Testes Alternativos

Edicao Atual - Testes Alternativos

Editorial

Falta inspiração

Vivemos momentos de transformações em várias esferas. Por ora, estamos no meio da “revolução”. As mudanças também se apresentam nos acontecimentos recentes de contestação dos brasileiros, que demonstram novas facetas de comportamento, de postura frente ao que se quer e ao que não se quer, e há a emersão de questionamentos sobre o velho (e bom?) “jeitinho brasileiro”.

Existem formas de nos prepararmos para mudanças e rupturas?

Contudo, em tempos de mudanças, talvez o mais importante não seja perguntar “O que fazer?”, mas, sim, “Por que fazer?”. O que inspira empresas a fazer o que fazem? Qual é a essência do que você faz? Ter essas repostas e todas as suas implicações positivas e negativas talvez seja o caminho para responder a questionamentos ou para traçar a melhor rota em tempos tempestuosos.

Para Simon Sinek, autor do livro Start with why: how great leaders inspire everyone to take action, precisamos buscar o nosso “big why”, ou seja, qual é o nosso propósito, aquilo que nos inspira.

Saber o “porquê” confere equilíbrio e peso às tomadas de decisão. Esse caminho é válido para o governo, para a sociedade e suas demandas, para empresas e para cada um de nós desde quando se levanta, todos os dias. O que o inspira?

Esta edição de Cosmetics & Toiletries Brasil aborda, na matéria de capa, os testes alternativos que estão em fase de desenvolvimento no Brasil, em sintonia com a tendência global de utilização de métodos que prescindem do uso de animais, sempre que esses procedimentos estiverem disponíveis. Além de poupar o animal, testes in vitro oferecem, em determinados casos, maior rapidez na obtenção dos resultados, entre outras vantagens, em comparação com as metodologias que utilizam animais. A seção “Persona” apresenta a trajetória de Luiz Fernando Coimbra, profi ssional que é testemunha (e personagem) do processo de desenvolvimento do mercado cosmético no país, nas últimas quatro décadas.

Nesta edição, os artigos técnicos abordam a efi cácia de ativos naturais na reparação dos cabelos; os cuidados na seleção da fragrância para produtos de proteção solar; o neuroslimming como um novo conceito no tratamento corporal; e uma pesquisa bibliográfica sobre a toxicidade dos ftalatos. A fi siologia das unhas é o tema da seção “Fundamentos da Cosmetologia”.

Boa leitura!

Hamilton dos Santos
Publisher

Reparação de Cabelos Com Ativos Naturais - Jean-Chistophe Choulot, PhD (Ales Group, Bezons, França)

Este artigo revisa a estrutura dos cabelos e os vários tipos de dano, demonstrando que os tratamentos de reparação podem intervir em vários níveis no interior dos cabelos. Embora frequentemente sejam utilizados agentes formadores de película, estes retardam ou evitam a penetração dos agentes ativos. Por isso, foi formulado e testado, por sua capacidade de reparo, um soro que inclui ativos naturais e não contém formadores de película.

Este artículo analiza la estructura de los cabellos y los diversos tipos de daños, que muestra que los tratamientos de recuperación pueden intervenir a varios niveles dentro del cabello. Aunque a menudo se usan agentes formadores de película que retardan o previenen la penetración de agentes activos. Por lo tanto, se ha formulado y probado, por su capacidad para fijar, un suero que incluye ingredientes activo naturales y no contiene formadores de película.

The present article reviews the structure of hair and various types of hair damage, demonstrating that repair treatments must intervene at several levels within hair. While film-forming agents are often used, they slow or prevent the penetration of actives. A hair serum including natural actives and omitting these film-former was thus formulated and tested for its repair capabilities.

Comprar

Perfumação de Protetores Solares - Jill B. Costa, PhD (Bell Flavors and Fragrances, Northbrook, IL, EUA)

Os produtos de bronzeamento artificial, natural e de autobronzeamento possuem diferentes perfis de uso. Por conseguinte, para a perfumação de cada tipo de produto existem considerações especiais no que diz respeito à estrutura global da fragrância e aos perfis olfativos que funcionam melhor. O presente artigo revisa a estrutura das fragrâncias e discute considerações específicas de cada tipo de produto para auxiliar os formuladores no delineamento de produto protetor solar de sucesso.

Productos para bronceado artificial, natural y de auto-bronceado tienen diferentes formas de uso, por esta razón, para añadir fragancia en cada tipo de producto tiene que llevar en cuenta algunas consideraciones especiales con respecto a la estructura global de la fragancia y de los perfiles olfativos que funcionan mejor. En el presente artículo de revisión es enfocada la estructura de la fragancia y se analizan las consideraciones específicas para cada tipo de producto para ayudar los formuladores llegar al diseño de productos de protección solar de éxito.

Outdoor, indoor and self-tanning products have different usage profiles, thus fragrancing each product type has special considerations with respect to the overall fragrance structure and the types of characters that work best. The present article review fragrance structure and discusses specific considerations for each product type to assist formulators in designing successful sun care products.

Comprar

Neuroslimming: um Novo Conceito em Tratamento Corporal - John Jiménez, Juan C Salgado, Lina Bonilla (Centro de Innovación de Belcorp, Bogotá, Colombia)

Nesta pesquisa, desenvolvemos um modelo que permite estudar o efeito lipolítico em um sistema de culturas celulares com as linhagens PC12/3T3, no qual a comunicação celular é melhorada pelo efeito de um novo ativo. Os resultados in vitro foram refletidos na eficácia redutora e anticelulite. A eficácia in vivo foi relacionada com o impacto psicológico em mulheres que foram diagnosticadas, com a ajuda de um psiquiatra, como deprimidas. No final do estudo, foi demonstrado que o conceito de neuroslimming pode ter impacto direto na melhora da qualidade de vida das mulheres.


En esta investigación hemos desarrollado un modelo para estudiar el efecto lipolítico en un sistema de cultivos celulares con las líneas PC12/3T3, donde la comunicación celular es mejorada por un nuevo activo. Los resultados in vitro se han reflejado en eficacia reductora y anticelulítica. La eficacia in vivo se relacionó con el impacto psicológico en mujeres que fueron clasificadas con depresión con la ayuda de un siquiatra. Al final del estudió se demostró que el concepto de neuroslimming puede tener un impacto directo en la mejora de calidad de vida de las mujeres.

In this research it was developed a model to study the lipolytic effect in PC12/3T3 lines cell culture system where cellular communication is improved by a new active ingredient. The in vitro results have been reflected on improving the reduction and anticellulite efficacy. The in vivo efficacy was related to the psychological impact on women who were classified with depression with the help of a psychiatrist. At the end of the study it was showed that the concept of neuroslimmming can have a direct impact on improving the women quality of life.

Comprar

Toxicidade de Ftalatos em Cosméticos - Paola Couto Zuccoli, Luciana Meireles Lobato, Juliana Azevedo de Magalhães, Guilherme Carneiro (Curso de Farmácia, Faculdade Pitágoras, Belo Horizonte MG, Brasil)

Os ftalatos assumem diversas funções em cosméticos, como plastificantes e fixadores. Sua toxicidade aguda é baixa, porém existem indícios de toxicidade crônica. Apesar de terem sido realizados inúmeros estudos toxicológicos, ainda são necessárias maiores pesquisas a fim de esclarecer o quanto a toxicidade dessas substâncias pode afetar a saúde humana.

Los ftalatos presentan muchas funciones en cosméticos, como plastificantes y fijadores. Su toxicidad aguda es baja, sin embargo hay indicios de toxicidad crónica. Aunque muchos estudios toxicológicos han sido realizados, aun así hace
necesario mayores investigaciones a fin de esclarecer en que intensidad puede la toxicidad afectar la salud humana.

Phthalates present several functions in cosmetics, such as plasticizers and fasteners. Their acute toxicity is low; however chronic toxicity has been reported. Although several toxicological studies have been performed, much remain to be done to properly identify how the toxicity of those compounds can affect human health.

Comprar
Carlos Alberto Pacheco
Mercado por Carlos Alberto Pacheco

Um olhar sobre o brilho do segmento de maquiagem

Na mente de muitos consumidores, o mercado de cosmtico se confunde com o de maquiagem. No para tanto, pois, enquanto os segmentos de desodorantes, xampus e sabonetes remetem ideia de higiene pessoal, a maquiagem, ao lado do segmento de perfumaria, aponta para o que talvez seja o que mais se aproxime das aspiraes de quem compra um cosmtico: beleza, bem-estar e, embora no principalmente, status.

Vale lembrar que o segmento de maquiagem compreende um vasto nmero de produtos para o rosto (corretivo, p, blushes), olhos (mscara, sombra, delineadores), lbios (batons, gloss, lpis) e unhas (esmaltes, produtos para tratamento das unhas, cintilantes).

Atualmente, o Brasil, que representa a terceira maior economia cosmtica mundial (US$ 42,0 bilhes de faturamento com vendas ao consumidor 9,6% do market share mundial), faturou com o segmento de maquiagem 8,3%, em 2012, com perspectivas de crescimento mdio no pas de 15% nos prximos 5 anos. Esses nmeros sustentam o segmento de maquiagem nacional como o terceiro maior mercado mundial.

O mercado brasileiro muito promissor para esse segmento. Da vasta populao de 190 milhes de habitantes, 51% so do sexo feminino, sendo que 85% vivem em centros urbanos e tm poder aquisitivo maior que os habitantes das regies rurais. Do total da populao feminina, 82% se encontram na faixa etria de 15 a 45 anos e se concentram na Regio Sudeste (a mais populosa e a segunda maior do pas em renda per capita).

O mercado nacional ainda est fortemente concentrado em produtos para os lbios e para as unhas (respectivamente 41% e 28%), diferentemente do mercado estrangeiro, concentrado em produtos dirigidos para o rosto e para os olhos. A razo disso passa pelo valor final dos produtos: os primeiros possuem valor de compra menor quando comparados com os ltimos. No entanto, os nmeros indicam a tendncia de aumento de consumo de produtos para o rosto e para os olhos, sem diminuir o atual consumo de itens para os lbios e para as unhas.

No Brasil, as gigantes do setor, Avon (30%), Natura (20%) e LOral (10%), somadas s outras sete empresas lderes do segmento, concentram 84% do faturamento.

Nesse mercado, a Avon tem as linhas Ultra Color e Ideal Face Base que representam um em cada 3 produtos vendidos no segmento. A Natura, com 460 funcionrios em trs turnos, opera trs mquinas de batom com capacidade de 12 mil unidades/hora e desenvolve a linha Aquarela. A LOral com todo o seu glamour de empresa francesa tradicional no mercado cosmtico e lder mundial do setor cosmtico trabalha com a linha/ideia Accord Parfait.

Uma particularidade interessante desse segmento o canal de vendas. Estas so fortemente realizadas pela venda direta, canal perfeitamente dominado pelas duas lderes do segmento. Cerca de 78% das vendas so realizadas por meio desse canal. A indicao da consultora e a explicao prtica do modo de uso de cada um dos itens so fatores essenciais para a venda e para a fidelizao do consumidor em relao marca. Cientes desse fator crtico, outros players como Unilever, P&G, O Boticrio, Contm 1g e Nivea , tm investido, em seus prprios canais de vendas, formas inovadoras e criativas de pontos de venda. Entre essas formas esto os famosos cursos de maquiagem, realizados em quiosques de shopping centers e destinados a iniciantes.

O papel do cinema, da televiso e de videoclipes fundamental para despertar e sustentar o desejo de se maquiar. A associao da imagem de uma pessoa bem-sucedida, de bem com a vida e feliz com o esteretipo da beleza fatalmente leva muitas pessoas a se maquiarem, seja para corrigir imperfeies, seja para realar atributos j existentes. Aqui entra a necessidade da existncia do rgo regulador do Ministrio da Sade, a Agncia Nacional de Vigilncia Sanitria (Anvisa) para coibir excessos nos apelos de marketing em relao aos atributos dos produtos e para estabelecer uma regulamentao para os produtos destinados ao pblico infantil e estar atenta ao cumprimento dessas normas.

Sem dvida, esse um segmento bom para se apostar, porm exige muito profissionalismo e investimentos, no deixando espao para amadores.

John Jimenez
Tendncias por John Jimenez

Cosmeprt--porter

A moda uma necessidade e no um capricho. Assim como os cosmticos, a moda tem a capacidade de nos transformar em pessoas diferentes. Prt--porter uma expresso francesa que significa pronto para levar. Refere-se ao universo de produtos produzidos atendendo a padres) e se manifesta na moda que se v diariamente nas ruas. E, assim como o perfume considerado o toque final de uma vestimenta, os cosmticos e a moda tambm compartilham tendncias. Algumas destas so:

Feminized menswear fashion: consiste na presena de elementos femininos na moda masculina. Os desenhistas esto cruzando novos limites em suas propostas. Cores como rosa, lils e roxo predominaram nos desfiles mais recentes.

New roles, new fragrances: cada vez mais, as mulheres desejam fragncias com notas masculinas e esto sendo produzidos perfumes masculinos com toques femininos, sendo que o fumo, a lavanda e os ctricos j no so os predominantes e esto sendo substitudos por cheiros de rosa, jasmim e flores. As fragrncias convergem.

Glamorous retro: tendncia criada por desenhistas que esto aproveitando o vero 2013 para homenagear o estilo hippie dos anos 1060. Essa tendncia oferece novas oportunidades para se trabalhar com elementos do passado, como silhuetas, acessrios e modelos de inspirao vintage.

Retro beauty. The vintage beauty: assim como na moda, as tendncias de beleza vm e vo, e voltam a vir. Conceitos criativos em cabelo e maquiagem tm renascido. Tem-se visto, na internet, tutoriais para se conseguir looks dos anos 1940 e 1960.

Vitamine fashion: o vero de 2013 est carregado de cores vivas, prprias de lugares onde o Sol sempre brilha. Essa uma nova forma de encontrar inspirao cromtica. Assim nasce o novo Look Sport, que compreende a invaso de produtos desportivos e ao mesmo tempo elegantes, para uso urbano.

Vitabeauty: a tendncia em cosmtica oral continua e especializa-se. Vemos lanamentos de nutricosmticos desenhados especialmente para serem consumidos no vero. Essa a nova dieta do bronzeado, que tambm ajuda a pele a proteger-se dos efeitos do Sol.

Silk rebellion: a rebelio da seda pura que ilumina novas coleces de diferentes acessrios, como gravatas, lenos etc. Novas texturas graas a perfuraes a laser ou feitas com fios de seda que criam novos efeitos.

Silk sense: em cosmtica, a seda natural e outros polmeros vegetais tm sido criados sinttica ou biotecnologicamente. Novos efeitos sensoriais nos levam a diversas experincias com o uso do produto.

i-Fashion: a compra inteligente de roupas. Graas a novos softwares de lojas especializadas, possvel vermos como um modelo cairia em nosso corpo antes mesmo de prov-lo e compr-lo.

Beleza carta: a nova forma de adquirir cosmticos personalizados que tm migrado da perfumaria para o skin care, para a maquiagem e para a hair care. Os consumidores j podem comprar cosmticos preparados sob medida, no s os formulados por dermatlogos.

DIY men care: uma interessante tendncia que se manifesta em celebraes, por exemplo, no Dia dos Pais. Propostas de cremes faciais e after shave fceis de serem usados pelos meninos, com conceitos de sustentabilidade e eficcia.

Print camouflage: a densa selva da Tailndia uma nova referncia para um estilo que renova o print camouflaje com cdigos modernos. Muitas empresas se adentram na selva tropical como nova inspirao de colees urbanas.

Cosmelatam: tm surgido novos ingredientes cosmticos com conceitos naturais provenientes de pases com alta diversidade, como Colmbia, Peru, Chile, Venezuela e Argentina.

Cosmeprt--porter = cosmetic trends + fashion trends. Porque no h nada to sedutor como a moda que pode inspirar novos conceitos cosmticos.

Wallace Magalhes
Gesto em P&D por Wallace Magalhes

Estudos de estabilidade e prazos de validade

No Brasil, a obrigatoriedade de registrar o prazo de validade nas embalagens foi estabelecida pelo Cdigo de Defesa do Consumidor, no Art. 31. E esse foi um artigo que pegou porque as autoridades cobram e, principalmente, os consumidores exigem.

Falando de forma simples, o prazo de validade de um produto define at quando o fabricante se responsabiliza por ele, no que tange sua segurana e eficcia.

Para cosmticos, o prazo de validade estabelecido no estudo de estabilidade acelerado, por meio do qual a formulao submetida a diferentes ambientes com o objetivo de acelerar o envelhecimento do produto e assim verificar sua resistncia fisicoqumica e microbiolgica. As formulaes devem ser testadas em embalagem inerte, normalmente de vidro neutro, e na embalagem na qual sero comercializadas, para verificar sua compatibilidade. Se essa embalagem ainda no tiver sido definida, recomenda-se usar uma embalagem semelhante, do mesmo material, de preferncia com capacidade e caractersticas parecidas. Esses estudos devem ser bem planejados e os resultados obtidos pelas anlises das amostras, bem interpretados.

Nos protocolos mais usados nos estudos de estabilidade, a formulao submetida centrifugao, ao frio, a ciclos de aquecimento e resfriamento, exposio luz solar direta e a uma temperatura elevada. A avaliao feita sempre por meio da comparao dos resultados de anlises das amostras testadas com os resultados obtidos na amostra mantida em temperatura ambiente, normalmente mantida protegida da luz. O ambiente frio vai apontar a ocorrncia de turvao ou precipitaes. De maneira semelhante, o ciclo de aquecimento e resfriamento busca verificar se a formulao um sistema que resiste ao estresse de temperatura. No caso de emulses, principalmente nas mais complexas, alm das anlises rotineiras, seria justificvel centrifugar as amostras no trmino do teste de ciclo. Isso porque a variao de temperatura pode causar alteraes no sistema emulsionante, que ficariam mais evidentes com a centrifugao.

Dentre os ambientes a que a formulao pode ser submetida, o nico cientificamente relacionado ao clculo do prazo de validade o aquecimento em estufa porque este fornece energia de ativao de forma contnua. Apesar de muitos tcnicos estabelecerem o prazo de validade estimado arbitrando um valor e justificando que os resultados de anlises do estudo de estabilidade ficaram dentro de valores previstos, possvel estabelecer esse prazo por meio de equao matemtica, relacionando: velocidade de reao, diferena de temperatura das amostras (ambiente e estufa) e perodo de teste com aplicao da regra de Vant Hoff. Por isso, a escolha das temperaturas e do prazo de durao do teste, como tambm o correto ajuste de parmetros fsico-qumicos, como pH e viscosidade, no meio da faixa de especificao, so decisivos para o resultado do estudo. De uma forma ou de outra, na maioria das vezes, o prazo de validade estabelecido por estimativa e deve ser confirmado com o teste de prateleira (shelf life).

Nossas indstrias tm feito a marcao da validade, fixando uma data a partir da fabricao, o que atende legislao, mas esconde uma imperfeio porque no leva em conta que esse prazo pode ser alterado quando o produto for aberto. A, nessa situao, o risco pode ser de fabricantes e consumidores. Portanto, para cosmticos, parece recomendvel adotar uma forma de registrar os prazos da validade normal e uma indicao da validade aps a abertura do produto. Se um produto fabricado em Julho/2013, com prazo de validade de dois anos, for aberto em Agosto/2013, seu prazo de validade expirar em fevereiro de 2014 se a data de validade aps este ser aberto for de seis meses.

Apesar de o sistema atual, com uma nica data, no ter causado problemas, o sistema com duas datas parece ser mais adequado porque tecnicamente justificado e protege o consumidor de uma possvel alterao no produto.

A estabilidade um atributo tcnico fundamental do produto porque variaes, alm dos valores estabelecidos em sua especificao, podem alterar seu modo de ao, afetando sua eficcia e segurana. Deve-se ressaltar tambm o carter econmico do estudo de estabilidade. Produtos instveis podem representar grandes prejuzos para o fabricante, como perda de estoques, devolues, perda de mercado e at indenizaes por efeitos indesejados. Por isso, alm de ser uma obrigao sanitria, o estudo de estabilidade um critrio de valor econmico das empresas e no deve ser relegado ao segundo plano.

Carlos Alberto Trevisan
Boas Prticas por Carlos Alberto Trevisan

Controle de processo

necessrio identificar e planejar os processos de produo, instalao e servios associados, que influenciam diretamente a qualidade, e deve-se assegurar que esses processos sejam realizados em condies controladas.

As condies controladas so:

1. Procedimentos documentados, definindo-se o mtodo de produo, instalao e servios associados, em circunstncias nas quais a ausncia desses procedimentos possa afetar adversamente a qualidade.

2. Uso de equipamentos adequados de produo, instalao e servios associados, em um ambiente adequado de trabalho.

3. Conformidade com normas/cdigos de referncia, planos da qualidade e/ou procedimentos documentados.

4. Monitoramento e controle de parmetros adequados do processo e de caractersticas do produto.

5. Aprovao de processos e equipamentos apropriados.

6. Critrios de execuo que devem ser estipulados de maneira prtica, clara e objetiva: normas e amostras representativas ou ilustraes.

7. Manuteno adequada de equipamentos para assegurar a continuidade da capacidade do processo.

Nos casos em que os resultados dos processos no puderem ser plenamente verificados por meio de inspees e ensaios do produto, e nos quais, por exemplo, as deficincias de processamento puderem tornar-se aparentes somente quando o produto estiver em uso, os processos devero ser executados por operadores qualificados e/ou ter monitoramento contnuo e controle dos parmetros de processo, para assegurar que os requisitos especificados sejam atendidos.

Os requisitos para qualquer qualificao de operaes de processos, inclusive equipamentos e pessoal associados, devem ser claramente especificados.

Poder ocorrer a necessidade de pr-qualificao de alguma etapa particular do processo e, nesse caso, esse processo dever ser considerado especial.

Para que o controle possa ocorrer, devero ser mantidos registros para as etapas dos processos, dos equipamentos e do pessoal qualificado.

A finalidade da documentao garantir que o processo seja realizado em condies controladas, como: instrues, instalaes e condies de operao; qualificao de processos; e critrios de execuo dos trabalhos.

O modelo a ser seguido o da liberao e pontos crticos; do controle de qualidade com o auxlio de caractersticas apropriadas ao produto; dos processos especiais; e da qualificao do pessoal, dos processos e das instalaes.

As condies podem ser controladas por meio de: instrues de trabalho; equipamentos adequados de produo; equipamentos adequados de instalao; condies adequadas de trabalho; atendimento s normas; e atendimento aos planos da qualidade.

As informaes bsicas que devem ser consideradas so: processos e procedimentos por produto/atividade; controle; monitoramento; aprovao prvia de alteraes; manuteno preventiva e, se necessrio, corretiva; instrues de trabalho; padres de referncia, cdigos e planos da qualidade; amostras representativas de insumos e produtos; registros da qualidade; aprovao das mudanas nos processos; aprovaes da qualificao dos processos especiais, de seus equipamentos e de pessoal, conforme for apropriado; resultados do monitoramento dos processos; manuteno do processo.

Deve sempre ser observado o bom senso na definio dos controles, diferenciando-se bem os critrios necessrios, recomendveis e complementares.

So necessrios controles que, caso no sejam executados, comprometero, de imediato ou em mdio prazo, as caractersticas do produto quanto sua utilizao e segurana pelo cliente.

Nesse caso, no devero ser admitidos desvios de qualidade. Se estes ocorrerem, devero ser imediatamente investigados e o produto dever ser segregado.

Os critrios recomendveis so aqueles que complementarmente proporcionam maior segurana ao produto, por exemplo, anlises complementares de insumos ou testes de segurana de utilizao de produtos.

Em hiptese alguma, a empresa deve permitir que produtos ou servios colocados venda possam, mesmo remotamente, causar qualquer tipo de risco ao consumidor.

Denise Steiner
Temas Dermatolgicos por Denise Steiner

Unhas

As unhas so estruturas complexas e importantes para o organismo humano. Alteraes ungueais podem ser marcadores de doenas graves ou tambm de alteraes metablicas e fisiolgicas em fases especiais da vida. Ao contrrio dos cabelos, que tm fases de crescimento e fases de repouso, as unhas crescem ininterruptamente. A velocidade mdia de crescimento de 1 cm a cada 3 meses para as unhas da mo e metade dessa velocidade se aplica s unhas do p. As unhas crescem mais rapidamente durante o dia, na gestao e durante o vero. O crescimento fica mais lento durante a noite, nos idosos e durante o inverno. Por estarem crescendo o tempo todo, as unhas so extremamente sensveis a alteraes hormonais, nutricionais ou qualquer doena sistmica.

Queixas frequentes:

Unhas frgeis: qualquer situao em que o estado nutricional, hormonal ou o estado de sade geral esteja alterado pode se refletir nas unhas, deixando-as frgeis. Uma forma especial de fragilidade das unhas, denominada onicosquizia, o descolamento das pores superficiais da lmina ungueal. Esta pode ter vrias causas, sendo as mais frequentes o excesso do uso de produtos qumicos (principalmente de esmaltes e bases) e molhar as unhas com frequncia.

Descolamento da unha (oniclise): o descolamento de toda a unha do leito ungueal. Suas causas so diversas, como doenas prprias da unha, psorase, lquen plano, micoses e alergia a medicamentos. Porm, a principal causa o trauma, que pode ser: um trauma repetitivo causado pelo uso de calados apertados, o trauma agudo e, mais comumente, o trauma ocasionado pela limpeza excessiva da unha feita pela prpria pessoa.

Onicomicose: uma infeco que atinge as unhas, causada por fungos. As unhas mais comumente afetadas so as dos ps, pois o ambiente mido, escuro e aquecido, encontrado dentro dos sapatos e tnis, favorece o seu crescimento. Manifestaes clnicas: unhas espessadas, duras, amareladas, com material escamoso depositado embaixo delas. A apresentao da onicomicose bastante varivel e extremamente difcil de ser diferenciada de outras doenas das unhas, portanto, consultar um especialista fundamental.

Como evitar? No andar descalo em pisos constantemente midos (como os de lava ps, vestirios e saunas). Observar a pele e o pelo de seus animais de estimao (ces e gatos). Ter seu prprio material para levar a manicure, principalmente lixas de unha e lixas de p. Evitar usar calados fechados o mximo possvel, optando pelos mais largos e ventilados. Evitar meias de tecido sinttico, preferindo as de algodo.

O tratamento, em geral, feito com medicao sistmica e deve ser indicado pelo dermatologista. A substncia a ser usada deve ser escolhida com base no agente causador da micose. Este deve ser identificado por meio de exame apropriado.

Outra queixa frequente a de unha encravada. Esta ocorre quando uma de suas pontas penetra na pele circunjacente. A causa do encravamento , geralmente, o hbito errado de cortar os cantos das unhas. Isso causa a formao de uma espcula na ponta cortada e permite que, com o peso do corpo, a pele que antes estava embaixo da unha se projete para cima e entre na frente desta. Ao crescer, a unha encrava nesse local.

O uso de sapatos de ponta fina tambm facilita o encravamento das unhas. Em crianas recm-nascidas, o uso de macaces fechados na rea dos ps tambm pode ocasionar o problema se essas roupas no forem bem folgadas.

Os dedos mais atingidos so os dos ps, principalmente o hlux, e as unhas encravam nos cantos. O quadro se inicia com dor local que vai aumentando de intensidade com o passar do tempo e pode tornar-se insuportvel. A pele ao redor da unha fica inchada e avermelhada, podendo haver eliminao de pus e formao de um granuloma piognico.

Para prevenir o encravamento das unhas, aconselha-se cort-las corretamente, deixando-as com bordas retas, e evitar usar constantemente calados apertados e fechados.

Os tratamentos variam de acordo com a intensidade de cada caso e devem ser realizados pelo dermatologista. Entre eles esto: a tentativa de desencravar a unha por meio de chumao de algodo ou de rteses manipuladas por podlogos; a cauterizao qumica ( base de cidos) do granuloma piognico; e a cirurgia, com a remoo da poro encravada incluindo a raiz dessa parte da unha, evitando assim recidivas do quadro. Em caso de infeco secundria, pode ser necessrio utilizar antibiticos de uso local ou via oral.

Antonio Celso da Silva
Embale Certo por Antonio Celso da Silva

Testes necessrios em embalagens

A pergunta que mais ouo de pessoas cujas empresas ainda no tm um controle de qualidade de embalagens implantado : Quais testes eu preciso fazer nas embalagens?. A pergunta seguinte, obviamente, que elas fazem : Como devo fazer esses testes?.

Para tentar ajudar a essas pessoas, que no so poucas, resumirei, a seguir, o bsico para a inspeo de embalagens durante seu recebimento.
Antes, porm, preciso dividir esses testes em duas categorias: testes visuais, que geram os defeitos por atributos, e testes dimensionais, que geram os defeitos mensurveis.

importante ressaltar que no basta fazer os testes. Isso porque preciso ter parmetros para aprovar ou no o lote em funo do resultado do teste. Para tanto, preciso que a empresa tenha implantado o plano de amostragem e definio dos respectivos NQAs (nveis de qualidade aceitvel), ou, pelo menos, tenha conhecimento sobre este.
Os defeitos por atributos, como citei acima, so resultado de testes visuais. So eles: manchas, borres, sujeiras, falhas de gravao, bolhas, entre outros.

No existem parmetros para medir esses defeitos. O que tenho visto a criao de um lbum de defeitos, no qual o cliente e o fornecedor escolhem ou simulam esses defeitos e definem padres de aceite. Esse lbum feito em duplicidade, sendo que cada empresa (cliente e fornecedor) tem o seu.

Outro teste que tambm pode ser considerado nessa famlia de atributos a avaliao de cor de uma embalagem. Os caminhos mais usados para realizar esse teste so os padres de mximo e mnimo, feitos pelo fornecedor, ou a escala Pantone.

importante salientar que na escala Pantone normalmente se define uma cor, representada por um nmero. Nesse caso, no existe variao para mais ou para menos.

Os defeitos dimensionais, por sua vez, so resultado dos testes por meio dos quais possvel medir a embalagem. Os parmetros esto descritos em um desenho tcnico da pea e so definidas variaes para mais e para menos, normalmente em mm. Em um dimetro interno de gargalo de um frasco, por exemplo, a medida poderia ser de 20,00 mm 0,10 mm, o que significaria que, se o frasco tivesse um gargalo com variao de 19,90 a 20,10, o lote seria aprovado. bvio que, nesse caso, seria necessrio considerar a inexistncia de outro defeito no lote, que o reprovasse.

Os testes dimensionais a serem feitos, normalmente, so: altura, largura, profundidade, espessura, dimetros interno e externo, peso, volume, entre outros.

Costumo dizer que fazer e definir a aprovao ou no dos testes dimensionais tranquilo. Isso porque os nmeros, se estiverem dentro da variao padro (mximo e mnimo) ser aprovado, e, se estiverem fora, reprovado. O difcil definir a aprovao para os defeitos por atributos, sobre os quais os testes so normalmente subjetivos e dependem da experincia e do conhecimento individual dos tcnicos e de inspetores de qualidade.

Existe outra famlia de testes. Estes, em minha opinio, so os mais especficos e os mais difceis.
Digo isso porque no existem normas especficas para esses testes, os equipamentos usados para realiz-los tambm no so especficos e assim fica na negociao entre o cliente e o fornecedor. Muitas empresas criam ferramentas prprias para avaliar e definir a aprovao das peas.

Como saber se a tampa de um batom est dura ou mole para abrir? E se o fechamento de uma tampa flip-top fcil ou difcil de ser realizado? Nesses casos, pode ser usado um dinammetro, por meio do qual a fora para abrir ou fechar a pea ser definida por nmeros com variao de mximo e mnimo esse um teste dimensional.

Para fazer esses testes, as empresas recorrem a ferramentas feitas em casa, que simulam um dinammetro com valores pr-definidos.

Existem tambm os testes realizados com as ferramentas passa no passa ou go no go, que tambm so feitas em casa e dispensam a medio, o que agiliza a inspeo.

Outros testes especficos so: adesividade nos rtulos, colagem e direo de fibra nos cartuchos, funcionamento do mecanismo em estojo de batons e bombas/vlvulas, teste de queda em frascos, scotch test nas gravaes em frasco plsticos, stress test nas dobradias de tampas flip-top etc.

Um dos testes mais importantes ao se avaliar uma embalagem o de vedao (quando requerido), feito para detectar possveis vazamentos no acoplamento tampa/frasco. Embora muitas empresas usem a criatividade para fazer esse teste, a forma de realiz-lo mais usada e considerada oficial submeter o conjunto a uma cmara de vcuo durante 1 minuto a 1 atm ou 760 mm de Hg. No deve ocorrer vazamento.

importante ressaltar que muitos testes so feitos durante o desenvolvimento da embalagem e no necessrio repeti-los no recebimento. Um desses testes o de compatibilidade produto/embalagem.

Eu poderia continuar a tratar desse assunto e produzir mais pginas e pginas, mas meu objetivo proporcionar uma viso bsica sobre o que se deve analisar em uma embalagem. Lembrando sempre que, sobre esse assunto, ministro cursos especficos de implantao do controle de qualidade de embalagem em uma empresa.

Novos Produtos