Clean Beauty

Ver Revista na íntegra Edição Atual - Clean Beauty

Falando de flores

Flores têm o poder de despertar emoções, pela beleza, pelo perfume que exalam, por suas texturas e cores. Têm uma relação especial com nossos sentidos e resgatam memórias felizes.

Flores, em sua maioria, têm um breve ciclo de vida, porém o suficiente para encantar e tornar momentos importantes de nossas vidas, ainda mais especiais. Cantadas em prosa e verso, elas evocam alegrias e amores perdidos – às vezes, ainda em botão.

Flores, findo o ciclo da natureza, levam embora a exuberância de suas tonalidades e de sua maciez ao toque, até que reste apenas a lembrança de cores e fragrâncias.

Flores são eternizadas em perfumes, que também contam a nossa história. Flores, um campo com mais de 300 mil delas, deixa um perfume inesquecível no ar, mesmo depois de espalharem suas sementes e de cumprirem a renovação de suas espécies. A beleza da memória afetiva é resguardar essas essências, que continuam fazendo parte de nossas vidas.

Esta edição da Cosmetics & Toiletries Brasil traz a trajetória de Vanderlina Maria de Oliveira, profissional que atuou por mais de três décadas na Embelleze.

Os artigos técnicos abordam clean beauty, a nova tendência em cosméticos seguros e amigos do meio ambiente; de formulações de cosméticos para cuidado das mãos, com destaque para o sensorial e o perfil de textura; de um creme hidratante para pele tatuada; entre outros assuntos.

Hamilton dos Santos
Publisher

Clean Beauty - Hamilton dos Santos (Cosmetics & Toiletries Brasil, São Paulo SP, Brasil)

A tendência clean beauty tem foco em produtos cosméticos seguros, com formulação simplificada e que não impactem o meio ambiente.

La tendencia de la beleza limpia se centra en productos cosméticos seguros, con formulación simplificada y sin impacto en el médio ambiente.

The clean beauty trend focuses on safe cosmetic products, with simplified formulation, and without impact on environment.

Comprar Artigo

Formulações Cosméticas para os Cuidados das Mãos - BR Silva, GF Cadioli, VR Moraes, CRF Souza, PMBG Maia Campos (Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto SP, Brasil)

Considerando que neste momento a higienização das mãos é excessiva, este artigo aborda o desenvolvimento de formulações hidratantes de álcool em gel e creme, com propriedades sensoriais e perfil de textura adequados às finalidades de uso, fundamentais para a hidratação e a manutenção da fisiologia cutânea.

Considerando que en la actualidade la higienización de las manos és excessiva, este artículo se refiere al desarrolo de formulaciones hidratantes de gel y crema de alcohol, con propiedades sensoriales y perfil de textura adecuado a los fines de uso, fundamentales para la hidratación y mantenimiento de la fisiologia cutánea.

Considering that in the current moment hand hygiene is excessive, this article refers to the development of moisturizing formulations of alcohol gel and cream, with sensory properties and texture profile suitable for the proposed purposes, essential for the hydration and maintenance of cutaneous physiology.

Comprar Artigo

Pro/Pre/Pós... biótico - Francisco Fernandez Palacio (CLR - Chemisches Laboratorium Dr. Kurt Richter GmbH, Berlim, Alemanha)

Neste artigo, o autor explica a importância e os benefícios proporcionados pelo uso dos probióticos, prebióticos e pós-bióticos em cosméticos.

En este artículo, el autor explica la importancia y los beneficios del uso de probióticos, prebióticos y posbióticos en cosméticos.

In this article, the autor explains the importance and benefits of using probiotics, prebiotics and post-biotics in cosmetics.

Comprar Artigo

Restauração da Hidrofobicidade e da Resiliência Capilar - Catherine Tolomei Fabbron-Appas (AQIA Química Inovativa, Guarulhos SP, Brasil)

Neste artigo, o autor demonstra os efeitos benéficos do éster pantotênico do 18-MEA nos cabelos, por meio da reposição do envelope lipídico capilar, da recuperação da hidrofobicidade e da restauração da resiliência dos fios.

En este artículo el autor demuestra los efectos beneficiosos del éster pantoénico de 18-mEA em el cabello, al reemplazar la envoltura lipídica capilar y restaurar la hidrofobicidad y restaurar la elasticidade de los hilos.

In this article, the author presents the benefical effects of the pantothenic ester of 18-MEA to hair, in the replacement of the capillary lipid envelope, in the recovery of hydrophobicity and in the resilience of the hair restoration.

Comprar Artigo

Mercado de Hidratantes Veganos para Pele Tatuada - JC Grilleni, CA Pedriali Moraes, A Rodrigues (Faculdade de Tecnologia de Diadema Fatec Luigi Papaiz, Diadema SP, Brasil)

Este artigo trata de um estudo mercadológico de hidratantes veganos para pele tatuada, tendo como principal objetivo avaliar e entender as dificuldades do público vegano com tatuagens de encontrar tratamentos cosméticos adequados à pele tatuada e que sejam condizentes com essa filosofia de vida.

El artículo es un estudio de marketing de cremas hidratantes veganas para piel tatuada, con el objetivo principal de evaluar y comprender las dificultades del público vegano con las tatuajes para encontrar tratamientos cosméticos veganos apropiados para la piel tatuada, utilizando además de la investigación bibliográfica, dos investigaciones de campo como metodologías.

The article is a marketing study of vegan moisturizers for tattooed skin, with the main objective to evaluate and understand the vegan public difficulties with tattoos to find appropriate vegan cosmetic treatments for tattooed skin, using in addition to bibliographic research, two field research were used as methodologies.

Comprar Artigo

Medições Biométricas para Cosméticos Agênero - John Jimenez e Mauricio Guzmán Alonso (Belcorp, Tocancipé, Colômbia)

Segundo a Mintel, a participação global de lançamento de fragrâncias feitos por produtos unissex cresceu de 9,5%, em 2015, para 11,9% em 2016, à medida que as marcas responderam à nova demanda por produtos "agênero". Este trabalho descreve a abordagem biométrica para a criação de um perfume agênero, além de uma nova metodologia para sua avaliação.

Según Mintel, la proporción de lanzamientos mundiales de fragancias tomdas por los productos unissex aumento del 9,5% em 2015 al 11,9% em 2016, a medida de las marcas responden a uma nueva demanda "sin género". Aquí se describe um enfoque biométrico para crear um perfume sin género y una nueva metodologia para su evaluación.

According to Mintel, the share of global fragrance launches taken by unissex products grew from 9,5% in 2015 to 11,9% in 2016 as brands respond to a new "genderless" demand. Described here is a biometric approach to create a genderless perfume and a new methodology for its evaluation.

Comprar Artigo
Carlos Alberto Pacheco
Mercado por Carlos Alberto Pacheco

O mais desigual entre os desiguais

Pois assim que o pas conhecido entre os economistas e socilogos que estudam o fenmeno da desigualdade social. Em 2019, o Brasil era o segundo pas mais desigual em distribuio de renda do mundo, onde 1% da populao (cerca de 2,1 milhes de brasileiros) concentrava 28,3% da renda, perdendo apenas para o Catar quando considerados apenas os pases com IDH alto e muito alto (PNUD - Human Development Report 2020, Tabela 3 - Inequality-adjusted Human Development Index).

A desigualdade social pode ser observada atravs de vrias dimenses sociais, como a desigualdade de gnero, raa, educao, faixa etria, regio, grau de estudo, mobilidade social, tnico/ religiosa e outros. Porm, sem dvida, a dimenso renda o eixo mais importante na vida social de um indivduo. por meio dela que ele ganha autonomia econmica e realizao individual. Dessa forma, sendo a renda a parte central da organizao social, tudo o que vier a afet-la consequentemente afetar as demais dimenses. O desequilbrio na renda de um indivduo reproduz, cria e refora injustias e desigualdades em outras reas da sociedade.

A cincia econmica define a desigualdade social como a diferena econmica que existe entre determinados grupos de pessoas dentro de uma mesma sociedade e, por isso, tem como objetivo estudar a justia distributiva (repartio dos resultados do esforo social de produo) entre uma das quatro questes chaves de sua disciplina.

O Brasil tem se sado muito mal nessa questo. Faamos uma pequena radiografi a do desempenho da atual repartio dos resultados atravs de alguns cortes estatsticos disponibilizados pelo IBGE.

Entre 2018/2019, a pobreza medida pela linha de US$ 5.50 por dia (paridade do poder de compra) caiu de 25,3% para 24,7% das pessoas, porm essa reduo insignificante na vida prtica dessa populao. Considerando o dlar mdio em 2019 de R$ 3,89, o dado anterior traduz que quase um quarto da populao do pas, algo em torno de 52 milhes de pessoas, teve a renda mensal de R$ 642,00 por famlia (nota: apenas como referncia, no mesmo ano o preo de um botijo de gs de cozinha, em So Paulo, era algo entre R$ 80,00 e R$ 85,00). Dentro dessa parte da populao, 38,1% eram mulheres pretas/pardas e 35,5% homens pretos/pardos (em outras palavras, 73,6% eram considerados pretos/pardos). O estudo mostra que 9,8% dessa parcela tm como arranjo familiar mulheres pretas/ pardas sem cnjuge e com fi lho(s) at 14 anos, o que dificulta a entrada e a permanncia no mercado de trabalho. Outro dado assustador apontado pelo relatrio o fato de que 25,7% dos que esto abaixo da linha de pobreza se encontram no mercado de trabalho, o que indica ocupaes de baixssima remunerao impedimento para ascenso social.

Quando olhamos para a dimenso renda, evidencia-se que os declarados brancos ganham em mdia 69,3% mais do que os pretos/ pardos, considerando o valor pago por hora. Essa diferena aumenta com a faixa de idade, sendo 111,9% para os que esto acima de 60 anos. Enquanto a populao preta/parda se concentra nos setores agropecurios, na construo e nos servios domsticos atividades de rendimento inferior mdia , os brancos se encontram nos servios de informao, mercado fi nanceiro e administrao pblica, que apresentam rendimentos mdios acima da mdia, mostrando uma diferena de raa nas oportunidades do mercado de trabalho.

Independentemente da linha de pobreza, considerando o total da populao, os homens brancos, em termos de rendimento mdio real do trabalho principal habitualmente recebido por ms pelas pessoas de 14 anos ou mais, ocupadas na semana de referncia, ganham em mdia 29,6% mais que as mulheres. Estratifi cando por raa, os brancos ganham em mdia 73,4% mais que os pretos/ pardos. Mesmo as mulheres, quando divididas por raa, apresentam diferenas salariais signifi cativas a favor da raa branca: as brancas ganham 69,8% mais que as pretas/pardas.

Analisando a dimenso educao, entre os jovens de 15 a 29 anos de idade, 22,1% no estudavam e no estavam ocupados em 2019. Os estados do Nordeste so os mais preocupantes, pois mais de um quarto dos jovens de 15 a 29 anos no estudavam nem estavam ocupados.

Olhando por qualquer corte que se faa, a desigualdade sempre est presente e no sentido desfavorvel para os menos abastados, pretos, mulheres, pessoas com baixa escolaridade, mais idosas e moradoras das regies Norte e Nordeste.

At aqui nada de novo. Esse um retrato que se desenha ao longo de nossa histria, pois dois elementos fundamentais para a diminuio da desigualdade social (note: no a eliminao) no foram alterados na atual sociedade: a erradicao da alta corrupo, que consome os recursos destinados aos desafortunados, e a to sonhada reforma fiscal, que deve contemplar uma desonerao tanto das classes D e E, como da formao de preos de produtos e servios para o setor produtivo. Porm, como ainda no se v nada efetivo nesse sentido, o incio dessa terceira dcada dever repetir a fotografi a das duas primeiras: um contingente de pessoas proporcional populao inteira de pases lutando para sair da linha de pobreza.

John Jimenez
Tendncias por John Jimenez

Immunometics

medida que a pandemia avana nas regies, estamos aprendendo mais sobre suas implicaes, necessidades e tendncias que so geradas pela nova realidade em que vivemos. O coronavrus e a vida moderna esto nos mostrando o efeito do estresse nas defesas da pele, que a primeira linha de proteo do corpo contra infeces, estressores ambientais e perda de nutrientes e gua. Um microbioma saudvel como uma fl oresta tropical diversifi cada: quanto mais cepas coexistem, mais saudvel a pele. A cincia mostrou que o microbioma da pele se comunica com o sistema imunolgico (antes se acreditava que o microbioma existia apenas na superfcie da pele e que as camadas drmicas mais profundas eram estreis), isso gerou novas descobertas cientfi cas e, portanto, novas tendncias.

- Inflammaging: A pele a barreira mais importante do corpo humano, pois mantm o equilbrio entre o meio externo e os rgos internos. Pesquisas descobriram que a pele de pessoas com estresse mais suscetvel ao envelhecimento induzido por microinflamao. A inflamao produzida pelo excesso de radicais livres, citocinas infl amatrias e estresse oxidativo, que alteram as estruturas do colgeno e da elastina, desencadeando infl amao e alterando o microbioma da pele, gerando prurido, ressecamento, vermelhido, aspereza e alergias, entre outros.

- Probiotic skin care: No mundo do microbioma em nvel cosmtico, temos visto inovaes muito interessantes nos conceitos prebiticos e ps-biticos, enquanto a tecnologia probitica implica um grande desafi o na tecnologia e formulao de produtos tradicionais. O mercado de probiticos cosmticos , sem dvida, o prximo grande oceano azul do setor. De acordo com o Yahoo Finance, o mercado global de cosmticos probiticos est projetado em US$ 400 milhes at 2026.

- Immunity-boosting skin care: Essa um dos claims que vai se destacar nos prximos meses em skin care e tambm em maquiagem e outras categorias.

- Ingredientes em tendncia: Os consumidores esto focados em melhorar sua sade e seu preparo fsico durante a pandemia e, portanto, a categoria de suplementos teve um crescimento notvel de 12,1% em 2020 e continuar a crescer durante 2021 e nos prximos anos. Vemos ingredientes em alta em categorias como skin care, maquiagem e hair care, como magnsio, vitaminas A, D (uma das principais vitaminas que entraro na tendncia), C, B6, B3 (niacinamida), prebiticos, probiticos, ps-biticos, adaptgenos (ashwagandha, rhodiola), cidra, kefi r, ceramidas, cidos graxos (de leos naturais), l-teanina, manjishtha, aafro, blueberries, triphala, brahmi, guggul, chocolate escuro, alcauz, brcolis, melatonina, espinafre, gengibre, alho, ch-verde, valeriana, camomila e CBD (que j est em ascenso), ashwagandha (da ndia), aafro, mega-3, zinco e selnio principalmente.

- Medicinal mushroom: Alguns especialistas do setor acreditam que os extratos medicinais de cogumelos faro parte dessa tendncia. Em particular, chaga, cordyceps, crina de leo e cogumelos reishi tm sido usados n a medicina tradicional para fortalecer o sistema imunolgico e tambm estaro em alta nos cosmticos.

- Ayurveda in skin care: Ayurveda um sistema antigo e completo de medicina tradicional que fornece remdios para alcanar e manter a sade, e o bem-estar em timas condies. Os benefcios da medicina ayurvdica foram comprovados ao longo de sculos de uso, e suas metodologias so to aplicveis hoje no Ocidente quanto o eram h milhares de anos na ndia. As aplicaes em skin care incluem tratamentos faciais ayurvdicos, tratamentos para doenas da pele e formulaes base de ervas. Existem muitas formulaes faciais ayurvdicas no mercado hoje, mas importante conhecer a qualidade e os ingredientes de seus produtos para obter os melhores resultados.

- Gentle skin care: Ingredientes que apoiam a barreira da pele tambm esto em alta em 2021. Gentle skin care um tema quente neste ano.

- Localism: As quarentenas prolongadas tm tido um efeito interessante nos consumidores, em valorizar ingredientes locais, tanto na alimentao como na cosmtica. No futuro, haver um interesse crescente em comprar e consumir alimentos cultivados localmente.

- Immunity innovations: No mercado, estamos vendo conceitos interessantes como: Vitamine D supplement skin lotions, immune-boosting wellness shots, herbal immunity supplements, immune support CBD solutions, immunity supporting tinctures, microbiome friendly, clean microbiome skin care, nourishing microbiome mists, spray probiotic skin care, prebiotic shots, fortifying probiotic skin care etc.

- Immunometics: Immunity + Cosmetics. Sem dvida, uma das grandes oportunidades de inovao para os prximos anos, promovida em grande parte pela pandemia e pelo estresse do dia a dia.

- Biome-friendly skin care: Este ano, veremos inovaes muito interessantes para a formulao, por exemplo, emulsifi cantes, emolientes, doadores de viscosidade e outros excipientes biome-friendly. Isso permitir o desenvolvimento de um novo mundo de formulaes que so amigveis ao microbioma da pele.

- Pet microbiome: Nossos amigos peludos tambm esto aderindo tendncia bitica. O microbioma dos animais de estimao est se tornando um target cosmtico para desenvolver conceitos relacionados ao bem-estar.


Wallace Magalhes
Gesto em P&D por Wallace Magalhes

Composio em portugus no rtulo

Esta a nova obrigao para os cosmticos no Brasil. Escolhi abordar este assunto nesta edio (e no na anterior) porque ele j tinha sido amplamente divulgado e, mais do que falar da obrigao, a inteno aqui colaborar com o trabalho a ser realizado para atend-la. Para isso, foi necessrio mergulhar na nova demanda. Para empresas e tcnicos, uma oportunidade para avaliar a consistncia do cadastro tcnico e seus recursos, porque a partir dele que o processo ser realizado. Se no estiver bem estabelecido, o esforo, o tempo e o custo sero maiores.

A primeira providncia ter conscincia de que essa nova obrigao decorrente de uma deciso judicial transitada em julgado. No cabe aos fabricantes e tcnicos fi carem discutindo o mrito da questo. A segunda providncia analisar detalhadamente todos os pontos da RDC 432/2020. Muita gente leu a RDC por alto, mas isso no basta. Alis, esse o primeiro erro. Veja s. O assunto to complexo que a Anvisa publicou a Nota Tcnica N 5/2021 com o objetivo de esclarecer pontos importantes para a aplicao da norma, o que j um sinal de sua complexidade. A RDC 432/2020 mantm a composio em INCI Name - e no poderia ser de outra forma - porque faz parte da harmonizao das normas no mbito do Mercosul. Assim, j est criado o primeiro desafi o: espao no rtulo. O uso de etiqueta complementar permitido, desde que visualmente compatvel com a arte do rtulo e que seja resistente remoo, total ou parcial. Essa permisso til no caso de erro na aquisio de embalagens, mas deve ser encarada como provisria porque aumenta o tempo de produo e o custo do produto. Mais adiante, a norma determina que dever ser utilizada a Denominao Comum Brasileira (DCB) atualizada ou outra referncia indicada pela Anvisa e que, fora da DCB ou da nova referncia, deve ser feita a traduo do INCI Name pelas regras da RDC n 63/2012. A Nota Tcnica n5 descarta a adoo de uma nova referncia, determina a traduo e torna o Art. 8 da RDC n 63/2012 sem efeito para o caso. Recomenda-se o estudo das regras do INCI.

Pesquisando a DCB, s se encontram pouco mais de 350 denominaes aplicveis a ingredientes de cosmticos, j que a Nota Tcnica sugere que plantas e animais fi gurem com o nome popular. E, ainda assim, algumas denominaes so imprecisas, outras so excessivas e outras, inespecfi cas. Para Carbomer, existem dez denominaes na DCB. Para lcool laurlico etoxilado, s consta o Lauromacrogol 400, que, em tese, deve corresponder etoxilao de 8 moles. No Cosing, existem 146 registros. Existe na DCB o termo cetete (uma traduo literal de Ceteth), mas no traz estearete, cetearete e laurete. Em outros casos, o nmero que acompanha o termo macrogol parece referir-se ao nmero de unidades de xido de etileno, enquanto em outros refere-se ao nmero de moles de OE na molcula. Outra difi culdade (talvez a maior) na traduo dos ingredientes das molculas complexas, composta por vrias unidades. E eles so muitos. Um exemplo so os poliquatrnios.

A composio em portugus pode ser veiculada de duas maneiras. Em lista nica, disposta ao lado do INCI Name correspondente, separado por barra ou parnteses, o que em alguns casos podem gerar confuso, j que existem barras em alguns INCI Name, como tambm pode haver parnteses na traduo, como na indicao do grau de etoxilao. A lista separada evita essas confuses, mas aumenta o nmero de caracteres porque sugere repetir as expresses Composio: ou Ingredientes: seguida de (portugus). Isso pode ser um problema em alguns casos. Ao escolher o tipo de lista, deve ser escolhido o tipo de fonte (maisculas, minsculas ou ambas), lembrando que a primeira tem melhor leitura, mas ocupa mais espao. Essa outra diferena em relao DCB, que define o uso de minsculas, exceto no incio de frases.

A demanda criada pode ser resolvida por processo manual (inclui planilhas) ou automatizado. A primeira tem alta incidncia de erros e exige uma conferncia minuciosa e detalhada. cara, demorada e perigosamente disfarada, j que muitos gestores no percebem seu alto custo. A segunda rpida, segura e permite conferncia chamada ultrarrpida. Ambas exigem um cadastro tcnico bem elaborado. O assunto complexo e, se resolvido sem os recursos adequados, reduzir ainda mais o j pouco tempo que os tcnicos tm para desenvolver metodologias e formulaes competitivas. Isso alm de gerar rtulo com erros.

Olivier Fabre
Fragrncias por Olivier Fabre

Patrimnio olfativo e cheiro de beb

Ser que existe um patrimnio olfativo em um pas? Pode-se dizer que cada pas tem seu prprio patrimnio olfativo? Ou dizer que em um pas existem cheiros to apreciados que passam a fazer parte de seu patrimnio cultura?

No Brasil, existem dois cheiros que fazem parte de sua cultura: o cheiro da erva-doce e o de lavanda.

A erva-doce (Foeniculum vulgare Mill.), tambm conhecida como funcho, muito apreciada no Brasil tanto por suas caractersticas olfativas, verde e aromtica, que transmitem frescor e limpeza, como tambm porque dessa planta se faz um ch que traz benefcios para a digesto, o alvio de dores e combate a gripe.

A tradio do uso da erva-doce vem de bem antes da chegada dos colonizadores ao Brasil. Para os ndios amaznicos, os deuses eram alimentados por fragrncias e os seres humanos eram purifi cados por elas. Os perfumeros, como so chamados no Peru, eram uma categoria especial de mdicos ou pajs que se comunicavam com as fl ores para se apropriar da fora e da beleza dessas plantas. Eles tambm usavam muitas ervas que eram queimadas e insufl adas nos doentes. A slvia (Salvia offi cinalis) era usada para a purifi cao, a essncia sagrada de hortel (Mentha piperita) para curar problemas respiratrios e a erva-doce para afastar ondas negativas.

Ento no mera coincidncia que a erva-doce seja to popular hoje no Brasil. O carro-chefe das fragrncias comercializadas pela Natura sua famosa variante erva-doce, presente em muitos de seus produtos. Quase todas as linhas de produtos comercializadas no Brasil incluem uma variante erva-doce que est presente tanto em produtos de limpeza como em sabonetes lquidos e slidos, amaciantes e desodorantes de ambiente, usados nos mbitos domstico e institucional. Por exemplo, esses produtos so to usados em banheiros de estaes rodovirias que turistas que visitam Brasil associam o pas com o cheiro da erva-doce.

Outro cheiro que pertence ao patrimnio olfativo do Brasil a lavanda (Lavandula), tambm conhecida como alfazema. A incluso da lavanda no patrimnio olfativo mais recente. A lavanda no endmica no Brasil, tendo sido importada da Europa. Um dos produtos mais populares da perfumaria do Brasil, com mais de setenta anos de presena nesse mercado, a famosa colnia Seiva de Alfazema (originalmente da Phebo, hoje marca da Granado). Apesar de ter pouca quantidade de lavanda natural em sua frmula, a colnia Seiva de Alfazema remete, na imagem do rtulo, lavanda. A colnia Seiva de Alfazema foi e ainda muito popular em todo o pas, sobretudo no Nordeste, e passou a ser a colnia usada na lavagem das escadas da igreja Nosso Senhor do Bonfi m, em Salvador BA. Isso foi o sufi ciente para que a lavanda fosse associada purificao e ao perdo dos pecados.

Outro uso da lavanda em Salvador a difuso do seu cheiro antes da passagem do bloco Filhos de Gandhi, durante o Carnaval. Antes da entrada do artista Giberto Gil no palco, seus msicos difundem a lavanda para gerar boas ondas.

Certamente, pode-se dizer que existe um patrimnio olfativo tanto no Brasil como em outros pases. Por exemplo, nos Estados Unidos, um dos primeiros produtos criados da perfumaria masculina foi a colnia Old Spice, popular ainda hoje. Os principais ingredientes olfativos dessa colnia so lima e noz-moscada, que tambm so ingredientes da Coca-Cola! O cheiro da Coca-Cola passou a pertencer ao patrimnio olfativo dos Estados Unidos.

Outro exemplo de patrimnio olfativo so os produtos para bebs. Cada pas tem seu prprio cheiro de beb. Em geral, esses cheiros so fragrncias que perduram no mercado, pois as mes tendem a querer que seus bebs tenham o cheiro do mesmo perfume que elas usavam na infncia e at elas mesmas vo usar essas fragrncias. Essa a razo do sucesso da linha Mame e Beb, de O Boticrio. Os produtos das linhas Nenuco, na Espanha, Borotalco, na Itlia, Baby Johnson, na Inglaterra, e Mustela, na Frana, tm a mesma fragrncias h vrias dcadas. No caso da Mustela, h mais de 70 anos o mesmo cheiro. Todos esse cheiros fazem parte do patrimnio olfativo desses pases.
Patrimnio.

Antonio Celso da Silva
Embale Certo por Antonio Celso da Silva

Falta de embalagens: o pior ainda est por vir

Vivemos talvez um dos piores momentos da histria do nosso pas. A pandemia est expondo de maneira cruel as nossas fragilidades.

Bastou aumentar o consumo de lcool gel para que as principais matrias-primas da frmula sumissem e alguns fornecedores, aproveitando-se da situao ou em nome da demanda, passassem a praticar preos abusivos. As embalagens tomaram o mesmo rumo, principalmente as vlvulas, que sumiram do mercado, e passamos a ver uma busca desesperada por traz-las da China.

Algumas empresas saram na frente e comearam a substituir as vlvulas por tampas fl ip-top, disc-top e at por tampa cega, mesmo com toda a difi culdade de uso do produto.


O mesmo aconteceu com o mercado de papelo e micro-ondulado, no qual no tnhamos difi culdades (e eu mesmo sempre falei que esse era um segmento com o qual no precisaramos nos preocupar em trazer de fora), tanto no que diz respeito qualidade quanto quantidade. O que se v hoje um caos, com empresas de produto acabado deixando de entregar porque tm o produto pronto, mas no tm a embalagem terciria que caixa de embarque. Da mesma forma, essas embalagens sumiram, os preos explodiram, e o prazo de entrega aumentou muito.

A foto atual do mercado de embalagens desanimadora, salvando-se, por enquanto, alumnio e vidro.

Hoje, ao preparar essa matria, vi que foi decretada para todo o estado de So Paulo a fase roxa, chamada de fase emergencial. Embora a ao seja necessria para tentar frear a pandemia, tudo fica ainda mais complicado para o setor produtivo.

Mas o que parecia ruim pode ficar bem pior diante da nota emitida hoje pela Braskem, fornecedora das resinas termoplsticas, a todos seus clientes sobre o colapso no primeiro semestre de 2021. A empresa enfatiza que esse ano no vai ser fcil, pelo menos no primeiro semestre. E explica: parte do problema uma planta parada no Rio de Janeiro e a prpria crise entre a Braskem Idesa (controlada pela Braskem) e a Pamex (controlada pelo governo mexicano) na operao da planta no Mxico.

No meio dessa crise, houve a interrupo no fornecimento de gs pela Cenags, agncia estatal do Mxico, responsvel nica pelo sistema de dutos e transportes de gs natural na regio.

Outra razo para o colapso foi a suspenso de contratos firmados com fabricantes de todo Brasil, com volumes at ento garantidos, alm da aplicao de um corte no fornecimento de resina estimado em 50% a partir do ms de maro. Entregas, portanto, s mediante disponibilidade de estoques e capacidade produtiva das plantas em operao.

Vale lembrar tambm que os preos j tinham sido ajustados para as matrias-primas a partir de primeiro de janeiro desse ano.

Para complicar mais ainda e justifi car o colapso citado, temos as paradas j ofi cializadas pela Braskem para manuteno das plantas do Rio Grande do Sul (15 dias) e So Paulo (40 dias), que estavam previstas para maro, reduzindo consideravelmente o fornecimento e com impactos desastrosos nas cadeias de PP (polipropileno), PEAD (polietileno de alta densidade) e PEBD (polietileno de baixa densidade).

Como vemos, por trs da escassez de plsticos no mercado - que afeta os fabricantes de embalagens e, na sequncia, as empresas que compram essas embalagens -, temos tambm que considerar as aes tomadas por quem tem o monoplio na fabricao das resinas termoplsticas. Porm, a culpa de tudo fi ca por conta da pandemia para os que no tm conhecimento desse assunto.

O que mais assusta as empresas compradoras de embalagens no a falta das resinas para as empresas transformadoras produzirem as embalagens, mas os aumentos, que muitas vezes ocorrem mais de uma vez por ms - e sempre na casa dos dois dgitos.

Se considerarmos que, em um produto cosmtico, muitas vezes a embalagem a parte mais cara, no difcil imaginar que poucas empresas vo suportar esses aumentos nos seus produtos.

Isso escancara de vez as portas do nosso pas para as embalagens chinesas. O que comeou timidamente h alguns anos com as grandes marcas hoje j uma realidade para as pequenas e desconhecidas marcas.

O que podemos notar tambm o aumento de distribuidores/importadores que trazem da China e disponibilizam embalagens standard com estoque local e, da mesma forma, o aumento de empresas de trading com facilidades para quem quer trazer pequenas quantidades daquele pas asitico.

Atualmente, as empresas esto pensando duas vezes antes de trazer da China diante do preo do dlar.

Resta saber o que nos espera nesse emaranhado de problemas no fornecimento de resinas termoplsticas e o que vai acontecer com esse mercado de embalagens plsticas no pas.

Cristiane M Santos
Direito do Consumidor por Cristiane M Santos

Autocomposio na recuperao de empresas

Segundo dados da Serasa Experian, os pedidos de recuperao judicial no Brasil no perodo de janeiro a dezembro de 2020 totalizaram 1.179 nmero 15% menor do que o registrado em 2019, no concretizando uma expectativa de aumento (por enquanto) por causa da pandemia.

De acordo com os especialistas da entidade, muitos empresrios que experimentavam difi culdades fi nanceiras preferiram recorrer a alternativas disponveis, como extenso de prazos e novas linhas de crdito, e aguardar a nova Lei de Falncias, que vigoraria em 2021.

Assim, como esperado, em 23 de janeiro de 2021, entrou em vigor a Lei n 14.112/20, que traz alteraes e atualizaes nos regimes jurdicos de falncia e recuperao judicial e extrajudicial de empresas.

Dentre as inovaes trazidas pela nova lei e seguindo uma tendncia j instituda pelo Conselho Nacional de Justia (Resoluo 125/2010 e Recomendao n 58), vale destacar o estmulo aos meios autocompositivos de resoluo de confl itos, como a conciliao e a mediao.

Conceituando, a mediao um meio de soluo de confl itos entre as partes (pessoas fsicas ou jurdicas), normatizada pela Lei n 13.140/15, que, com o auxlio de um terceiro imparcial e sem poder de deciso, denominado mediador, facilita a comunicao e estimula a construo de solues consensuais para a controvrsia. regida por princpios essenciais, como o da boa-f, a confi dencialidade e a autonomia da vontade, entre outros.

Nesse sentido, a nova lei introduziu a mediao prvia e incidental ao processo de recuperao de empresas:

Art. 20-A. A conciliao e a mediao devero ser incentivadas em qualquer grau de jurisdio, inclusive no mbito de recursos em segundo grau de jurisdio e nos Tribunais Superiores, e no implicaro a suspenso dos prazos previstos nesta Lei, salvo se houver consenso entre as partes em sentido contrrio ou determinao judicial.

A nova lei permite, por exemplo, a mediao nas fases pr-processual e processual quando se tratar de disputas entre scios e acionistas, das empresas em difi culdade ou em recuperao judicial, bem como nos conflitos que envolvam os credores.

Tambm incentiva a mediao nas hipteses de negociao de dvidas e respectivas formas de pagamento entre a empresa em difi culdade e seus credores, em carter antecedente ao ajuizamento de pedido de recuperao judicial (Art. 20-B, IV), mas veda os meios autocompositivos quando tratar sobre a natureza jurdica e a classifi cao de crditos, bem como sobre critrios de votao em assembleia-geral de credores (Art. 20-B, 2).

importante ressaltar que a instaurao da mediao no suspende os prazos estabelecidos pela lei, exceto quando houver determinao do juiz ou consenso entre as partes.

As sesses de mediao ou conciliao podero ser realizadas em ambiente presencial ou virtual, e o acordo obtido dever ser homologado por juiz competente.

E uma vez requerida a recuperao judicial ou extrajudicial em at 360 (trezentos e sessenta) dias contados do acordo firmado durante o perodo da conciliao ou de mediao pr-processual, o credor ter reconstitudos seus direitos e garantias nas condies originalmente contratadas, deduzidos os valores eventualmente pagos e ressalvados os atos validamente praticados no mbito dos procedimentos (Art. 20-C, nico).

Certamente, o destaque desta via e a possibilidade de autonomia para se tratar a recuperao de empresas, de forma particular, chega num momento necessrio, no qual a expectativa do nvel da atividade econmica no pas de queda, diante de um cenrio de crise econmica, financeira, social, sanitria etc.

Alm das empresas que passam por um perodo de difi culdade extrema, no se pode deixar de registrar as mais de 300 mil vidas perdidas e aproximadamente 27 milhes de pessoas que esto abaixo da linha de pobreza e esto passando fome!

Precisamos de muita luz e de uma sociedade massivamente mais colaborativa e atuante.

Esperana o que nos resta




Valcinir Bedin
Tricologia por Valcinir Bedin

Onde existe pele existe pelo?

A pele o maior rgo do corpo humano, e o pelo o seu anexo mais importante. Existem aproximadamente 5 milhes de folculos pilossebceos espalhados pelo organismo, exceto em cinco locais especfi cos. A saber: palma da mo, planta do p, leito ungueal, glande peniana e pequenos lbios vaginais.

Seria possvel pensar que no existem pelos nas plpebras ou nos lbios, mas isso no verdade. Eles esto presentes, apesar de invisveis ao olho nu.

Mas por que isso importante? Para comeo de conversa, para as neoplasias. H tumores de origem folicular que s podem aparecer onde existam folculos. Para um diagnstico correto, essa informao de muito valor, se no fundamental.

Quando tratamos de produtos e servios relacionados aos pelos, tambm importante este conhecimento. Outro dado tambm importante que o pelo um anexo da epiderme e, portanto, constitudo de clulas epidermais, quais sejam: queratincitos e melancitos. Tratamentos que envolvem retirada deles ou mudana de sua forma ou cor podem envolver a pele adjacente, e isso muito relevante para o seu sucesso!

Quando falamos de pelos corporais, a ao mais comum a depilao. Esse um hbito muito comum, especialmente (mas no s) de mulheres do mundo ocidental. Cada modalidade de depilao, alm da retirada de pelos, acarreta numa alterao da pele onde ela aplicada.

A aplicao de produtos qumicos que destroem a queratina com o intuito de destruir o pelo vai, sem dvida, causar a destruio de parte da epiderme na sua camada mais superfi cial, que a chamada camada crnea.

Esta, por sua vez, tem funo de proteo e de barreira contra a entrada de microrganismos e de cosmticos naturais da pele, sendo responsvel pela hidratao natural e pela manuteno do manto hidrolipdico. A sua destruio, mesmo que parcial, causa um desequilbrio a esse estado, devendo os formuladores ficarem atentos a esse evento.

Produtos de ao qumica para depilao devem ser formulados associados a hidratantes e mantenedores de pH para minimizar esses danos.

Outra modalidade de depilao aquela que utiliza ceras, tanto frias quanto quentes. O mecanismo de ao desse mtodo a quebra mecnica do pelo atravs da retirada da cera aplicada sobre a pele e os pelos. Apesar de se querer retirar apenas os pelos, inevitavelmente acaba-se retirando parte da camada crnea, especialmente daquelas clulas j mortas que se colocam mais superficialmente. Quando a retirada excessiva, necessrio que se faa uma proteo adicional aps a depilao, com produtos que, se no conseguem restituir as caractersticas do estrato crneo, ao menos tm que dar uma proteo temporria at a recuperao dessa estrutura. O risco fica aumentado para uma infeco bacteriana, por exemplo.

Os mtodos mecnicos que usam aparelhos cortantes e lminas muitas vezes levam retirada de camadas de clulas da crnea pelo arrasto delas. Isso pode causar todos os problemas descritos anteriormente e tambm a obstruo dos stios foliculares, levando a foliculites e outros processos infl amatrios.

Produtos com caractersticas anti-inflamatrias podem ser utilizados para finalizar esse tipo de procedimento.

Um tpico parte o que fazemos com os pelos do couro cabeludo, conhecidos na lngua portuguesa como cabelos. Alm de trat-los diariamente, o cuidado com a pele adjacente tambm muito importante.

Uma caracterstica muito presente no couro cabeludo a sua vascularizao, que bastante grande. Outra a presenas de glndulas sebceas em quantidades que variam de 50 a 150 mil unidades. Isso d a dimenso dos cuidados que devemos ter quando vamos aplicar qualquer produto qumico nos cabelos.

Para se fazer qualquer atividade que envolva o uso de princpios ativos com pH diferente daquele da pele normal (ao redor de 5,5), devemos, sempre que possvel, proteger a pele da rea na qual estamos trabalhando, de maneiras mecnicas ou qumicas.

sempre importante realizar um teste inicial e prvio, aplicando uma pequena quantidade de produto atrs de uma orelha e esperando ao menos 15 minutos para avaliar a pele. Se ela apresentar vermelhido, prurido ou descamao, o tratamento deve ser evitado.

importante lembrar que, antes de tomar alguma atitude em relao ao ocorrido (como pedir para a pessoa lavar os cabelos com gua quente), deve-se ter a certeza do diagnstico, para no piorar a situao. A gua quente pode liberar gases ou vapores mais nocivos do que o prprio produto.

Cabe ao formulador o bom senso de elaborar produtos que estejam alinhados com o bem-estar do usurio, e cabe ao profissional que atua no campo ter o discernimento para escolher os melhores produtos para cada caso.

Carlos Alberto Trevisan
Boas Prticas por Carlos Alberto Trevisan

Vigilncia contnua

A atual pandemia exige das organizaes que cumpram e faam cumprir as determinaes sanitrias de segurana, que envolvem o distanciamento, a proteo individual, o trabalho remoto, etc.

Algumas empresas, negligentemente, no proporcionam aos seus colaboradores meios de seguirem essas determinaes, pois acreditam que os riscos trazidos pela pandemia motivam os colaboradores a cumpri-las.

Considero que essa justifi cativa tem alguns inconvenientes, pois exime a organizao da responsabilidade de criar as condies para efetivamente implantar e monitorar o cumprimento das determinaes.

Enganamse aqueles que pensam que o simples fornecimento de luvas, mscaras e lcool em gel, fazer a medio de temperatura de seus colaboradores, etc. so suficientes para que as determinaes sejam atendidas.

A realidade muito diversa do que se espera, pois o requisito fundamental para que as determinaes sejam efetivamente cumpridas passa pela real motivao dos colaboradores para que se obtenha os resultados de proteo esperados.

Alguns podem argumentar que o prprio medo do contgio e, consequentemente, da morte seja um importante fator de motivao, mas o que temos visto no dia a dia que o comportamental da populao diverge dessa lgica.

A organizao deve estabelecer protocolos de verificao e de acompanhamento das aes que ocorrem no dia a dia, para ter certeza de que as determinaes sanitrias de segurana esto sendo cumpridas pelos seus colaboradores.

Alguns podem questionar a atividade de monitoramento, pois, dependendo do nmero de colaboradores da empresa, as difi culdades em acompanhar se eles esto cumprindo as determinaes podem ser enormes.

Deve-se considerar que existem vrias tcnicas de monitoramento para avaliar o cumprimento ou no das determinaes estabelecidas.

Uma dessas tcnicas a observao, no dia a dia, do comportamento do colaborador durante sua permanncia na empresa, seja durante sua atividade laboral, seja enquanto ele estiver realizando outras atividades, como usar o refeitrio, descansar no ptio aps o almoo e participar de reunies de trabalho.

Deve-se mencionar que o uso inadequado das mscaras (no queixo, no pescoo, guardadas nos bolsos, etc) um fato incontestvel da ausncia de motivao do colaborador e que a forma inadequada de utilizar o lcool em gel tambm indica seu desconhecimento das determinaes sanitrias de segurana relativas pandemia ou sua desmotivao.

Muitas organizaes consideram que as notcias divulgadas todos os dias pela televiso, pelos jornais e pelas rdios servem como forma de comunicao da gravidade da pandemia aos seus colaboradores, ou seja, do que todo mundo j sabe. Contudo, essas empresas no percebem que seus colaboradores podem no associar essas notcias com as determinaes dessas organizaes.

Outra tcnica que pode ser aplicada para avaliar o cumprimento ou no das determinaes o dilogo contnuo com os colaboradores. Quando alguma atitude no adequada for constatada, deve-se imediatamente tentar saber por que o colaborador teve essa atitude.

Sabemos que as consequncias emocionais, para as pessoas, da atual condio de confi namento, do consequente cerceamento das possibilidades de convivncia e de obrigaes comportamentais podem ser extremamente danosas. Se no houver ateno mdica para diminuir a ansiedade dos colaboradores, poder ocorrer o comprometimento de sua sade mental no final da pandemia. Por esse motivo, necessrio acompanhar o comportamento dos colaboradores para evitar consequncias negativas no futuro.


Denise Steiner
Temas Dermatolgicos por Denise Steiner

Cosmiatria e produtos para a pele

A rea de cosmiatria nos ltimos anos tem avanado a passos largos, aliando tecnologia e pesquisa para melhores resultados finais.

Em relao ao uso de produtos tpicos, principalmente para o envelhecimento, surgem ativos novos todos os dias que precisam ser vistos de maneira crtica e objetiva.

O cido retinoico, j consagrado, tem embasamento cientfi co suficiente para ser reconhecido como opo teraputica para o tratamento do fotoenvelhecimento. Entre suas funes, est a regulao da formao da camada crnea, a melhora da proliferao dos queratincitos e a promoo da angiognese e neocolagnese, que revertem positivamente sinais do fotoenvelhecimento. A fronteira do conhecimento est no desafi o de utiliz-lo sem que provoque irritao em posologias e que tenham resultados.

A tretinona micronizada com liberao controlada provoca menos irritao, sendo uma boa opo por conta da necessidade de uma aplicao que no cause inflamao.

O cido retinoico utilizado em tratamentos de acne e fotoenvelhecimento e pode ser usado durante os meses ensolarados, pois no causa fotossensibilidade.

Trabalhos mais recentes apontam que a ao do cido retinoico irritativa devido modulao na camada crnea e angiognese. Porm, os vasos neoformados so competentes, levando melhor nutrio pele como um todo.

Em relao aos antioxidantes de uso tpico, houve muito avano nos ltimos tempos. O maior conhecimento do processo de oxidao com a formao de cadeias superxidas que desencadeiam uma cascata inflamatria, com aumento de citoquinas e fatores tumorais, leva ao desgaste e ao envelhecimento da ctis de uma maneira geral. Vrias estruturas so atingidas, como: vasos, clulas, fibras e tambm o DNA, que mais tarde se transforma tambm em tumores malignos.

A vitamina C, com seu efeito antioxidante, uma das representantes principais no arsenal de substncias utilizadas para este fim.

Recentemente, foi comprovado que a pele fotoenvelhecida apresenta uma infl amao crnica subclnica que representa um fator acelerador no envelhecimento. Neste processo infl amatrio, esto ativados vrios mediadores que funcionam como estmulos provocativos e agressores.

A idenobenona, o cido lipoico e o ch-verde, entre outros, so alguns dos ativos que despontam como potenciais agentes antienvelhecimento.

Essas substncias, em especial o ch-verde, vm sendo testadas como antitumorais e fazem parte de ensaios clnicos na quimiopreveno da melanona.

H inmeros trabalhos que tentam padronizar as doses dirias e a utilizao para o uso dos antioxidantes no tratamento do envelhecimento cutneo.

Os peptdeos tambm despontam como opo interessante no tratamento da pele fotodanifi cada. Eles so molculas grandes de aminocidos e podem ter funes diversas como: sinalizadores, carregadores e neuromoduladores.

Estas molculas, pela facilidade de penetrao, podem sinalizar e transportar substncias para planos mais profundos da pele. Atravs de ao em neuro-hormnios, os peptdeos tambm podem modificar processos exacerbados da pele.

Hoje a fronteira reside em combinarmos de maneira correta os cremes para preservar o dano oxidativo gerado principalmente pela ao da radiao ultravioleta.

Na rea de preenchimentos, desde o tempo do colgeno, muita coisa evoluiu, e temos mais recursos para o tratamento de rugas e sulcos.


Novos Produtos