Testes Alternativos

Ver Revista na íntegra Edição Atual - Testes Alternativos

Novas escolhas

Inovações tecnológicas e sustentabilidade estão cada vez mais alinhadas na indústria cosmética e constituem as principais tendências de consumo no mercado de beleza. São destaques aplicativos que oferecem recomendações para uma rotina de beleza personalizada, fragrâncias desenvolvidas a partir de algoritmos de machine learning, bem como a transparência em questões relacionadas ao propósito e à responsabilidade socioambiental das marcas.

Uma pesquisa feita pela Teads, empresa especializada em publicidade on-line, em parceria com a agência de marketing Global Web Index, ouviu 4.487 mulheres de 16 a 64 anos, de sete países: França, Alemanha, Itália, Reino Unido, Brasil, Estados Unidos e Japão. Segundo o levantamento, o preço ainda é o principal fator de compra. Contudo, as entrevistadas apontaram outros critérios que balizam suas escolhas: 37% afirmaram ter uma atitude “eco-responsável” na compra de cosméticos e 52% estão dispostas a pagar mais por um produto se este apresentar conteúdo e embalagem ecológicos.

O estudo também destaca a crescente influência das novas tecnologias no consumo relacionado à beleza. 59% das consumidoras disseram ter interesse em usar ferramentas modernas, como realidade aumentada e consultoras virtuais.

Esta edição de Cosmetics & Toiletries Brasil aborda outra forte tendência no mercado cosmético: o conceito genderless. A aproximação e a fluidez entre o feminino e o masculino ganha relevância em diversas categorias de produto, com foco na desconstrução de padrões e estereótipos de gênero. Marcas investem em itens multifuncionais, com embalagens clean e minimalistas.

Entre os artigos técnicos, o destaque é para Métodos Alternativos para a Avaliação de Segurança de Produtos no Brasil, que aborda o estado da arte dos ensaios sem o uso de animais.

Miguel Malato recebe uma homenagem em Persona nesta edição.

Hamilton dos Santos
Publisher

Métodos Alternativos para Avaliação de Segurança de Produtos no Brasil - S Eberlin, PhD; MS da Silva, PhD; G Facchini, PhD; GH da Silva, BSc; ALTA Pinheiro, MD; A da Silva Pinheiro, BSc (Grupo Kosmoscience Ciência e Tecnologia Cosmética Ltda., Campinas SP, Brasil)

O entendimento do estado da arte de ensaios alternativos para substituir, refinar e reduzir o uso de animais em pesquisa é mandatório para o desenvolvimento científico e tecnológico do país. Este artigo descreve o panorama brasileiro da incorporação de abordagens alternativas para segurança de produtos destinados ao uso humano.

Comprender el estado del arte de las pruebas alternativas para reemplazar, refinar y reducir el uso de animales en la investigación es obligatorio para el desarrollo científico y tecnológico del país. Este artículo describe el panorama brasileño al incorporar enfoques alternativos a la seguridad de los productos para uso humano.

The overview of alternative testing to replace, refine and reduce the use of animals in research is mandatory for scientific and technological development of the country. This article describes the Brazilian context in the incorporation of alternative approaches to safety assessments of products intended for human use.

Comprar Artigo

Bases de Máscaras Secas - B Mosna, J Emond, K Trudeau, M-È Leclaiure, P Simard, G Nault, M-H Dufresne, K Tréberge (Biomod Concepts Inc. Quebec, Canadá)

As máscaras secas se baseiam em três tecnologias que revolucionaram a indústria de cosméticos: cosmetotêxteis, sistemas de liberação e máscaras de folha (sheet masks). O trabalho aqui descrito buscou ultrapassar os limites dessas tecnologias e chegou ao formato de uma máscara seca. Este trabalho testou a eficácia dessa nova tecnologia.

Las máscaras secas se basan en tres tecnologías que han revolucionado la indústria cosmética: cosmetotextiles, sistemas de entrega y máscaras de láminas. Ese trabajo describe la busqueda por superar las limitaciones de estas tecnologias, dando como resultado un formato de máscara seca. Su eficácia se prueba aqui.

Dry masks are based on three technologies that have revolutionized the cosmetic industry: cosmetotextiles, delivery systems and sheet masks. The described work sought to overcome the limitations of these technologies, resulting in a dry mask format. Its efficacy is tested here.

Comprar Artigo

Visualizando a Perda da Proteção Solar - Vincent Hubiche, Malorie Duvent, Viviane Bardin e Paula Lennon Gattefossé (St. Priest, França)

Este trabalho usa uma câmera de UVA especialmente projetada para quantificar a proteção UV. Ela confirma a perda de eficácia do filtro solar ao longo do tempo. Os resultados destacam a necessidade de aperfeiçoar a durabilidade das películas de filtro solar.

Este trabajo utiliza una cámara UVA especialmente diseñada para cuantificar la protección UV. Confirma la pérdida de eficacia del protector solar con el tiempo. Los resultados subrayan la necesidad de mejorar la durabilidad de las películas de protección solar.

This work utilizes a UVA camera specially designed to quantify UV protection. It confirms sunscreen efficacy loss over time. Results underline the need to improve the durability of sunscreen films.

Comprar Artigo

Extrato de Acerola em Formulações Cosméticas - Ana Laura Galvão, Giovana Irene Granzotti, Fernanda Flores Navarro (Faculdade de Farmácia do Centro Universitário Hermínio Ometto Uniararas, Araras SP)

A busca por ingredientes ativos que retardem os efeitos do envelhecimento cutâneo cresce a cada dia. A Malpighia emarginata, conhecida como acerola, destaca-se pela concentração de antioxidantes. Os objetivos deste trabalho foram obter o extrato glicólico de Malpighia emarginata, desenvolver uma formulação cosmética com esse extrato e quantificar os polifenóis totais, a vitamina C e as betalaínas presentes no extrato e na formulação.

La búsqueda de ingredientes activos que retrasen los efectos del envejecimiento de la piel está creciendo día a día. Malpighia emarginata, conocida como acerola, destaca por su concentración de antioxidantes. El objetivo de este trabajo fue obtener el extracto glicólico de Malpighia emarginata, realizar una formulación cosmética y cuantificar polifenoles totales, la vitamina C y las betalaínas en el extracto y la formulación.

The search for active ingredients that retard the effects of the skin aging is growing day by day. Malpighia emarginata, known as acerola, stands out for its antioxidant concentration. The objective of this work was to obtain Malpighia emarginata glycolic extract, to perform a cosmetic formulation and to quantify total polyphenols, vitamin C and betalains in the extract and formulation.

Comprar Artigo
John Jimenez
Tendncias por John Jimenez

Fluid beauty

A beleza no entende o gnero porque a pele um objeto de desejo universal... E a realidade que a fluidez a verdadeira chave do sucesso. Portanto, como na moda, finalmente comeamos a entender que o que nos beneficia o que responde s nossas demandas e aos nossos desejos mais pessoais, sem levar em conta as categorias preestabelecidas.

Como consumidores regulares de cosmticos, queremos buscar a excelncia fora dos gneros. No mais para ele ou para ela, agora para voc ou para ns, porque qualquer ser humano pode desfrutar dos ideais expressivos da beleza. A tendncia sem gnero ainda est crescendo, e vemos novas correntes muito interessantes:

- Smile make-up: De nail art para teeth art A maquiagem dos dentes uma das grandes oportunidades para cosmticos sem gnero. De maneira fcil, voc pode cobrir manchas e irregularidades graas a novas formulaes sem perxido e com um efeito que dura o dia todo.

- Non-gender tolls: Em outubro, a fabricante de brinquedos dos Estados Unidos Mattel lanou The Creatable World, uma linha de bonecos inclusivos que tm caractersticas fsicas andrginas. Cada boneca tem duas opes de penteado (curto e longo) e vrias opes de roupas, que incluem chinelos, moletons e camisas neutras, entre outros itens. Dessa maneira, uma boneca pode ser uma menina, um menino, ambos ou nenhum. Elas tambm podem ser obtidas em vrios tons de pele. A Marvel lanou Shade (agora tambm conhecido como Darkveil), um heri mutante de Drag Queen, que agora est em sua lista de super-heris.

- Fluid athleisure: Agora, a tendncia Athleisure genderless. Vemos no mercado o lanamento de vrias linhas sem gnero focada em benefcios antes, durante e aps o exerccio, como shampoo, antitranspirantes e desodorantes sem alumnio, fragrncias, hidratantes, protetores labiais etc. Pride fashion, inclusivity, transgender-celebrating, tolerance, rainbow beauty, LGBTQ-supporting comeam a ser conceitos muito originais que as marcas de beleza esto aproveitando para desenvolver inovaes.

- Divergent beauty: Essa uma tendncia que nasceu nas marcas Indie e Nicho e est declinando em muitas categorias de cosmticos sobre autenticidade, pois elas probem o retoque de modelos em suas campanhas publicitrias. Incluem modelos de todas as formas, idades e tipos de pele em anncios e conceitos.

- Pride beauty: Estamos vendo um nmero crescente de marcas que desenvolvem estratgias para serem mais socialmente conscientes e, portanto, muitas optam por mostrar seu apoio comunidade LGBTQ+ com produtos e servios com o tema do orgulho. Muitos desses produtos tm um benefcio adicional, pois as marcas prometem uma parte de seus lucros a iniciativas que apoiam a comunidade, a diversidade e a incluso.

- Inclusive marketing: O novo marketing inclusivo. As novas campanhas de marketing foram fundamentais para impulsionar a agenda de igualdade e tolerncia. O consumidor est se esforando para estar mais consciente do outro e encontrar uma maneira de existir no mundo, apesar de nossas diferenas.

- Skinclusion: Conceito interessante que mostra, por exemplo, como os testes de eficcia clnica e de segurana dermatolgica podem ser realizados nos seis tipos de pele da escala de Fitzpatrick.

- Male nail polish ambassadors from face to nails: Este ano, estamos vendo como as marcas comeam a trabalhar de mos dadas com os embaixadores masculinos de esmaltes e produtos para unhas.

- Offensive banned: Este ano, vimos como os esteretipos ofensivos de gnero comearam a ser banidos em anncios no Reino Unido, uma vez que anncios sexistas so prejudiciais ao desenvolvimento das crianas e da sociedade. Adeus ao preconceito de gnero!

- Ruversity: Delicie-se com a diversidade... O mundo do Drag era tradicionalmente limitado a clubes clandestinos, mas o reality show do RuPauls Drag Race, que ganhou vrios prmios Emmy, mudou tudo. Agora a realidade uma fonte de inovao de produtos, conceitos e benefcios cosmticos que esto decantando a indstria.

- Hair-clusivity: No cabelo, vemos wipes promotores de cabelos que servem para qualquer pessoa e texture
powders como novos formatos. Recentemente, uma marca lanou uma variedade de shampoos com feromnios para gays que ajudam a atrair homens.

- The new normal: Genderless, gender-free, ungendered, gender-friendly, gender-neutral, androgynous beauty, fluid

- Inclusive is the new black: A incluso uma poderosa estratgia de inovao em cosmticos. Li recentemente que uma conhecida loja de varejo lanou a hora tranquila para compradores autistas. A Mastercard lanar em 2020 novos cartes de crdito, nos quais os usurios transgneros podero indicar os nomes que escolheram e que so diferentes daqueles designados no nascimento. A incluso uma grande oportunidade para nossos processos de inovao na Amrica Latina, e h muito o que fazer!

Carlos Alberto Pacheco
Mercado por Carlos Alberto Pacheco

Rendimentos mdios em 2018

Para os estrategistas de mercado das empresas produtoras de bens de consumo final, o que representa saber que, no ano de 2018, o rendimento mdio mensal real do 1% da populao com maiores rendimentos foi 33,8 vezes o rendimento dos 50% da populao com menores rendimentos? Resposta: Um enorme desafio!

A distribuio do rendimento das pessoas de 14 anos de idade ou mais, de todos os trabalhos a preo mdio do ano, indica que 1% da populao ganhava R$ 27.744,00 contra o rendimento de 50% da populao, que era de R$ 820,00 - menor que o salrio mnimo vigente poca (a saber: R$ 954,00). Considerando um total de 90,1 milhes de pessoas com 14 anos ou mais ocupadas na semana de referncia no ano de 2018, 1% da populao representa menos de um milho (901 mil) contra uma populao de 45 milhes que representa os 50% menos favorecidos. Esta frao dos 1% mais ricos representa duas vezes a populao da cidade de Mogi das Cruzes, na Grande So Paulo, ou a populao de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, por exemplo. Na outra ponta, comparo a quantidade dos 50% mais pobres ao total da populao do Estado de So Paulo. Esta desigualdade na distribuio de renda uma das maiores no mundo.

Em 2018, o rendimento mdio era de R$ 2.234,00, tendo a regio Sudeste um rendimento superior (R$ 2.572,00), enquanto o Nordeste registrou um valor menor do que a mdia (R$ 1.497,00). As capitais dos estados apresentaram um rendimento significativamente superior ao da mdia: R$ 3.086,00.
Ao analisar um pouco mais os nmeros, um fato importante chama a ateno: no perodo 2012/2018, o percentual de crescimento anualizado da parte do total dos rendimentos a qual se chama rendimentos oriundos de aposentadorias e penses foi de 2,1% contra um crescimento negativo dos rendimentos de todos os trabalhos de 0,3%. O que isto significa? Uma tendncia de formao de renda no pela via do emprego (salrios), mas pelo recebimento de aposentadoria e penso, o que nos desenha uma caracterstica sinistra e perigosa desta massa de rendimentos. Em 2018, o rendimento de todos os trabalhos representava 72,4% dos rendimentos de todas as fontes, enquanto o rendimento das aposentadorias e penses j representava 20,5%.

Olhando o rendimento pelo vis do nvel de instruo, observam-se pessoas com nvel superior completo ganhando 5,8 vezes mais quando comparados com os sem instruo, ou seja, R$ 4.997,00 contra R$ 856,00 (valor inferior ao salrio mnimo da poca), ou 2,8 vezes maior quando comparado com os que tm o Ensino Mdio completo ou equivalente (R$ 1.755,00). No perodo 2012/2018, a variao do rendimento ano a ano foi de 7%, tendo o rendimento das pessoas com nvel superior completo uma valorizao de 5%. No entanto, apenas 20,3% da populao com 14 anos ou mais ocupada tem nvel superior completo (18,3 milhes de pessoas), embora esta faixa da populao tenha aumentado no perodo, ao mesmo tempo em que a parte sem instruo foi diminuindo. Isto uma boa indicao de que houve um aumento dos ndices de alfabetizao, bem como do grau de instruo da massa da populao economicamente ativa. De qualquer maneira, o conhecimento gerando riqueza individual e coletiva.

As pessoas na faixa etria de 60 anos ou mais ganham em mdia 2,3 vezes mais quando comparadas com os jovens na faixa de 10 a 24 anos (R$ 2.766,00 e R$ 1.220,00, respectivamente). No perodo de 2012/2018, a variao da renda anualizada da populao com 60 anos ou mais foi de 6,7% contra uma valorizao menor para a populao entre 20 e 24 anos (5%). Em 2018, apenas 7,9% desta populao tinha 60 anos ou mais (7,1 milhes de pessoas), embora esta fatia da populao estivesse aumentando ano a ano com o envelhecimento populacional. No entanto, o percentual de gastos com sade (medicamentos, planos e tratamentos) expressivo nesta faixa etria.

A desigualdade da renda por cor ou raa assustadora. Os declarados brancos ganham em mdia 30% acima da mdia nacional, enquanto os declarados pretos ganham 27% abaixo da mdia. Os declarados brancos ganham em mdia 1,8 vezes mais que os pretos. O mesmo se d em relao ao sexo: os homens ganham 10% a mais do que a mdia nacional (R$ 2.460,00), e as mulheres ganham 13% a menos do que a mdia (R$ 1.938,00).

A princpio, pode parecer que essas informaes so apenas nmeros e dados distribudos por faixa de idade, regio, cor, sexo e grau de instruo. Mas o fato que tudo isto nos indica que ainda no encontramos o nosso lugar na economia local, regional (Amrica Latina) e mundial. J se foi a dcada de 70 do sculo passado, quando o PIB nacional representou 4,5% do mundial contra os 2,5% de 2018, enquanto outros ganharam importncia no cenrio mundial.

Estabelecer estratgias de mercado numa selva to diversa e desigual como a desenhada acima e em um cenrio de diminuio do PIB mundial, no uma tarefa fcil.

Wallace Magalhes
Gesto em P&D por Wallace Magalhes

Desenvolvimento de formulao: cincia ou arte?

Voc j deve ter ouvido falar que desenvolver uma formulao uma arte. A princpio, voc pode at no entender por que abordar este tema em uma revista tcnica, mas esta noo no to incua como parece e pode representar um enorme risco de orientao - ou at comprometer a efi cincia do P&D.

Todo artista utiliza alguma tcnica para realizar seu trabalho. Sob este aspecto, acontece um processo semelhante no P&D, mas o resultado bem diferente. O trabalho do artista resulta em uma obra de arte, enquanto o resultado do P&D ou ser, em ltima anlise, um produto - no caso de cosmticos, um produto de consumo.

E as diferenas entre este e a obra de arte so enormes - especialmente no caso de cosmticos, que tm que atender a parmetros tcnicos, alm de cumprir normas regulatrias especficas e satisfazer as necessidades dos consumidores. Isso no acontece na criao de uma obra de arte, em que o compromisso externar a emoo ou viso do artista diante de determinado tema ou acontecimento. Mesmo quando existiam regras para as criaes artsticas, estas no eram sempre impositivas. s vezes, o valor de uma obra de arte podia estar exatamente no fato de infringir regras vigentes, o que, definitivamente, no o caso de um produto, principalmente para aqueles com regulamentao especfica.

Por outro lado, temos que enxergar que o P&D existe principalmente para criar coisas novas e, por isso, a criatividade - ou deveria ser - um elemento relevante. Junte-se a isto o cuidado, a ateno e o esmero que so exigidos para realizar bem o trabalho, a sensibilidade para escolher ingredientes e at o uso da intuio para interpretar dados tcnicos ou resolver determinados problemas, quando somente a aplicao linear do conhecimento no for suficiente.

Todo este envolvimento e esta intensidade podem gerar uma espcie de vnculo autoral. E mais: quando o resultado bom e reconhecido, natural que seja motivo de orgulho e satisfao pessoal. Tudo isso muito parecido com a relao de um artista com sua obra. Deve vir da a noo de que desenvolver formulao uma arte. O problema que esta viso pode desviar a ateno do tcnico a ponto de faz-lo negligenciar alguns aspectos fundamentais do seu trabalho, que, por natureza, tecnolgico e cientfico.

Tenho visto acontecer em empresas de todos os portes. A ateno fica quase totalmente voltada para o material, causando falhas no processamento, no contedo e no formato das informaes que devem ser colhidas, geradas e armazenadas durante o desenvolvimento. Isto reduz a eficincia do processo, porque pode ocorrer - e normalmente ocorre - formulao com custo inadequado, presena de ingredientes indesejados na composio, no considerao da quantidade de alergnicos e uso de concentrao de materiais da lista restritiva acima do permitido.

E existem questes mais amplas ainda. A codifi cao e o compartilhamento do conhecimento podem ficar comprometidos pela falta de padro na formao do cadastro tcnico, o que certamente aumenta o custo e o tempo de realizao de projetos futuros. H ainda um efeito negativo sobre o setor de Assuntos Regulatrios, que, neste contexto, ser uma rea nica e exclusivamente operacional, quase cartorial, o que no contribui nem um pouco para a evoluo tecnolgica das empresas. Tudo isto repercute em uma considervel perda de tempo dos profissionais destas duas reas, alm de gerar erros na formulao consolidada - que compe o processo de regularizao do produto - ou erro na composio qualitativa que aparece nos rtulos.

Repercute, ainda, na necessidade de remediar estas situaes, gastar recursos e mobilizar pessoal, fatos que seriam evitados com a integrao funcional de P&D e Assuntos Regulatrios. Esta configurao pode ser estabelecida a partir da adoo de alguns procedimentos e da implantao de recursos adequados para armazenamento, gerao e proteo de informaes, mas exige proatividade.

Assim, uma noo aparentemente incua pode ser um dos fatores determinantes de baixa eficincia, alongamento de prazo e elevao de custo no processo de desenvolvimento e regularizao de produtos nas indstrias no Brasil.

Esmero, ateno, cuidado, intuio, criatividade e sensibilidade no devem ser exclusividade dos artistas. Tm enorme importncia tambm nos trabalhos de base cientfica e tecnolgica, desde que no gerem a falsa impresso de que estes so uma obra de arte.

Carlos Alberto Trevisan
Boas Prticas por Carlos Alberto Trevisan

A ISO 22716 e suas implicaes nas exportaes

Vrias empresas terceiristas de fabricao de cosmticos tm me consultado sobre os seus clientes que pretendem exportar seus produtos e que, para isso, necessitam se adequar norma ISO 22716-207. Esta uma norma internacional no internalizada no Brasil, porm aceita, sem questionamentos, no mercado estrangeiro.

O objetivo da ISO 22716-207 dar orientaes relacionadas s Boas Prticas de Fabricao para produtos cosmticos. Trata-se de um conjunto de diretrizes elaboradas para serem seguidas pela indstria de cosmticos e que levam em conta as necessidades desse setor. Essas diretrizes ajudam, principalmente, a controlar os riscos associados aos produtos cosmticos, garantindo a segurana do consumidor. Tambm auxiliam a gerir adequadamente a cadeia de fornecimento desses produtos, garantindo a conformidade de sua qualidade e a da segurana da cadeia de fornecimento dos insumos.

Essas diretrizes foram escritas de forma a permitir que sejam utilizadas segundo o fluxo de produtos, do recebimento da matria-prima expedio do produto acabado. Alm disso, para esclarecer a maneira como esse documento deve atingir este seu objetivo, ao incio de cada tpico foi adicionado um princpio orientativo.

As Boas Prticas de Fabricao constituem o desenvolvimento prtico relativo segurana dos conceitos de qualidade de produtos pela descrio das atividades relacionadas a estes na planta, baseadas no parecer de um julgamento cientfico e em avaliaes de risco.

O objetivo das Boas Prticas de Fabricao definir as atividades que permitam a obteno de um produto que alcance as caractersticas estabelecidas. Essas diretrizes da norma ISO 22716-2007 passaram a fazer parte integral das Boas Prticas de Fabricao.

Durante a preparao para obter essa certificao, a empresa pode deparar com algumas deficincias tcnico-estruturais que inviabilizariam esse objetivo. Nos seus fundamentos, a norma ISO 22716-207 exige da empresa documentao comprobatria de suas atividades essenciais. Essa documentao um requisito que impede a certificao se no for totalmente atendido.

A norma estruturada em vrios tpicos:

- Pessoal: deve estar capacitado e motivado;

- Instalaes: devem estar adequadas s normas sanitrias e de segurana, e s posturas municipais;

- Equipamentos: devem estar adequados e dimensionados ao propsito de fabricao; precisam ser seguros para a operao e para os operadores;

- Insumos: devem estar em conformidade com as especificaes;

- Fabricao: seus processos precisam ser adequados;

- Produto acabado: deve estar em conformidade com as especificaes;

- Controle de qualidade: precisa ocorrer em todas as fases do processo;

- Produtos no conformes: precisam ser segregados da cadeia produtiva;

- Resduos: devem ter destinao apropriada;

- Terceirizao: deve ser realizada por empresas habilitadas;

- Divergncias: necessitam ser dirimidas adequadamente;

- Reclamaes e recall de produtos: precisam ser atendidos rapidamente;

- Alteraes de controles: devem ser comunicadas s reas envolvidas;

- Auditoria interna: precisa ser ativa e constante;

- Documentao: deve ter redao clara e estar facilmente disponvel para as reas envolvidas;

A execuo de todas as atividades efetivamente constantes na norma ISO 22716-207 tem que ser confirmada com base em documentao que a comprove.

Deve-se tambm ressaltar que essa norma enfatiza a clara necessidade da atribuir responsabilidade individual pelas tarefas, ou seja, de determinar quem o responsvel pela atividade e qual a abrangncia dessa responsabilidade.

Portanto, as empresas que tm planos para exportar produtos cosmticos devem imediatamente se programar para obter a certificao referente norma ISO 22716-207, que o passaporte para o produto cosmtico ser vendido no exterior.

Denise Steiner
Temas Dermatolgicos por Denise Steiner

Melasma: um tipo de fotoenvelhecimento cutneo

Sim, esta uma informao importante e atual.

Aquela mancha chamada melasma, que aparece em mulheres jovens e com ctis miscigenada pode ser uma forma de envelhecimento.

A pele o maior rgo do corpo humano com vrias funes, entre elas a produo de melanina que protege o organismo da agresso da luz ultravioleta (solar). Quando a pele recebe muita radiao ultravioleta tanto UVA como UVB ela envelhece e pode apresentar cncer de pele.

Alm disso, quando a pele sofre agresses traumticas, como peelings, cortes, eletro cauterizaes ela produz mais pigmento (melanina) para ajudar a sua recuperao. A produo de melanina uma espcie de proteo para a pele.

O melasma uma mancha acastanhada, como uma mscara, frequente nas mulheres jovens e morenas. Ele aparece principalmente na face, regio da testa, bochechas, buo e tambm na mandbula. As mulheres tm muito mais melasma do que os homens.

Hoje sabemos que as peles que apresentam alteraes histolgicas relacionadas ao fotoenvelhecimento, como elastose, alteraes na membrana basal, vascularizao alterada, aumento de mastcitos, so predispostas a terem melasma. Portanto, o melasma mesmo que ocorra em peles mais jovens, est relacionado com fotodano e envelhecimento.

Outro fato muito importante sobre o melasma que alm dele piorar com a radiao ultravioleta A e B provenientes do Sol ele tambm piora com a luz visvel emitida pelas lmpadas, telefone celular e computadores. interessante observar, que enquanto as pessoas claras pioram com a luz do Sol (UVA e UVB), as pessoas mais morenas so mais sensveis a luz visvel (lmpadas, telefone celular e computador).

O tratamento do melasma difcil e desafiador.

A primeira abordagem a proteo solar rigorosa, usando o filtro bem espalhado 3 a 4 vezes ao dia. O melhor protetor o fsico com FPS alto e tambm com cor de base. O filtro fsico aquele que reflete a luz do Sol sem absorv-la, o FPS deve ser maior que 50 e a cor importante para proteger da luz visvel.

O tratamento do melasma deve abordar o fotoenvelhecimento com cidos, como retinico ou gliclico, assim como antioxidantes, vitamina C que devem ser alternados com hidratantes e clareadores.

O laser pode ser utilizado para o tratamento do melasma desde que tenha caractersticas especiais como baixa fluncia (energia) e pulso rpido (nano segundos). Essas caractersticas especficas so necessrias para que o calor liberado pelo laser seja moderado e no provoque maior produo de melanina. O laser deve ser feito semanalmente com um total de 12 sesses para conseguir eliminar o excesso de pigmento. O laser nessa frequncia tambm trata o fotoenvelhecimento cutneo e melhora a qualidade da pele sem agresses exageradas.

Outro aliado importante para o tratamento do melasma o cido tranexmico que um medicamento e deve ser prescrito pelo mdico. Respeitando as contraindicaes especificas, o cido tranexmico inibe vrios gatilhos que estimulam o aparecimento de manchas e a piora do envelhecimento.

Hoje, o tratamento do melasma tambm passa por manter a qualidade da pele e reverter os danos do fotoenvelhecimento.

Valcinir Bedin
Tricologia por Valcinir Bedin

Tricologia genderless

termo genderless, em ingls, que significa literalmente sem gnero, usado para designar situaes e at produtos nos quais a diferenciao de gnero no se aplica. Quando falamos de cosmticos ou medicamentos, devemos levar em considerao as diferenas anatmicas e fisiolgicas que existem entre aqueles designados ao nascimento como sendo masculinos e femininos.

A pele o maior rgo do corpo humano e o nico que tem uma caracterstica peculiar: a comunicao com o mundo exterior e com outros seres humanos. Isso faz com que precisemos entender bem como ela funciona para, no mnimo, no causarmos danos ao tentarmos manipul-la.

Para nos atermos aos cabelos, devemos lembrar que a velocidade de crescimento e o comprimento final dos fios tm uma correlao com o gnero. Estudos feitos com gmeos mostram que os cabelos das meninas crescem mais e mais rapidamente do que os dos meninos.

claro que existem diferenas raciais importantes quando falamos de pele, sendo a mais visvel a cor, que dada por uma composio de melanina (pigmento proteico produzido pelo melancito e que responsvel pela tonalidade acastanhada), vasos sanguneos (responsveis pelas tonalidades azuis e vermelhas) e queratincitos (clulas da epiderme responsveis pelos tons amarelados). A somatria desses tons que vai dar a cor final da pele.

Os hormnios tambm podem infl uenciar a cor da pele. Devemos lembrar que o corpo humano contm estruturas chamadas glndulas, que produzem uma secreo que jogada na corrente sangunea denominada hormnio. H algumas diferenas entre os gneros no que diz respeito s glndulas, e ns vamos nos ater quelas que interferem na pele e nos cabelos.

A tireoide, glndula localizada na altura do pescoo, produz hormnios que podem alterar a textura dos cabelos, deixando-os mais secos e quebradios. Mas isso no muda de acordo com o gnero.

O grupo de hormnios que mais interfere na pele e nos cabelos o dos andrgenos, chamados de hormnios masculinos, mas presentes em ambos os gneros. Eles so produzidos essencialmente nos testculos e na suprarrenal nos homens e nos ovrios e na suprarrenal nas mulheres.

Simplificadamente, podemos dizer que, nos homens, os andrgenos so responsveis pelos caracteres masculinos (voz, barba etc.) e, nas mulheres, eles servem para manter a fora muscular e estimular a libido.

Apesar de ter uma distribuio diferente em cada gnero, a quantidade de folculos pilossebceos que cada ser humano tem praticamente igual a 5 milhes. Eles esto espalhados pelo corpo todo, sendo aproximadamente 1,5 milho no segmento ceflico e o restante distribudo de maneira especfi ca. A entram as diferenas relacionadas quantidade de hormnios.

Pelos corporais so o exemplo maior de alta relao hormonal. Salvo em algumas raas, na maioria dos seres humanos, homens tm mais pelos corporais que mulheres. Na barba, tambm vemos esta relao. Na regio pubiana, o desenho diferente da distribuio mostra uma baixa, mas existente, relao hormonal. Nas axilas, apesar de parecer haver diferenas, elas no existem.

E nos cabelos?

Antes de falarmos dos fios propriamente ditos, vamos lembrar a anatomia do folculo. Ele tem na base o bulbo capilar, onde encontramos estruturas nervosas e tambm os receptores de hormnios, importantes no crescimento dos fios. Seguimos com a haste, o msculo eretor do pelo, a rea do bulge (repositrio de clulas-tronco do cabelo) e a glndula sebcea, responsvel pela produo do sebo, que, junto com o suor, produz o manto hidrolipdico, cosmtico natural e protetor da pele e dos fios.

Esta glndula totalmente sensvel ao nvel de andrgeno circulante. Sua produo que vai determinar se uma pele pode ser classificada como oleosa ou no. A evidncia maior que temos dessa produo a adrenarca, perodo da puberdade no qual comeam a ser produzidos os hormnios sexuais que levam ao aparecimento da acne, que uma afeco da glndula sebcea.

Evidentemente, nos homens essa produo normalmente maior do que nas mulheres, fazendo com que a maioria deles tenha cabelos e couro cabeludo mais oleosos do que elas. Isso nos leva a pensar que deveramos formular produtos especficos para um e para outro.

claro que podemos ter linhas genderless. Produtos para estilo, cremes finalizadores, produtos tipo leave on ou leave in podem ser usados por qualquer consumidor, mas penso que, tecnicamente falando e tambm do ponto de vista mercadolgico, o mais adequado haver a separao.

Antonio Celso da Silva
Embale Certo por Antonio Celso da Silva

Embalagens para cosmticos: o que vem por a?

Mais um ano chega ao fim. Como diria aquele famoso locutor esportivo do passado, crepsculo de jogo, fecham-se as cortinas e termina o espetculo.

Para algumas empresas, o ano realmente foi um espetculo, principalmente o quarto trimestre, no fechar das cortinas. Pena que no tenha sido assim o ano todo. Na verdade, algumas empresas fecham bem o ano, notadamente terceiristas e aquelas que tm maquiagem e dermocosmticos no seu portflio. Observando um pouquinho mais, vemos que as empresas que passaram longe da crise so aquelas que fizeram parcerias com digital influencers de credibilidade e com milhes de seguidores. Costumo dizer que antes, para aumentar as vendas, era s colocar no principal canal de televiso, mas hoje essa realidade mudou - e muito. Para que isso acontea, basta fazer uma boa parceria com essas meninas.

Por outro lado, vemos a maioria das empresas ainda reclamando que o ano foi ruim, que a crise no acabou etc. Ser que no est faltando tempero, sair do quadrado nessas empresas?

Mas o que nos espera ento para 2020? De novo, a expectativa grande, mas eu particularmente vejo o renascimento de tradicionais marcas, que voltaro ao topo, e o desaparecimento de outras, que daro lugar para novas e arrojadas marcas.

E como ficam as embalagens? O que o consumidor espera de novidades e o que as empresas efetivamente estaro fazendo para atend-lo?

Com certeza, no topo do que vem por a esto a sustentabilidade, a logstica reversa e a criao de novas embalagens que possam atender os apelos dos produtos veganos, verdes, orgnicos e naturais, que viro com fora total no prximo ano.

O que mais vem por a?

Realidade aumentada nas embalagens: Embora ainda no regulamentada pela Anvisa, o que imagino que seja uma questo de tempo e solicitao por parte do setor cosmtico, essa tecnologia vem revolucionar a rotulagem dos produtos, tornando-os mais visveis, prticos e com os vdeos falando tudo sobre o produto inclusive seu storytelling.

Embalagens menores com produtos mais concentrados: A exemplo do que j vem acontecendo nos produtos de limpeza, essa tambm ser uma realidade nos cosmticos, principalmente nas embalagens plsticas, que compem a maior famlia dos materiais de embalagens nos cosmticos. Isso com o objetivo de reduzir a quantidade/volume dessas embalagens, que acabam indo para o meio ambiente.

A morte das embalagens secundrias: Depois das embalagens recicladas, o foco ser a eliminao das embalagens secundrias dos produtos. Quando falamos de embalagens secundrias, estamos falando principalmente dos cartuchos, mais conhecidos como caixinhas, que acabam indo para o lixo, ficando o consumidor apenas com a embalagem que contm o produto (primria).

Embalagens cartonadas: Nas embalagens de maquiagem, a resina plstica mais utilizada o PS (poliestireno), que fica na natureza muito mais tempo que os outros plsticos, por ser duro e de paredes grossas. A substituio dessas embalagens por cartonadas j uma realidade, embora com preo ainda quase que proibitivo, mas com certeza isso vai se ajustando at chegar ao preo das atuais plsticas.

Embalagens biodegradveis: No basta ter o apelo de reciclvel. O que se busca que sejam efetivamente biodegradveis. J temos o plstico derivado de vegetais, mas a novidade apresentada esse ano por um grande fabricante de embalagens PET a adio de um componente nessa resina que torna a embalagem final biodegradvel. Nesse sentido, j vemos outras aes, tais como embalagens de shampoo que se autodestroem aps o uso. Embora no seja cosmtico, talvez a melhor inveno seja uma mquina que espreme o suco da laranja e, com a sua casca, faz na hora o copo biodegradvel para ser usado e descartado.

Existem vrias outras novidades em termos de embalagem que vm por a, mas no poderia deixar de citar a grande e necessria tendncia que a embalagem...

Friendly age: Como disse a Marta Pongidor em sua palestra no Frum Brasileiro de Embalagens deste ano, o envelhecimento da populao um fenmeno global - o mundo est envelhecendo. A populao mundial com mais de 60 anos deve dobrar at 2030 e praticamente triplicar at 2050, e, o idoso de 2050 j nasceu. Isso requer embalagens adequadas para essa populao, tanto no aspecto visual, com leitura facilitada, quanto no aspecto do manuseio.

Acabei vendo na televiso agora, antes de finalizar essa matria, que o prefeito de So Paulo est para assinar o Projeto de Lei 99/2019 que probe o uso de talheres, pratos, copos e garrafinhas que sejam de plstico. Essa lei vai valer depois de um ano de assinada, e as pesadas multas acontecero a partir de 2021.

O cerco est se fechando e, com certeza, os cosmticos no vo ficar de fora.

*Texto atualizado na edio digital em 29/11/2019

Novos Produtos