O Impacto dos Cabelos na Autoestima

Katerina Steventon, PhD 
FaceWorkshops LLC, York, Reino Unido 

Nutrição ou Natureza?
Ilusão e Movimento da Cor
Os Cabelos Grisalhos e a Saúde
Cabelos Grisalhos como uma Bênção?
Conclusão

 

As pessoas gostam de aparentar serem mais jovens do que a idade que têm. Os principais fatores da aparência de uma mulher, sejam genéticos, sejam ambientais e que determinam sua idade aparente, ainda estão sendo discutidos, mas sabe-se que o envelhecimento dos cabelos é um aspecto importante na aparência pessoal. A recessão capilar, ou seja, a perda de cabelos nas regiões frontal e temporal da cabeça, o afinamento dos fios de cabelo no topo da cabeça e os cabelos grisalhos são importantes características que afetam a aparência de uma pessoa. A seguir, será feita uma rápida revisão de pesquisa recente sobre o envelhecimento dos cabelos.
 

Nutrição ou Natureza?

Estudo da Unilever que examinou a aparência facial de gêmeas dinamarquesas de 59 a 81 anos e de mulheres britânicas de 45 a 75 anos demonstrou que cabelos grisalhos e finos estão 

 

significativa e independentemente associados com a percepção da idade. Tanto o acinzentado quanto o afinamento dos fios nas têmporas são principalmente influenciados por fatores genéticos, embora tenha sido sugerido que fatores ambientais podem influir no afinamento dos cabelos.

Também tem sido proposto que há um relacionamento causal positivo entre cabelos grisalhos e finos e a idade percebida. A pesquisa demonstrou que mulheres que aparentam ser mais jovens do que sua idade contam com fatores genéticos que as protegem contra o desenvolvimento de cabelos grisalhos. Além disso, mulheres que tingem os cabelos parecem mais jovens do que a idade real que têm. Assim, tanto a natureza quanto o estilo de vida desempenham papéis importantes na manutenção de uma aparência mais jovem.1
 

Ilusão e Movimento da Cor

Cabelos que aparentam juventude são desejáveis em todas as idades e são um fator fundamental para a sensação de bem-estar do consumidor. É interessante destacar que, segundo relatórios publicados por pesquisadores da Mayo Clinic e do Rajarajeswari Medical College and Hospital,2 a aparência branca da canície é uma ilusão de ótica causada pelo reflexo da luz, que mascara a cor amarelada da queratina dos cabelos. Os cabelos cinzentos têm alguma cor por causa dos melanossomas esparsamente distribuídos, mas o cabelo branco é completamente desprovido de melanossomas e de cor. Cabelos brancos ocorrem apenas no couro cabeludo.

Além da cor dos cabelos, a dinâmica de seus movimentos tem influência em seu aspecto de juventude. Segundo pesquisa da Henkel,3 o folículo piloso está sujeito a alterações bioquímicas que evidenciam que a pessoa está na casa dos 30 anos, juntamente com o surgimento dos primeiros fios cinza não pigmentados. Esses cabelos movimentam-se com uma dinâmica diferente daquela dos fios pigmentados, pois a dinâmica dos cabelos não pigmentados é essa comandada pela estrutura interna, pela espessura e pela ondulação de fios de cabelo isolados. Além disso, as interações entre os fios influenciam o formato e o volume coletivo dos cabelos.

Conforme essas características vão mudando com a idade, elas vão alterando a dinâmica da movimentação dos cabelos. Por exemplo, os cabelos grisalhos retardam o movimento porque já perderam energia. Sua maior ondulação e seu maior diâmetro também os tornam mais rígidos, com um movimento mais brusco, o que torna sua aparência menos delicada.3
 

Os Cabelos Grisalhos e a Saúde

Real ou ilusório, o encanecimento precoce é uma causa significante de baixa autoestima que, muitas vezes, chega a interferir na interação social. Por isso, técnicas de camuflagem, como tingir os cabelos, podem ser um recurso importante.4 O surgimento e a progressão das cãs estão intimamente ligados à idade cronológica e ocorrem em vários graus, em todas as pessoas, independentemente de gênero e raça.

O encanecimento precoce pode ocorrer isoladamente, como uma condição autossômica dominante, ou estar associado a diferentes doenças autoimunes. Por isso, esse fenômeno deve ser diferenciado de distúrbios capilares genéticos de hipomelanose. A causa fundamental do encanecimento é a redução dos melanócitos ativos que produzem melanina no bulbo capilar dos folículos capilares anágenos cinzentos, o que leva à perda de pigmentação. A má transferência de melanossomas para os queratinócitos corticais e a falta de melanina por degeneração dos melanócitos, segundo se acredita, também contribuem para o encanecimento.

Embora os cabelos grisalhos sejam predominantemente influenciados pela genética, o tabagismo já demonstrou que tem relação com o encanecimento precoce. Estudo da University of Jordan Hospital5 dividiu 207 sujeitos em dois grupos: um com pessoas que apresentavam encanecimento precoce dos cabelos e outro com encanecimento normal. O encanecimento precoce foi definido como o que ocorre em sujeitos nos quais os primeiros fios grisalhos surgem antes dos 30 anos de idade. Já as pessoas nas quais os primeiros fios grisalhos começam a se manifestar após os 30 anos (ou seja, com encanecimento normal) fazem parte de outro grupo.

Curiosamente, a prevalência de fumantes no grupo de encanecimento precoce era maior: 40,2% versus 27,7%. Essa pesquisa confirmou que ocorre uma relação significante entre o encanecimento precoce e o tabagismo. Na verdade, os tabagistas tiveram cabelos grisalhos três anos antes dos não fumantes e estavam duas vezes mais propensos ao desenvolvimento prematuro dos cabelos brancos.
 

Cabelos Grisalhos como uma Bênção?

Por outro lado, algumas culturas recebem de bom grado os sinais de envelhecimento. Pesquisadores da University of Helsinki, na Finlândia, e da University of Surrey, na Inglaterra, constataram que mulheres finlandesas mais velhas que atuavam no mercado de trabalho tinham uma visão diferente sobre o envelhecimento e a meia-idade. Para elas, sinais evidentes da idade tinham conotação diferente. Elas achavam que parecer ter mais idade e ser menos atraentes – no sentido estereotipado – tinham conotação positiva, pois elas não estavam mais sendo submetidas aos olhares sexualizados e, por isso, eram levadas mais a sério. Assim, elas consideravam que o envelhecimento lhes abria novas possibilidades por “estarem ‘fazendo’ um gênero diferente e por terem transcendido as rígidas dicotomias e os relacionamentos de gênero”.6

Um exemplo nesse mesmo sentido vem de pesquisadores na Suíça, e Boston, do Massachusetts General Hospital, que realizaram um estudo observacional que confirmou o velho ditado popular “com os cabelos brancos vem a sabedoria”.7

Nesse caso, a aparência dos médicos do hospital foi associada com os resultados dos tratamentos de seus pacientes. Embora a pesquisa tenha sugerido que o gênero e a aparência dos médicos tinham pouca influência na qualidade do atendimento prestado, houve uma pequena, mas significante redução do índice de mortalidade dos pacientes atendidos por médicos(as) grisalhos.

Essa observação é claramente folclórica e confunde a idade com a experiência do(a) médico(a). Esse fato merece uma investigação mais profunda. Contudo, os autores do estudo concluíram que a associação entre a aparência dos médicos e os resultados dos tratamentos dos pacientes dava a evidência empírica de que ter pelo menos alguns médicos(as) de cabelos brancos no cenário de atendimento dos hospitais parece ser benéfico aos pacientes.7 
 

Conclusão

Os cabelos, ou a sua falta evidentemente desempenham papel importante na maneira pela qual os consumidores definem e percebem a si próprios, o que é confirmado pelos dólares que aplicam nesse tema. O mercado global de produtos para a cor de cabelos está projetado para chegar aos US$ 32,6 bilhões em 2025. Já o mercado mundial de produtos para evitar a perda de cabelos deve expandir-se em uma taxa anual composta de 4,8%, de 2019 a 2024, e, no geral, uma previsão da Technavio8 estima que o mercado global de produtos para os cabelos terá crescimento de US$ 7,1 bilhões entre 2019 e 2023. Profissionais que desenvolvem produtos capilares têm respondido claramente a uma preocupação cheia de carga emocional dos consumidores em relação a canicie, entregando-lhes soluções inovadoras que proporcionam resultados ainda mais positivos.

Referências Bibliográficas:

1. Gunn DA et al. Why some women look young for their age. PLoS One 4(12), 2009. On-line. Disponível em: www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/19956599. Acesso em: 26/3/2020 

2. Bangalor Kumar A, Shamim H, Nagaraju U. Premature Graying of Hair: Int J Trichology 10(5):198-205, 2018 

3. Bechthold L, Wiesche ESZ, Wortmann FJ. (2018). Morphological Changes of Human Hair Related to “Graying”. J Cosmet Sci 69(5):335-346, 2018 

4. Pandhi D, Khanna D. Premature graying of hair. Indian J Dermatol Venereol Leprol 79(5):641-653, 2913 

5. Zayed AA, Shahait AD, Ayoub MN, Yousef AM. Smokers’ hair: Does smoking cause premature hair graying? Indian Dermatol Online J 4(2):90-92, 2013. On-line. Disponível em: www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/23741662. Acesso em: 26/3/2020 

6. Isopahkala-Bouret U. “It’s a great benefit to have gray hair!”: The intersection of gender, aging, and visibility in midlife professional women’s narratives. J Women Aging 29(3):267-277, 2017 

7. Haubitz-Eschelbach A, Durmisi M, Haubitz S, Kutz A et al. The glory of the age is the wisdom of grey hair: association of physician appearance with outcomes in hospitalised medical patients – an observational study. Swiss Med Weekly, 2019. On-line. Disponível em: www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31846512. Acesso em: 26/3/2020 

8. Technavio. Global Anti-aging Hair Products Market 2019-2023. On-line. Disponível em: www.technavio.com/report/ global-anti- -aging-hair-products-market-industry-analysis. Acesso em: 26/3/2020 

Este artigo foi puublicado na revista Cosmetics & Toiletries Brasil, 32(2): 32-33, 2020.
Publicado originalmente em inglês, Cosmetics & Toiletries 135(2):14-17, 2020.

Novos Produtos