19 de Outubro de 2018

Avaliação Sensorial/Pigmentos/Formulário de Cuidado da Pele

Edicao Atual - Avaliação Sensorial/Pigmentos/Formulário de Cuidado da Pele

Editorial

100 vezes Cosmetics & Toiletries

 

Esta é a 100a edição de Cosmetics & Toiletries (Edição em Português), fruto de um trabalho que vem sendo desenvolvido ao longo de 17 anos, nos quais acompanhamos o crescimento do Setor, e levamos conteúdo técnico e informativo aos profissionais da Cosmetologia. Caminhamos rumo à maioridade, mas como tem sido freqüente, num daqueles momentos que contrapomos força e fragilidade. De um lado, a pujança do Setor, que como ressaltou João Carlos Basílio, presidente da Abihpec, “tem potencial para crescer a taxas explosivas”. De outro, mais um momento extremamente delicado, de crise política, de instituições, de um ícone.

O brasileiro aprendeu a viver em meio às turbulências pré ou pós-crise. Apostou no otimismo, mesmo ante às incertezas do início de um governo de oposição - início conturbado, porém sem grandes alterações nos rumos da Economia, e adiante viria a retomada do desenvolvimento e seus primeiros sinais, como o crescimento da produção industrial em 2004 - o maior desde 1986. Entretanto, agora temos essa avalanche de escândalos de corrupção, numa crise política cujas proporções ainda não são claras, mas que já estão ajudando a escrever de forma surpreendente (ou seria previsível?) a biografia do ex-metalúrgico que virou presidente. Quais serão os impactos de todo esse turbilhão sobre a Economia? Para o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, “a economia brasileira é forte o suficiente para enfrentar a crise política atual”, devido a seus “fundamentos sólidos”. Do lado de cá, de quem produz, dribla o peso da carga tributária e outros entraves que nos fazem remar contra a maré, o momento é de interrogações, de estupefação e de expectativa - e, esperamos, de não-banalização do que nos acostumamos a “engolir”, a conviver.

 

Mas como somos brasileiros e, pegando carona no bordão da vez, “não desistimos nunca”, estamos aqui pela centésima vez. Esta edição de Cosmetics & Toiletries (Edição em Português) traz artigos técnicos sobre avaliação sensorial, cosméticos pigmentados, além de formulário com mais de 70 fórmulas de produtos para cuidado da pele, entre outros assuntos. Nesta edição você confere também os lançamentos e inovações tecnológicas da FCE Cosmetique, bem como os trabalhos e pôsteres premiados durante o 19º Congresso Brasileiro de Cosmetologia.

 

Boa leitura!
Hamilton dos Santos
Editor

Análise Sensorial: Ferramenta para Avaliar Eficácia e Benefícios - Idalina M. N. Salgado-Santos, Adelino Nakano Instituto de Bioengenharia da Pele – Evic, São Paulo SP, Brasil André Rolim Baby, Maria Valéria Robles Velasco Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São

Neste artigo os autores relatam exemplos de estudos para comprovar a eficácia de apelos de rotulagem em produtos cosméticos, utilizando-se a avaliação sensorial como técnica complementar.

En este articulo los autores relatan ejemplos de estudios como prueba de la eficacia de las aseveraciones de rotulados en productos cosméticos, utilizándose en la evaluación sensorial como técnica complementaria.

The authors report, in this article, some studies examples to substantiate the cosmetic products label claims efficacy by utilizing the sensory evaluation as a complementary technique.

Comprar

Brilho Perolizado e Longa Radiância para Realçar Luminosidade da Pele - N. Portal e J. Guesnet YSL Beauté, Neuilly sur Seine Cedex, França N.Abdul-Malak e E.Perrier Coletica, Lyon, França

Esmaecimento da cor e escurecimento dos pigmentos de maquilagem podem ser evitados através de novas técnicas de materiais de cobertura e aplicação, como no caso de extrato de pérola de proteína aplicada por uma tecnologia de cobertura por leito fluido de ar. Essa tecnologia também trata de pigmentos e substratos para proporcionar propriedades ópticas e melhorar a radiância da pele.

El desvancimiento Del color y el oscurecimento de los pigmentos de maquillaje pueden ser evitados por medio de una nueva tecnica de materiales de cobertura y aplicación, como demuestra en el caso Del extracto de proteina de perla aplicada por nueva tecnología de cobertura por lecho fluido de aire. Esa tecnologia también trata de pigemtos y sustratos para proporcionar propiedades ópticas y mejorar la radiancia de la piel.

Color fading and dulling of foundation pigments can be avoided by new coating materials and application techniques, as demonstrates in the case of a pearl protein extract applied by a fluid air bed coating technology. This technology also treats pigments and fillers togive the optical properties to improve skin radiance.

Comprar

A Avaliação Sensorial como Guia para o Desenvolvimento de Produtos - Gail Vance Civille e Clare Dus Sensory Spectrum, Inc. Chatham, New Jersey, Estados Unidos

Os autores explanam como relacionar a documentação de atributo sensorial de produto, através de painéis de análise descritiva, com a exploração do consumidor por meio de entrevistas individuais, que proporciona orientação clara para o desenvolvimento de produto. Adicionalmente, isso permite ao grupo de desenvolvimento acompanhar o surgimento de protótipos.

Los autores explican como relacionar La documentación de atributo sensorial de producto, por medio de paneles de análisis descriptivo, con La explotación del consumidor a través de entrevistas individuales, que proporcionan orientación clara para el desarrollo Del producto. Adicionalmente, eso permite al grupo de desarrollo supervisar El progreso de prototipos.

The authors explain how linking product sensory attribute documentation, through descriptive analysis panels, with consumer exploration through oneon- one interviews, provides clear direction to product development. In addition it permits the product development team to track progress of the prototypes.

Comprar

Formulação com Pigmentos de Interferência - Phil Linz Rona/EM Industries, Hawthorne, NY, Estados Unidos

As informações sobre formulação e fabricação de produtos apresentados neste artigo serão muitos importantes para o uso de pigmentos perolizados em várias aplicações em produtos cosméticos e de uso pessoal.

Los datos de formulación y información sobre fabricación de productos a los que se hace referencia resultan muy valiosas para que los formuladores puedan utilizar pigmentos perlados en diversos productos cosméticos y de tocador.

Formulation and product manufacturing information given here will help formulators use interference (pearlescent) pigments in various cosmetic and personal care applications.

Comprar

Nova Regulamentação de Ingredientes de Tintura de Cabelos na EU - R. J. W. Hefford Independent Cosmetic Advice, Ltd., Newcastle upon Tyne, Reino Unido

O autor sugere que a atual e a futura regulamentações podem tender a instituir uma lista positiva com menor número de ingredientes permitidos para tinturas de cabelo na União Européia.

El autor sugiere que La actual y futura reglamentaciones puden tender a instituir uma lista positiva con menor número de ingredientes permitidos para tintes de cabello en la Unión Europea

The author suggests that current and evolving regulations may lead to a positive list and fewer allowed raw materials for hair colouring products in the European Union.

Comprar

Avaliação in vitro da Ação Antioxidante em Formulações Antienvelhecimento - Valéria Maria Di Mambro, Franciane Delfin Marquele, Maria José Vieira Fonseca Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto-Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto SP, Brasil

Os autores fazem uma revisão de metodologias in vitro usualmente empregadas na avaliação da atividade antioxidante ou sequestradora de radicais livres, discutindo o emprego destes métodos para a avaliação da eficácia antioxidante de formulações tópicas antienvelhecimento. As vantagens e desvantagens de cada método também são mostradas.

Los autores hacen uma revisión de metodologias in vitro usualmente empleadas en La evaluación de La actividad antioxidante o acción contra los radicales libres, discutiendo el empleo de estos métodos para La evaluación de la eficácia antioxidante de formulaciones tópicas antienvejecimiento. Las ventajas y desventajas de cada método también son mostradas.

The authors make a review of methodologies in vitro usually employed for the antioxidant and free radicals scavenging activity evaluation, discussing the use of these methods for the antioxidant action evaluation of antiageing topical formulations. The advantages and disadvantages of each method are also shown.

Comprar
Carlos Alberto Trevisan
Mercosul por Carlos Alberto Trevisan

Ênfase na Auto-Inspeção

Na reunião do SGT-11 Saúde/Comissão de Produtos para a Saúde/Grupo Ad-hoc de Cosméticos com a presença de delegações de Argentina, Brasil e Paraguai, desta vez foi a delegação do Uruguai que não esteve presente, ficando as decisões tomadas a serem referendadas posteriormente por aquele país.

O primeiro assunto discutido foi o Reconhecimento Mútuo, que ficou aos cuidados da Comissão Principal.

O Certificado de Venda Livre foi outro assunto discutido. A Delegação do Paraguai solicitou esclarecimentos quanto aos tipos de documentos existentes na Argentina e no Brasil. Chegou ao conhecimento daquela Delegação que esses países emitem dois Certificados: um para exportação e outro para livre circulação dentro do país, sendo ambos aceitos igualmente para a regularização de produtos. Foi acordado que deveria existir um único documento para a Região do Mercosul. Para produtos não contemplados no Regime de Reconhecimento Mútuo, os presentes decidiram avaliar um novo documento a ser apresentado na próxima reunião que irá acontecer em Buenos Aires, em setembro.

Como terceiro tópico, foi discutida pela Comissão Principal a questão do Responsável Mercosul, assunto esse discutido em conjunto com o Reconhecimento Mútuo.

O mecanismo para atualizar as BPF e C foi o quinto tópico da agenda. As delegações presentes acordaram que já existe na legislação Mercosul mecanismo para essas atualizações, mas foi reforçada a necessidade de uma troca de informações entre as delegações, como preparativo para a próxima reunião.

A realização da Auto-Inspeção foi igualmente discutida, com a menção da Consulta Pública no Brasil sobre o assunto. As Delegações puseram-se de acordo que as empresas deverão realizar auto-inspeção, ao menos, uma vez por ano e os laudos deverão estar à disposição das Autoridades Sanitárias. Recomendaram que sejam iniciadas a partir de seis meses após a implantação da Resolução em cada Estado-Parte.

Quanto ao Certificado de Boas Práticas de Fabricação e Controle ficou acordado que a sua emissão é requisito indispensável para a atualizar as atividades de empresas que tenham sofrido penalidades relativas a desvios quanto a dispositivos da legislação vigente. Foi também sugerida a inclusão de cláusula que implique no cancelamento do Certificado quando do descumprimento da legislação vigente.

A regulamentação da terceirização da produção foi outro tema discutido. O projeto de resolução foi revisado e incluídos os seguintes novos itens:

- Objetivo: estabelecer critérios relativos à terceirização das etapas de fabricação ou fabricação total de produtos de higiene pessoal cosméticos e perfumes.

- Amplitude: aplicar o regulamento às empresas devidamente regularizadas perante as Autoridades Sanitárias para fins de terceirização.

Como o assunto Terceirização no âmbito do MERCOSUL tem implicações importantes de interesse de grande número de indústrias brasileiras, reservamos a próxima coluna para uma exposição mais detalhada sobre o assunto, o que não seria possível no espaço que dispomos nesta oportunidade.

Cristiane M Santos
Direito do Consumidor por Cristiane M Santos

Cartilha do e-Consumidor

Em decorrência do crescimento do comércio eletrônico e de suas perspectivas, e com o objetivo de bem informar a sociedade sobre como se fazer bons negócios por meio da Internet, o Comitê Jurídico da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, através de seu Sub-Comitê de Relações de Consumo lançou, no último dia 7 de junho, a “Cartilha do e- Consumidor”.

Sem dúvida alguma a Internet pode ser uma excelente ferramenta para as compras, pois otimiza o tempo do consumidor, permite a comparação de preços, além de propiciar comodidade na hora da compra – pode-se comprar a qualquer hora e de qualquer lugar!

Entretanto, ainda há restrições por parte de muitos consumidores por medo de fraudes...

Para evitar este tipo de risco, a cartilha recém-lançada apresenta recomendações de segurança para compras online bem sucedidas.

Sintetizamos abaixo algumas dessas recomendações:

- Identifique o fornecedor: procure no site a identificação da loja e verifique se há informações sobre a razão social, CNPJ, endereço, telefone, etc. Recomenda- se compra apenas em lugares conhecidos ou que se tenha alguma referência.

- Verifique a segurança do site: é fundamental averiguar se a loja é segura, pois dados pessoas inevitavelmente serão enviados. Para isso, verifique se há um ícone em forma de “cadeado” no canto inferior direito da tela ou lojas que seu endereço eletrônico comece com a sigla “https”.

- Proteja seus dados pessoais: evite acrescentar informações nos formulários que não tenham utilidade prática para a concretização do negócio. Tenha o máximo de cuidado com a sua senha!

- Escolha uma senha segura: evite senhas “óbvias” (como datas de aniversário, nome, telefone, seqüência de letras ou números, etc), aconselha-se escolher uma senha entre 6-12 caracteres, alternando letras minúsculas, letras maiúsculas e números de forma aleatória.

- Verifique as características do produto: analise bem a descrição do produto, faça comparações, certifique-se de que o produto se encaixa em sua necessidade ou interesse.

- Verifique as políticas da loja quanto a entrega, formas de pagamento, garantia do produto e condições de troca.

- Verifique o preço e a incidência ou não de tarifas para envio: o custo da remessa na maioria das vezes não está divulgado no anúncio, por isso, verifique o valor do frete.

- Mantenha registro de tudo: guarde todas as informações e e-mails relacionados à compra; imprima o anúncio, as telas de compra e toda a comunicação trocada com a loja.

Não se esqueça de que o Código de Defesa do Consumidor obriga o fornecedor a cumprir com as ofertas veiculadas, independentemente de ser “virtual” ou não!

- Muita atenção aos e-mails que recebe: tome cuidado em abrir anexos ou clicar em links de e-mails recebidos, pois podem conter vírus ou buscam capturar dados. Sempre é bom clicar no link contido no e-mail para verificar se a página da internet é segura.

Se você se considera um e-consumidor ou quer se tornar um, vale a pena ler a integra desta Cartilha disponível no site www.camara-e.net/e-consumidor.

Tome os devidos cuidados e faça boas compras online!

A vez da Qualidade por Maria Lia A. V. Cunha / Friedrich Reuss

Atualizações das Normas segundo a ISSO

De tempos em tempos ocorre uma atualização das Normas para fins de adequação às novas necessidades do mercado, e para a atualização dos sistemas de gestão à evolução da legislação ou às novas formas de gerenciamento. Desta forma, a norma ISO 9001:2000 serviu para desburocratizar os sistemas da norma anterior, criar projeções na forma de objetivos e metas para que os sistemas melhorem continuamente a qualidade dos produtos, dos processos, adequando- os continuamente à satisfação dos clientes.

O prazo formal de quatro anos para as revisões parece ser muito curto e então se recorre a uma certa flexibilidade. A norma ISO 9001:2000 apresenta-se bem alinhada com os atuais princípios de administração, podendo-se prever que não haverá necessidade urgente de qualquer alteração. A norma ISSO 14001:1996, por sua vez, sofreu uma revisão recente, emitida no início deste ano, tornando-se a Norma ISO 14001:2004. Não houve modificações importantes: as principais foram para deixar os textos mais claros e melhor definidos.

Analisando-se as alterações chega se aos seguintes comentários:

1. Foi introduzida a necessidade de determinar o escopo da certificação, ou seja, determinar a sua abrangência e com isso tornou-se possível restringi-la a algumas partes de uma organização

2. A política ambiental deve estar divulgada a todos aqueles que trabalham para e em nome da organização. Com esta medida são incluídos no sistema de gestão todos os terceirizados. É uma necessidade atual que todos os terceiros estejam alinhados com a organização.

3. A documentação de levantamento e avaliação dos aspectos ambientais deve estar formalizada em documento, assim como devem estar disponíveis e documentados os requisitos legais e voluntários aplicáveis. Trata-se do levantamento de questões ligadas às interferências no meio ambiente.

4. Os quesitos de objetivos e metas e de programa de gestão ambiental foram reunidos num único tópico e foi estabelecida a exigência de objetivos mensuráveis. Trata se de quesitos a serem melhorados ou estabelecidos perante limites legais.

5. A outra alteração visa envolver aquelas pessoas que realizam operações que tenham potencial de causar impactos ambientais mais fortemente no sistema: devem ser identificadas, para que sejam devidamente orientadas, treinadas e conscientizadas.

Esta orientação serve tanto para as pessoas da própria empresa como para pessoas pertencentes às empresas que estão fornecendo serviços para a empresa certificada. A questão também se estende a todas aquelas empresas fornecedoras de serviços que possam impactar o meio ambiente, exigindo dos subcontratados/fornecedores que tenham os registros das habilidades necessárias ou os treinamentos adequados para as respectivas tarefas e responsabilidades.

6. Caso a empresa tenha definida a comunicação dos seus aspectos ambientais é necessário que seja estabelecido formalmente um método de sua implantação.

7. Está mais clara a necessidade de que a organização avalie internamente e com alguma freqüência a conformidade legal para fazer uma verificação se todas as exigências legais são conhecidas na organização, se são conhecidas pelas partes interessadas e se estão sendo aplicadas adequadamente.

Caso alguma legislação determine limites para as variáveis (por exemplo: a concentração da emissão atmosférica), devem ser realizadas medições contínuas ou periódicas, conforme a determinação específica que pode estar contida na licença de instalação ou de operação, ou então exigida por outro método pela legislação ambiental.

8. Em último lugar foi estabelecido um conteúdo mínimo para a pauta da reunião de análise crítica pela direção, a fim de garantir que efetivamente todos os assuntos de importância ambiental estejam sendo trazidos para a alta direção da organização e que sobre estes haja as deliberações adequadas sobre a evolução do histórico e que sejam traçadas metas e objetivos para o período seguinte. Por meio destes adendos o texto da norma fica mais claro, objetivo e dá maior segurança operacional.

Denise Steiner
Temas Dermatológicos por Denise Steiner

Maioria da População não se Protege do Sol

Quase 70% dos brasileiros se expõem ao sol sem proteção e vivem sob a ameaça da radiação ultravioleta. Os dados são da Sociedade Brasileira de Dermatologia e reafirmam a necessidade de se intensificar as campanhas de esclarecimento e prevenção. A maior preocupação é com o câncer de pele. O Instituto Nacional do Câncer, INCA, prevê o surgimento de 118 mil novos casos da doença só este ano.

Durante a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele, realizada em dezembro de 2004, mais de 33 mil pessoas foram atendidas em todo o Brasil e quase 3 mil tinham câncer de pele, ou seja, 8,4% de todo o atendimento. Os números da campanha são ainda mais alarmantes na população masculina. Entre os quase 13,5 mil homens atendidos, 77% não usam proteção (contra 64,3% das mulheres) e 10,6% deles apresentaram algum tipo de câncer de pele (nas mulheres, a taxa ficou em 7%). As pessoas de pele negra também demonstraram não se cuidar: 80,3% dos 2,2 mil negros que participaram da campanha revelaram não utilizar nenhuma proteção contra o sol e 1,5% apresentou algum tipo de câncer de pele.

A região Sul teve o maior percentual de casos detectados, com 9,8%, em seguida veio a Região Sudeste (8,6%), Centro-Oeste (8,3%), Norte (7,7%) e Nordeste (6,7%). Em relação aos estados, Santa Catarina ficou com o maior percentual: 13,5% dos atendidos apresentaram câncer de pele. Em seguida, a Paraíba (11,6%) e o Distrito Federal (11,4%). O Estado com menor percentual de casos foi a Bahia, com 4,9%.

O tipo de câncer de pele mais comum detectado durante a campanha foi o carcinoma basocelular: 6,3% dos diagnósticos realizados. Este câncer é mais freqüente a partir dos 40 anos, em pessoas de pele clara e não causa metástase. Já o carcinoma espinocelular, que representou 1,3% dos diagnósticos, pode provocar metástase e está relacionado à exposição ao sol e a substâncias químicas, como arsênio e alcatrão, além de alterações no sistema imunológico. Tanto o carcinoma basocelular quanto o espinocelular têm chances de cura maior que 95% se detectados e tratados precocemente.

O tipo mais perigoso, porém, é o melanoma, encontrado em 0,5% das pessoas atendidas no ano passado. Com alto poder de metástase, pode levar à morte se não for diagnosticado e tratado a tempo. A incidência de melanoma triplicou entre brancos entre 1980 e 2003. Apesar de também estar relacionado à hereditariedade, o melanoma é causado principalmente pela exposição inadequada ao sol. De acordo com as estimativas do Inca, dos quase 119 mil novos casos previstos para 2005 no Brasil, quase 6 mil serão de melanoma e os demais 113 mil de outros tipos de câncer de pele. O dermatologista pode diagnosticar precisamente um câncer de pele, mas a população deve fazer com freqüência o auto-exame. É preciso ficar atento a feridas que não cicatrizam, crescem, coçam ou sangram, mudanças bruscas em manchas na pele e pintas com muitas cores e formato irregular.

A proteção da pele é fundamental na prevenção do câncer. É recomendado, o uso de chapéus, camisetas e protetores solares durante a exposição ao sol, o ano todo. Além disso, deve-se evitar a exposição entre 10 e 16h. Na praia, as barracas devem ser de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta (as barracas de náilon formam uma barreira pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material). O filtro solar deve ser aplicado meia hora antes da exposição e reaplicado a cada duas horas após entrada na água ou transpiração excessiva. O Fator de Proteção Solar (FPS) deve ser no mínimo 15, para todos os tipos de pele. Crianças de até seis meses não devem ser expostas diretamente ao sol e as que têm mais de seis meses devem evitar o horário entre 10 e 16h e, mesmo assim, utilizar roupa, chapéus e bonés, sombrinhas e filtros solares.

Valcinir Bedin
Tricologia por Valcinir Bedin

Tricologia Sensorial

As técnicas de avaliação sensorial para cosméticos e perfumes são amplamente conhecidas. Infelizmente, na área capilar ainda não temos padronização de todos os testes sensoriais que gostaríamos de ter, cabendo aos técnicos e aos cientistas que atuam neste setor a responsabilidade de criar, testar, aprimorar, padronizar e validar estes instrumentos que só melhorarão nossa prática.

Os cabelos têm características específicas que podem ser avaliadas de maneira sensorial. A penteabilidade, o brilho, a definição são apenas algumas destas características, que têm na análise sensorial um dado a mais.

Quando sou perguntado por algum cliente qual é o shampoo ou condicionador ideal, costumo responder em tom de “brincadeira”: use aquele que você sente que deixa seus cabelos com melhor aspecto!

Parece que estou fugindo da resposta correta, mas me parece que esta é a mais honesta delas. Cada pessoa tem uma resposta diferente para o mesmo produto. Claro que temos os dados estatísticos, e estes são fundamentais.

Elaboramos recentemente um questionário de quase 100 perguntas que tem a função de definir alguns dados sensoriais sobre cabelos, cosméticos capilares e queda. Temos aplicado com rotina em nossos serviços, para atingir um número considerável de respostas e validado (nossa meta é de obter, pelo menos, 1.000 questionários respondidos).

No nosso meio, Dra. Mirella Brito Moraes, médica especialista em medicina estética e tricologia, elaborou um questionário sobre queda de cabelos e qualidade de vida, que se tornou sua monografia de titulação. Este questionário, aparentemente subjetivo, pode comprovar objetivamente e estatisticamente o quanto o fato “queda de cabelos” pode interferir na qualidade de vida do individuo.

Os testes de meia cabeça, para avaliar produtos e aparelhos também são bastante úteis. Seguindo uma padronização o pesquisador aplica ou pede para o voluntário aplicar o produto ou o aparelho (um secador com algum novo dispositivo, como um emissor de íons negativos, por exemplo) em apenas metade da cabeça. Na outra metade um outro produto ou aparelho similar sem o dispositivo é aplicado. Logo após procede-se o inquérito que deve constar de perguntas simples, mas que não sejam tendenciosas e nem induzam a uma resposta específica. No caso do emissor de íons, podemos
perguntar simplesmente que lado foi mais fácil de pentear, ou qual lado tinha mais brilho após o uso.

Outro exemplo é o uso de instrumentos para modelagem dos cabelos, como chapinhas ou congêneres. Além dos dados técnicos dos aparelhos, aplicamos um questionário de satisfação com o efeito final do produto.

Neste testes costumeiramente se atribui valores às alternativas e o resultado final é a somatória de todas as respostas.

Com isso ficamos sabendo qual é a verdadeira sensação sobre o produto, podendo assim orientar a sua fabricação ou o projeto de marketing.

Boas Práticas por Tereza F. S. Rebello

O Caçador de Bactérias

Iniciamos a presente coluna mencionando, mais uma vez, a importância da microbiologia nas BPF e C. Como já tivemos oportunidade de comentar, suas normas de procedimentos tiveram origem a partir de problemas vivenciados pela indústria farmacêutica na década de 60. Anos mais tarde, foi publicado um caso de infecção hospitalar causado pelo uso de loção para mãos contaminada por microrganismos.

Ao ministrarmos nosso curso de microbiologia para os profissionais da indústria de cosméticos e também em palestras proferidas a operadores, embaladores, almoxarifes etc., várias vezes tivemos oportunidade de citar as principais fontes de contaminação, e que, portanto, a esses profissionais cabia a tarefa de eliminá-las ou, pelo menos, minimizá-las.

E, uma dessas fontes, não levada muito a sério pelos profissionais que atuam na área, se refere ao habitat dos microrganismos. Paradoxalmente à resposta que ouvíamos, durante a preleção, para nossa pergunta: “Onde vivem os microrganismos?”. A resposta dos operadores era sempre dada de imediato: “em todos os lugares, como no ar, água, sobre nós, dentro de nós”.

Concluíamos, assim, que os principais responsáveis pela qualidade dos produtos sabiam muito bem como atacar os agentes contaminantes. No entanto, a nossa dúvida era se esse conhecimento seria suficiente para a obtenção de produtos dentro dos limites estabelecidos pela vigilância sanitária. Tudo indicava que não, pois, não raro, produtos ainda são rejeitados por problemas microbiológicos.

Acontece que alguns manipuladores de matérias-primas e operadores não acreditam que, na prática, aqueles conhecimentos adquiridos durante os cursos funcionem efetivamente, essa é a razão de equipamentos não limpos adequadamente, por exemplo. Sabemos que uma limpeza inadequada resulta em uma sanitização fora dos padrões exigidos. Apesar de apresentarmos provas durante as palestras de conscientização, a respeito da existência dos microrganismos através da semeadura em placas de amostras colhidas de cabelos, mãos, ar ambiente etc., aparentemente, os resultados, que no início apareciam como surpreendentes para eles, eram rapidamente esquecidos durante as operações de fabricação.

Este fato, no entanto, não é tão estranho como parece, pois, freqüentemente, vemos profissionais da área de saúde, como médicos e enfermeiros, vestidos com jalecos de trabalho circulando em metrôs, ônibus, supermercados etc., após ou antes de atender pacientes, muitas vezes portadores de doenças infecciosas.

Mas, felizmente, temos veículos de comunicação como a televisão - e o que é apresentado na “telinha” parece gozar de mais credibilidade. Um bom exemplo é o quadro do programa “Fantástico” denominado “O Caçador de Bactérias”. Nesse quadro, o microbiologista, armado com coletores apropriados, colhe amostras nos corre-mãos e barras de apoio de ônibus e de áreas diversas. Os resultados sempre surpreendem os telespectadores pela quantidade de microrganismos encontrados.

No mesmo programa é divulgada a identificação de certas espécies de microrganismos, como foi o caso do Staphyloccus aureus, que pode ser encontrado em nossa pele e mesmo no ambiente de trabalho. Aliás, a flora encontrada em ambientes, mesmo aqueles considerados limpos, é bem ampla: fungos, Staphylococcus epidermitis, difteróides etc. Portanto, uma das fontes de contaminação a ser considerada é exatamente a ambiental, muito fácil de ser avaliada. Basta distribuir placas contendo meios de cultura apropriados por pontos estratégicos. O tempo considerado na exposição dessas placas deve variar em função da população microbiana esperada: em ambientes sujos, desorganizados, com grande movimentação de pessoas, o tempo de exposição será mínimo, por exemplo, de quinze minutos. É exatamente em função dessa fonte de contaminação que embalagens contendo matérias-primas e equipamentos com produtos devem permanecer tampadas quando não estão em uso.

Percebemos, assim, a grande contribuição da televisão, como no quadro o “Caçador de Bactérias”, na medida que auxilia na conscientização da população para ter bons ou melhores hábitos de higiene pessoal e colaborando, dessa forma, com profissionais da Qualidade.

Não só os profissionais que atuam na indústria de cosméticos têm obrigação com as BPF e C, mas todos aqueles que atuam nas demais atividades englobadas pela Lei nº 6.360/76.

Antonio Celso da Silva
Embalagens por Antonio Celso da Silva

Vidro: Embalagem Nobre pouco Utilizada

Com a maior oferta de embalagens plásticas, o setor cosmético tem deixado de lado as embalagens de vidro, principalmente para uso nos cremes faciais. É lógico que além da maior oferta de plástico, conta-se também com a vantagem do preço e a maior variedade de formatos disponíveis no mercado. Mas hoje o vidro começa a ser uma embalagem acessível, mesmo para as pequenas empresas ou pequenos projetos.

O vidro possui inúmeros diferenciais e vantagens competitivas: enobrece o produto, é transparente – o que valoriza o conteúdo -, não tem problema de incompatibilidade com essa ou aquela matéria-prima, o risco de contaminação é quase zero. Pode ser fosco, colorido, pintado, receber gravação em silk screen e até rótulo.

As mais famosas marcas de cosméticos multinacionais ou mesmo as grandes marcas nacionais utilizam o vidro nos seus “potinhos” de cremes e se destacam pelo diferencial de beleza e nobreza.

Até pouco tempo, eram poucas as empresas que fabricavam essas embalagens no Brasil. Hoje, a opção dos importados com estoque local está mudando o panorama. Quem visitou a FCE-Cosmetique (exposição de matérias- primas e embalagens) ou a Luxe Pack, pôde comprovar essa tendência nos estandes de empresas brasileiras e estrangeiras. Além das diversas opções de importados, é possível fazer um molde exclusivo em empresas nacionais, sem pagar um preço proibitivo, por isso convém lembrar esse fato que muitos não sabem.

O resultado é que, além do aspecto nobre do produto, este pode ganhar o diferencial do formato exclusivo, que até pode ser patenteado.

Estamos falando do uso do vidro para embalagens de cremes, porém, um outro diferencial que até pouco tempo era privilégio dos produtos importados começa a ganhar terreno no mercado brasileiro. É a opção do vidro pintado para perfumes. As empresas nacionais fabricantes de vidro oferecem a opção do vidro colorido e até mesmo pintado, porém, a quantidade mínima de compra pode inviabilizar o projeto.

Hoje já é possível comprar um vidro flint (transparente) de fabricantes locais, ou mesmo importados, e mandar pintar. Já temos empresas de plásticos se especializando em pintura de vidros e com opção de pequenas quantidades de compra. Existe grande variedade de cores, a possibilidade do dégradé, da pintura total ou parcial do frasco, na qual pode-se obter efeitos muito interessantes, com a pintura apenas do fundo ou de uma lateral.

É notório o crescimento de ofertas de vidros, seja flint, colorido (lembrar que nesse caso a matéria-prima é colorida, sendo o âmbar a cor mais comum), pintado ou foscado, o resultado da concorrência aberta pelas várias empresas multinacionais que chegaram no Brasil. Estas constataram essa carência no mercado, mais e principalmente, constataram a baixa qualidade do produto brasileiro, com raras exceções.

A qualidade dos potes e frascos da indústria brasileira precisa melhorar muito para enfrentar a concorrência dos importados, que não param de desembarcar no país, com opções que encantam nossos olhos e começam a encantar também os nossos bolsos.

Sempre digo que temos os melhores produtos, se comparados com países de ponta, mas ainda não temos uma “roupa bonita” para vesti-los. Os fornecedores de embalagem de vidro começam a mudar essa história, seja com opções locais ou importadas. Com isso vamos poder comparar nossos potes de cremes e nossos frascos de perfumes com as grandes marcas internacionais, sem nenhum receio.

Ainda temos um longo caminho a percorrer no mundo das embalagens para cosméticos, mas já estamos nele.

Novos Produtos