. Muitas das grandes empresas de hoje deram a volta por cima quando buscavam oportunidades para sobreviver na crise e se tornaram referncia.

Mas o que isso tem a ver com as embalagens? Se a gente pensar dentro da caixa, realmente no tem nada a ver. E continuaremos a lamentar a crise.

Pensando fora da caixa, podemos perceber que, nesse nosso mercado cosmtico, temos os mais diversos canais de vendas, sendo que o canal varejo e tambm o canal franquia foram os mais afetados, por no poderem abrir suas portas e amargarem enormes prejuzos, chegando muitos deles a ter que fechar definitivamente. Por outro lado, o canal porta a porta ou venda direta e, principalmente, o e-commerce foram os que menos sentiram a crise.

Nessa crise, alguns hbitos vieram realmente para fi car. Um deles foi a compra via internet, descoberta por um grande nmero de pessoas que antes tinham receio de fazer compras nesse canal, por medo de golpes, mas muito mais por desconhecer as ferramentas e/ou pela falta de habilidade para us-las. Com isso e por isso, o e-commerce, alm de no sofrer tanto com a crise, apresentou enorme crescimento. bvio que, com o menor poder de compra em funo da perda de empregos e da reduo de salrios, esse crescimento poderia ter sido ainda maior, mas esse foi um problema que tambm afetou os demais setores.

Se a venda eletrnica cresceu e isso ser cada vez mais um hbito dos consumidores, hora de direcionar os holofotes para os produtos desse canal. Mais do que isso: hora de olhar para a necessidade de adequao e melhoria dessas embalagens para atender esse canal. E quais so as oportunidades? preciso pensar em embalagens mais resistentes ao transporte, principalmente nos bas das motocicletas. Os beros que protegem a perfumaria dentro dos cartuchos vo ser quase que obrigatrios para proteger os frascos de vidro.

Em resumo, no se pode mais pensar que, para melhor proteger as embalagens no transporte, vamos ter que continuar usando bolinhas de isopor, papel picado, plstico bolha ou qualquer outra coisa. A funo de proteger o produto passa a ser uma das mais importantes dentre as demais funes de uma embalagem.

Outra coisa que percebemos que, fi cando em casa e com mais tempo para passear pela internet, as pessoas perceberam que podem buscar nesse canal respostas que antes elas s conseguiam ligando para o SAC das empresas. Perceberam tambm que podem saber mais do produto sem t-lo na mo. Por outro lado, tornaram-se mais crticas e querem mais. Disparam na frente, ento, as empresas que colocarem nas suas embalagens a j conhecida realidade aumentada, que mostra mais do que a simples rotulagem do produto pode mostrar. Com isso, passa a ser quase que obrigatrio usar esse recurso nas embalagens, pois ele vai realmente fazer a diferena e ter a preferncia do consumidor.

Outro recurso que as embalagens precisaro ter - no para se diferenciarem, mas para estarem atualizadas - ser o QR code, j usado por muitas empresas. Virou moda apontar a cmera do celular para a TV e ser direcionado para o site da empresa ou para alguma pgina especfica que nos encante e facilite uma compra. Esse recurso, ento, vai precisar estar nas embalagens dos produtos com a mesma finalidade.

Outra coisa que aprendemos nessa crise foi realmente ter que criar, buscar novas solues para problemas que antes no nos incomodavam. Estou falando do ator principal desse drama, que foi o lcool gel. Bastou aumentar o consumo e sumiram as vlvulas e os frascos, sem citar o sumio total da matria-prima mais importante, que o polmero Carbopol. Nunca se buscou e se achou tanta alternativa para essa matria-prima. Da mesma forma, para produzir lcool gel era obrigatrio o uso de vlvula. Quantas empresas deixaram de atender seus pedidos por falta desse item? No entanto, vejam no mercado hoje quantas opes foram criadas, desde as tampas flip-top at as impensveis tampas cegas.

Para os criadores e designers de planto, vale aprender com essa crise que a embalagem tem a sua importncia, mas na hora da necessidade o consumidor quer mesmo usar o produto. Cabe ento aqui pensar fora da caixinha e buscar alternativas que possam unir o til ao agradvel, ou seja, a beleza, a praticidade e a simplicidade da embalagem com necessidade de uso do produto.

Carlos Alberto Trevisan
Boas Prticas por Carlos Alberto Trevisan

A neurocincia na Qualidade

O leitor poder considerar estranho abordar a importncia da neurocincia em uma coluna sobre Qualidade. Entretanto, uma vez mais, eu gostaria de lembrar que um dos princpios adotados pela Qualidade diz: Quem faz Qualidade so pessoas.

Nos cursos, nas palestras, nos artigos, nas lives (agora em moda) e nos webinars, sempre fao questo de enfatizar a importncia do comportamento das pessoas para o sucesso da Qualidade. Relembro sempre que a grande dificuldade na implantao de quaisquer processos da Qualidade sempre reside na ausncia de comprometimento e de motivao dos colaboradores com esses processos.

Muitas so as estratgias avaliadas e testadas para aumentar o interesse dos colaboradores, visando que adiram causa da implementao dos processos de Qualidade.

Uma das estratgias que sempre enfatizo como um dos fatores mais importantes para aderir s mudanas, a melhoria do processo da comunicao, a qual deve ser executada da forma mais efetiva e adequada ao nvel de compreenso dos colaboradores.

A partir do incio dos anos 1990, a neurocincia tornou-se uma grande ferramenta para o estudo comportamental das pessoas no que se refere ao entendimento que elas tm sobre as oportunidades que so oferecidas pelos novos processos de melhorias.

Os pensamentos e os sentimentos do ser humano so produtos de estmulos que atuam no encfalo e o ambiente social consiste em poderoso fator influenciador para a realizao dos processos de mudanas.

A neurocincia estuda o sistema nervoso de forma mais ampla e completa. Sua atividade comporta desde a formao e a estrutura cerebral, passando pelo funcionamento e pelo desenvolvimento das atividades mentais, e culmina com as conexes do crebro com nosso comportamento.

Para que seja possvel compreender as propriedades das funes cerebrais, necessrio considerar que o crebro dos seres humanos, o ncleo de inteligncia e aprendizagem.

O encfalo, que tambm se localiza na caixa craniana, desenvolveu-se h aproximadamente 20 milhes de anos nos demais primatas, e a evoluo de espcie, criou condies para construir o encfalo humano como hoje conhecido. O encfalo parte do sistema nervoso central, capaz de ter todos os tipos de reaes, tanto as maravilhosas quanto as banais.

O que conhecemos como mente um grupo de atividades desenvolvidas pelo crebro. As atividades cerebrais so atuantes em todo o comportamento humano, no apenas nas atividades motoras simples, como andar e comer, mas tambm em todas as atividades complexas cognitivas. Associamos as atividades complexas cognitivas aos comportamentos especificamente humanos, como pensar e falar.

A tarefa da neurocincia apresentar explicaes relativas ao comportamento humano quanto atividade cerebral, esclarecendo como milhes de clulas neurais individuais, localizadas no encfalo, agem para produzir esse comportamento e como, por sua vez, elas so influenciadas pelo ambiente, inclusive pelo comportamento de outras pessoas.

Portanto, a chave do sucesso : o ambiente e os estmulos comportamentais que provocam mudanas de atitude nos seres humanos. Isso vale tambm para as melhorias da Qualidade.

Olivier Fabre
Fragrncias por Olivier Fabre

Briefing: para desenvolver fragrncias

Na ltima edio, apresentei um relato da minha experincia como avaliador em uma casa de perfumaria, quando tive a oportunidade de comentar alguns briefi ngs que recebi durante minha carreira profissional. Hoje vou abordar a importncia do briefing para o desenvolvimento de uma fragrncia.

O briefing a pea-chave para a relao dos clientes com as casas de perfumaria. to fundamental que se pode dizer que a qualidade do perfume a ser desenvolvido depende em grande parte do cuidado com que estabelecido no briefing.

A fragrncia, diferentemente dos outros ingredientes de uma frmula de um produto cosmtico, no existe em nenhum catlogo. Ela precisa ser desenvolvida sob medida, o que implica tempo e um cuidado especial.

O briefing elaborado obrigatoriamente por escrito (sim, j me aconteceu de receber um briefing oralmente!), com informaes de qualidade e com outras informaes relevantes, o que signifi ca na justa medida, nem pouca, nem muita. As informaes indispensveis que o briefi ng deve conter so as seguintes:

1. Da empresa: uma breve descrio da empresa, sua histria, seus valores, seu posicionamento no mercado, suas principais marcas, com informao quantitativa e seus principais competidores no mercado.

2. Do produto: descrio do produto com informaes tcnicas relevantes para a casa de perfumaria, como tipo de base, processo de incorporao da fragrncia e informao sobre ingredientes da base que possam ter alguma influncia no perfume, tanto olfativa como tecnicamente. Tambm so necessrias outras informaes, como o posicionamento do produto e da marca no mercado e em relao aos competidores. Alm disso, deve haver informaes mercadolgicas, por exemplo, o percentual de penetrao que o produto pretende atingir, e precisam ser defi nidos o pblico-alvo do produto e o objetivo buscado com o perfume.

3. Da fragrncia a desenvolver: descrio dessa fragrncia. Essa descrio tem que ser a mais objetiva possvel. Deve ser indicado o prazo para recepo das amostras. importante ressaltar que a criatividade no instantnea, precisa de tempo. Idealmente, o prazo de submisso da fragrncia deve incluir o tempo dos testes de estabilidade. preciso indicar os testes de mercado a serem realizados. Na ausncia deles, deve-se indicar qual ser o processo de seleo das fragrncias recebidas para esse briefing. necessrio indicar os testes de estabilidade que sero realizados e a faixa do custo e da dosagem da fragrncia a desenvolver. Deve-se privilegiar um custo/dosagem a um custo fixo por peso (kg) e uma dosagem fixa. O custo/dosagem permite mais latitude criativa para a casa de perfumaria.

4. Da base: na medida do possvel, fortemente recomendado enviar a base do produto a ser perfumado para a casa de perfumaria. Com a base, a casa de perfumaria poder realizar teste de estabilidade da fragrncia que ser desenvolvida.

Uma vez que o briefing tiver sido enviado para a casa de perfumaria, deve-se dar seguimento ao desenvolvimento da fragrncia. Esse desenvolvimento deve ser feito com a realizao de reunies intermedirias de avaliaes das fragrncias desenvolvidas. Essas reunies permitem avaliar se o briefing foi bem interpretado, se o desenvolvimento da fragrncia est seguindo boa direo e, eventualmente, do a oportunidade de fazer correes e at mesmo de dar novo rumo a esse desenvolvimento.

Valcinir Bedin
Tricologia por Valcinir Bedin

necessrio proteger os cabelos da UV?

O cabelo exposto mesma radiao que a sua pele. Estamos acostumados a proteger nossa pele com protetor solar, mas muitas vezes esquecemos que o cabelo tambm precisa de proteo. Diferentemente do que acontece na pele, os raios ultravioletas no causam cncer no cabelo, embora o couro cabeludo esteja sujeito doena.

O cabelo que sai da sua cabea um material morto. Voc no pode sentir a parte morta do cabelo, e no di quando o Sol o atinge. Mas o Sol defi nitivamente causa muitos problemas, como ressecamento, perda da cor natural ou artificial e perda de protenas, deixando a haste mais frgil e quebradia.

Uma das agresses mais visveis na haste o amolecimento das cutculas, que leva sua abertura e degradao da protena do crtex dos fios. Esta alterao leva perda do brilho e piora da penteabilidade, pelo mesmo motivo.

Produtos protetores de cabelo podem e devem ser usados durante todo o ano, embora seja necessrio ficar mais atento quando o Sol estiver mais intenso. Se voc tiver uma exposio prolongada ao Sol, se estiver na praia ou de frias, obviamente seria um momento para fi car ainda mais consciente disso, mas, como regra geral, seguro us-lo o tempo todo, pois as radiaes no deixam de existir na primavera ou no inverno.

Quando falamos de quantificao de proteo solar, ouvimos sempre o termo FPS seguido de um nmero. Este nmero indica a quantidade de tempo que podemos deixar esta pele exposta ao sol sendo protegida, em comparao com a mesma exposio sem o produto.

Infelizmente, os fios do cabelo no mudam de cor imediatamente quando expostos ao Sol como a pele (que fica vermelha), ento no conseguimos ter uma avaliao de momento do dano que o Sol causa cabeleira. Somente em nvel laboratorial podemos ter uma quantificao da perda proteica ou da perda de cor dos fios para se ter um dado numrico confivel.

Alguns trabalhos cientficos tm sido realizados ao redor do mundo para dar suporte a estas teorias. A exposio excessiva ao Sol a causa mais frequente de comprometimento estrutural do eixo capilar. O comprometimento fotoqumico do cabelo inclui degradao e perda de protenas capilares, bem como degradao do pigmento capilar. A degradao das protenas capilares induzida por comprimentos de onda de 254-400 nm. A radiao UVB responsvel pela perda de protena capilar, e a radiao UVA responsvel pelas alteraes de cor. A absoro da radiao nos aminocidos fotossensveis do cabelo e sua degradao fotoqumica produzem radicais livres. Eles tm um impacto adverso nas protenas capilares, especialmente na queratina. A melanina pode imobilizar parcialmente os radicais livres e bloquear sua entrada na matriz de queratina. Tambm absorve e fi ltra radiaes UV adversas. Portanto, a melanina importante para a proteo direta e indireta das protenas capilares. Proteger a cutcula muito importante para manter a integridade do fi o de cabelo. Pode-se conseguir isso evitando impactos nocivos ou implementando produtos para os cabelos com fi ltros UV. Atualmente, grandes estudos e pesquisas so realizados para criar produtos que evitem danos aos cabelos.

No nosso meio, existe um trabalho conduzido pela Prof. Dra. Maria Valria Velasco, da Faculdade de Farmcia da Universidade de So Paulo (USP), que aborda este assunto. Neste artigo, so discutidos os efeitos negativos da radiao solar nas propriedades capilares. Apesar de saber que a radiao danifica o cabelo, no h consenso sobre o efeito especfico de cada segmento de radiao solar no eixo do cabelo. Os produtos de fotoproteo capilar destinam-se principalmente a cabelos tingidos, especialmente pigmentos ruivos e tons de cinza. Eles geralmente so baseados em silicones, antioxidantes e filtros qumicos quaternrios, que tm mais afinidade com a superfcie do cabelo carregada negativamente e apresentam maior eficcia. Infelizmente, no existem parmetros regulados, como na fotoproteo cutnea, para avaliao da efi ccia dos produtos capilares, o que impossibilita a comparao dos resultados publicados na literatura. Assim, importante que os pesquisadores se esforcem para aplicar condies experimentais semelhantes a um nvel real de exposio ao sol, como dose, irradincia, tempo, temperatura e umidade relativa.

Acreditando muito na engenhosidade dos nossos pesquisadores, teremos, com certeza, num futuro bem prximo, produtos mais efi cazes para nossa proteo.

Novos Produtos