19 de Outubro de 2018

Permeação por Iontoforese/Abstracts de Congresso/Índice Geral 2004

Edicao Atual - Permeação por Iontoforese/Abstracts de Congresso/Índice Geral 2004

Editorial

Incentivo à Inovação Tecnológica

 

Estímulo à pesquisa científica, que gera desenvolvimento tecnológico, que aliado à indústria agrega valor aos produtos, que assim têm condições de se tornar mais competitivos no exterior. A Lei de Inovação, aprovada pelo Senado Federal, pode diminuir a distância entre os dois extremos dessa cadeia, promovendo a integração entre entidades públicas de ciência e tecnologia, e a iniciativa privada. O objetivo é gerar e difundir conhecimentos, além de impulsionar a produção nacional, tornando nossos produtos mais competitivos no cenário internacional.A Lei – uma das boas notícias que chegam com o fim de 2004 e cujo texto fora enviado ao Congresso ainda no governo anterior - dispõe, por exemplo, sobre a contratação de pesquisadores de instituições públicas por instituições privadas. Também há um instrumento que autoriza União e entidades públicas a participar, como minoritárias, no capital de empresa privada que desenvolva projetos voltados à obtenção de soluções tecnológicas inovadoras.O que pode ser um passo importante para a produção industrial nacional, ainda que a longo prazo, agora é pendência nas mãos do presidente Lula, que deverá encaminhar ao Congresso Nacional um pacote de incentivos fiscais, no prazo de 120 dias, como suporte para que a lei possa se materializar. De cá, aguardamos por boas notícias, sobretudo num setor em que inovação é uma das palavras de ordem para o crescimento.

 

Empreendorismo também é um dos temas presentes nesta edição de Cosmetics & Toiletries (Edição em Português), que traz artigo técnico sobre permeação cutânea por iontoforese, além dos abstracts do Congresso IFSCC e o Índice Geral 2004.

 

Boa leitura!

Hamilton dos Santos

Editor

Abstracts de Trabalhos Apresentados no 23º Congresso do IFSCC - 24-27 outubro 2004 Orlando FL, Estados Unidos

Um Novo Mecanismo de Pigmentação Induzido por UVA fora do Melanócito
Kiyoshi Sato, Takayuki Ono, Kazuhisa Maeda, Masato Hatao – Shiseido Research Center

Uma baixa dose de radiação ultravioleta (UVA) causa escurecimento imediato e temporário da pele de sujeitos cujos tipos de pele podem ser classificados como II a IV. O mecanismo de pigmentação induzido por UVA é considerado diferente do da radiação ultravioleta B (UVB) porque a pigmentação induzido por UVB mostrou acúmulo de melanina nos queratinócitos que circundam a membrana basal. Levantamos a hipótese de que as substâncias podem ser melanizadas após o acúmulo de radiação UVA nos queratinócitos. Nossas experiências, usando sobrenadantes de cultura de melanócitos, provaram que os melanócitos liberaram substâncias para o meio de cultura, as quais foram polimerizadas para melanina pela UVA. Tais substâncias foram extraídas com acetato de etila e identificadas como sendo ácido 5,6-di-hidroxindol-2-carboxílico (DHICA), 5,6-di-hidroxindol (DHI) e seus derivados. Essas substâncias sintetizadas quimicamente mostraram que formam facilmente material semelhante à melanina por radiação UVA, numa solução tamponada. Em co-cultura com melanócitos, os queratinócitos captaram para seu interior esses monômeros melanogênicos, e foram escurecidos pela radiação UVA. Esses achados sugerem que um dos mecanismos relacionados com a pigmentação por UVA é que os monômeros melanogênicos produzidos pelos melanócitos são transferidos para queratinócitos e polimerizados para melanina nos queratinócitos por radiação UVA. Com base em nossos achados, a melanização do DHICA por UVA foi usada como índice para triar ingredientes pela capacidade de inibir pigmentação induzida por UVA. Constatou-se que um derivado da vitamina C, o ácido etil-ascórbico, inibiu a melanização do DHICA e pode ser uma droga candidata e antipigmentação induzida por UVA.

O Efeito de N-Acetil Glucosamina sobre a Descamação do Estrato Córneo e conteúdo de Água da Pele Humana
T. Mammone, D. Gan, C. Fthenakis, K. Marenus, D. Maes -
Estee Lauder Research Laboratory

Os alfa-hidróxi-ácidos (AHA) vêm sendo usados há anos para tratamento da pele por problemas dermatológicos ou com finalidades cosméticas. Tratamento tópico com AHA demonstraram claro efeito antienvelhecimento, fotoproteção e atividade antiinflamatória. Porém, o mecanismo de ação dos AHA ainda é completamente desconhecido. Uma hipótese para seu mecanismo de ação é que diminuem a coesão dos corneócitos e assim normalizam o processo de esfoliação do estrato córneo.
Contudo, esse mecanismo de ação sugere um efeito puramente desnaturante sobre as proteínas da epiderme e representa a baixa funcionalidade específica. Isso está demonstrado pelo fato de que altas
concentrações 5-10% de AHA apresentam efeito irritante direto.
Para desenvolver alternativas para o uso dos AHA com mais alta atividade específica, e menos efeitos colaterais, investigamos diversos materiais. Uma das classes de compostos são açúcares aminados. Há relatos de que esses açúcares inibem a reagregação dos corneócitos associados. Brysk et al demonstraram que os açúcares aminados podem modular a adesão dos queratinócitos. Esses autores relataram sobre a capacidade da n-acetil-glucosamina (NAG) e do ácido n-acetilneuramínico e da n-acetil-galacotosamina sobre a dissociação agregada de corneócitos extraídos da pele. Esses açúcares ligam-se à lecitina como glicoproteínas que unem os corneócitos. Essa proteína ligada à lecitina demonstrou recentemente ser o receptor de CD44 do ácido hialurônico. O ácido hialurônico provou estar presente na epiderme e até mesmo no estrato córneo.
Assumimos que os açúcares aminados, ao romper as ligações dos corneócitos, como os AHA, podem funcionar topicamente para promover a descamação. Essa descamação será semelhante à causada pelos AHA, com vantagens, a estas associadas, mas com muito mais suavidade para a pele.

O Genoma das Células da Pele: um Objetivo Central para Proteção Total do Estresse Oxidante e do Fotoenvelhecimento
Louis Danoux, Christine Jeanmaire, Vincent Bardey,
Florence Henry, Philippe Moser, Olga Gris, Dominique
Gauché, Giles Pauly - Laboratoires Sérobiologiques

Todas as informações que determinam se a a célula preenche perfeitamente sua função nos organismos vivos estão presentes no material genômico, no núcleo e nas mitocôndrias, o ácido desoxirribonucléico, DNA.

O DNA é constantemente submetido a ataques nocivos de origem endógena ou ambiental. Uma importante fonte endógena do material genômico presente nas mitocôndrias, codificando proteínas da cadeia respiratória. Foi demonstrado que uma deleção em larga escala a partir de mtDNA (DNA mitocondrial), conhecida como deleção comum é induzível por UVA e é ampliada na pele humana fotoenvelhecida.

A deleção comum é responsável pela deterioração da cadeia respiratória com a liberação ampliada do ROS que, por sua vez, geram mutações do mtDNA. Essa interação explica a criação de um círculo vicioso associado com a insuficiência da produção de energia e, finalmente, leva à morte da células. Entre os fatores ambientais, a principal origem das lesões do DNA à pele humana é o estresse oxidante gerado por radiações da luz do sol.

A radiação UVB é a mais danosa, pois leva à geração de importantes produtos gerados pela luz chamados dímeros de timina. Portanto, a exposição à UV provoca lesões associadas com o fotoenvelhecimento da pele e contribui para algumas doenças, como inflamação, imunossupressão e câncer.

Para enfrentar esses ataques, o organismo desenvolveu um sofisticado sistema para reparo do DNA, necessário para as células manterem sua integridade. Na verdade, a resposta celular é adaptada às extensões dos danos ao DNA. Esse sistema de reparação é auto-regulado: é ativado apenas quando a quantidade das lesões permanece dentro de seu potencial natural de reparo. No caso em que os danos excedam essa capacidade, o sistema de reparos não se realiza, o que evita o risco de recuperação incompleta do DNA. Neste programa, uma proteína chamada GADD45± controla o ciclo de parada da célula para dar tempo para o reparo do DNA, facilitando o acesso do equipamento de reparo para o domínio do DNA alterado. Deve-se destacar que a proteína GADD45± intervém no NER (Reparo de Excisão do Nucleotídio) e remove as lesões induzidas por UV na pele humana que distorcem a hélice. Com o objetivo de completar a proteção celular, isto é, prevenir e reparar lesões ao DNA induzidas por UV, desenvolvemos um novo ingrediente ativo com base no extrato vegetal de Senna Alata, o Roxb, cujo principal composto é o K3OS (Kaempferol-3-0-Soforosídio). A citofotoproteção foi avaliada medindo-se as taxas de lise celular [número da célula e liberação de LDH (lactato desidrogenase)] e de mediadores antiinflamatórios como PGE2 (Prostaglandina E2) sobre queratinócitos irradiados por UVB.

A proteção do DNA foi bem demonstrada medindo-se a liberação de fragmentos de DNA do citoplasma e pelo ensaio “comet”. A proteção do DNA foi estendida às mitocôndrias pela avaliação da taxa de deleção comum dos fibroblastos dérmicos humanos estressados por UVA. Para investigar mais o mecanismo subjacente a proteção e reparo do DNA, o perfil da expressão do gene dos queratinócitos humanos foram escaneados pela técnica de chip de DNA e a ativação observada da expressão do gene gadd45± confirmados por RT-PCR em tempo real (Transcriptase Invertida da Reação em Cadeia da Polimerase).

Avaliando a Realidade da Celulite Redirecionando o Sonho de Dissipar o Mito
Theresa Callaghan - Hill Top Research Inc., Europe

A celulite ou, às vezes mais especificamente, a lipodistrofia ginóide foi recentemente classificada em duas novas tendências – endocrinologia estética e medicina específica do gênero. Embora o fato continue o mesmo, a celulite não é um distúrbio ou doença de pele, nem uma distrofia do tecido, mas uma inevitável realidade da formação genética das mulheres, completamente interligada aos hormônios esteróides e influências externas. A realidade mostra defeitos visíveis no desejo pela perfeição. A celulite é uma condição que necessita ser controlada uma vez que não pode ser tratada dentro dos limites da definição de cosmético. Porém, conforme apresentamos neste relatório, um entendimento claro das influências sobre o metabolismo dos tecidos adiposos e estrutura do tecido conectivo deve levar ao desenvolvimento de novos e instigantes métodos de avançar para um enfoque mais bem informado do sonho.

Pele Brilhante: Filtros Solares, Espécies Reagentes de Oxigênio e Microscopia de Fluorescência de Fóton Duplo
Kerry M. Hanson – Laboratory for Fluorescence Dynamics,
University of Illinois–Urbana-Champaign

Os filtros solares são recomendados como parte das práticas para reduzir os efeitos cancerígenos e de fotolesões da radiação ultravioleta do sol. Embora os filtros solares evitem as queimaduras solares, não bloqueiam 100% a radiação UV sobre a superfície da pele, cuja radiação residual não atenuada pelos filtros solares pode levar à fotolesão.

As reações fotobiológicas induzidas ou mediadas por espécies de oxigênio reagente (ROS) merecem especial atenção. ROS são moléculas altamente reagentes que têm a propensão de aumentar a reação em cadeia de eventos que disparam maior geração de ROS. Diversos ROS, inclusive o ânion radical superóxido (O2 -), radical hidroxila (.OH), oxigênio simples (1O2), e peróxido de hidrogênio (H2O2), são
encontrados seguindo a radiação UV dos cromósforos ultravioleta epidérmicos. Estudos in vitro constataram que esses ROS causam a oxidação de lipídios e proteínas, e induzem a síntese da colagenase na derme, além de oxidar o DNA do núcleo.

A pesquisa indica que ROS pode desempenhar papel importante na fotocarcinogênese por meio da oxidação do DNA e desregulação da apoptose, entre outros caminhos, dando início à tumorigênese por meio da replicação de células modificadas. Na derme, ROS ativam a metaloproteinase de matriz (MMPs) que causam ligações cruzadas com o colágeno. A degradação da proteína mediada por MMP afeta a migração do tumos, refletindo que a destruição do colágeno não é apenas um tema da indústria de cosméticos.

Complicando ainda mais o conceito tradicional da fotoproteção está o nosso limitado conhecimento da influência fotobiológica que os filtros UV têm sobre a pele. A monografia final prevista pelo FDA sobre filtros solares não tem conclusões finais sobre o relacionamento entre a fotoquímica do filtro UV e a fotobiologia e sua influência sobre a segurança ou eficácia, devido à falta de dados disponíveis. Porém, estudos da fase de solução mostram que alguns filtros UV geram ROS, inclusive 1O2 altamente reagente e estudos in vitro demonstraram que o ácido 2-fenil-benzimidazol-5-sulfônico leva à quebra de linhas de DNA por meio de um mecanismo de 1O2. Pesquisadores também demonstraram, usando uma fita adesiva e métodos de HPLC, que o metoxicinamato de etil-hexila e o benzofenone-3 penetram no estrato córneo.

Hoje em dia, no entanto, nosso conhecimento da geração de ROS induzido por UV e os efeitos de moléculas de fotoproteção sobre ROS estão limitados à tecnologia disponível. Conforme está ilustrado na monografia do FDA, simplesmente não se sabe qual é, se é que há algum, o efeito dos filtros UV sobre a geração de ROS na pele. Será que ROS é gerado em toda a pele se os filtros UV forem aplicados sobre toda a superfície? Se for, onde é gerado? Será que os filtros UV realmente melhoram a geração de ROS no tecido vivo? Caso positivo, como essa fotossensibilização é afetada pelas condições de aplicação ou preparo da pele? Neste estudo, demonstramos como é a espectroscopia a laser e métodos microscópicos foram desenvolvidos, que permitem visualizar diretamente a geração de ROS dentro do tecido real, com resolução tridimensional de um micron, e quantifica os efeitos. Não se pode apenas olhar os efeitos profundos, a penetração, etc, mas pode-se também ver em que lugar das células ROS é gerado, e em quais tipos de células. Esse recurso permite-nos responder objetiva e experimentalmente as perguntas acima.

Resolvendo o Conflito da Simultaneidade de uma Hidratação Elevada e uma Película de Emulsão Oclusiva
Yuji Sakai, PhD, Masashi Suzuki, Yasuhiro Ohara, Shinya
Okabe - Skin Care Products R&D Department, POLA
Chemical Industries, Inc.

Duas funções básicas dos cosméticos baseados em emulsão são a hidratação e a oclusão, marcantemente afetadas pela proporção de partes hidrófilas e lipofílicas nas emulsões, e as películas de emulsão aplicadas à pele. Porém, devido a suas exigências conflitantes, é difícil, ao mesmo tempo, melhorar as duas funções. O estrato córneo saudável contém grande quantidade de água e a quantidade de perda de água pela superfície da pele é baixa. O objetivo deste estudo foi realçar as funções hidratantes e oclusivas da emulsão, criando uma película de emulsão com estrutura semelhante à do estrato córneo.

Para aumentar a função hidratante, buscamos meios de dispersar água no interior da parte lipofílica da emulsão, sem reduzir a função oclusiva. Como dispersante, foram usados tensoativos tipo poliglicerina e álcool cetílico. Para realçar a função oclusiva, buscamos meios para reforçar a estrutura da parte hidrófila usando um tensoativo com elevada função hidratante. Devido à propriedade de um tensoativo tipo poliglicerina, geralmente é difícil formar uma estrutura de cristal líquido, mas conseguimos fazer isso usando o éter poliglicerina-13- polioxi-butileno-14-estearílico e o método de emulsificação da fase D. Confirmamos por estudo de microscopia que, nas emulsões convencionais, as gotículas desaparecem rapidamente depois que a película é formada e seca, ao passo que em nossas emulsões experimentais, o formato das gotículas é mantido. Encontramos, também, que o índice de hidratação da película (IFM) e o índice de oclusão da película (IFO) foram ambos elevados. Além disso, após um mês de uso contínuo,a remoção do estrato córneo (um indicador da hidratação da pele) e a distribuição dos corneócitos (um indicador da função de barreira) também melhoraram significativamente. Em outras palavras, foi possível melhorar simultaneamente as funções de hidratação e oclusiva. Os resultados deste estudo esclarecem que ao focalizar a estrutura da película, uma emulsão, especialmente a relação entre as partes hidrófila e lipofílica, as funções da emulsão podem ser realçadas, podendo ultrapassar certas limitações.

Revestimento Superficial de Tecidos Visualizado por “Micro Imagem da Topologia Epidérmica (MTE)”
Alan Wohlman - The Fanning Corporation

A integridade da pele depende da produção contínua e da manutenção de materiais biológicos estruturais e biológicos, cuja configuração e função são grandemente dependentes do ambiente do local onde existem. Esse ambiente pode ser definido, em parte, pelo equilíbrio quantitativo do óleo e da água no tecido. Um dos desafios primários para aqueles que se esforçam para cuidar efetivamente da pele é o desenvolvimento de ingredientes e formulações que facilitem a conservação e o devido equilíbrio dos componentes lipídicos e aquosos nas camadas complexas que compreendem a superfície da epiderme. O uso freqüente de tensoativos pode eliminar uma quantia significativa dos lipídios protetores, permitindo a perda de água por evaporação e conseqüente desidratação da pele.

Estólides e lactonas, derivados de fontes naturais, como óleo de semente de meadowfoam, contém compostos orientados espacialmente que ajudam a restabelecer um equilíbrio de óleo e água corrigido fisiologicamente na superfície da pele e assim restauram a saúde da pele, e sua morfologia juvenil. O estolídio de meadowfoam resulta na condensação catalisada de ácidos graxos para formar um éster dimérico e a lactona é um anidrido formado pela remoção da molécula de água dos radicais hidroxila e carboxila dos ácidos graxos hidroxi. A lactona de meadowfoam é um composto anfótero, cujas estruturas isoméricas podem mudar a solubilidade de óleo e água, em função do pH.

Foi observado que o estólide de meadowfoam e a delta-lactona de meadowfoam, quando aplicados à pele, em concentrações razoavelmente baixas produzem melhora sensorial marcante na tonalidade e textura da pele. O objetivo deste estudo é verificar esta observação no tecido e relacionar essa bioatividade à estrutura molecular dinâmica e natureza anfótera de tais compostos.

Um Novo Enfoque para a Hidratação da Pele Focalizando um par Iônico Hidratante Natural
Noriaki Nakagawa, Shingo Sakai, Masayuki Matsumoto,
Yasushi Sumida, Hideyo Uchiwa - Kanebo Ltd.

O fator natural de hidratação (NMF) do estrato córneo (EC) desempenha papéis importantes nas propriedades físicas do EC. Muitos estudos de aminoácidos, componentes do NMF, também deveriam ser realizados com pacientes portadores de pele seca. Além disso, íons como Ca++ e K+ também componentes do NMF, também deveriam fazer parte das propriedades físicas do EC, pois desempenham importantes papéis na diferenciação final dos queratinócitos. No entanto, poucos estudos investigaram as influências específicas do NMF sobre o EC em sujeitos saudáveis. No presente estudo, focalizamos o relacionamento entre o nível iônico e as propriedades físicas do EC de sujeitos saudáveis. Nossos resultados mostraram que o lactato, K+, Cl-, e Na+ no EC foram significativamente reduzidos com as mudanças sazonais das propriedades físicas do EC, pois apenas os níveis de lactato e K+ foram relacionados significativamente com as três propriedades físicas do EC (hidratação, rigidez e pH). Além do mais, os níveis de lactato e K+ no EC foram significativamente relacionados uns aos outros. Também investigamos a importância do lactato e K+ como um par iônico sobre as propriedades físicas do EC e constatamos que o lactato de potássio restaurou significativamente a hidratação do EC reduzida pela extração do NMF, em comparação a outros pares, e também aumentou significativamente o nível de hidratação do EC em comparação apenas com o lactato, uréia e PCA. Esses resultados mostram que o lactato e o K+, como par iônico, desempenham papéis importantes na manutenção das propriedades físicas do EC em sujeitos saudáveis, e sugerem que regular o movimento de lactato e K+ é um novo enfoque para a hidratação da pele, independente de regular a síntese dos aminoácidos e lipídios intercelulares.

Imagem Imunofluorescente de Proteínas Dérmicas usando Microscopia Confocal por Scanner a Laser
Jesse C. Leverett, Jeffrey Gour, Jim Mayne - Access
Business Group, L.L.C.

São necessários instrumentos mais poderosos para desenvolver a próxima geração de cosméticos funcionais. O setor está altamente evoluído, hoje em dia, e exige maior conhecimento das causas fundamentais dos danos actínicos e causados pela idade que, até recentemente, eram encarados como um fenômeno meramente superficial. Ao compreender as causas, pode-se descobrir soluções melhores, que irão produzir um efeito mais profundo para o consumidor. Os autores apresentam corante imunofluorescente indireto acoplado à microscopia confocal com escaneamento a laser, como um recurso poderoso para avaliar as estruturas dérmicas de interesse. Corantes fluorescentes conjugados a anticorpo foram usados para separar individualmente Colágeno I, Colágeno III e elastina, em amostras de tecido da pele ex-vivo, protegido do sol. Além disso, são fornecidas imagens de alta resolução e medições quantitativas dessas proteínas. Acreditamos que essas técnicas podem ser usadas para acompanhar efeitos de produtos nas estruturas de interesse.

Um Novo Mecanismo de Foto-Lesão Cutânea Mediada Pela Angiogênese e Efeitos Inibidores do Extrato de Chlorella Sobre a Angiogênese Induzida por UV
Kiichiro Yano, PhD, Dr. Kentaro Kajiya - Shiseido Research
Center Dr. Michael Detmar - Cutaneous Biology Research
Center, Departament of Dermatology, Massachussetts
General Hospital and Harvard Medical School

Os três principais fatores que induzem o envelhecimento da pele são a radiação UV, clima frio e seco, e oxidação induzida por radicais livres. Evidência crescente sugere que a radiação UV é o principal fator que induz a formação de rugas. A radiação UVB aguda resulta em hiperplasia epidérmica, lesão dérmica e forte angiogênese. No entanto, a significância biológica da angiogênese induzida pela luz e a regulação molecular dessa angiogênese continuam sem esclarecimento.

Para elucidar a função biológica dos vasos sangüíneos no processo de foto-lesão cutânea, trabalhamos com dez voluntários a duas doses mínimas de eritema (MED) por exposição à radiação UVB. Detectamos hiperplasia epidérmica, infiltração de leucócitos produzindo elastase, lesão da rede de fibras elásticas e forte angiogênese na derme papilar, após radiação UVB, em comparação com a pele normal. Uma análise quantitativa computadorizada de seções coradas de CD31 revelou significativo aumento nas dimensões e densidade dos vasos, acompanhado por proliferação de células endoteliais na derme superior, 48 horas após uma única dose de radiação UVB (2MED) associado com regulação para cima da expressão do VEGF e com regulação para baixo da expressão de TSP-1, na epiderme hiperplásica. A análise por RT-PCR de VEGF e expressão do mRNA do TSP-1 após radiação aguda por UVB (30 mJ/cm2) de queratinócitos HaCaT cultivados também confirmou os resultados da análise imuno-histoquímica.

Uma vez que os novos achados e um nosso trabalho anterior confirmam que a super-expressão de TSP-1 na epiderme evita a angiogênese crônica induzida por UVB e a foto-lesão cutânea, fizemos a triagem de mais de 300 extratos vegetais para conhecer sua capacidade de promover a expressão de TSP-1. Constatamos que o extrato de chlorella, potencialmente, induziu a expressão de TSP-1 nos queratinócitos HaCaT, resultando na apoptose das células endoteliais e na prevenção da expressão predominantemente induzida por UVB, do VEGF contra TSP-1 in vitro.

Esses resultados sugerem que a angiogênese induzida por UVB media a lesão dérmica ao reunir as células inflamatórias associadas com um impulso angiogênico no equilíbrio de VEGF e da expressão de TSP-1 na epiderme. Os resultados também sugerem que a super-expressão constitutiva de TSP-1 desempenha um papel crítico na prevenção da angiogênese induzida por UVB e foto-lesão e que o extrato de chlorella, um poderoso indutor de TSP-1, é um composto antiangiogênico que pode evitar a formação de rugas.

Modulação da Migração de Células de Langerhans através de MMPS e Caminhos de PKC: um Novo Conceito para o Controle da Hipersensibilidade Cutânea
Nathalie Piccardi, Antoine Piccirilli, Jean-Christophe
Choulot, Philippe Msika - Laboratoires Expanscience, R&D
Center, Epernon, França; Matie- Jeanne Staquet - INSERM, Lion, França; Daniel Schmitt, Bernard Chadoutaud - Clinical Research Consultant, Toulouse, França; Frédéric Bérard, Jean-François Nicolas - CHU Lyon Sud, Pierre-Bénite, França

O rompimento da barreira é uma característica da pele sensível, que pode resultar num aumento da susceptibilidade à dermatite irritante, e a dermatite irritante de contato pode facilitar a penetração de sensibilizante nas células vivas. Além disso, o rompimento da barreira leva à liberação de citoquinas, como alfa e beta-IL-1 e alfa- TNF. Essas alterações patofisiológicas podem significar um “Sinal de Perigo” necessário para contatar a sensibilização. A migração de células de Langerhans (LC) da epiderme para drenar os nódulos linfáticos é um primeiro passo crítico para a sensibilização, bem como para iniciar a hipersensibilidade de contato. Entre os mecanismos intracelulares que mediam a migração de LC da pele, 1) produção de citocinas pró-inflamatórias, 2) cinase C da proteína (PKC) e a ativação da Metaloproteinase de Matriz (MMPs) parecem desempenhar um papel central. Já demonstramos, anteriormente, que o uso de LC isolado e um modelo de camundongos (cujo manuscrito está sendo preparado) que duas moléculas específicas proteína lupina hidrolisada e undecil- dimetiloxazolina (inibidoras de PKC), conseguiram inibir a migração de células dendríticas e que esses dois inibidores agiram em sinergia. Dados recentes mostram que esses inibidores específicos também apresentavam propriedades antiinflamatórias.

Assim, avaliamos a eficiência de um tratamento de pele contendo proteína lupina hidrolisada e undecil-dimetil-oxazolina sob critérios subjetivos e objetivos em voluntários humanos com pele sensível ou irritada, que podiam apresentar insuficiência da barreira e podiam sermais suscetíveis aos estímulos do meio-ambiente, inclusive sensibilizantes. Em seguida, o produto foi testado em hipersensibilidade cutânea de contato (CHS).


Um Novo Indicador de Irritação e Envelhecimento da Pele: Atividade da Água Epidérmica
Koji Endo, Noboru Suzuki – KAO Corporation,Hirayuki Sato,
Osamu Yoshida, Hiroe Tanahashi, Tadashi Nakamura,
Yoshiaki Fujikura - Departament of Information and Control
Systems Science, Graduate School of Engineering,
Utsunomiya University

O objetivo deste estudo é propor um novo indicador, a atividade da água epidérmica, que faz parte da força impulsora da perda de água transdérmica (TEWL), para verificação do potencial de irritação da pele para produtos químicos e alterações cutâneas relacionadas à idade. As respostas irritantes da pele ao lauril sulfato de sódio (SLS) e éster metílico do ácido nicotínico (NME) foram avaliadas pelas taxas de TEWL e seu componente de barreira, componente de força de impulso, um fluxômetro a laser Doppler (LDF) e condutância da pele. A partir dos resultados das medições da taxa de TEWL, o coeficiente aparente de transferência de massa de água no estrato córneo (EC) K (kg/m2.s.Pa) e as pressões aparentes do vapor de água na interface de EC e das células vivas subjacentes da epiderme Pd(Pa) foram estimadas e depois usadas como medidas da barreira da pele para água e acidez da água epidérmica, respectivamente. Um cilindro de vidro com 10 ml de solução aquosa 5% em peso de SLS foi colocada no antebraço por 60 minutos. Todos os participantes (n=4) reagiram visualmente com eritema sutil e leve descamação. Os valores médios de K e Pd demonstraram fortes elevações em comparação com seus valores basais. 0,5 ml de 0,01% em peso de NME em solução etanol/água (1/1) foi aplicada ao antebraço de cada participante. O valor LDF atingiu seu pico por volta de 30 minutos, seguido por queda em 100 minutos.

Houve mudança no valor médio de Pd, com paralelos com as alterações dos valores de LDF. Por outro lado, os valores médios de K apresentaram pequena variação. Tais resultados demonstram que a atividade da água da epiderme é útil para avaliar o potencial de irritação de produtos químicos. Um estudo comparativo foi realizado usando dois grupos, idosos e jovens. A taxa de TEWL da pele do antebraço foi significativamente mais baixa no grupo de idosos (72,5±2,9 anos, n=14) do que no grupo de jovens (36,0±2,7 anos, n=17). Os valores médios de K no grupo de idosos foram mais baixos do que no grupo de jovens. Por outro lado, o valor médio de Pd foi estatisticamente mais baixo no grupo de idosos do que no grupo de jovens. Como resultado, o envelhecimento da pele exerce influência sobre a melhora da barreira para dessecação, e atividade de água da epiderme daria informações significativas para explicar a alteração da pele relacionada à idade.

Benefícios Funcionais à Pele a partir de Proteção Dirigida de Neurônios Cutâneos
I. Imbert, J. F. Nicolaÿ - Exsymol S. A. M.; Y.Courbebaisse -
Sedifa Laboratoires

A neuro-cosmética é agora bem aceita como um campo de pesquisa de particular interesse para melhor entender as respostas biológicas da pele, considerando a interação entre as células das diferentes camadas e a rede neuronal.

Realizamos diversos modelos experimentais in vitro para definir o relacionamento entre células epidérmicas (queratinócitos) e terminais sensíveis do neurônio. Glutamil-amidoetil-indol (GT), um inovador agente neuroprotetor dotado de propriedades antioxidantes e neurotróficas foi avaliado nesses modelos.

A comunicação da célula foi primeiramente estudada por um sistema de co-cultura bicompartamental com células PC12 [uma linhade células comumente aceitas como modelo de neurônios periféricos e queratinócitos (linha de células NCTC2544)]. Novas evidências sobre o mecanismo de ação de GT foram fornecidas por uma original “construct” in vitro composto de epiderme humana reconstruída (HRE) e uma cultura de neurônios sensíveis num sistema modificado de difusão celular. Nos dois modelos, um link químico entre células cutâneas e neurônios permite determinar o “efeito indireto” do ingrediente ativo, isto é, o efeito da neuro-secreção induzida pelo ativo sobre o metabolismo de queratinócitos.

Além disso, a capacidade do GT de “visar” os terminais nervosos dentro da epiderme, isto é, sua capacidade de atingir os neurônios enquanto outro tipo de célula (queratinócitos) estiver presente foi avaliada. Por citolocalização foi investigada a afinidade de GT por receptores da membrana celular em células PC-12 tratadas, e foi monitorada a absorção percutânea de GT.

Controle da Cor da Pele pela Promoção de Retração ou Expansão de Dendritos de Melanócitos
Akihiro Tada, Akiko Kanamaru, Yuko Saeki -
POLA Chemical Industries, Inc.

A popularidade dos produtos de auto-bronzeamento em muitas nações ocidentais e produtos branqueadores em países asiáticos é evidência do persistente desejo humano de controlar a cor da pele. Porém, há deficiências dos produtos atualmente disponíveis para esses fins. Por exemplo, produtos bronzeadores à base de di-hidroxiacetona nem sempre produzem a tonalidade desejada e os ingredientes branqueadores, inclusive muitos inibidores da tirosinase, como a hidroquinona e o ácido kójico, são ineficazes em baixas concentrações e inseguros em altas concentrações. Há forte demanda de melhores maneiras de controlar a tonalidade da cor da pele. A melanina epidérmica consiste da interação simbiótica entre melanócitos e um conjun- to associado de queratinócitos. Foi estimado que um único melanócito interage com cerca de trinta e seis queratinócitos nas camadas basal e suprabasal. Melanossomas sintetizados dentro de melanócitos são transferidos para queratinócitos por meio de dendritos de melanócitos, resultando num suprimento de contato de melanina para a epiderme e determinação da pigmentação da pele. Teoricamente, a cor da pele poderia ser escurecida ou clareada controlando-se o fornecimento de melanina para a epiderme. Um caminho possível para inibir ou promover a transferência de melanossoma pela retração ou expansão dos dendritos de melanócitos. Depois de examinar diferentes materiais para isso, concentramo-nos na investigação de extratos vegetais. Uma vez que estes são conhecidos por conter grande número de compostos químicos e por possuir relativamente baixa citotoxicidade, pela triagem de grande número de extratos escolhidos, esperamos ter encontrado e identificado ingredientes ativos promissores, seguros e eficazes para nossos objetivos.

A Terapia de Reposição Hormonal mantém a Barreira Lipídica da Pele
Manoj Misra, Carol Feinberg, Melissa Matzke, David
Pocalyko - Unilever Research and Development

O efeito da terapia sistêmica de reposição hormonal sobre a pele está bem documentado. Por exemplo, um estudo baseado em múltiplas comunidades com mulheres pós-menopausa, realizado pelo Instituto Nacional de Saúde e Nutrição, sugere que o uso de estrogênio evita o ressecamento e enrugamento da pele. Medições por ultra-sonografia demonstraram aumento significativo na espessura da derme e epiderme após doze meses de tratamento de reposição hormonal (HTR). Esse aumento da espessura da pele com HRT correlacionouse ao aumento na espessura dos ossos, um benefício preconizado pela HRT. Aumento pronunciado na capacidade de extensão da pele com a menopausa foi observado num estudo com 43 mulheres pós e prémenopausa. A HRT evitou esse aumento, sugerindo um efeito preventivo pelo estrogênio sobre a extensibilidade da pele.

A correlação entre alterações da barreira da pele e alterações do estradiol durante o ciclo menstrual regular, em mulheres mais jovens, sugere o envolvimento do estrogênio nas propriedades de barreira da pele. E mais, é sugerido um papel para o estrogênio no desenvolvimento da pele do feto, num estudo que mostrou que a administração do estrogênio para ratas grávidas acelerou o desenvolvimento da barreira fetal dos filhotes.

Também, a pele exposta a um meio suplementado por estrogênio, in vitro, mostrou melhor formação de barreira. Tal evidência sugere o papel do estrogênio nas propriedades de barreira da pele. Porém, o efeito da terapia de reposição hormonal (HRT) sobre a estrutura e a presença da barreira lipídica não foram estudados. É interessante caracterizar a diferença da condição da pele entre sujeitos pré e pós- menopausa submetidos ou não a HRT, em área exposta (parte externa inferior da perna, área propensa ao ressecamento) e em área relativamente não exposta (parte interior superior do braço, de pele normal). Portanto, estamos relatando a comparação ultra-estrutural dos lipídios da pele em mulheres pós- menopausa, que estão e que não estão usando HRT, com mulheres mais jovens.

Defeito da Cutícula no Tratamento de Descoloração dos Cabelos: Modelo Avançado de Dano aos Cabelos com Base na Oxidação da Proteína S100A3
Kenji Kizawa, Takafumi Inoue - Basic Research Laboratory,
Kanebo Ltdd.; Masahito Yamaguchi, Yoshimichi Iwamoto -
Cosmetics Laboratory, Kanebo Ltd.; Peter Kleinert, Heinz
Troxler, Claus W. Heizmann – Departament of Pediatrics,
Division of Clinical and Biochemistry, University of Zurich

Embora os danos aos cabelos ocorram gradualmente, pela influência do clima e oxidantes (fatores ambientais) e pelos cuidados diários aos cabelos (fatores físicos), a aplicação tópica de produtos para penteado (fatores químicos) resulta em defeitos imediatos e graves. Em outras palavras, a ondulação permanente e os tratamentos de descoloração durante os processos de tintura são as principais causas de danos aos cabelos. É essencial entender o mecanismo pelo qual o cabelo é danificado por esses procedimentos, para melhorar os produtos de tratamento capilar.

Demonstramos, anteriormente, que a decantação da proteína S100A3 da parte mais interna das cutículas (a endocutícula) na loção de ondulação permanente era um sintoma inicial do dano capilar. Nos cabelos com permanente, a perda da proteína S100A3 desestabiliza a aderência entre as cutículas, levando à delaminação. No entanto, ainda não foi resolvido como o tratamento de descoloração induz a lesão dos cabelos, uma vez que a descoloração não decanta a S100A3. O esclarecimento desse assunto nos permitirá propor produtos especiais de tratamento dos cabelos, adequados para diversos tratamentos químicos.

Neste estudo, examinamos com os diferentes tratamentos químicos afetaram a delaminação da cutícula. A microscopia confocal revelou que a ondulação permanente e os tratamentos de descoloração tiveram efeitos diferentes sobre as dimensões de cutículas delaminadas. Além disso, a análise eletroforética revelou que S100A3 ficou irreversivelmente oxidada em cabelos oxidados. Com base nesses resultados, apresentamos um abrangente modelo de lesão capilar induzida por tratamentos químicos.

Resposta Dinâmica da Pele Humana à Exposição Repetida ao Sol
Lieve Declerq, Lieveke Hellemans, Ilse Sente - Estee
Lauder BCC, Oevel, Bélgica; David Gan, Tom Mammone,
Mary Matsui, Daniel Maes - Estee Lauder Companies,
Melville, NY; David Decraene, Marjan Garmyn –
Departament of Dermatology, University of Leuven, Bélgica

Face e mãos são partes diferentes do resto do corpo, pois são mais cronicamente expostas a (baixos) níveis de radiação solar e outros fatores oxidantes, como fumaça de cigarro e poluição. A quantidade de dano num dado momento é resultado do equilíbrio entre o nível de lesão incorrido e a eficiência de sua remoção ou reparação. Quando a pele é repetidamente exposta a baixos níveis de radiação UV, ao invés de uma única dose grande, o intervalo de tempo entre as exposições subseqüentes deverá, portanto, ter grande impacto sobre o nível de lesão resultante.

A pré-exposição celular à baixa dose de UVB foi considerada como partida de uma resposta de adaptação dos queratinócitos, desde que o intervalo de tempo entre exposições consecutivas seja suficientemente longo (24 horas). A resposta adaptativa resultou num aumento da sobrevida da célula e queda da poptose, com manutenção da capacidade de reparação do DNA.

Um curto período de exposição intensa ao sol, como acontece nos costumeiros banhos de sol recreativos, foi resultando na depleção dos mecanismos de defesa do EC e na parcial desativação do SCCE, uma enzima envolvida no processo de descamação. Duas semanas mais tarde, a pele estava visivelmente descamada, como resultado de uma resposta de hiperproliferação e excessiva descamação. Para pessoas que vivem em clima ameno (ex. Bélgica), a exposição da superfície da pele da face ao sol apresentou um padrão sazonal marcado por uma queda gradual da atividade catalisadora, maiores níveis de peróxidos lipídios, bem como, proteínas oxidadas, nos meses de verão. Ao mesmo tempo, houve uma redução da quantidade de proteases descamadoras ativas e uma elevação da resistência da barreira sem xerose visível, sugerindo uma resposta de adaptação da barreira da pele, para compensar essa exposição repetida às condições danosas.

Nossos dados atuais sugerem que a pele consegue criar uma resposta de adaptação desde que haja tempo suficiente entre exposições subseqüentes. Uma vez que o envelhecimento da pele é caracterizado por um declínio geral da capacidade de recuperação da lesão, é importante fornecer um antioxidante eficiente, bem como tecnologia de reparo do DNA para melhorar a capacidade de defesa da pele. Supomos que reforçar a barreira da pele ajudará a tornar a pele mais velha, mais resistente à exposição repetida a UV.

Uma Nova Estratégia de Branqueamento: o Complexo Zinco (II) – Glicina Regula a Síntese da Melanina Mediante a Indução da Metalotioneína
Yasunobu Ochiai, Satoko Kaburagi, Yuri Okano, Yoshiko
Kurata - Nikkol Group, Cosmos Technical Center Co., Ltd.;
Hitoshi Masaki - Nikko Chemicals Co., Ltd.; Yoko Funasaka,
Masamitsu Ichihashi – Departament of Dermatology, Kobe
University

A radiação ultravioleta (UV) é conhecida por estimular a síntese da melanina nos melanócitos, devido à ativação da tirosinase e o realce da secreção de citoquina pelos queratinócitos. Já foi demonstrado por muitos pesquisadores que espécies de oxigênio reativo (ROS) contribuem para tais processos. Assim, esperamos que o aumento da capacidade antioxidante das células da pele poderia efetivamente suprimir a síntese da melanina. Neste estudo, concentramo-nos na metalotioneína (MT) como antioxidante intracelular. Em geral, o Zn (II) tem sido usado como indutor da MT, porém o Zn (II) não penetra facilmente na pele, devido a carga catiônica. Para vencer essa inadequação, sintetizamos complexos não carregados de Zn (II) com aminoácidos. Os efeitos de vários complexos de Zn (II) sobre a síntese da melanina foram avaliados usando células cultivadas, como queratinócitos e melanócitos humanos, e células de melanoma de camundongo B16. Zn (II)–(Glicina)2 apresentou a mais alta indução da expressão de MT, uma redução da lesão celular contra o esforço oxidante e supressão da síntese da melanina entre os diversos complexos de Zn (II) testados. Esses resultados indicam que Zn (II)–(Glicina)2 é um excelente candidato a novo ingrediente branqueador da pele.

Sensorial – Novas Metodologias para Avaliar a Performance de Produtos

Aumento Simultâneo da Função e Sensorial Cosméticos por Meio da Investigação Molecular de Adesividade
Hiroki Kudoh, Yasuhiro Ohara, Shinya Okabe - Skincare
Products R&D Department, POLA Chemical Industries, Inc.;
Hirokazu Iyanagi - Makeup Products R&D Department,
POLA Chemical Industries, Inc., Kenichi Yoshizawa, Sayuri
Okura - Quality Design & Assurance R&D Department, POLA
Chemical Industries, Inc.; Katsuhiko Nakamae - Japan
Synchroton Radiation Research Institute

O desempenho da hidratação, muitas vezes, é um fator importantíssimo nos cosméticos. No entanto, incorporar altas concentrações de agentes umectantes pode tornar os produtos pegajosos, sensação não apreciada pelos consumidores. Suspeitamos que o motivo pelo qual alto conteúdo de umectante gera forte adesividade é que o grupo polar da molécula fica exposto na superfície.

Assim, iniciamos com a hipótese de que a adesividade poderia ser evitada por meio da coexistência com uma substância que minimizasse a exposição do grupo polar. Usando glicerina como agente hidratante, examinamos um grande número de materiais convencionais para a redução da adesividade, mas não conseguimos encontrar um composto eficaz. Ao considerarmos o uso de um polímero para essa finalidade, sintetizamos um polímero “sob medida”, o copolímero poliglicolmetacrilato- 2-hidroxi-etil-metacrilato-fluor-alquil-acrilato (Polímero SR).

Nossos experimentos revelaram que o Polímero SR reduz a adesividade da glicerina pela formação de uma película hidrófoba sem prejudicar o desempenho hidratante. Para esclarecer o mecanismo pelo qual o Polímero SR restringe a viscosidade, investigamos a interação entre o Polímero SR e a glicerina, numa solução com NMR e medições da dispersão da luz estática. Percebemos que o Polímero SR e a glicerina formam um complexo dentro do qual a glicerina é incluída com ligações de hidrogênio e, como resultado, o grupo hidrófobo do Polímero SR orienta a parte externa.

Testes sensoriais subjetivos confirmaram nossa hipótese de que essa orientação hidrófoba foi mantida sobre a superfície da derme, mesmo após a aplicação na pele.

Acreditamos que nossa técnica, para reduzir a adesão de hidratantes, pode ser adotada para uso com outras substâncias levando em conta a função e o sensoril pretendidos, é contribuir para a pesquisa cosmética do futuro.

Desvendando o Mistério da Textura: Análise do Perfil da Textura e Avaliações Sensoriais de Cremes Cosméticos
Susan J. Hoshaw - Dow Corning Corporation, Midland, MI,
Estados Unidos; Benedicte Courel - Dow Corning S.A., Lion,
França; Virginie Caprasse - Dow Corning S.A., Seneffe,
Bélgica

Texturas inovadoras de cosméticos chamam a atenção dos consumidores, mas os elementos que criam texturas diferentes ainda não são bem conhecidos. Usamos a análise do perfil da textura (TPA) para aumentar nosso conhecimento sobre as texturas dos cosméticos. Ao analisar a textura de materiais, em combinação com avaliação sensorial, descrevemos realisticamente suas propriedades e usamos esses dados para desenvolver materiais inovadores que agradam e cativam os sentidos. Neste estudo, TPA e um painel sensorial experiente foram usados para investigar as propriedades de textura de diversas formulações novas contendo silicone, e produtos cosméticos comercialmente disponíveis. Foram obtidas medições de dureza, compressibilidade, aderência e capacidade de coesão, usando um analisador de textura. O painel sensorial completou uma série de comparações pareadas entre os cremes. No geral, o TPA foi auxiliado pela análise do painel sensorial e vice-versa. Foram notadas diferenças de texturas entre cremes com diferentes químicas de silicone em suas formulações. Para cremes contendo a mesma tecnologia de silicone, tanto semelhanças quanto diferenças foram encontradas nos parâmetros de textura. Tais observações podem ser relacionadas aos diferentes níveis de silicone ou outros ingredientes, nas formulações. Ao mesmo tempo em que a análise do perfil sensorial é útil, é lenta e subjetiva. TPA fornece um método quantitativo rápido e repetitivo para caracterizar objetivamente a textura. Com análise de perfil sensorial e TPA juntos, a textura deixa de ser um mistério e passa a ser uma realidade.

Acompanhamento de Propriedades Intersensoriais de Produtos Cosméticos por Aferição Psico-Fisiológica
Wolf Eisfeld - Cognis Deutschland GmbH & Co. KG; Wolfram
Boucsein - Institute for Physiological Psycology, University of
Wippertal

Quando os consumidores usam e avaliam produtos cosméticos, em todos os casos há envolvimento de uma grande variedade de sensações, como a visão, a sensação táctil e o olfato sendo as mais importantes. No entanto, a avaliação do produto no laboratório, por ocasião do desenvolvimento, muitas vezes concentra-se em parâmetros isolados e selecionados como, por exemplo, medições da elasticidade da pele (um componente da sensação táctil) com um aparelho físico ou a verificação do volume dos cabelos (uma impressão visual) num painel de teste. Porém, sabe-se que a percepção sensorial está fortemente interligada a diversos sentidos; por exemplo, mudar o perfume de uma formulação de creme pode levar a uma avaliação completamente diferente sobre a maciez da pele ou propriedades de retirar do pote, por meio de um ponto de vista objetivo, essas propriedades não foram alteradas. Essas observações podem ser chamadas de fenômenos “intersensoriais”. Como no final a percepção holística do consumidor é que decide o sucesso ou fracasso de um produto novo, devem ser desenvolvidos métodos laboratoriais que levem em consideração a interdependência de todos os sentidos e seus efeitos sobre o consumidor – tanto físicos quanto mentais – o que resulta numa resposta emocional.

Propriedades dos Cabelos Afro e sua Alteração por Relaxantes: uma Pesquisa desde o Nível Macroscópico ao Nanoscópico
P. Barbarat, G. Luengo, C. Hadjur, D. Pelé, F. Leroy – L’Oreal
Recherche, Aulnay sous Bois, França; S. Diridollou - The
L’Oreal Insitute for Ethnic Hair and Skin Research, Chicago,
Estados Unidos; C. Toutain, D. Braida, Y. Duvault, A.
Franbourg – L’Oreal Recherche, Clichy, França

Normalmente, o relaxamento de cabelos Afro é obtido tratando os com bases fortes. Além de uma alteração na forma, esses tratamentos levam a profundas modificações das propriedades físicas dos cabelos (mecânicas, propriedades da superfície, intumescimento). O mecanismo químico usado para explicar essas alterações baseia-se na transformação de parte das ligações de cistina nas queratinas (K-S- SK) para ligações de lantionina (K-S-K) pela eliminação de um átomo de enxofre. Essa descrição, entretanto, não explica a maioria das alterações das propriedades dos cabelos. Para melhorar nosso entendimento do mecanismo de relaxamento, realizamos um estudo das modificações físicas e químicas dos cabelos em várias escalas, visando descrever os fenômenos que ocorrem dentro dos vários componentes da estrutura dos cabelos.

Medições de Acústica e Atrito: um Novo Aparelho para Aferir In Vivo a “Suavidade” da Pele – Aplicações para Envelhecimento da Pele, Cabelos Étnicos e Tratamentos Cosméticos
F. Flament, R. Vargiolu, - Ecole Centrale de Lyon, França;
A. Mavon – Institut de Recherche Pierre Fabre, França;
H. Zhouani – Ecole Nationale d’Ingénieurs de Saint-Étienne,
França

O objetivo deste estudo foi avaliar, in vivo, a linguagem da pele durante o contato e o atrito. Com tal objetivo, foi projetado um novo dispositivo para analisar a emissão sonora durante um deslocamento de atrito sobre a superfície da pele. Essa sonda permite a quantificação de alterações para obter uma nova informação das percepções da pele.

Esse inovador dispositivo tribológico, por meio de uma sonda esférica e instrumentada, ajustada em velocidade e carga normal, registrou emissões acústicas. Ao analisar este sinal com análise por Fast Fourier Transform ou Fast Wavelets Transform, as mudanças na superfície puderam ser caracterizadas e quantificadas. Finalmente, a partir da escala de dispersão acústica, usando-se uma representação de tempo-freqüência, foi extraída uma riqueza de temas de cosmetologia relativos a pesquisas.

A sonda também foi usada para quantificar o efeito da aplicação de um produto cosmético. A partir da evolução do som gravado, foi feito acompanhamento da absorção do composto hidratante. Nos cabelos, a aplicação de bálsamo reduziu o nível médio do som do atrito. Assim, o comportamento visco-elástico e propriedades mecânicas (como rigidez) dos tecidos cutâneos foram avaliados e a transposição da sensação de suavidade, delicadeza ou maciez.

Análise de Perolização: Relacionando o Aspecto Visual do Brilho por Métodos Analíticos
Seren Frantz, Anne-France Leron, Jean-Noel Bousseau -
Rhodia, Inc.

Medir visualmente a qualidade de perolização de shampoos é uma tarefa rigorosa e complexa. Nada menos de 50% do tempo de desenvolvimento deve estar sendo consumido para classificar visualmente amostras de pesquisa. No entanto, a classificação correta da qualidade/ aparência da perolização é essencial, pois a função de produtos perolizados frios é dar um benefício visual. Um método analítico preciso e eficiente para classificar corretamente a perolização iria economizar tempo e eliminar inconsistências entre diferentes pesquisadores.

Entre os produtos perolizados típicos temos o diestearato glicoletileno e o monoestearato glicol-etileno. Alterando os procedimentos de processamento, as formulações químicas ou a qualidade do agente perolizante pode-se criar diferentes morfologias de cristal e diferentes aspectos de perolização. O método analítico correto pode proporcionar um número qualitativo para definir a aparência de perolização.

O objetivo deste trabalho é classificar corretamente e predizer a aparência visual de formulações de cuidado pessoal perolizadas via análise analítica em vez dos tradicionais métodos comparativos visuais (lado-a-lado).

Novos Desenvolvimentos nos Estudos de Mapeamento das Preferências de Cosméticos:
Preenchendo a Lacuna entre Consumidores e Metodologia de Especialização Analítica Sensorial
Marc Danzart, Jean-Marc Sieffermann – ENSIA

Estudos de mapeamento das preferências interna e externa já estão disponíveis na indústria de cosméticos desde 1990. Permitem ligar e interpretar as preferências do consumidor com a especialização analítica, sensorial e instrumental.

Para fazer isso, foram rigorosamente separados, captando o julgamento do consumidor hedônico, a partir de trabalho analítico antes de relacioná-lo novamente por meio de modelos estatísticos sofisticados (mapeamento de preferência quadrática).

Em seguida fornecem um meio muito específico para identificar produtos com potencial de sucesso no mercado, com claras informações sensoriais ou descritivas instrumentais.

Ligação de Características Sensoriais e Reológicas: Primeiro Passo para Compreender a Influência da Estrutura da Emulsão sobre as Características Sensoriais
Vincent A. L. Wortel, Cornelis Verboom, Johann W. Wiechers
- Uniqema, Países Baixos; Marie-Claire Taelman, Sandra
Leonard - Uniqema Personal Care – London Centrte –
Redcar, Reino Unido; Tharwat Tadros - Nash Grover,
Berkshire, Reino Unido

Atualmente, a maioria das avaliações sensoriais de produtos de cuidado pessoal é realizada usando painéis bem treinados. Às vezes, essa avaliação é suplementada por diversos métodos instrumentais, como viscosidade, corneometria, polaridade, etc. O objetivo deste estudo é investigar o relacionamento entre as propriedades reológicas e os atributos sensoriais.

Neste trabalho demonstramos a metodologia para usar propriedades reológicas para descrever o prever atributos sensoriais da pele. Os dados reológicos são analisados pela Análise do Componente Principal (PCA) tendo sido encontrada clara correlação entre diversas propriedades reológicas. Regressão Parcial dos Mínimos Quadrados mostrou que a coesão pode ser prevista por duas propriedades reológicas: viscosidade dinâmica e esforço produzido. Algumas propriedades sensoriais e reológicas dependem claramente da estrutura da emulsão. Podem ser usados modelos coloidais para correlacionar a estrutura da emulsão com as características reológicas. Ao contrário, existe pouco conhecimento sobre a relação da estrutura da emulsão – sensorial, mas o desenvolvimento da relação reologia-sensorial pode ser um primeiro passo na obtenção de um entendimento sobre como os atributos sensoriais podem ser influenciados pela mudança da estrutura da emulsão.

Efeitos Emocionais e Psicofisiológicos de uma Fragrância no Cuidado da Pele de Homens
A. Abriat - Lancôme International; S. Barkat, M. Bensafi -
Neurosciences et Systèmes Sensoriels; C. Rouby
- INRA UMR Arômes; V. Guillou - L’Oreal Recherche

A influência dos perfumes sobre nossas emoções já foi estudada por inúmeros autores (4 numa retrospectiva) e alguns, até mesmo, levantaram a hipótese de que é possível alcançar objetivamente tais efeitos usando dados gravados de parâmetros do sistema nervoso PE periférico. Essa hipótese parece muito plausível porque isso ficou demonstrado em termos de visão e olfato, que aumentam a freqüência cardíaca (HR), a condutância da pele (SC), a eletromiografia corrugadora facial (EMG) e a freqüência respiratória (RR) associadas com estados emocionais negativos e/ou excitados. Inversamente, a redução de HR, SC, RR e aumento da EMG da atividade zigomática facial estão associados com estados emocionais negativos e/ou relaxados.

O objetivo deste estudo é explorar a experiência consciente das emoções associadas com uma faixa de tratamento da pele e a correlação psicofisiológica dos efeitos sobre as emoções desses cosméticos para homens, por um período de 5 dias.

No final, habituamos vários homens a uma linha de cosméticos masculinos perfumados. Para completar esta exposição repetida, os dados foram registrados para alguns parâmetros psicofisiológicos (HR, SC, EMG zigomático, RR). Verificamos, então, (i) se a linha de cosméticos perfumados tinha ou não, de fato, induzido modulação nas emoções dos usuários durante a fase de criação de hábito e (ii) se alguma dessas modulações das emoções estava ou não correlacionada com alterações implícitas e involuntárias nas respostas psicofisiológicas registradas.

Palestras Especiais

Desenvolvimento de Estratégia para Proteger a Pele Humana da Supressão Imunológica Induzida por UVR
Mary S. Matsui, Tom Mammone - The Clinic Laboratories;
Elma Baron, Swain FR, Kevin D. Cooper, Daniel Maes -
Case Western Cleveland, OH

A exposição à UV causa supressão imunológica que é considerada contribuinte para a formação de câncer de pele. Esse fenômeno de supressão imunológica foi observado mesmo na ausência de eritema ou queimadura solar. Portanto, é importante determinar se os agentes de proteção solar dão proteção imunológica como um Fator de Proteção Solar. A exposição à UV induz a supressão imunológica por meio de um entrelaçamento de vários mecanismos, inclusive lesão ao DNA, estresse oxidante e, especialmente, alterações nas células com funções imunológicas cutâneas, as células epidérmicas de Langerhans (LCs) que são células que apresentam antígeno profissional. A lesão das LCs resultam numa menor capacidade para reconhecer antígenos aplicados topicamente como um sensibilizante de contato. A conseqüência dessa pele exposta ao sol é a perda de vigilância e uma capacidade de reconhecer antígenos tumorais, criando, assim, condições que favorecem o crescimento de câncer da pele.

Identificação de Apelo para Ingrediente Ativo de Cosmético Usando Tecnologia de Chip de DNA
Mike Farwick, Christian Weitemeyer, Peter Lersch -
Degussa AG, Goldschmidt Personal Care; Luppo Edens -
DS Specialties; Gerd Schmitz - Institut fa Kinische Chemie
and Labormedizin de Regensburg

A tecnologia de chip de DNA permite uma visão holística dos processos de regulação de gene da célula. Com a ajuda da bioinformática, a identificação de apelo universal é possível, ao invés de um único ponto e obtenção de dados hipotéticos. A análise da expressão do gene muda em resposta à aplicação de ingredientes ativos, sendo excelente exemplo para inovações na área da ciência cosmética. Este estudo demonstra que a tecnologia de chip de DNA é um instrumento de triagem valioso para a determinação das propriedades cosméticas de ingredientes ativos. A combinação de culturas de células, de chips de DNA e bioquímica, seguidas para a comprovação independente de propagandas, usando modelos de pele reconstituída pode ser um campo fertilíssimo para a pesquisa cosmética.

Sistemas Carreadores – Transportando a Performance

Nanopartículas Sólidas Estruturadas da Membrana: uma Nova Nano-tecnologia para Liberar Ingredientes Ativos em Cosméticos
Gerd H. Dahms - IFAC GmbH & Co. KG

Nos últimos anos, diversos grupos de pesquisadores passaram a se interessar, cada vez mais, pelo desenvolvimento de nanopartícula para agirem como transportadores de ingredientes ativos. O objetivo primário desta pesquisa em relação às aplicações dérmicas foi trazer maior proteção de ingredientes ativos instáveis, a liberação controlada de ingredientes ativos, em períodos de tempo definidos, e uma maior penetração dos ingredientes ativos. Hoje existe uma grande diversidade de sistemas de transporte; vão desde micro-sistemas (ou seja, micro-cápsulas, microsferas e sistemas de liberação de micro-esponja) até nanolipossomas.

Unhas e Efeitos de Solventes sobre a Remoção de Lipídios e Absorção de Água
Toshiyuki Hiroshima, Dai Yoshioka, Yoshihito Horiuchi -
Asanuma Corporation Cosmetic Laboratory

É um fato contraditório que embora as unhas dos dedos das mãos de humanos sejam cerca de 100 vezes mais espessas do que o estrato córneo, sua permeabilidade à água é apenas 10 vezes maior. Isso significa que alterações na composição das unhas causadas por solventes orgânicos, detergentes e outros compostos químicos aplicados externamente poderiam comprometer sua função de barreira, resultando na irritação ou outras reações adversas da pele.

As placas das unhas são compostas principalmente por camadas de células duras, queratinizadas. Estas também contêm pequenas quantidades de lipídios, que podem ser responsáveis pela regulação da função de barreira e hidratação. Uma vez que nenhuma alteração da composição dos lipídios causada pelos solventes orgânicos nos produtos naturais da unha pode comprometer a função natural e protetora, fica claro que o mecanismo, pelo qual os solventes agem sobre os lipídios e a absorção da água, é fundamental para projetar produtos mais seguros para as unhas.

O objetivo deste estudo foi desenvolver métodos precisos e confiáveis para a determinação quantitativa da composição de lipídios e do conteúdo de água nas placas das unhas, permitindo a investigação da extensão e dos efeitos da extração de lipídios pelos solventes orgânicos típicos. Ao estudar o mecanismo envolvido na absorção e retenção da água, esperávamos entender os efeitos sobre a função de barreira das placas das unhas, conforme relacionado com a perda de lipídios por meio da extração por solventes. Um melhor entendimento desses efeitos e da composição dos lipídios nas placas das unhas seria muito útil para desenvolver produtos mais seguros e de maior desempenho para as unhas.

Aferição Termodinâmica do Desempenho de Sistemas à Base de Polímero para Liberação de Perfume
Daniel Beneczédi - Firmenich S.A.

Na perfumaria, o limiar da percepção corresponde à concentração crítica dos gases acima do qual o odor de uma determinada espécie molecular é detectado pelo nariz de uma pessoa média. Os limiares de percepção de produtos químicos puros são estabelecidos por estudos sensoriais e quando são ligados à sua volatilidade, dão aos perfumistas as diretrizes para maximizar o desempenho de suas criações. Do ponto de vista puramente físico-químico, é útil classificar as moléculas contidas num perfume, segundo sua volatilidade, expressa pela saturação das pressões do vapor. As moléculas mais voláteis, como de limoneno ou cítricas, pertencem às notas mais altas, dando o caráter frutoso ou floral a um perfume, ao passo que as notas menos voláteis e mais pesadas, como a de cânfora, dão o caráter duradouro de almíscar a um perfume.

Efeitos Realçados do Branqueamento de Pigmento por Inibidores de N-Glicosilação
pelo CHEMS Incorporado em Nano Transportador
Ju Yuong Park, Hyun-Jung Choi, Jong Won Shim, Soo Mi
Ahn, Jae-Sung Hwang, Sang-Hoon Han, Junoh Kim, Ih-
Seop Chang - Amore Pacific R&D Center

A inibição da N-glicosilação do retículo endoplásmico precoce induz a desativação da tirosinase, uma enzima chave para a biossíntese da melanina. Este estudo visa avaliar os efeitos ampliados dos inibidores da N- glicosilação no HM3KO, uma linha de células do melanoma humano, pelo uso de transportadores nano dimensionados sensíveis ao pH. Inibidores da N-glicosilação, como a 1-desoxinojirimicina (DNJ) e N-butil-desoxinojirimicina (NB-DNJ), foram usados como compostos branqueadores de pigmento. Lipossomas sensíveis ao pH, compreendendo fosfolipídios e hemissuccinato de colesterila (CHEMS), foram preparados pelo método de hidratação. O diâmetro médio dos lipossomas preparados ficou na faixa dos 150-300 nm, medido por dispersão luminosa dinâmica. Para garantir a sensibilidade do pH, a turbidez dos lipossomas com CHEMS incorporado foi monitorada em vários níveis de pH.

Notar que o CHEMS torna os lipossomas sensíveis ao pH; estabiliza vesículas lipídicas acima de pH neutro, enquanto induz a instabilidade estrutural das vesículas devido a sua própria protonação em pH ácido. Foram avaliados os efeitos dos lipossomas carregados de inibidores de glicosilação usando digestão de EndoH & PVGaseF e o Western Blotting. A síntese da melanina também foi monitorada por absorbância a 490 nm. Deve-se notar que ficou constatado que lipossomas sensíveis ao pH aumentaram efetivamente a eficácia dos inibidores da N-glicosilação. Além disso, materiais carregados nos lipossomas sensíveis ao pH demonstraram ser muito mais eficazmente liberados para o citoplasma, segundo tinha sido observado nos estudos FACS e CLSM, usando lipossomas marcados com fluorescência. Para examinar a factibilidade dos lipossomas incorporados CHEM carregado com inibidores da N-glicosilação como compostos branqueadores de cosméticos, a propriedade de penetração na pele in vitro também foi monitorada usando células de difusão de Franz. Além disso, foi investigado que o grau de pigmentação, valor de DL em porcos- da-índia castanhos foi reduzido pelos lipossomas sensíveis a pH carregados de DNJ.

Esses resultados indicam que a melhor eficácia dos materiais bioativos dentro de nano-transportadores sensíveis ao pH pode ser atribuída à maior eficiência de liberação facilitada pelo pH do endossoma. Ficou demonstrado que nano-transportadores sensíveis ao pH incorporados CHEM podem ser usados como um sistema eficiente de inibição da N-glicosilação, para promover efeitos branqueadores do pigmento em cosméticos branqueadores.

Novos Nanogéis para Encapsulação e Liberação Lenta de Ativos de Produtos de Cuidado Pessoal
P. Somasundaran, Soma Chakraborty e C.C. Gryte –
Departament of de Chemical Engineering, Columbia University

Nanogéis são pequenas redes poliméricas que podem encapsular diversos tipos de materiais, como aromas, fragrâncias, agentes antimicrobianos, fármacos, etc. Sintetizamos poli(acrilamida), ácido poli(acrílico)e nanogéis de amido e avaliamos seu potencial para encapsular baunilha (aroma) e acetato linalílico (fragrância). Observou- se que 1% de nanogéis de ligação cruzada de ácido poli(acrílico) podiam incorporar 38% do acetato linalílico acrescentado ao sistema, em 4 horas. A eficácia da extração aumentou quando esses nanogéis foram modificados com meios hidrófobos, como propilamina e hexilamina. Nanogéis de amido e poli(acrilamida) puderam eficientemente incorporar baunilha. Nanogéis de poli(acrilamida) e ácido poli (acrílico) também puderam extrair os fármacos bupivacaína e amitriptilina. A extração de fármacos aumentou quando os polímeros acima foram modificados hidrofobicamente.

Mecanismos de Deposição Melhorada de um Polímero
Rhonda Tsotsoros, Colleen Rocafort, Bernice Ridley,
Jianwen Mao - Ciba Specialty Chemicals Corporation

A maior compreensão dos fatores que influem sobre a deposição de ingredientes ativos sobre substratos relevantes às aplicações de cuidados pessoais poderia ajudar a projetar soluções mais eficientes e também mais econômicas para efeitos perceptíveis pelo consumidor. Neste estudo, usamos silicones de várias composições químicas, entre os quais o poli-dimetil-siloxane e poli-dimetil-siloxane aminofuncional como compostos modelos para o estudo de vários fatores que afetam sua deposição nos cabelos.

Produtos de silicone selecionados oferecem muitos benefícios perceptíveis pelo consumidor, como o maior brilho dos cabelos, maciez e melhor penteado molhado e seco. Esses silicones podem oferecer uma via de benefícios de condicionamento sem o acúmulo associado a muitos polímeros catiônicos. O uso de vários tensoativos catiônicos e polímeros em combinação com silicones, como o poli-dimetil-siloxane, mostrou que realmente aumenta a deposição de silicone nos cabelos. Estudos anteriores sugerem que os polímeros catiônicos ajudam a capturar o silicone sobre a superfície do cabelo após o mecanismo de acumulação induzido por diluição. No entanto, tal mecanismo pode não ser verdadeiro para outros tipos de silicones como o poli-dimetil-siloxane aminofuncional, que é usado comumente em produtos de tratamento de cabelos para amaciar e deixar sedosos os cabelos secos, diminuir o emaranhamento e proporcionar um condicionamento de longa duração sem acúmulo. Esse tipo de silicone tem uma afinidade com os cabelos devido a sua capacidade da aminofuncionalidade para se ligar com queratina na cutícula capilar.

Este estudo focaliza o mecanismo da deposição de polímero nos cabelos, quando usado em conjunto com poli-dimetil-siloxane aminofuncional para entender como a deposição do silicone é afetada pelas várias interações entre polímeros e propriedades dos substratos sobre os quais é desejável que ocorra a deposição. Depósitos deixados nos cabelos por essas misturas foram caracterizados por Espectroscopia de Fluorescência de raio-X (XRF). O uso de corantes fluorescentes, como marcadores de grupos carregados ou reativos, é conhecido na indústria e podem ser usados métodos semi-quantitativos para a determinação da deposição na superfície e fibras sintéticas.

Bases Esfingóides da Barreira e Ceramidas Induzem a diferenciação em Queratinócitos Basais
Susanne Grether-Beck, Jean Krutmann - Institut fuer
Umweltmediznische Forschung GmbH da Heinrich-Heine
University Dusseldorf GmbH; Christian Weitemeyer,
Mike Farwick, Peter Lersch - Degussa AG,
Goldschmidt Personal Care

O estrato córneo é a camada mais externa da epiderme, agindo como barreira protetora ao ambiente e evitando a perda transepidérmica de água. A produção normal de ceramidas é afetada pelo processo de envelhecimento e estresse ambiental, como a radiação UV, inflamação e, até mesmo, pelos hábitos de estilo da vida moderna, como o uso freqüente de sabão e detergentes, que levariam à redução da função de barreira pela depleção de lipídios do estrato córneo. Alterações na composição lipídica da barreira foram ligadas diretamente a insuficiências na função de barreira, como o ressecamento patológico e a pele áspera. Esses achados levam ao conceito de que as ceramidas – especialmente em combinações com o colesterol e ácidos graxos – são componentes valiosos dos produtos para tratamento da pele, pois as aplicações tópicas de produtos contendo ceramidas podem recuperar níveis baixos de lipídios no estrato córneo. Estamos apresentando uma nova estratégia que demonstra que as bases esfingóides da barreira e as ceramidas da barreira também são capazes de melhorar a função da barreira ao induzir genes responsáveis pelo processo de diferenciação. Esses achados sugerem que as ceramidas podem desempenhar papel ativo na formação do envelope de células cornificadas por meio da indução de proteínas precursoras e a regulação das enzimas chaves necessárias para a ligação cruzada dessas proteínas.

Efeito da Composição da Fase Aquosa sobre a Estabilidade de uma Emulsão Água em Óleo Estabilizada com Sílica
Jin-Wwang Kim, Song-E Kim, Kee-Yeol Kyong, Eun-Joo
Lee, Wan-Goo Cho, Moung-Seok Yoon - Cosmetic R&D
Center, LG Household & Healthcare

A extensão da floculação de sílica pode ser alterada variando-se a concentração de sílica, o pH da fase aquosa, a concentração de sal e o polímero. A fração de alto volume da emulsão água-em-óleo estabilizada por sílica hidrófoba foi estabelecida com várias condições da fase aquosa para aplicações cosméticas. Ao aumentar a concentração de sílica em até 1% a dimensão da gotícula diminuiu. Elevada concentração de sílica aumentou a viscosidade da fase contínua de óleo pela formação de rede, o que resultou num tamanho maior da gotícula. A estabilidade da emulsão água-em-óleo melhora conforme aumenta o pH da fase aquosa. Em pH baixo ou intermediário, as emulsões tornam-se mais estáveis pela adição de sal (0,083 mol.dm-3 MgSO4). Em pH elevado, a presença de sal causou significativa desestabilização. O comportamento de transformação em gel da emulsão indica que o efeito do sal sobre a emulsão estabilizada com sílica é derivado de atração eletrostática. A adição de goma xantana na fase aquosa aumentou a mono dispersão da emulsão água-em-óleo, tornando mais hidrófoba e prejudicando a recombinação das gotículas. Conclusão, esses resultados indicam que uma emulsão água-em-óleo muito estável, sem emulsificante, finamente dispersa pode ser obtida para aplicações cosméticas, mudando-se a composição da fase aquosa.

Penetração de Compostos Cosméticos nas Fibras dos Cabelos usando Espectrometria de Massa Iônica Secundária de Tempo-de-Vôo, TOF-SIMS
Sidney B. Hornby, Yohini Appa - Neutrogena Corporation;
Sigrid Ruetsch, Yash Kamath – ETI Princeton

Os óleos vegetais naturais são intensivamente usados como condicionadores na pré ou pós-lavagem no mundo oriental. A aplicação de óleo nos cabelos, couro cabeludo e pele é conhecida por seus efeitos terapêuticos e, portanto, a prática de usar óleo para embelezar os cabelos e a pele é muito antiga. Os efeitos desejáveis são conhecidos por elevar a capacidade desses óleos para penetrar nos cabelos e na pele. Este estudo foi realizado para investigar o perfil de penetração de diversos óleos cosméticos nos fios de cabelos.

O método que usamos baseia-se em Espectrometria de Massa Iônica Secundária de Tempo-de-Vôo (TOF- SIMS). Este método foi usado por Ruetsch et al na investigação da penetração de óleos de coco e mineral nos cabelos. O princípio do método envolve o isolamento de picos característicos no espectro de massa de fragmentos de moléculas puras de óleo bombardeando-as com íons de Gálio por uma pistola de Gálio. É importante isolar os picos característicos não encontradas em cabelos não-tratados.

Efeito de Modificações Hidrófobas sobre as Propriedades Reológicas Dinâmicas de Copolímero Vinil Pirrolidona/Dimetilaminopropil Metacrilamida
J. Jachowicz, R. McMullen, C. Wu, L. Senak, D. Koelmel -
International Apeciality Products

A substituição hidrófoba é freqüentemente usada na prática industrial para a modificação das propriedades reológicas de polímeros. Polímeros aniônicos e não-iônicos, como os acrilatos/polímero cruzado de C10-30 alquil acrilato, acrilatos/ copolímero de itaconato de steareth- 20, acrilatos/copolímero de metacrilato de steareth-20, PEG-150/ estearil/copolímero de SMDI, etil-hidroxi-etil-celulose, ou C12-16 alquil-hidroxi-etil-etil-celulose, foram inicialmente projetados como espessantes, nos quais cadeias laterais alquila fornecem meio para ligação cruzada em solução aquosa. Grupos hidrófobos também podem ser usados para garantir a estabilidade de viscosidade na presença de eletrólitos ou em soluções com valores extremos de pH, e interações sinérgicas com tensoativos. Um exemplo de polímero catiônico modificado hidrofobicamente é o poliquatérnio-24, lançado como condicionador e agente realçador de espuma. Enquanto a reologia de polímeros aniônicos e não-iônicos modificados hidrofobicamente vêm sendo descritos na literatura, em alguns detalhes, as propriedades viscoelásticas de polímeros catiônicos e catiônicos modificados hidrofobicamente são menos conhecida.

Neste trabalho, comparamos o comportamento reológico de polímeros catiônicos recentemente lançados na indústria de cosméticos, como o co-(vinil pirrolidona-dimetil- aminopropil-metacrilamida), nome INCI: VP/MAPA copolymer e seu análogo hidrofobicamente modificado, co-(vinil pirrolidona – DMAPA – DMAPA-C12H25Cl), INCI: Poliquaternium-55.

Geral – Diversos Estudos de Fatores que afetam a Performance e Função

Uso de Polímeros Associados como Espessantes Multi- Funcionais: Estudos de suas Estruturas em Soluções Aquosas Mediante Medições de NMR, QELS, Fluorescência e Reologia
Katsunori Yoshida, Ayano
Nakamura, Yuki Nakajima, Tadao
Fukuhara, Haruhiko Inoue - Shiseido
Research Center

As propriedades de solução de polímero associado foram estudadas por medições de NMR, dispersão luminosa quase-elástica (QELS), fluorescência e reologia. Foi projetado um polímero espessante associado (AT) com estrutura central de polietilenóxido não-iônico e longas cadeias alquílicas nas duas extremidades, para obter alta viscosidade mesmo em relativas concentrações salinas e em ampla gama de pH. O presente relatório refere-se às condições de associação do polímero em soluções aquosas em diversas concentrações do polímero. Com estudo da sonda de fluorescência usando pireno, observou-se que a alteração do espectro do pireno em I3/I1 na concentração do polímero (Cp) em 3 x 10-4% indicando aparente concentração crítica (CMC) do polímero anfifílico. Toda a viscosidade, o coeficiente de auto-difusão (Dsel) e as medições da distribuição da dimensão (Rh) hidrodinâmica nos diversos Cp significam que existe uma segunda transição em Cp H•0,4%. Mesmo quando observamos a descontinuidade da viscosidade, Dsel e Rh em Cp H•0,4%, não foi reconhecido nenhuma alteração no tempo de relaxamento (T1 e T2) para as duas cadeias alquila e meio de etilenóxido do polímero em Cp = 0,1– 1%. Esses dados sugerem que não há alterações estruturais e/ou fase de transição em Cp H•0,4% mas as redes intermiscelares são presumivelmente formadas por ligações- pontes na extremidade dos grupos alquila do polímero, impulsionado por forças hidrófobas. Porque o polímero forma redes por interação hidrófoba e o próprio polímero é não-iônico, a viscosidade da solução de polímero foi muito pouco influenciada pela adição de sal ou pela mudança de pH, como era esperado. O estudo viscoelástico dinâmico mostrou que a solução de polímero apresenta comportamento de relaxamento tipo Maxwell com tempo final de relaxamento de cerca de 0,61 s, o que dá a aparência de fluxo exclusivo das soluções de polímero. As medições de decurso de tempo do módulo elástico dinâmico do estrato córneo revelou que o polímero tem excelente potencial para amaciar a pele. Concluiu-se que o polímero AT não á apenas um espessante transportador de sal útil e com tolerância ao pH, mas também apresenta efeitos benéficos para o tratamento da pele.

Análise de Feixe Iônico – Novo e Eficiente Recurso para a Determinação Quantitativa da Concentração de Íons na Epiderme: Medições em Fases Diferentes de Diferenciação Epidérmica
Alain Mavon - Institut de Recherche
Pierre Fabre; Bart de Wever -
SkinEthic Laboratories; Philippe
Moretto - Centre d’Études
Nucléaires de Bordeaux-Gradignan

O conhecido gradiente Ca é o ponto chave na diferenciação da epiderme; porém, poucos estudos focalizam esse gradiente, e seus valores de concentração são imprecisos. O objetivo deste trabalho foi realizar uma análise quantitativa e qualitativa da concentração de Ca e outros íons ou metais em epiderme humana reconstituída (RHE), usando um feixe de prótons e três técnicas analíticas simultâneas: PIXE, RBS e STIM. A técnica PIXE (Emissão de Raio-X induzida por Partícula) fornece a análise qualitativa de múltiplos elementos (P, S, Cl, K, Ca). A técnica RBS (Espectrometria de Retrodifusão de Rutherford) é usada para determinar a massa orgânica do tecido, avaliando, assim, a concentração de um íon em g por grama de pele. A técnica STIM (Microscopia Iônica de Transmissão de Escaneamento) fornece uma imagem de contraste, facilitando a localização precisa dos elementos no tecido. Essas análises foram realizadas em diversos lotes de RHE diferenciado (18 dias), e em um lote de RHE na primeira etapa de diferenciação (6 dias).

Foi obtida uma avaliação qualitativa e quantitativa de múltiplos elementos usando uma análise de feixe iônico. Foi cuidadosamente observada a distribuição de elementos de enxofre e cloreto no EC, e fósforo e potássio na epiderme viável. Conseqüentemente, o gradiente Ca parece ser restrito a essas duas áreas. A concentração mais alta de cálcio no RHE é encontrada no EC (cerca de 750 g/g) e a mais baixa na epiderme viável (cerca de 400 g/g), tanto no estágio inicial quanto no final da diferenciação da epiderme. O feixe de íons dá nova informação da distribuição dos elementos durante a diferenciação da epiderme. Esse conhecimento é fundamental para a compreensão do processo de queratinização em peles patológicas e para o desenvolvimento de produtos cosméticos adaptados a peles desorganizadas.

Efeito de Tensoativos sobre a Pele Medido por Escamometria: Meio Sensível para Observar Dermatite Irritante Sub-Clínica
Boyce M. Morrison Jr. - Colgate-Palmolive Company;
Marc Paye - Colgate-Palmolive Co., Bélgica; Veranne
Charbonnier, Howard I. Maibach - Departamento de
Dermatologia, Faculdade de Medicina,
Universidade da Califórnia, em São Francisco

Para definir os parâmetros iniciais de ressecamento da pele induzido por tensoativos, foi escolhido um modelo exagerado de lavagem de mãos para aferir os efeitos de três tensoativos, SLS, SLES e AOS, sobre a função do estrato córneo por mensuração visual, instrumentalmente,e por meio de escamometria. Essas três soluções tensoativas foram comparadas a seus controles de água. Desta maneira, os efeitos sub-clínicos dos tensoativos, além do da água, podem ser quantificados. A escamometria provou ser uma técnica sensível para acessar os efeitos de tensoativos quando são induzidas alterações muito pequenas, sub-clínicas, do estrato córneo. Neste estudo, a escamometria classificou os tensoativos em seu potencial de suavidade para a pele, sob condições relevantes para o consumidor mesmo sabendo que as mensurações clínicas e instrumentais não puderam detectar diferenças. A escamometria previu que SLES seria mais suave do que AOS, que por sua vez seria mais suave do que SLS. Esses resultados estão de acordo com achados anteriores que usaram condições mais drásticas. Além disso, este estudo demonstrou que os efeitos reais dos tensoativos sobre o estrato córneo podem ser medidos pela quantidade de corante captada por discos adesivos ao invés da presença ou ausência da coesão das células. Isso sugere que alterações na coesão das células, medidas por escamometria podem ser grandemente influenciadas pela água e pelo procedimento de lavagem mascarando, assim, a influência dos efeitos do sistema tensoativo. Assim, as alterações que a escamometria podem detectar na coesão das células são mais provavelmente causadas por ineficiências relativas ao ressecamento, no processo de descamação. Ao usar o procedimento de captação de corante, a escamometria pode claramente classificar os tensoativos segundo sua capacidade de causar dano às proteínas da superfície da pele.

Conservação de Emulsões de Silicone-em-Água
Steve Schnittger - Estee Lauder Research and Development

O uso de matérias primas à base de silicone vem aumentando tanto em formulações aquosas quanto anidras por suas propriedades de emulsificação e melhorada textura e sensação. Oferecem um novo recurso para o formulador. No entanto, oferecem extraordinários desafios de conservação para os microbiologistas. Estudos anteriores demonstraram que apenas preservantes à base de formaldeído foram eficazes na preservação das emulsões de água-em-silicone, com base nas diretrizes existentes na indústria. Trabalhos anteriores também demonstraram que não houve correlação entre uma formulação inadequadamente preservada e o risco potencial, quando num estudo clínico de uso.

Éster N-Palmitil-4-Hidróxi-L-Prolina Palmitílico: um Análogo da Ceramida que proporciona Eficiente Reparo da Barreira da Pele
Gabriele Vielhaber, Jakob Ley, Oskar Koch -
Symrise GmbH & Co. KG

A barreira da permeabilidade epidérmica protege a pele contra a perda de água descontrolada e danos ambientais. Localiza-se na camada córnea e consiste de uma matriz lipídica compacta de ceramidas, ácidos graxos e colesterol infiltrada entre os corneócitos. A aplicação de cremes enriquecidos com ceramidas tem demonstrado eficiência no reparo de pele seca atópica ou quimicamente lesionada. Porém, ceramidas idênticas às naturais são muito caras. Diversos análogos de ceramidas foram desenvolvidos no passado. Infelizmente, ou estes não estão comercialmente disponíveis ou são muito caros ou apresentam apenas baixa eficácia. Desenvolvemos, portanto, uma nova pseudoceramida, o éster N-palmitil-4-hidróxi-L-prolina palmitílico (BIO391).

A eficácia da pseudoceramida BIO391 foi investigada in vivo num modelo de rompimento da barreira induzido por detergente. A perda de água transepidérmica (TEWL), vermelhidãoe hidratação da pele foram registrados no dia 0 e após a indução da irritação da pele pela aplicação de SDS a 2% sob condições oclusivas, por 24 horas. Depois das medições, os produtos em estudo foram aplicados duas vezes ao dia durante os 9 dias seguintes. A medição da hidratação, vermelhidão e TEWL da pele foi repetida nos dias 1, 2, 3, 5, 7 e 9.


Primeiramente comparamos emulsões o/a e a/o contendo 1% cada uma de BIO391. O reparo da barreira da pele não-tratada e tratada pelo veículo, em termos da redução de TEWL, foi atingido no dia 7, ao passo que a pele tratada com o análogo de ceramida já tinha sido atingido no dia 5. Além disso, a vermelhidão da pele foi reduzida aos níveis de controle no dia 3, ao passo que a pele não tratada ainda apresentava leve vermelhidão no dia 9. Não foi observado nenhum impacto significativo sobre a hidratação da pele. Não houve diferença na eficácia entre os dois tipos de emulsão. Num estudo de resposta à dose, a eficácia ótima de reparo da barreira foi atingida com 1% de pseudoceramida, ao passo que a eficácia ótima na redução do eritema foi alcançado com apenas 0,5% de pseudoceramida. A dosagem ótima pode ser significativamente reduzida para 0,1% pela combinação sinérgica com 0,1% de alfa-bisabolol. BIO391 apresentou uma eficácia igual a das ceramidas idênticas às naturais 2 e 3. Não foi observado nenhum impacto sobre a hidratação da pele para todos os compostos testados. BIO391 é estável em várias temperaturas acima de 50oC e em ampla gama de pH em emulsões e formulações de shampoos. Devido a seu baixo ponto de fusão, é fácil incorporar em formulações cosméticas. Além disso, é toxicologicamente inofensivo e muito seguro para uso em cosméticos. Resumindo, o éster N-palmitil- 4-hidróxi´L-prolina palmitílico é um agente reparador da barreira altamente eficiente com eficácia equivalente às ceramidas idênticas à natural.

Cabelos e Brilho: As Muitas Maneiras dos Cabelos Gerarem Brilho
Gerhard Sendelbach, Knut Meinert, Carl-Uwe Schmidt-
Wella AG; Hartmut Schmidt – University of Applied Sciences

A natureza dotou os cabelos de diversos componentes morfológicos capazes de interagir com a luz e de permitir que os cabelos gerem vários efeitos de brilho, devido a efeitos ópticos.

O mais importante para a percepção de brilho é o contraste da luz refletida e de sua dependência angular. Esse brilho de contraste é principalmente resultado de lesão da superfície, cor e penteado dos cabelos. Como esses fatores também são os resultados mais importantes dos tratamentos cosméticos, a maioria dos apelos sobre a melhora do brilho dos cabelos se referem a esse tipo de brilho. Há indicações de que parte do brilho do contraste é causado pela estrutura de camadas da cutícula. Cada camada funciona como um espelho que reflete certa parcela da luz incidente. Quanto maior o número de camadas, maior a proporção de luz refletida e, assim, maior é o brilho.

A maior parte da luz refletida dos cabelos louros pode ser atribuída à natureza da difusão do brilho. A condução da luz é um dos possíveis mecanismos deste efeito.

Aqui os algoritmos para determinar o brilho do contraste já não têm validade porque as classificações dos painelistas de diferentes tipos de cabelos tratados não combinam com os obtidos com medições do brilho do contraste e, por isso, devem ser usados meios alternativos de mensuração.

Uma outra maneira pela qual os cabelos podem interagir com a luz baseia-se na fina estrutura em forma de serra da cutícula. Essa fina estrutura atua como uma grade óptica de incandescida que desvia a intensidade máxima da luz refratada a partir da ordem zero até as ordens mais altas. O resultado são as múltiplas manchas coloridas que dão beleza e atração aos cabelos.

Cabelos submetidos a danos graves por clima, descolorações, permanentes ou tinturas oxidantes apresentam irregularidades nas distâncias das escamas da cutícula. Um outro efeito pode ser o sebo que reveste a superfície dos cabelos que elimina a delicada estrutura. O efeito de interferência é, assim, reduzido e os cabelos parecem desalinhados e sem atração. Especialmente o último efeito espelha a saúde e a limpeza dos cabelos, e podem influenciar subconscientemente a atração de uma pessoa aos olhos do observador.

Exame Tridimensional Contínuo da Estrutura Interna dos Cabelos
K. Tanaka, Y. Tango, K. Shimmoto - KOSE Corporation

A capacidade para examinar o interior da estrutura dos cabelos é muito importante para projetar produtos efetivos para o tratamento capilar. Observações microscópicas de uma amostra fatiada é um meio comum de observar o interior dos cabelos. Este método destrói a amostra, porém só assim é possível uma observação tão detalhada. Tomografia computadorizada (CT) é uma mensuração nãodestrutiva, mas esse método tem uma desvantagem porque é impossível obter imagens internas coloridas da amostra. Assim, falta um método não- destrutivo de um exame completo e colorido da estrutura interna do cabelo.

Este trabalho propõe um novo método que possibilita a medição não-destrutiva e contínua da estrutura interna do cabelo com informação das cores. Em nosso método, a CT óptica (OCT) é usada para a reconstrução da estrutura interna do cabelo. Nossas novas teorias permitiram resolver o crucial problema do sistema OCT relacionado a um grande erro de observação causado pela difusão interna da luz, e para tornar possível sua aplicação prática.

Foi implantado um sistema OCT de alta resolução em nosso método. Este sistema apresentou precisão suficiente quando se mede a imagem fantasma e pela observação dos cabelos humanos, imagens transparentes e coloridas de seção transversal foram obtidas sem a destruição da amostra. Quando os processos de descoloração e tintura foram medidos continuamente, observaram-se alterações no interior dos cabelos, com o tempo. Esses resultados indicam claramente que nosso novo método propicia valioso instrumento para a pesquisa e desenvolvimento de produtos.

Deposição de Ácido Salícilico em Glândulas Sebáceas de Hamsters através da Manipulação da Estrutura Macromolecular do Sebo
Linda D. Rheim - Fairleigh Dickinson University

Abstract não publicado

Melhorando a Resistência da Barreira da Pele à Lesão por UV por Meio de Suplementação Oral
L. G. Hamilton, M. W. Brown, S. P. Long -
The Boots Company PLC

O impacto nocivo da agressão do estresse UV ambiental sobre a pele promove a deterioração de suas propriedades físicas e aparência, levando às características descritas como fotoenvelhecimento. Investigamos o impacto de um suplemento oral profilático sobre a defesa da pele contra a peroxidação lipídica induzida por UV.

Os antioxidantes variam em eficácia e eficiência, dependendo do material e da combinação utilizada. Ilustramos isso com um ensaio de cultura de células in vitro, aplicando o protocolo Comet. Os antioxidantes demonstraram que protegem o DNA da célula contra danos causados por UV e promovem a recuperação por meio de mecanismos de reparação das células. A pele possui uma rede antioxidante para proteção inerente derivada, em parte, da alimentação. Isso protege contra os efeitos daninhos de espécies de radicais livres e promove a recuperação do DNA por meio da remoção de fotoprodutos. Um suplemento antioxidante desenvolvido a partir de nosso trabalho demonstrou proteção significativa contra a peroxidação lipídica induzida por UV, obtida na pele de adultos que seguiram o regime de um comprimido ao dia, por um período de dois meses. A proteção foi perdida após a cessação do regime de suplementação. Concluímos, portanto, que um suplemento oral devidamente formulado pode proporcionar proteção real e mensurável contra o dano oxidativo induzido por UV sobre o estrato córneo da pele. Acreditamos que os resultados ilustram a relação de causa-efeito contribuindo para as defesas naturais do organismo.

Produtos Cosméticos – Estudo de Estabilidade
Elisabeth Silva, Maria H. Lima, Rafael T. Moura, Renata
Araújo - Gerência Geral de Cosméticos, Agência Nacional
de Vigilância Sanitária (ANVISA), Ministério da Saúde,
Brasil; Emiro Khury, Idalina Santos, - Associação Brasileira
de Cosmetologia (ABC); Sonia Yokoto, Sintia Martins -
Associação Brasileira da Indústria de Cosméticos,
Perfumes e Produtos de Higiene (ABIHPEC); Martha de
Luca - Universidade Fluminense (UF); Elisabete P. Santos -
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

O objetivo deste trabalho foi sugerir um procedimento para obter um estudo da estabilidade de produtos cosméticos através do monitoramento de características químicas e microbiológicas de amostras físicas de produtos. As amostras foram colocadas em condições de exposição a temperatura e radiação solar, e o procedimento total objetivou proporcionar facilidades que viabilizasse a aplicação pela maioria dos laboratórios que desenvolvem produtos cosméticos.

Cosméticos Decorativos – Tecnologia de Superfície que afeta Cor, Pigmentos e Estrutura

Estudo Reológico Não-Destrutivo de Cera/ Géis Oleosos e Aplicação no Desenvolvimento de Batons de alto Desempenho
Yoichi Mizutori, Kazuhiro Tsuhara, Hiroyuki Hagiwara,
Jiro Nakabayashi, Shigeyoshi Momose - KOSE Corp.;
Takeshi Nishizono, Hideki Takematu, Kouji Kuroda -
DaiNippon Printing Co., Ltd.

Batom é exemplo de um importante produto cosmético que usa a tecnologia cera/óleo. É importante chegar à combinação ideal de sensorial e a resistência do gel, ao se formular um batom, porque isso depende do tipo de óleo e de cera da formulação. A resistência do gel pode ser avaliada objetivamente usando um método de penetração como se faz com ASTM D1321. Esse método pode produzir resultados significativos para testar resistência de batons, mas não dá informação necessária para a transição quando o gel do batom passa de sólido para líquido. As medições reológicas podem ser expressas em termos de valores de G’, para propriedades sólidas, e valores de G”, para propriedades líquidas. Esses valores medidos indicam se o material está mais próximo ao sólido ou ao líquido. Neste estudo, foram examinados dois tipos de óleos em cera/géis oleosos sob diferentes condições de mensuração, incluindo a freqüência e o deslocamento da vibração. No caso onde o valor de G’ fôr muito maior do que o valor de G”, o material é cera como pode ser observado sob microscopia. A adição de óleos diferentes causa alteração nas estruturas cristalinas do gel cera/ óleo. Cada amostra tem um sensorial diferente na pele e apresenta diferentes propriedades reológicas. Nossos estudos indicaram que o batom com valor de G’ próximo ao valor de G” apresenta equilíbrio ideal sólido-líquido e sensorial bem suave durante a aplicação na pele.

Tratamento de Pigmento Super-Dispersível para Aplicações em Multimídia
Yun Shao, David Schlossman - Kobo Products, Inc.

Pigmentos e excipientes são partes essenciais nas formulações de cosméticos de cor. Os pigmentos fornecem a cor e as tonalidades; os excipientes dão a devida estrutura, textura e melhoram a aplicação. Em geral, pigmentos, como dióxido de titânio e óxidos de ferro, e excipientes, como talco, mica e amido, são hidrófilos. Existem grupos hidroxila e água absorvida da superfície que podem formar ligações com hidrogênio, que resulta numa força de agregação. Há diversas desvantagens conhecidas, do uso de pigmentos ou excipientes não revestidos:

1) A sensação, muitas vezes, é áspera e desagradável devido ao grande atrito.

2) Pigmentos/ excipientes são difíceis de dispersar na fase oleosa e de desenvolver cor.

3) Pigmentos podem migrar da fase oleosa para a fase aquosa de uma emulsão, o que resulta na instabilidade da formulação.

4) A superfície de certos óxidos metálicos pode ser quimicamente reativa e ocasionar degradação de outros ingredientes.

O tratamento da superfície dos pigmentos foi iniciado em meados da década de 1970 e vem ganhando muita popularidade desde a década de 1980.

O silicone foi, provavelmente, o primeiro tratamento usado e permaneceu como o mais popular tratamento de superfície devido a sua excelente hidrofobia o que popularizou as formulações à base de silicones. O tratamento de sabão metálico veio em seguida e apresentou boa sensação na pele e excelente capacidade de prensagem. O tratamento de fosfatos perfluor-álcool foi lançado com sucesso no Japão no final dos anos 80 e ganhou aceitação nos Estados Unidos nos anos 90. Todos esses tratamentos melhoraram muito a estética dos produtos cosméticos e serviram como base para novas formulações. Porém, há limitações em cada um desses tratamentos. Por exemplo, tratamentos por sabão metálico e organo-titanatos não são estáveis o suficiente em condições ácidas e a hidrofobia é insatisfatória. O tratamento por silicone, em geral, apresenta baixa umectação em hidrocarbonetos e ésteres. Pigmentos tratados com fosfatos perfluor-álcool são hidrófobos e hidrófilos, mas são difíceis de dispersar na maioria dos líquidos cosméticos.

Hoje em dia a concorrência está mais agressiva e os químicos formuladores trabalham num ritmo cada vez mais acelerado e precisam gerar não apenas novos, mas, muitas vezes, diferentes tipos de formulação. Uma vez que cada tratamento apresenta benefícios distintos, formulações diferentes irão exigir uma única superfície de tratamento para seus pigmentos. Portanto, é necessário que os químicos procedam a uma grande coleta de amostras e para a produção, a fábrica tem que estocar muitos itens. Isso pode ser demorado e caro.

O objetivo deste trabalho é pesquisar novos tratamentos de superfície, que podem ser usados para umedecer pigmentos em multimídia, como hidrocarbonetos, ésteres e ciclometicones. Sua química será discutida e o desempenho será comparado com os tratamentos de superfície comerciais.

Pigmentos Perolizados Tratados por Corante Orgânico (Sem Migração)
Takumi Tanaka, Hideji Kagawa - Daito Kasei Kogyo Co.,
Ltd, Japão; Yasushi Kubo – Engineering Faculty,
Shinoka University, Japão

Apresentamos nosso estudo sobre pigementos orgânicos sem sangramento no 20º. Congresso da IFSCC. Esses pigmentos orgânicos “sem migração” (deveriam ser “anti-migração”) podem ser utilizados em bases para maquilagem, em aplicações de manicure, em batons e cor facial. Neste estudo, os mecanismos da propriedade anti-migração não foram esclarecidos nesses materiais. No entanto, está sendo desenvolvido um novo mecanismo que é o método que intercala com hidrotalcita ([MH x (OH)]x+ (An-)x/n yH2O). Esclarecendo as moléculas dos pigmentos ou corantes orgânicos serão intercaladas na camada de hidrotalcita, como um ânion (An-). Constatamos que Zn2+ e Al3+ são as melhores combinações de hidrotalcita para MII e MIII para intercalar ânions de pigmentos ou corantes orgânicos. Além disso, constatamos que existe uma proporção otimizada de [Al]/([Zn] + [Al]) para atingir uma propriedade anti-migração superior, que é ao redor dos 0,4. Por outro lado, pigmentos perolizados estão se tornando populares para formular em maquilagens, atualmente. Portanto, desenvolvemos o tratamento de superfície desta hidrotalcita intercalada nos pigmentos perolizados, como dióxido de titânio revestido de mica. Agora há alguns graus sendo comercializados, de vários tipos de pigmentos perolizados, que são recobertos por cores inorgânicas, como o óxido de ferro. Fomos bem-sucedidos em 3 cores de tratamento de superfície com hidrotalcita, D&C Blue No. 1, D&C Yellow No. 6, e D&C Red No. 6.

Teste de Compatibilidade de Cosméticos de Cor – Um Novo Recurso de Teste Objetivo de Espectroscopia de Remissão Próxima ao Infravermelho (NIR-RS)
Mathias Rohr, Nikolai Ernst, Andreas Schrader - Institut Dr.
Schader – Creachem GmbH, Holzminden – Alemanha

Os objetivo deste estudo é apresentar uma nova técnica para quantificar o avermelhamento (reação eritematosa) da pele humana in vivo, com cosméticos de cor (no exemplo: tintura de cabelo, batom, maquilagem) para conseguir avaliar a compatibilidade de produtos cosméticos não transparentes.

Aproveitamento do Mistério da Luz Vermelha para Desenvolver Produtos mais Eficazes para Maquilagem
Yukari Sakazaki, Yuka Suzuki, Kazuhiro Nishikata,
Kunihiko Mohri - POLA Chemical Industries, Inc.

A beleza de uma mulher iluminada pelo sol poente, o glamour de uma bailarina movimentando-se graciosamente sob as luzes vermelhas do palco – ambas demonstram o misterioso poder da luz vermelha, para fazer objetos parecerem mais atraentes. Entendamos ou não o mecanismo, esse efeito é muitas vezes usado no dia-a-dia. Restaurantes e lojas usam iluminação com conteúdo realçado de tonalidade vermelha para fazer com que os alimentos tenham aparência mais tentadora e mais atraente para os clientes.

Sabe-se que a iluminação tem efeito importante sobre a aparência da pele. Yano et al investigaram o efeito da iluminação sobre a aparência da pele e relataram que a pele realçada com vermelho foi considerada mais viva do que a pele realçada com verde. Sato et al testaram seis tipos de fontes de luz e relataram que a pele iluminada com luz fluorescente realçou a tonalidade avermelhada, reduzindo a visibilidade de tonalidades escuras sob os olhos, manchas e sardas. No entanto, há poucos estudos publicados sobre avaliações quantitativas desse tipo de luz ambiente, e nós ainda vimos um produto cosmético incorporando esse tipo de efeito luminoso em sua formulação.

A idéia de aproveitar esse efeito num produto cosmético é uma possibilidade que entusiasma. Tendo em vista que os usuários de cosméticos não passam a vida num estúdio com fontes de luz controladas, mas vivem no mundo real, onde a iluminação e as condições de visibilidade estão em mudança constante; para ser prático, o efeito deve estar incorporado na formulação. O objetivo deste trabalho foi investigar e definir as condições ópticas que causam tal efeito, e explorar a possibilidade de incorporar o efeito em diversos produtos de maquilagem.

Método de Simulação de Cor para Previsão Precisa da Coloração Resultante do Tingimento de Cabelos
Toshiyuki Takahashi, Yutaka Tango, Koichi Shimmoto,
Tsuyoshi Ogihara, Shigeyoshi Momose - KOSE Corporation

Ao escolher tinturas para os cabelos, muitas vezes os usuários assumem que a coloração final irá ficar com a cor que aparece no rótulo do produto ou no folheto. Muitas vezes, o resultado é bem diferente. A capacidade de prever com precisão a cor resultante após a tintura é importantíssima, mas não é fácil de conseguir porque os cabelos variam muito de uma pessoa para outra.

Com base numa nova teoria para prever a cor de cabelos tingidos, foi desenvolvido um novo aparelho para previsão precisa da cor. Nosso modelo parte do pressuposto de que a coloração final observada é formada por contribuições de três camadas da estrutura capilar: a camada rica em melanina, a camada descolorida e a camada tingida. Se a melanina estiver distribuída uniformemente sobre os cabelos, antes da tintura, uma camada rica em melanina pode ser considerada como sendo a situação inicial, antes do tingimento. Para essa condição, a fórmula para prever a coloração dos cabelos após a tintura é introduzida combinando-se com as respostas de uma camada descolorida e com uma camada tingida. Além disso, esse novo método de previsão usando um novo aparelho, e as fórmulas derivadas dão uma precisão de 98% para a previsão.

Desenvolvimento de Nova Tintura Oxidante para Cabelos, Baseada na mais Recente Proporção Otimizada de Sistema de Tensoativos Catiônico- Alta Intensidade de Álcool, que Proporciona Efeito de Branqueamento Brilhante e Excelentes Propriedades Sensoriais
Takahiro Yamashita, Masatoshi Ochiai, Kazuya Shibata,
Masaaki Yasuda, Akira Noda - Shiseido Research Center

Tintura de cabelos oxidante, a mais comum das tinturas usadas para cabelos, é caracterizada por seu efeito branqueador. Esse efeito permite que cabelos escuros sejam tingidos em várias tonalidades brilhantes. Para realçar esse efeito branqueador, a concentração do agente alcalinizante ou do agente oxidante dos produtos para tingimento de cabelos é, em geral, aumentada. No entanto, esse método pode causar danos químicos aos cabelos.

Com o objetivo de encontrar métodos para atingir o melhor efeito branqueador, sem aumentar a quantidade de ingredientes branqueadores, os autores investigaram os seguintes fenômenos físicos associados ao tingimento de cabelos: permeabilidade, distribuição e difusão. Como resultado, as bases catiônicas demonstraram maior efeito branqueador, e permitiram maior penetração, possibilitando a mais fácil entrada de ingredientes branqueadores no córtex dos cabelos, e a difusão mais rápida. Além disso, foram avaliadas as proporções molares mais altas de álcool (A) com o tensoativo catiônico (C) no efeito branqueador. Os resultados demonstraram a faixa ótima para essa proporção A/C. A sensação “sedosa” dos cabelos também foi avaliada demonstrando, novamente, uma faixa ótima para a proporção A/C. Com base nessas constatações, foi desenvolvido, com sucesso, um produto com proporção A/C que maximiza o efeito branqueador e a sensação sedosa dos cabelos. Comparações entre esse produto recém desenvolvido e um produto convencional demonstraram que o novo produto apresenta maior efeito branqueador e dá boa profundidade de cor, ao mesmo tempo que mantém a maciez sedosa da textura dos cabelos.

Função do Complexo da Membrana Celular na Coloração com Tintura de Oxidação em Cabelo Humano
Yosuke Nishikawa – Milbon Co. Ltd.

Abstract não publicado

Avaliação In Vitro da Influência sobre Aparência da Pele utilizando Cosméticos com Pigmentos de Efeito
Gabriel Uzunian, Betty Aucar, Leila Song -
Engelhard Corporation

Pigmentos de efeito ou perolizantes têm sido amplamente utilizados em aplicações cosméticas de cuidado pessoal. Embora grande parte do trabalho tenha sido realizada para medir e caracterizar pigmentos de efeito, os dados são normalmente obtidos sempre contra um fundo branco ou preto. Cosméticos coloridos são formulados para mascarar, realçar ou modificar o tom da pele do usuário e, às vezes, para dar efeitos de contraste. A cor de pele resultante nem sempre é a mesma cor que aparece como tonalidade da massa. A cor da pele do consumidor afeta a expressão da cor do produto. As tonalidades da pele podem variar desde o bege claro, até o marrom escuro. Pigmentos de efeito são relativamente transparentes, permitindo que apareça o tom da pele sobre o qual são aplicados; no entanto, dependendo do tipo de pigmento usado, o resultado final pode ser muito evidente ou sutil. Essa alteração na cor da pele não é dependente da cor do pigmento de efeito, mas da sua morfologia.

Nosso objetivo é desenvolver um método instrumental in vitro para medir e quantificar a cor resultante devido à interações entre pigmentos de efeito nas formulações de cosméticos e tonalidades de pele.

Aparência – Avaliação da Performance

O Fenômeno da Covinha: Quantificação Tridimensional da Celulite e Relação com
Avaliação Perceptiva
Lola K. Smalls - College of Pharmacy, Universidade
de Cincinnati, Jennifer Whitestone - Total Contact,
Germantow, OH; Gregory J. Kramer - The Procter
Gamble Company; David Passeretti, R. Randall Wickett,
W. John Kitzmiller, Marty O. Visscher - The Skin
Sciences Institute, Cincinnati Children’s Hospital
Research Foundation

As mulheres da sociedade hodierna mantêm a aparência física em alta evidência. Isso leva muitas mulheres a buscar soluções artificiais, cirúrgicas e cosméticas para doenças “repugnantes” que a natureza implacavelmente lhes infligiu. Uma área de crescente preocupação cosmética das mulheres são as covinhas com aspecto de queijo suíço na pele das coxas, abdômen e nádegas, conhecidas como celulite. Kinney afirmou: “Uma covinha na bochecha é considerada sinal de beleza, ao passo que uma covinha na coxa é considerada repulsiva”. A celulite afeta desproporcionalmente 85% das mulheres pós-adolescente e é de interesse dominante da indústria de cosméticos e de produtos farmacêuticos, pela quantidade de tratamentos citados na literatura e, especialmente, na Internet.

As finalidades da pesquisa relatada neste trabalho foram:

1. Desenvolver um modelo quantitativo de celulite relacionando parâmetros tridimensionais da superfície com propriedades biomecânicas e características histológicas.

2. Avaliar a aparência da celulite por especialistas e leigos.

3. Caracterizar a alteração na gravidade da celulite pela perda de peso.

Desvendando a Base Molecular do Envelhecimento Intrínseco da Pele
O. Holtkötter, Kordula Schlotmann, D. Petersohn -
Henkel KGaA, Düsseldorf, Alemanha; H. Hofheinz,
R. Olbrisch - Florence-Nightingale- Hospital,
Düsseldorf, Alemanha

O retardamento do processo de envelhecimento da pele é a tarefa mais desafiadora dos tratamentos e preparados cosméticos. Todavia, o processo intrínseco do envelhecimento da pele ainda não está completamente conhecido e o entendimento das alterações moleculares envolvidas no processo é um pré-requisito para conseguirmos contêlo efetivamente.

Enquanto o envelhecimento intrínseco e o foto-envelhecimento são caracterizados pela queda na síntese do colágeno, o envelhecimento extrínseco distingue-se pela elevação seletiva da produção de proteínas da matriz, como a elastina. Em comparação com a pele foto-envelhecida, a pele envelhecida intrinsecamente apresenta perda das papilas dérmicas, levando a aplainar a junção epiderme/derme. Com base em estudos de envelhecimento cronológico das células, foram propostos diferentes mecanismos para o processo de envelhecimento intrínseco. Basicamente, moléculas afetadas pertencem a caminhos para transmissão de sinal, fatores de transcrição e meios que influem sobre a integridade genética da célula.

O recente desenvolvimento de técnicas para análise em larga escala de expressão do gene e o progresso na decodificação do genoma humano permitem estudos mais abrangentes sobre as alterações que ocorrem no processo de envelhecimento da pele. Sesto et al, por exemplo, usaram chips de oligonucleotídios, abrangendo mais de 6000 genes para investigar o efeito da radiação UV sobre queratinócitos num sistema de co-cultura. Com esse enfoque, trabalhou-se arduamente na regulação de mais de 500 transcrições, como resposta ao estresse de UV.

Apresentamos, neste estudo, a aplicação da tecnologia SAGE para descobrir as alterações na expressão dos genes durante o envelhecimento da pele, com foco no processo de envelhecimento intrínseco.

Ver Para Crer – A Ciência por Trás da Percepção Humana
Moitreyee Sinha, Pratima Rangarajan, Kevin Harding,
John Graf - GE Global Research Center

O aspecto visual é um atributo chave para produtos de consumo. Aparência pode envolver mudanças de cor, brilho, topografia da superfície e qualquer outra propriedade óptica intrínseca do material, que resulte num efeito óptico. A qualidade visual percebida é uma combinação dos efeitos ópticos e da sensibilidade humana a tais efeitos. Discutimos os conceitos fundamentais por trás da percepção humana, que determinam a aparência. Discutimos uma metodologia Qualidade Visual (QV) para traduzir as percepções humanas da aparência visual para parâmetros ópticos quantificáveis usando imagens ópticas e métodos estatísticos. Demonstramos que como usamos essa metodologia para formar modelos de previsão que quantificam a percepção humana de defeitos e manchas, como arranhões. Discutimos a aplicação desses conceitos científicos para o estudo da percepção humana da aparência visual, para uma ampla variedade de materiais, desde plásticos, até a pele humana.

Um Possível Novo Mecanismo de Ação para Agentes Branqueadores da Pele: Ligação ao Receptor Ativado de Proliferador Peroxissomal
Johann W. Wiechers, Uniqema Skin R&D, Gouda,
Países Baixos; Anthony V. Rawlings - AVR Consulting Ltd.;
Christine Garcia, Christophe Chesné - Proclaim,
Parc d’Affaires dela Breteche, França; Patrick Balaguer,
Jean-Claude Nicolas - INSERM U540 Endocrinologie
Moleculaire et Cellulaire de Cancers, Montpellier,
França; Sebastian Corre, Marie-Dominique Galibert -
Lab. Génétique et Dévelopment, CNRS UMR6061, Faculté
de Médicine, Université Rennes, 1,2, Av. Léon Bernard

O recém-desenvolvido ácido octadecenedióico é estruturalmente semelhante ao ácido azeláico por ser um ácido dióico, mas com cadeia muito mais longa e mono-insaturada (C18:1 ao invés de C9:0). Em estudos clínicos, o ácido octadecenedióico demonstrou ser eficaz como agente clareador da pele. No entanto, seu mecanismo de ação como clareador da pele ainda é desconhecido. Em estudos clínicos, alguns outros efeitos biológicos, como efeitos antiinflamatório e antienvelhecimento foram notados, embora sem significância estatística. A partir desses efeitos adicionais, conseguimos deduzir um possível novo mecanismo de ação para os agentes de branqueamento da pele envolvendo ligação ao receptor ativado de proliferador peroxissomal (PPAR).

Essa classe de receptores nucleares foi recentemente identificada em queratinócitos e melanócitos e acredita-se que tenha papéis importantes na diferenciação epidérmica, metabolismo lipídico, melanogênese e inflamação. Hoje, há três isótopos conhecidos de PPAR, o ±, ´ e ³, capazes de ligar-se a diversas espécies de ácidos graxos. Tais receptores possuem dois domínios funcionais: um domínio de ligação a ligante e um domínio de ligação a DNA. Ligantes (agonistas) que se ligam a PPAR ativam o receptor. A ligação ao DNA exige a dimerização entre PPAR e o receptor-± de retinóide X (RXR-±), um receptor nuclear versátil que funciona como meio de intercomunicação entre PPARs e outros receptores nucleares da mesma família. Os heterodímeros PPAR/RXR ligam-se a elementos de resposta de proliferador de peroxissoma (PPREs) para ativar a transcrição dos genes alvos de PPAR.

Um primeiro passo foi aferir se o ácido octadecenedióico realmente liga um ou todos os isótopos PPAR. A ligação a PPAR-± resulta tipicamente na diferenciação epidérmica. Por exemplo, níveis mais altos de filagrina e involucrina foram relatados como estimulantes desse receptor. A ligação a PPAR-± também resultou numa redução da inflamação por meio da redução da interleucina-1± (IL-1±). O seguinte mecanismo especulativo também pode operar. O bronzeamento da pele é uma reação à radiação induzida por UV. No curto-prazo, a regulação para cima do caminho p38 leva à maior produção de tirosinase. No longo-prazo, citoquinas inflamatórias, como a IL-1± de modo comunicativo sobre melanócitos que também subseqüentemente elevam os níveis de tirosinase. A redução de IL-1± induzida por PPAR poderia, portanto, resultar em menos melanina sendo produzida e assim incorporada por célula.

Agonistas de PPAR também podem influir diretamente nos melanócitos. Muito relevante no contexto do branqueamento de pele, e especialmente no clareamento de manchas senis, há dois artigos recentes que descreveram o efeito inibidor de agonistas de PPAR³ sobre a proliferação da melanina de forma dose- dependente. É concebível que esses receptores possam apresentar nos melanócitos humanos normais e estar envolvidos na formação da cor da pele normal. A ligação de PPAR³ poderia, portanto, resultar na produção reduzida de tirosinase e/ou meia-vida reduzida da tirosinase.

Os objetivos deste estudo foram demonstrar que o ácido octadecenedióico é um agonista de PPAR, e daí realizar outros experimentos para estudar as implicações dessa ligação sobre os mecanismos envolvidos na melanogênese, como produção de mRNA, tirosinase e melanina.

Aplicação da Técnica de Processamento de Imagem pela Avaliação de Brilho Facial
Makoto Fujii, Yuko Misaki, Ichiro Sasaki
- KOSE Corporation

Há inúmeros fatores que podem afetar a aparência visual da face. Muitos cosméticos são projetados para realçar a aparência facial, e é essencial um claro entendimento desses fatores para formular tais produtos. Apesar de sua importância como um desses fatores, o brilho facial tem recebido pouco estudo científico. A ausência total de brilho pode fazer a pele parecer ressecada, ao passo que com excesso de brilho pode acarretar um aspecto “engordurado”. O claro entendimento da contribuição óptica do brilho para a aparência facial e um método objetivo para avaliar com precisão o brilho da pele são essenciais para o desenvolvimento eficiente de produtos de beleza, além de cosméticos de cor. Tradicionalmente, o brilho da pele foi medido pela intensidade do reflexo da superfície. A desvantagem do método é que o brilho é determinado pela quantidade de reflexo da superfície em áreas faciais pequenas e localizadas, e não permite a avaliação da impressão óptica geral da face toda.

Em nosso trabalho, reconhecemos diferenças na contribuição óptica das características faciais como nariz e maçãs do rosto, e as características da superfície, como poros e rugas. Destaques das características faciais são normalmente consideradas normais, ao passo que o destaque da textura da pele pode acentuar a presença de poros abertos e rugas profundas, contribuindo para uma impressão negativa. Para a avaliação precisa da impressão do brilho facial, essas contribuições foram levadas em consideração no desenvolvimento do nosso sistema. Neste estudo, estamos propondo um novo método de avaliação usando técnica de processamento de imagem. Por este método, a imagem refletida da superfície é computada a partir da imagem colorida digital e separada em imagens de característica facial e de textura, por avaliação quantitativa. O objetivo deste trabalho é explorar a possibilidade de usar parâmetros bidimensionais de aspecto brilho em nosso sistema para a avaliação objetiva da impressão do brilho.

Propriedades Ópticas do Brilho da Pele e Desenvolvimento de “Mizumizushii” – Parecendo Base de Maquilagem
Hirochika Nishimura, Yutaka Takasuka, Megumi
Yamamoto - POLA Chemical Industries, Inc.

As formulações de maquilagem modernas estão se tornando cada vez mais complexas e diversificadas. Embora filtros solares e hidratantes sejam, muitas vezes, adicionados para maior proteção da pele, a função primária da base para maquilagem continua sendo a de fazer com que a pele pareça bela. Tradicionalmente, bases têm sido projetadas para igualar o tom da pele e melhorar sua textura. Avanços na tecnologia dos pós e a pesquisa das propriedades ópticas de película de maquilagem tornaram possível desenvolver produtos especializados para atender a necessidades específicas. Por exemplo, temos conseguido reduzir a visibilidade das rugas faciais por meio do desenvolvimento de tecnologia focalizada em maciez, relatado por Nakamura et al no Congresso da IFSCC de 1986. Uma área de interesse contínuo de pesquisa para nós têm sido as propriedades ópticas do brilho da pele, e é vital no realce da beleza.

Sabemos que uma total ausência de brilho pode fazer a pele parecer sem vida, enquanto o excessivo de brilho facial pode contribuir para um indesejável “aspecto oleoso”. Assim, dependendo de sua intensidade e distribuição, a propriedade óptica geralmente descrita como “brilho” ou “luminosidade” pode, positivamente ou negativamente, afetar a qualidade da beleza. Um melhor entendimento e o controle dessa propriedade nos permitiria realçar a beleza, especialmente se puder estar incorporada nos produtos de maquilagem.

Realizamos um estudo em profundidade com consumidores no Japão, que revelou que o “mizumizushii” é uma característica de beleza altamente desejada. Os dicionários traduzem essa palavra japonesa como ”frescor da juventude”, “orvalhado”, ou “úmido”, mas essas palavras não descrevem completamente nem precisamente a qualidade de beleza usada pelos consumidores japoneses. O objetivo de nossa pesquisa foi definir as exatas propriedades ópticas dessa importante característica de beleza e determinar como é esta difere ou como se relaciona com brilho, ou luminosidade.

O Papel do 18MEA sobre a Nanotribologia da Superfície dos Cabelos
Gustavo S. Luengo, Philippe Hallegot, Fréderic Leroy -
L’Oreal Recherche, Aulnay sous Paris, França

O papel do ácido 18-metileicosanóico, 18MEA, foi explorado usando técnicas de Microscopia de Força Atômica (AFM). O tratamento por um agente deslipidizante (hidroxilamina) não degrada a morfologia dos cabelos, mas degradou significativamente suas propriedades tribológicas superficiais, proporcionando alta resolução no mapeamento do efeito da deslipidificação e confirmando a importância da presença desse ácido graxo. Usando nanolitografia conseguimos arranhar delicadamente a camada mais externa da superfície dos cabelos, a profundidade de penetração obtida permaneceu constante (12-45 ú) ficando muito perto do comprimento médio da molécula de 18MEA, dando suporte ao modelo assumido de uma monocamada ordenada de 18MEA sobre a superfície dos cabelos.

Finalmente, serão discutidas as possibilidades de uma combinação de nanolitografia com um método químico, como a Espectroscopia de Massa Iônica Secundária ao Tempo-de-Vôo (SIMS).

Isolamento de uma Enzima Bacteriana que exala mau Cheiro Axilar e seu uso como Meta de Triagem para Novas Formulações de Desodorantes
Andreas Natsch, Hans Gfeller, Peter Gygax, Joachim
Schmid - Givaudan Schiez AG

Há uns 50 anos se sabe que o odor das axilas é formado pela ação da Corynebacteria sobre secreções inodoras destas, mas a natureza das enzimas bacterianas envolvidas no processo permanecia um mistério. Identificamos o conhecido por axilar determinante ácido 3-metil-2- hexanóico nas secreções axilares hidrolisadas juntamente com um novo composto quimicamente relacionado, o ácido 3-hidroxi-3-metilhexanóico. Os precursores naturais e inodoros desses dois ácidos foram purificados a partir de secreções axilares recentes e não hidrolisadas. Os ácidos malcheirosos mostraram ser covalentemente ligados a um resíduo de glutamina nas secreções recentes da axila. Corynebacteria, mas não Staphylococcos, isolados das axilas liberam os ácidos desses precursores in vitro. Uma aminoacilase dependente de Zn2+ mediando essa clivagem foi então purificada a partir de Corynebacterium striatum Ax20 e o gene correspondente agaA foi clonado e expressado heterologamente em E. Coli. Com base nos achados bioquímicos, são apresentados novos enfoques para pesquisa de controle do mau odor das axilas:

(a) Com um novo método de teste usando a Corynebacteria isolada e sua atividade enzimática, foi avaliada a atividade de controle direto do mau odor dos ingredientes cosméticos existentes;

(b) A estrutura do precursor natural do mau odor foi modificada substituindo-se o ácido malcheiroso por moléculas de fragrância. Esses novos precursores de fragrâncias demonstraram sofrer clivagem pela mesma aminoacilase.

Propriedades de Redução do Odor por Silicatos Metálicos e sua Aplicação no Controle do Odor da Axila
Michael Simmone, Michael C. Whitiam - J. M. Huber
Corporation

Os atuais produtos para as axilas baseiam-se em antimicrobianos de amplo espectro como mecanismo de controle do mau odor. O mau odor das axilas é resultado do metabolismo de precursores inodoros presentes no suor apócrino e sebo, pela flora axilar.

O presente estudo propõe um meio eficaz para reduzir o odor, por meio da desodorização química direta dos compostos malcheirosos. Particulados sintéticos, à base de silicatos de metais alcalino terrosos, irão rapidamente resultar na formação do sal do ácido, reduzindo drasticamente sua pressão de vapor. A pressão de vapor reduzida de sais insolúveis evita sua contribuição para o mau odor.

Geral – Pele, Cabelo e Dinâmica de Produtos

Trocas Termodinâmicas de Dissulfito-Tiól: Aplicação na Redução de Pele e Cabelo
Thilo Arlt – Cosmital S. A. (Wella AG)

Abstract não publicado

Avaliando o Status do Cabelo Humano e suas Mudanças Proporcionadas por Processos
Cosméticos através do Fracionamento Gel-Eletroforético das Proteínas do Cabelo
Franz Wortmann – DWI

Abstract não publicado

Queratinócitos agem como Fonte de Espécies de Oxigênio Reativo Transferindo Peróxido de Hidrogênio aos Melanócitos
E. Pelle, T. Mammone, D. Maes - Estee Lauder Research
Laboratories, K. Frenkel - Institute of Environmental
Medicine/University School of Medicine

Maiores níveis de espécies reativas de oxigênio (ROS) têm sido associados a muitos processos patológicos e os efeitos desses intermediários reativos sobre as células da epiderme foram extensamente estudados e analisados. Durante o estresse oxidante, o oxigênio molecular é reduzido para formar radicais ânions de superóxido, que aumenta a reatividade do oxigênio. Além disso, radicais ânions de superóxido podem ser dismutados em peróxido de hidrogênio (H2O2) espontaneamente ou por ação do superóxido de dismutase e há muita evidência que demonstra que H2O2 é um mediador da lesão oxidante das células. Embora um sistema de antioxidantes enzimáticos e não enzimáticos dêem proteção às células contra ROS, essas defesas antioxidantes podem ser vencidas em momentos de estresse oxidante e levam ao rompimento da função celular. Tendo em vista que H2O2 é diamagnético, não há elétrons pareados e, como resultado, é uma espécie neutra com capacidade de permear membranas pode migrar para as células vizinhas. Na epiderme humana, a proporção de queratinócitos para melanócitos é de 36:1 e, como conseqüência, o potencial para transferir H2O2 de queratinócitos para melanócitos, mesmo por um mecanismo de difusão passiva, parece muito elevado.

Neste estudo, verificamos a possibilidade de que os queratinócitos contribuam para o nível oxidante dos melanócitos, o que pode ter efeitos causais sobre vários processos, inclusive a melanogênese e a progressão para vitiligo. Nosso primeiro objetivo foi comparar os níveis relativos de H2O2 nos quaratinócitos e melanócitos, enquanto nosso segundo objetivo foi medir a transferência de H2O2 dos queratinócitos para melanócitos. Apresentamos evidência demonstrando que queratinócitos humanos transferem H2O2 para melanócitos e, portanto, podem agir como fonte de estresse oxidante, nos melanócitos.

Adsorção–Desassorção de Água e Vapores Orgânicos nos Cabelos Humanos – Papel da Difusão
Craig L. Huemmer, Yash K. Kamath – Princeton

Muitas das propriedades dos cabelos são altamente afetadas pela quantidade de água contida nos fios de cabelo. Propriedades mecânicas de tensão e comportamento de quebra dos cabelos melhoram na presença de água, que atua como plastificante. Além disso, a carga estática se dissipa pela película de água adsorvida na superfície do fio, reduzindo o esvoaçamento. O enfoque cosmético para hidratar os cabelos é o uso de umectantes e polímeros condicionantes nas formulações. Condicionadores efetivos controlam a retenção de umidade nos cabelos em baixa umidade relativa e idealmente reduzem a retenção em alta umidade relativa. Umectantes são adicionados às formulações para ajudar a melhorar a retenção de umidade. Neste estudo, exploramos o efeito de um hidratante, D-pantenol, sobre o comportamento de adsorção-desassorção de água nos cabelos humanos.

Além da água, solventes orgânicos, como etanol, são incorporados em produtos usados para fixar os cabelos humanos. O etanol é usado em muitos produtos para penteado, como sprays de cabelo e géis. Portanto, a adsorção e desassorção do vapor de etanol foram investigadas neste estudo. Além disso, também foi examinada uma solução de 50% de etanol e água para determinar quais dos componentes dominariam o comportamento de adsorção–desassorção.

Simulação de Dinâmica Molecular do Ácido 18-Metileicosanóico
R. McMullen, S. Kelty - Departamento de Química e Bioquímica,
Universidade Seton Hall; J. Jachowicz - International Speciality
Products

O objetivo deste estudo foi conseguir conhecer as propriedades fundamentais do ácido 18-metileicosanóico (18-MEA), realizando simulações de dinâmica molecular de monocamadas de Langmuir e películas de Langmuir-Blodgett (LB) deste composto. Enquanto esse incomum ácido graxo tem sido encontrado em pequenas quantidades em vários materiais biológicos, sua presença em fios de pêlos de mamíferos como principal ligação covalente de ácido graxo inspirou a pesquisa aqui relatada. Acredita-se que este forma monocamadas na superfície de fios de pêlos de humanos e animais e é covalentemente preso a proteínas estruturais por uma ligação de tio-éster. Completamos uma significativa quantidade de trabalho para o ácido eicosanóico (ácido araquídico) que é parente do 18-MEA. Foi descoberto que estudos de simulação dinâmica molecular de monocamadas de Langmuir desses compostos deram algumas informações sobre o relacionamento/ estrutura da posição do grupo metila no comportamento desses ácidos graxos em películas finas.

Perfil da Expressão do Gene da Formação de Mancha Pigmentada: Papéis Potenciais da Proteína-2 Quimioatraente de Monócito nas Lentigens Solares
Hirofumi Aoki, Yumiko Tsuji, Kiyotaka Hasegawa, Kentaro
Kajiya, Masashi Ogo, Seiichi Yoshida, Jiro Kishimoto,
Osamu Moro - Shiseido Research Center

Foi usada hibridização de microchip de DNA para medir as alterações dos níveis de mDNA ao longo do tempo, durante o desenvolvimento de manchas retardadas de pigmentação. A regulação positiva de inúmeros genes estimulados por interferon (IFN) foi detectada em lesões pigmentadas retardadas, neste modelo. A infiltração epidérmica de linfócitos T e acúmulo de células-tronco foram características histológicas observadas nas lesões pigmentadas retardadas. Quimoquinos, como a proteína-2 atraente de monócito (MCP-2), a proteína 10 induzível por IFN (IP-10) e monócino induzido por IFN (MIG) estavam entre os genes regulados para cima estimulados por IFN. Foi sugerido que os quimoquinos produzidos na epiderme podem induzir a migração de células inflamatórias para a vizinhança dos melanócitos. Fatores secretados pelas células inflamatórias podem induzir a proliferação de melanócitos e/ou a síntese da melanina, resultando na formação de manchas pigmentadas retardadas.

Determinação das Características Sensoriais de uma Base Líquida Ideal usando Técnicas de Mapeamento de Preferência
S. Coronel, S. Ballay, G. Gazano, C. Mahé -
Parfums & Cosmetiques; J.-M. Sieffermann -
Persecption Sensorielle et Sensomérie

Há muito tempo, sabemos que as bases cosméticas desempenham papel importante na rotina da maquilagem. É o primeiro passo, a ligação entre o tratamento de pele e a maquilagem “colorida”.

A base precisa ser líquida e de consistência aderente para facilitar a aplicação e dar uma sensação de “segunda pele”. As mulheres esperam um efeito de revestimento para esconder pequenas imperfeições e para dar homogeneidade para a pele e para um resultado de maquilagem luminosa que dure por um bom tempo. Isso significa sensação natural, transparente e fresca, com efeito de luminosidade. Além disso, conforto também é uma importante exigência das mulheres, o que, em suas palavras, significa ter uma base que “deixe a pele respirar”. Portanto, é muito importante atender a essas expectativas das mulheres para base líquida e avaliar suas diferentes propriedades sensoriais.

O objetivo principal deste estudo foi identificar as características de uma base ideal e depois, conhecendo tais características, desenvolver este novo produto.

Oxigênio Singlete e Eliminador de Oxigênio Singlete
Germain Puccetti, Ratan K. Chaudhuri - Chemicals, Inc.

O oxigênio singlete (1O2), uma forma eletronicamente excitada de oxigênio molecular, pode ser fotoquimicamente gerado in vivo ou em reações no escuro. A exposição direta de inúmeros compostos, inclusive proteínas, para luz UV mostraram que geram 1O2. Grande número de moléculas corantes e de cromóforos celulares endógenos também gera 1O2 em exposição à luz visível. Como resultado de exposição de humanos à luz UV e visível, foi sugerido que 1O2 desempenha papel fundamental no desenvolvimento de várias patologias humanas inclusive catarata, queimaduras de sol, câncer de pele e envelhecimento precoce.

1O2 reage com ampla gama de moléculas biológicas, entre as quais o DNA, colesterol, lipídios, aminoácidos e proteínas. As proteínas são o alvo principal do 1O2 devido à abundância e elevada taxa de reações. A reação com proteínas ocorre principalmente com cadeias laterais de triptófano, metionina, cistina, histidina e tirosina, resultando na formação de resíduos de curta vida de endo ou hidroperóxidos de triptófano, histidina e tirosina. Espécies semelhantes foram detectadas em proteínas intactas e dentro de células intactas.

1O2 não é apenas tóxico para as células e impossibilita a sinalização de eventos, mas também é capaz de eliminar uma resposta de estresse celular. Existem muitos cromóforos endógenos na pele humana que, em presença de radiação UVA podem gerar 1O2. Muitos filtros solares e antioxidantes também podem agir como sensibilizantes tripletes que convertem oxigênio triplete inofensivo em oxigênio singlete altamente reativo.

O objetivo deste estudo tem três vertentes: (1) Determinar a capacidade de reforçar/eliminar a capacidade do oxigênio singlete comumente usado nos filtros solares, (2) avaliar o potencial dos polifenólicos como eliminadores do oxigênio singlete e (3) estabelecer critérios de seleção para o uso tópico de polifenólicos.

Efeito de Polímeros Anfipáticos Modificados Hidrofobicamente sobre Emulsões Estabilizadas com Emulsificantes de Nano-Estrutura Auto-Montados
Robert Y. Lochhead, Cynthia A. Welch,
Tonya McKay - The School of Polymers
and High Performance Materials,
University of Southern Mississippi

Emulsões cosméticas e farmacêuticas convencionais são freqüentemente estabilizadas por fases cristalinas líquidas de tensoativos. Este trabalho pesquisou os efeitos estrutural e reológico da interação de polissacarídeos hidrofobicamente modificados com meso-fases tensoativos e seu impacto sobre a estabilidade da emulsão. Num trabalho anterior ficou demonstrado que a adição de polímeros anfipáticos hidrofobicamente modificados a sistemas tensoativos liofílicos estruturados meso-morficamente alterou dramaticamente suas propriedades.

Os polímeros mudaram o conjunto de moléculas tensoativos nos agregados micelares e de cristal líquido. A modificação do comportamento da fase pode ser explicado como resultado de uma combinação de efeitos estéricos e competição osmótica pelo solvente. Na medida em que o número de cadeias laterais por polímero é aumentada, essas transições são mais pronunciadas.
























Comprar

Uso da Iontoforese para Aumento da Permeação de Cosméticos - Dov Tamarkin, PhD Power Paper Ltd., Petah Tikvah, Israel

Este artigo descreve a técnica da iontoforese e analisa suas possíveis aplicações em cosméticos. Descreve também recentes avanços que tornam essa técnica acessível a consumidores, em seus lares.

Este artículo decribe la técnica de La iontoforesis y analisa SUS posibles aplicaciones em cosméticos. Describe también recientes avanzos que tornan esta técnica acesible a los consumidores, en su hogar.

This article describes the iontophoresis technique and discusses possible applications of intophoresis in cosmetics. It also describes recent advances making this technique accessible for consumers at home.

Comprar

Filme Resistente à Água em Protetores Solares - Hongjie Cao, Ph.D. e Irina Morosov National Starch Personal Care, New Jersey, Estados Unidos

Este artigo apresenta um novo polímero formador de filme que oferece a possibilidade de criar produtos para proteção solar com alta resistência à água.

Ese artículo presenta un nuevo polímero formador de pelicula que ofrece La posibilidad de crear productos para protección solar con alta resistência a el água.

This article presents a new film former polymer which can be utilized to develop high water resistence sun protection products.

Comprar
Carlos Alberto Trevisan
Mercosul por Carlos Alberto Trevisan

Reconhecimento Mútuo

Finalmente, após vários anos, está prestes a ser atingido o objetivo primordial do Mercosul, que é o Reconhecimento Mútuo.

Embora restritos aos produtos classificados como grau de risco I, o denominado “Reconhecimento Mútuo”, antes conhecido como “Covalidação”, facilitará enormemente o intercâmbio comercial entre os países e possibilitará por conseqüência aumento no volume do comércio entre estes.

Para sua efetiva implantação, necessitará do estabelecimento de condições mínimas equalitárias para possibilitar que os consumidores estejam devidamente protegidos, quando do uso dos produtos provenientes de quaisquer dos Estados-Parte.

Estas condições mínimas principiam com o efetivo cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e Controle como também a observância das listas positivas, restritiva e negativa de ingredientes, e os termos de rotulagem já acordados no âmbito do Mercosul, tudo isso supervisionado pelos órgãos competentes.

Para que o efetivo cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e Controle seja adequadamente avaliado, será obrigatório o estabelecimento de uniformidade de juízo, quando das inspeções e das avaliações realizadas pelos inspetores sanitários de qualquer um dos países.

Para a obtenção da citada uniformidade de juízo será necessário que todos os inspetores sejam devidamente e criteriosamente submetidos a treinamento quanto aos conceitos a serem considerados, quando da avaliação dos quesitos constantes da Portaria nº 348, de 18 de agosto de 1997.

Como é do conhecimento de todos, a referida Portaria é composta, quanto à sua classificação, dos itens: Imprescindíveis, Necessários, Recomendáveis e Informativos, cujo não-atendimento da conformidade implica em sanções e penalidades às indústrias, importadoras e distribuidoras.

Para uma melhor visualização da distribuição dos referidos quesitos, no gráfico ilustrativo, o eixo das ordenadas representa a quantidade de itens por tipo, e o eixo das abscissas representa o tipo de cada item.

A importância do gráfico é ressaltada quando se observa que apenas cinco itens são passíveis de ocasionar a interrupção das atividades da empresa.

Para estes itens é de fundamental importância a uniformidade de juízo e o estabelecimento claro quanto à interpretação do inspetor sanitário.

A existência de divergências nos critérios poderá acarretar danos irreparáveis às atividades e, portanto, durante os treinamentos conjuntos a serem realizados, acreditamos que todos os esforços deverão ser direcionados para a obtenção da uniformidade de juízo.

Outro ponto que certamente deverá ser considerado pelos órgãos competentes é a extrema diferença existente entre os Estados-Parte quanto ao tempo necessário para a obtenção da Regularização sanitária das empresas que pode variar de duas semanas a dois anos, dependendo das exigências administrativas vigentes em cada país.

Concluímos renovando nossas expectativas quanto à efetiva implantação do Reconhecimento Mútuo.

Cristiane M Santos
Direito do Consumidor por Cristiane M Santos

Compras Online

Você já fez compras online? Se ainda não fez... com certeza vai fazer!

De acordo com uma pesquisa realizada pela empresa especializada no estudo de comércio eletrônico, e- bit, houve um crescimento de quase 100% do faturamento das vendas pelas Internet no primeiro semestre de 2004 em comparação ao ano passado. Este faturamento representa R$ 745 milhões!

Isto retrata que as “lojas virtuais” ou simplesmente e-commerce estão se tornando cada vez mais populares. Além da venda de CDs, DVDs, livros e periódicos – produtos mais vendidos – também foi constatado aumento no consumo de bens duráveis, como automóveis, eletroeletrônicos e eletrodomésticos.

Apesar das lojas virtuais investirem cada vez mais em sistemas de segurança, visando a proteção de seus consumidores, é muito importante que o consumidor esteja atento e seja cauteloso na hora da compra e saiba aonde comprar, ou melhor, que site acessar.

Embora o Código de Defesa do Consumidor – CDC - tenha sido promulgado anteriormente a esta nova “moda”, este é plenamente aplicado às relações de consumo derivadas do comércio eletrônico. Pois, o comércio eletrônico também pode gerar vícios ou defeitos em produtos/ serviços, publicidade enganosa ou abusiva, acidentes de consumo etc.

Como nas compras online, o consumidor não vê de fato o produto, ele fica mais suscetível a arrependimento... Fato que pode acontecer com mais freqüência do que em lojas “reais”.

Assim, aplica-se o artigo 49, do CDC, que prevê:

“O consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a contratação de fornecimento de produtos ou serviços ocorrer fora do estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou domicílio.”

Logo, se o consumidor se arrepender de algum item da sua compra online deve agir no prazo legal, de sete dias, comunicando-se com a empresa fornecedora, através do próprio site ou por email, sobre seu arrependimento e direito.

A empresa fornecedora deve restituir toda a quantia paga (valor do produto, frete e até mesmo o custo de postagem para devolver o produto), conforme parágrafo único, do artigo 49:

“Se o consumidor exercitar o direito de arrependimento previsto neste artigo, os valores eventualmente pagos, a qualquer título, durante o prazo de reflexão, serão devolvidos, de imediato, monetariamente atualizados.”

Por mais facilidades que as novas tecnologias proporcionem qualquer forma que viabilizar uma relação de consumo vai estar sempre subordinada ao Código de Defesa do Consumidor.

Para tanto, cabe a você, consumidor “real ou virtual”, ficar atento e fazer valer o seu direito!


Dicas fornecidas pelo IDEC – Instituto de Defesa do Consumidor

- Verificar se a loja oferece outros meios de contato (telefone, endereço), além do e-mail, para ser encontrada caso haja algum problema

- Imprimir todos os procedimentos realizados para a compra e a confirmação do pedido (quase todos os casos chegam por e-mail)

- Evitar pagamento antecipado

- Não esquecer que o valor do produto ainda será somado ao valor de seu frete

- Preferir compra de produtos conhecidos

A vez da Qualidade por Maria Lia A. V. Cunha / Friedrich Reuss

Tiraram o Corrimão do Auditor

A frase lapidar que dá título a este texto me foi dita recentemente por um colega de trabalho para mencionar a dificuldade que muitos auditores e consultores têm em avaliar ou em aplicar a nova norma ISO 9001 a uma empresa. A norma anterior, cuja essência viveu durante muitos anos, tinha a sua constituição totalmente baseada no taylorismo, descrevendo todos os passos a serem tomados para garantir o seu pleno atendimento, e era baseada unicamente em treinamento.

Quando aplicada estritamente, a norma anterior podia engessar a organização, tirando a flexibilidade necessária para agir no mercado. Esta característica foi o motivo para que a grande maioria das empresas certificadas mantivesse dois sistemas separados de gestão: um para o gerenciamento da empresa, conforme as percepções de seu dirigente, e a outra, simplesmente, para atender às exigências da auditoria. Também induz a este comportamento o título da norma: “Sistema de Gestão da Qualidade”, quando um termo mais completo seria: “Sistema de Gestão da Empresa com Qualidade”.

A norma anterior estabelecia todos os passos a serem descritos no sistema de gestão, representando assim o mencionado “corrimão”. A nova norma é absolutamente flexível em termos de documentação operacional, trazendo os oito princípios da qualidade como base: o cliente em primeiro lugar; a liderança como orientadora para gerenciar a empresa; os colaboradores comprometidos com a empresa; as decisões tomadas sobre fatos efetivos; compreender a organização como um conjunto de processos logicamente interligados e interdependentes; foco na melhoraria contínua e realizar com os fornecedores uma parceria para que os dois forneçam o perfeito atendimento aos clientes.

A norma da nova edição incentiva a definição da missão e de seu desenvolvimento estratégico (estratégico é estabelecer a “estrada”, ou construir o caminho para atingir os objetivos previstos da empresa), para, a partir daí, definir os objetivos e metas maiores da organização como um todo e, identificar as contribuições de cada processo que compõe a empresa, traduzindo-os em objetivos e metas atingíveis para o próximo período operacional.

Para tornar o sistema mais perfeito, pode-se definir a missão para cada processo e a partir daí estabelecer os objetivos e as metas de atendimento aos seus clientes internos. Os processos internos são como pequenas empresas fornecedoras e clientes internos, cabendo também a eles o estabelecimento de metas e indicadores. Na norma da nova edição, a exigência da definição das competências necessárias (formação, experiência, habilidades e treinamento) para cada cargo é uma definição muito mais ampla e real do que apenas o treinamento previsto na norma anterior.

A definição da competência até poderá ser vista como um adequado substituto de procedimentos documentados, já que nela estão contidas as melhores formas de atuação para cada processo. Esta definição de competência foi muito feliz, pois com estes quatro elementos definemse com absoluta clareza os requisitos a serem atendidos pelos candidatos. Apenas com treinamento não se define e não se constrói formação nem habilidades. Dentro desta visão mais aberta cada empresa terá suas próprias características de gerenciamento, baseada nas suas estratégias. O consultor ou auditor deverá ter a percepção necessária para saber interpretar estas características específicas e poder julgar se os objetivos e metas instituídas são adequados e estão sendo atingidos.

Numa indústria cosmética certificada, por exemplo, há dois sistemas sobrepostos, a gestão da qualidade e o GMP, sendo que o GMP deve estar formalizado para atender estritamente aos requisitos do Ministério da Saúde para todas as atividades operacionais (exigência para todas as indústrias), ao passo que o sistema de gestão da qualidade apresentará as particularidades específicas, conforme a estratégia ditada pelo seu planejamento estratégico, seja nas áreas comerciais, de vendas, de renovação de modelos, de mercado a ser trabalhado, etc - conforme o conhecimento dos diversos modelos de atuação comuns nesta área. Apenas uma pessoa que tenha a necessária percepção para cada um dos tipos deste negócio saberá identificar as reais características de importância e saberá dizer se tal procedimento está em conformidade ou não.

Denise Steiner
Temas Dermatológicos por Denise Steiner

Fotorrejuvenescimento com Laser

Existem características especiais que diferenciam estes dois tipos de envelhecimento. No envelhecimento intrínseco, a textura da pele é lisa, homogênea e suave. Ocorre atrofia da epiderme e da derme e há um menor número de manchas e rugas superficiais. No fotoenvelhecimento, a pele assume uma superfície áspera, nodular e espessada; ocorrem inúmeras manchas e aparecem rugas profundas e demarcadas.

Histologicamente, a característica mais marcante do envelhecimento cronológico é a atrofia e retificação da epiderme, enquanto o fotoenvelhecimento é marcado por acantose.

No envelhecimento intrínseco ocorre diminuição do número de melanócitos, enquanto os queratinócitos permanecem normais, há também diminuição na quantidade de elastina e colágeno e a vascularização se mantém normal. No envelhecimento extrínseco os queratinócitos tornam-se displásicos devido ao fotodano, os melanócitos aumentam em número e distribuem irregularmente o pigmento. Ocorre o aparecimento da zona de grenz (faixa eosinofílica cicatricial), as fibras colágenas se desorganizam e as elásticas se transformam em massas amorfas (elastose), além disso, os vasos mostram parede duplicada rodeada por infiltrado linfo-histiocitário, caracterizando a heliodermatite.

Há tratamentos já consagrados para estes problemas, como os retinóides, que agem principalmente controlando a proliferação e as diferenciações celulares, além de prevenir a perda e estimular a formação de colágeno novo. Os fotoprotetores constituem importante arma na prevenção e tratamento do envelhecimento cutâneo. Além disso, outras opções têm se somado, permitindo resultados ainda melhores. A toxina botulínica tem se mostrado efetiva no tratamento das rugas de expressão. Os preenchedores, como o ácido hialurônico, o colágeno e os implantes de gordura são efetivos para o tratamento de rugas e vincos da pele. Os peelings químicos removem camadas da pele, de acordo com a profundidade de cada agente, proporcionando melhoria da textura da pele, das manchas e rugas superficiais. No caso dos peelings profundos, as rugas profundas também são resolvidas. O laser tem grande utilidade no tratamento de telangiectasias da face e manchas tipo efélides e melanoses solares. Além disso, o resurfacing com laser de CO2 (peeling profundo a laser) melhora muito a textura, a flacidez e as rugas da pele, através de uma remodelação das fibras colágenas, com formação de colágeno novo e correção da elastose.

A mais nova alternativa para o tratamento do envelhecimento é o chamado “Fotorrejuvenescimento a laser”. Esta técnica segue os princípios da fototermólise seletiva, mecanismo de atuação dos lasers. A fototermólise seletiva é a destruição de uma partícula de pigmento por um comprimento de onda específico para ela. Assim, temos a melanina e a hemossiderina, que são destruídas por um feixe de luz seletivo para cada uma delas, e posteriormente reabsorvidas pelo organismo.

O fotorrejuvenescimento é realizado através da aplicação de dois comprimentos de onda distintos que atuarão em profundidades diferentes da pele. Utiliza-se um comprimento de onda profundo (645 nm) e um superficial (550- 570 nm). O profundo atinge a derme papilar e reticular, promovendo o estímulo das fibras colágenas, com formação de colágeno novo e reorganização das fibras elásticas, com melhora da elastose. O superficial age em nível de epiderme e camada córnea, atingindo a melanina e hemossiderina. Desta forma, ocorre melhoria de manchas superficiais e telangiectasias. O resultado final é um clareamento difuso da pele tratada, com resolução de manchas e telangiectasias e melhora da flacidez e rugas superficiais.

O tratamento é realizado em aproximadamente cinco sessões, com intervalo de 21 a 30 dias. As três primeiras incluem os dois parâmetros (superficial e profundo) e as duas últimas somente o parâmetro profundo.

Os efeitos colaterais consideráveis são: discreto incômodo durante a sessão (sensação de calor local), amenizado com o uso de pomada anestésica; eritema no dia do procedimento, com permanência máxima de três dias; formação de crostículas muito finas, que resolvem espontaneamente em 7 a 10 dias.

Os resultados do fotorrejuvenescimento com laser têm sido animadores, fazendo desta uma nova opção para a incansável luta contra o envelhecimento.

Boas Práticas por Tereza F. S. Rebello

Sanitização de Equipamentos de Produção

Nunca é demais alertar os técnicos microbiologistas para etapas importantíssimas e que, muitas vezes, são passíveis de dúvidas: a sanitização de equipamentos de produção.

Em primeiro lugar, é necessário selecionar o sanitizante e a escolha deve levar em consideração o material de construção do equipamento e seu desenho. Depois, estabelecer o tempo de contato do sanitizante com as paredes e peças do equipamento. Este tempo pode variar em função do sanitizante escolhido. Porém, gráficos de atuação microbicida desses sanitizantes, mostrando o tempo e a concentração, são encontrados em livros especializados ou devem ser fornecidos pelos fabricantes de biocidas. Esta informação não só auxilia o técnico na escolha do sanitizante, como também lhe dá subsídios para exigir que esse tempo de contato seja respeitado pelos responsáveis da produção. Sabemos que, em algumas empresas, este é um ponto de discussão entre a Garantia de Qualidade e a Produção.

O binômio Produtividade/Qualidade não pode ser dissociado.

Talvez a maior dificuldade do microbiologista na preparação do procedimento operacional padrão de sanitização seja estabelecer o tempo em que o equipamentopoderá ser utilizado após a sanitização.O ideal seria utilizá-lo logo após a sanitização, mas isto nem sempre é possível. Então, qual é o tempo limite para seu uso? Trinta minutos, uma hora, duas horas, uma semana? Para esclarecer esse assunto, devemos recordar o que aprendemos sobre o crescimento microbiano. Podemos dividir este em quatro fases: a primeira, que chamamos de fase de lag, na qual o microrganismo presente num meio apropriado (pode ser a água de enxágüe) deve se adaptar para então iniciar a fase seguinte que é a exponencial, ou seja, quando o crescimento é intenso.

De acordo com a literatura especializada, a fase lag acontece, em média, dentro de duas horas. Por que em média? Porque esse intervalo vai depender de vários fatores como, por exemplo, o meio em que os microrganismos se encontram, a espécie do microrganismo em questão e também o estado fisiológico destes.

Vamos considerar o primeiro fator: se o meio em que os microrganismos se encontram estiver perfeitamente limpo, sanitizado e seco (ausência de água), a possibilidade de crescimento rápido é remoto. Quanto à espécie do microrganismo, sabemos que alguns são mais resistentes como, por exemplo, as espécies pertencentes ao gênero Pseudomonas. Contudo, mesmo estas podem estar num estado de estresse e, portanto, tendem a ter uma fase lag mais extensa. Surge então a pergunta: quando e por que os microrganismos se estressam? Quando são submetidos a situações extremas, como calor, ação de biocidas, ausência de nutrientes, etc.

Muitas vezes, essas condições não são suficientes para liquidar o microrganismo, mas podem ocorrer lesões reversíveis, podendo o microrganismo voltar às suas funções normais, dependendo do tempo e das condições subseqüentes, e, assim, atingir a fase log, isto é, de intensa multiplicação.

Interpretando os fatos acima descritos, podemos fazer a escolha do intervalo de tempo a ser considerado para utilização do equipamento. Algumas empresas consideram, no máximo, 30 minutos após a sanitização; outras uma hora; e outras ainda, confiando em seu procedimento de limpeza e sanitização, consideram duas horas.

É interessante lembrar aos profissionais da área, a importante etapa que precede a sanitização. Estamos nos referindo à limpeza que, segundo dados baseados em pesquisas, é capaz de reduzir, por remoção mecânica, em até 90% a população microbiana de determinado material. Voltando às fases do desenvolvimento microbiano, citamos as duas últimas fases que seguem a fase log e que são conhecidas como estacionária e de declínio.

Antonio Celso da Silva
Embalagens por Antonio Celso da Silva

Escolha da Melhor Embalagem

Como mencionamos em oportunidades anteriores, são muitas as dificuldades na escolha de uma embalagem. Boa parte dessas dificuldades recai na dúvida de como fazer a escolha da embalagem mais adequada para o produto, considerando-se a modernidade, estética e até mesmo a compatibilidade com o produto. Às vezes é preferível optar por uma embalagem mais simples e já conhecida para evitar problemas, do que uma outra mais sofisticada e que possa trazer futuros e inesperados problemas.

A escolha da embalagem passa necessariamente por dois caminhos distintos. Um caminho é o da embalagem com molde exclusivo, que requer investimento e tempo para desenvolver e fabricar o molde. Normalmente, esse tempo é maior quando se trata de uma peça injetada, por exemplo, e menor, se for soprada. Por serem exclusivas, essas embalagens podem ser patenteadas pelo cliente. Alguns fabricantes facilitam o pagamento desses moldes, compensando o valor do investimento, em desconto nas unidades a serem adquiridas posteriormente pelo cliente. Outros até não cobram pelo molde, desde que o cliente se comprometa a comprar uma certa quantidade (mínima/ mês) da embalagem. De uma maneira ou de outra, hoje já é possível uma empresa de pequeno porte ter a sua embalagem exclusiva.

O outro caminho é o do molde ou embalagem padrão de mercado (standard). São embalagens (frascos, tampas, válvulas etc) com formato padrão, mantidas em estoque por seus fabricantes, que as oferecem a todos os clientes. Esse é o caminho que a maioria das empresas utilizam para “desenvolver“ suas embalagens. Nesse caso, o que vai diferenciar uma embalagem da outra, quando se usa o mesmo frasco, é a criatividade de cada empresa. É possível, por exemplo, usar um frasco standard de shampoo, diferenciando-se pela cor, modelo e/ou formato de tampa, rótulo, gravação, etc. Olhando uma gôndola de supermercado podemos perceber isso.

Caso se opte por uma embalagem standard importada, em primeiro lugar é preciso saber se o fornecedor tem estoque local e de quantas unidades. Em segundo lugar, é preciso avaliar que facilidades ou dificuldades ele tem para importar e quanto tempo necessita para repor o estoque. Lembre-se sempre de que no caso de uma embalagem importada é quase impossível fazer uma reprovação (C. Q.) no recebimento, em função das dificuldades de reposição do lote.

Seguem algumas dicas para facilitar a escolha de uma embalagem. Essas dicas são conhecidas pela maioria dos profissionais da indústria, mas desconhecidas por quem não é da área de embalagens ou está iniciando seu negócio. Não temos a pretensão de citar aqui todos os problemas ou possíveis caminhos a seguir, mas sim, alertar o leitor quanto aos mais comuns.

Quando falamos em frascos plásticos, é importante lembrar que estes podem ser de PET, PVC, PP, PE ou PS. Normalmente essas siglas vêm em alto relevo no fundo do frasco, sob um pequeno triângulo contendo um número em seu interior. Esse número é uma identificação padrão do tipo de plástico que compõe o frasco. Esses frascos são normalmente soprados para serem produzidos. Pela sua excelente transparência e compatibilidade com todos os produtos, o PET é hoje o plástico mais utilizado para shampoos, sabonetes líquidos, loções, condicionadores, óleos de banho e, até mesmo, colônias. O PP e PE também são utilizados quando não se requer uma boa transparência. Normalmente se evita o PVC, pela sua característica quebradiça (pode “quebrar” quando cai no chão).

Na próxima coluna daremos continuidade a este assunto, falando de outras famílias de embalagens e suas peculiaridades, ainda com o objetivo de ajudar e alertar quanto à escolha da melhor embalagem para cada produto.

Novos Produtos