17 de Outubro de 2018

Depilatórios

Ver Revista na íntegra Edição Atual - Depilatórios

Expectativa

Analistas apontam que o principal desafio do próximo presidente será corrigir o desequilíbrio fiscal dos cofres públicos. Será preciso implantar medidas que tornem o país mais atrativo aos investimentos e permitam um crescimento sustentável nos próximos anos.

Fatores como as altas taxas de desemprego, os efeitos da paralisação dos caminhoneiros e a incerteza eleitoral mostram que o momento é delicado e que a economia segue reagindo a passos lentos. O PIB do Brasil cresceu 0,2% no segundo trimestre do ano. No entanto, a mediana das projeções do mercado para o crescimento da economia em 2018 voltou a recuar na primeira semana de setembro, de 1,47% para 1,44%, segundo a pesquisa semanal Focus, produzida pelo Banco Central.

Entre paixões, rejeições e muitas dúvidas, esta eleição presidencial terá o maior número de candidatos desde a disputa de 1989. Nunca é demais lembrar que o voto é a manifestação de maior relevância na democracia e que nossas escolhas – que devem ter como base o histórico político do candidato, suas propostas e a viabilidade de aplicação – podem representar avanços ou retrocessos.

Esta edição de Cosmetics & Toiletries Brasil aborda, na seção Enfoque, a representatividade dos millennials. A reportagem traz dados sobre perfis de comportamento, a relação com as marcas e as tendências de mercado alinhadas às demandas desses jovens consumidores. Em Persona, apresentamos a trajetória de Wallace César Porto Magalhães.

Os artigos técnicos abordam a remoção de pelos indesejados, prática crescente, adotada por mulheres e homens, que vem desde o Egito antigo; problemas de estabilidade; “danos” aos cabelos (último artigo da trilogia), entre outros. Nesta edição estamos dando sequência à publicação dos abstracts dos pôsteres, apresentados ao 31º. Congresso Brasileiro de Cosmetologia, realizado em maio passado.

Hamilton dos Santos
Publisher

 

Técnicas de Remoção de Pelos - Hamilton dos Santos (Cosmetics & Toiletries Brasil, São Paulo SP, Brasil)

Por razões variadas, ao longo do tempo, as mulheres e os homens sentiram necessidade de remover os pelos indesejados que recobrem seu corpo. As técnicas utilizadas para realizar essa operação evoluíram, entretanto, os métodos físicos e químicos tradicionais ainda convivem com o uso de variados e sofisticados tipos de laser.

Por razones variadas, a lo largo del tiempo, mujeres y hombre sintieron la necesidad de remover los pelos indeseados que recubren el cuerpo. Las técnicas utilizadas para esta operación evolucionaron, sin embargo, los métodos físicos y químicos tradicionales todavía conviven con el uso de variados y sofisticados tipos de láseres.

For various reasons, over time, woman and man felt the need to remove the unwanted hair that covers the body. The techniques used for this operation have evolved, however, traditional physical and chemical methods still coexist with the use of varied and sophisticated types of lasers.

Avaliando Problemas de Estabilidade - Peter Tsolis (Estée Lauder Comp., Melville NY, EUA); Angle D. Camacho (Bayport Laboratories, Houston TX, EUA)

A estabilidade de um produto cosmético é o grande desafio enfrentado pelo formulador. Os atributos delineados pelo P&D devem chegar integralmente ao consumidor como benefícios percebidos. Este artigo aborda como resolver alguns problemas de instabilidade antes que estes interfiram no desempenho do produto e se transformem em grande frustação para o consumidor.

La estabilidad de un producto cosmético es el gran desafío enfrentado por el formulador. Los atributos delineados por el I&D deben llegar íntegramente al consumidor como beneficios percibidos. Este artículo aborda cómo resolver algunos problemas de inestabilidad antes de que interfi eran en el rendimiento del producto y se convierten en una gran frustración para el consumidor.

The stability of a cosmetic product is the great challenge faced by the formulator. The attributes delineated by R&D should arrive fully to consumer as perceived benefits. This article discusses how to solve some instability problems before they interfere with product performance and become a major consumer frustration.

Como o Cabelo é Danificado? – Parte 3 - Trefor A. Evens, PhD (TRI Princeton, Princeton NJ, EUA)

Concluindo a série de três artigos sobre danos aos cabelos, este artigo traz considerações sobre novas ideias e estratégias para cabelos problemáticos. Ao identificar elementos no cerne das questões técnicas sobre cabelos, os responsáveis pelo desenvolvimento de produtos vão descobrir opções que serão levadas em consideração para melhorar a saúde e a aparência dos cabelos.

Concluyendo la serie de tres artículos sobre daños al cabello, éste trae consideraciones sobre nuevas ideas y estrategias para cabellos problemáticos. Al identifi car elementos en el corazón de las cuestiones técnicas sobre el cabello, los responsables del desarrollo de productos van a descubrir opciones que se tendrán en cuenta para mejorar la salud y la apariencia de los cabellos.

Completing our three-part series, this final piece on hair damage provides insight on new ideas and strategies for problematic hair. By identifying elements at the heart of technical issues in hair, product developers will uncover options to consider for improving its health and appearance.

Tecnologia Polimérica Aplicada a Cosméticos Anti-idade - Fiammetta Nigro, Cristal dos Santos Cerqueira Pinto, Claudia Regina Elias Mansur (Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano – UFRJ, Rio de Janeiro RJ, Brasil); Elisabete Pereira dos Santos (Faculdade de Farmácia da UFRJ, Rio de Janeiro RJ, Brasi)l

O envelhecimento cutâneo é resultado de um processo biológico complexo. Diferentes grupos de ativos podem ser utilizados como componentes em formulações cosméticas anti-idade. Neste artigo são descritas novas metodologias de encapsulação de ativos, entre elas, o uso de polímeros, principalmente, como constituintes de sistemas de liberação controlada e direcionada de ativos.

El envejecimiento cutáneo es el resultado de un proceso biológico complejo. Diferentes grupos de activos pueden ser utilizados como componentes en formulaciones cosméticas anti-edad. En este artículo se describen nuevas metodologías de encapsulación de activos, entre ellas, el uso de polímeros, principalmente, como constituyentes de sistemas de liberación controlada y direccionada de activos.

Skin aging is the result of a complex biological process. Different groups of active ingredients can be used as components in cosmetic anti-aging formulations. In this paper, new methodologies of actives encapsulation are described, among them, the use of polymers, mainly as constituents of controlled and directed actives release systems.

Batons - Luciana Amiralian, Claudia Regina Fernandes (Phisalia Produtos de Beleza Ltda., Osasco SP, Brasil)

Neste artigo serão abordados: características do produto, definição, mecanismo de atuação, formulação e função de ingredientes, assim como o processo de fabricação de batons.

En este artículo se abordarán características de producto, definición, mecanismo de actuación, formulación y función de ingredientes, así como proceso de fabricación de lapices labiales.

In this article will be approached product characteristics, definition, mechanism of action, formulation and function of ingredients, as well as manufacturing process of lip sticks.

Carlos Alberto Pacheco
Mercado por Carlos Alberto Pacheco

Indicadores sociais das mulheres no Brasil

Em 2013, a Comissão de Estatística das Nações Unidas organizou o Conjunto Mínimo de Indicadores de Gênero - CMIG, constituído por 63 indicadores (52 quantitativos e 11 qualitativos), que refletem o esforço de sistematização de informações destinadas à produção nacional e à harmonização internacional de estatísticas relativas à igualdade de gênero e à ascensão do gênero feminino, o que não pode deixar de ser lido por quem elabora cenários de marketing.


As informações estão organizadas segundo os cinco domínios estabelecidos – Estruturas econômicas, participação em atividades produtivas e acesso a recursos; Educação; Saúde e serviços relacionados; Vida pública e tomada de decisão; e Direitos humanos das mulheres e meninas – e fornecem um panorama, ainda que sucinto, das desigualdades de gênero no País, com valiosos elementos para reflexão dos estrategistas de mercado.


A título de exemplo, no domínio “Estrutura econômica”, o estudo indica que a taxa de participação na força de trabalho para a população feminina de 15 a 24 anos foi de 48% em 2016, contra 60,7% da masculina. Um desnível maior é sentido quando se desagrega o indicador por cor, que indica uma taxa de 45,7% para as mulheres pretas/pardas. A taxa de desocupação feminina na mesma faixa etária não é diferente, pois apresenta a taxa de 31,3%, contra 24,1% para a masculina, e pior ainda para a mulher preta/parda, que é de 35,2%.


A distribuição percentual da população de 14 anos ou mais vem se concentrando nos últimos 5 anos anteriores a 2016 no setor de serviços independentemente do gênero e da cor. Embora ambos os gêneros estejam concentrados no setor de serviços, a população masculina é mais distribuída nos demais setores do que a feminina, que apresenta um percentual de 84,5% no setor de serviços e 4,7% no agrário, contra 56,7% no setor de serviços e 14% no agrário para a população masculina.


Dentro deste mesmo domínio, o indicador de renda é ainda mais funesto para o universo feminino, principalmente para a mulher parda/negra. Embora a diferença percentual ao longo dos anos venha diminuindo, em 2016 a renda média masculina era 30,8% maior do que a feminina. Comparando o homem branco com a mulher branca, esta diferença é de 38,2%; o homem branco com a mulher parda/negra, de 79,8%; e a mulher branca com a mulher parda/negra, de 74,2%. Isso indica não só uma diferença de gênero, mas também de cor e um sinergismo negativo brutal somando-se as variáveis gênero e cor.


Em relação ao domínio “Educação”, a taxa de alfabetização da população feminina de 15 a 24 anos é alta (99,4%) e superior à da população masculina em 0,7%, e curiosamente a taxa de alfabetização da população feminina preta/parda é superior à da masculina branca em 0,2%. No entanto, a taxa de conclusão do ensino médio mostra que apenas 9,7% da população entre 20 e 22 anos tem o ensino fundamental concluído, apenas 4,8% das mulheres brancas, e 2,7% das mulheres negras se formam.


Mais poderia se falar neste caleidoscópio de números, indicadores e cortes, mas independentemente de para onde se olha, o cenário feminino, e principalmente o da cor preta/parda, apresenta-se mais desfavorável do ponto de vista socioeconômico.


A participação da população feminina nas esferas de poder ainda é pequena, sendo de 7,1% no Poder Executivo e 11,3% no Legislativo, o que pode explicar uma força política ainda insípida na formulação de políticas no sentido de frear e reverter este quadro.


Este quadro ainda continua sendo uma realidade que precisa mudar a passos largos, porém sem um horizonte claro por parte das políticas públicas e longe dos programas de governo. São as diferenças gerando a diferença e a indiferença.

John Jimenez
Tendências por John Jimenez

Menvolution 3

Sem sombra de dúvida, a Copa do Mundo de Futebol da Rússia de 2018 foi um trend generator na cosmética masculina, já que vimos muitos jogadores marcando estilo e posicionando sua imagem. É por isso que também a procura dos produtos para a categoria men’s grooming segue no auge a nível global, e isso se vê refletido nos conceitos mais originais que geram as tendências. Também é interessante descobrir como diferentes culturas em torno do mundo desenvolvem hábitos específicos no cuidado masculino.


Dermatologists are the new black: Nesse ano, estamos vendo como as consultas com os dermatologistas estão no auge, tendo a finalidade de obter procedimentos mais eficazes para tratar o nível de sebo, acne, pele ressecada e imperfeições.


From beer barrel to shower gel barrel: Recentemente, uma marca britânica, preocupada com a geração de descartáveis de plástico, lançou uma caixa de recarga para o gel do chuveiro que tem volume de 5 litros, o que equivale a 25 garrafas de gel para o chuveiro. É fácil de encher e pode ser reutilizada.


Sensual male robots: Realbotix anunciou o desenvolvimento do primeiro robô íntimo masculino. É um protótipo interessante porque geralmente a indústria dos robôs sensuais foca em modelos femininos. O objetivo da companhia é diversificar seus clientes. O uso da inteligência artificial permite personalizar o robô para que possa cumprir diferentes funções.


Men’s brush: Os designers fizeram um bom trabalho ao
criar protótipos de pincéis e brochas para aplicar a maquiagem com um conceito que convida a quebrar o confinamento do gênero.


Barber-à-porter: Nesse ano, uma conhecida marca de roupas masculinas de Nova York abriu uma barbearia dentro das suas lojas de roupas. O objetivo é oferecer uma experiência única e inesquecível aos consumidores. Mesmo a roupa sendo importante, também temos outros fatores a considerar, como por exemplo o cuidado com o rosto, que influencia a forma que nos apresentamos ao mundo. Experiência 360º na aparência masculina.


Blue power: A tendência sinestesia segue nos surpreendendo em todas as categorias cosméticas. Recentemente, uma reconhecida marca de fragrâncias lançou um perfume inspirado nas cores mais masculinas. Para isso, associou-se a uma marca de roupas uma coleção com diferentes peças em que os diversos tons de azul são protagonistas e vão para uma fragrância em que o azul é o rei e que é inspirada na brisa do oceano.


Blogger boys: Da China até os Estados Unidos, do Cone Sul até o Canadá... Na internet, encontramos centenas de homens que compartilham seus conselhos de beleza nas redes sociais, em alguns casos ao vivo. Diferentes cores, texturas e acabamentos são parte dos conselhos destes heavy-users de produtos de skin care e maquiagens. As grandes marcas mundiais colocam seus olhos nestes futuros embaixadores dos produtos. Cada vez mais, vemos homens maquiados nos meios de comunicação e, por isso, esta é a nova tendência a seguir.


Men-gery: Calcula-se que, em média, 30% das cirurgias estéticas são buscadas e levadas a cabo por homens. Os novos padrões de beleza são inspirados nos super-heróis: um olhar sem olheiras, apesar de ter passado a noite salvando o mundo, uma mandíbula forte e bem marcada, que cause temor diante dos vilões, e, claro, sem sombra da papada. A lipomarcação, para marcar as áreas, a carboxiterapia, para as bolsas embaixo dos olhos e as olheiras, a rinomodelação (que utiliza ácido hialuronico para perfilar o nariz), a redução do peito e a eliminação da papada estão entre as mais populares.


Genderless: Esse conceito segue em tendência. Uma recente matéria do Cosmetic Business indica que os homens estão mais dispostos a comprar cosméticos se esses estão sob o esquema genderless, porque, ao remover o gênero nos produtos, também se remove o estigma de comprá-los e usá-los.


Mansks: A grande tendência das máscaras também está chamando a atenção dos homens com novos benefícios, como a cicatrização e a melhoria dos sinais de pós barbear, slimming facial e inibição dos pelos, entre outras.


Bye bye beard, hello tache: Neste ano, estamos descobrindo como as barbas estão morrendo e damos as boas vindas às barbichas. Tingir a barbicha está na moda. Não apenas para pintar os pelos brancos, senão para mudar de estilo.


Ilegal beauty: Essa tendência também chegou esse ano, com lançamentos de skin care formulados com fitocannabinoides, que prometem benefícios interessantes anti-idade.


Multifunctional: Diferentes benefícios num mesmo produto, como, por exemplo, óleos para pele, barba e cabelo e showers gel para limpar, hidratar e fazer a barba, entre outros.


Active beauty: Uma das grandes tendências para os próximos anos. Produtos no auge para antes, durante e depois dos exercícios físicos.


Menvolution = Men + Evolution. Cosméticos masculinos são uma categoria em que sempre encontraremos inspiração para inovar, levando em conta as marcas nicho e as mais globais.

Artur João Gradim
Assuntos Regulatórios por Artur João Gradim

O andar lento da carruagem...

No dia 26 de janeiro do próximo ano, a Anvisa estará completando 20 anos de sua criação, com a missão de fazer o controle sanitário da produção e do consumo de produtos e serviços sujeitos à vigilância sanitária. Esse controle se estende ao ambiente de processos, bem como, no que lhe cabe, nos ambientes de portos, aeroportos e fronteiras.


Por se tratar de uma agência reguladora, a Anvisa é responsável pela regulação sanitária a que ficam sujeitos as empresas, os produtos e os mercados. A agência tem como valores a ética, a transparência, a responsabilidade e o conhecimento, que são a fonte de suas ações e de sua capacidade de articulação. Atua de forma direta nos riscos decorrentes da fabricação, em uma ação coordenada com o Sistema Único de Saúde (SUS), o qual, em poucas palavras, compreende os órgãos afins dos estados e municípios.


A regulação brasileira para os produtos de HPPC, como é sabido, abrange seus fabricantes, seus importadores e o comércio atacadista e em conjunto com as normativas do Mercosul (GMC). Essas normativas internalizadas compõem o arcabouço regulatório a que estão submetidas as empresas do setor. Essa estrutura é muito próxima à estabelecida pelos regulamentos internacionais de referência, o da União Europeia e o dos EUA, que são resultado de um trabalho intenso e exaustivo realizado por mais de 15 anos entre os governos e os setores privados quatro países participantes do Mercosul.


Nos últimos cinco anos, a situação política e econômica de alguns países-membros do Mercosul tem retardado o trabalho desse mercado comum. Por essa razão, o Brasil passou a regular de forma isolada, distanciando-se dos critérios comuns adotados pelo grupo na primeira fase de elaboração das resoluções comuns que foram, e continuam sendo, de extrema importância para uma maior harmonização com o mercado internacional.


Sem dúvida, a evolução alcançada no decorrer desses anos pelo nosso setor caminhou a passos largos tecnicamente, entretanto, ficou bem aquém das expectativas. Nessa evolução, não foi alcançada a etapa relativa ao monitoramento do mercado, que deveria decorrer da abertura alcançada em relação à reclassificação de produtos que passaram a estar na condição de isentos de registro. Isso permite que ainda estejam no mercado alguns produtos fabricados por “fantasmas”, aproveitadores da situação.


A carência de recursos do agente regulador destinados ao monitoramento do setor de HPPC, acompanhada do mesmo problema verificado no âmbito sanitário de estados e municípios, - a chamada ação coordenada -, torna esse importante atributo que é o monitoramento, um instrumento pobre para que sejam feitos ajustes no mercado consumidor, em que os produtores, importadores e comerciantes habilitados, a duras penas, ainda competem com oportunistas de ocasião.


Assim, é igualmente sempre bom lembrar que os produtos anteriormente classificados como de grau 2 não perderam seu status quanto aos requisitos, em sua nova condição de isentos de registro. Dessa forma, foi mantida a obrigatoriedade para os testes de eficácia e, quando for o caso, os testes relativos à estabilidade e à segurança aplicáveis aos produtos de grau 1. Fica mantida a exigência de cumprir o estabelecido em regulamentos, nas listas e nos pareceres.


Finalizando, novamente considero a missão da Anvisa, que por várias vezes foi reiterada por seu ex-presidente, dr. Jarbas Barbosa, que recentemente deixou a agência: ele dizia que o monitoramento de produtos expostos no mercado é fundamental para o atendimento pleno da vocação dessa agência e de seus pares. Esse monitoramento se dá nos âmbitos estadual e municipal, e consiste no controle sanitário efetivo, em benefício dos consumidores, no que se refere à finalidade dos produtos cosméticos e à segurança em seu uso.

Wallace Magalhães
Gestão em P&D por Wallace Magalhães

Como aproveitar ao máximo uma palestra

A indústria de cosméticos é caracterizada pelo grande número de lançamentos, o que exige muito da equipe técnica, principalmente do pessoal de P&D. Os novos produtos podem ser de classes totalmente diferentes, abrangendo fundamentos e tecnologias totalmente distintas, como máscaras capilares e perfumes, por exemplo. Como nem sempre é possível ter na empresa um profissional dedicado a um determinado assunto, uma solução boa e muito econômica é buscar informações em palestras, como as que acontecem no Seminário de Atualização em Cosmetologia, organizado pela Tecnopress Editora. Os trabalhos apresentados são desenvolvidos e apresentados por especialistas com muitos recursos e experiência no assunto. Ou seja, um achado. Obviamente, nem tudo vai entrar nos seus projetos naquele momento, mas você estará adicionando mais conteúdo ao seu background técnico, e isto pode ter um peso enorme na eficiência do seu trabalho e em sua evolução, mesmo se você for um profissional experiente. Sem dizer que o assunto vem ‘mastigado’, o que poupa o seu precioso tempo. Por isso, vale a pena se preparar. Veja algumas recomendações que podem remetê-lo a um patamar de aproveitamento bem interessante.


1. Antecipadamente, leia com atenção os títulos de cada palestra. Se possível, leia alguma coisa sobre o assunto um dia antes do evento. Se tiver dúvidas nesta preparação, anote-as para perguntar ou debater com o palestrante. Você poderá ter a oportunidade de discutir com um técnico bem preparado, de maneira rápida e sem custo.


2. Durante a palestra, mantenha-se concentrado. Mesmo sabendo que é muito fácil dispersar a atenção, quanto mais focado você estiver, melhor será o rendimento. Para prender sua atenção, faça anotações rápidas durante a apresentação, não só do que o palestrante fala, mas, principalmente, de alguma ideia que você tenha naquele momento. Não perca tempo copiando tudo. Normalmente, os palestrantes disponibilizam suas apresentações, mas lembre-se de que no material disponibilizado não estará tudo o que foi dito. Por isso, suas anotações são tão importantes.


3. Preste muita atenção nas ‘informações satélites’ das apresentações, porque elas poderão ser úteis para você desenvolver novas soluções e metodologias. Por exemplo, na apresentação de um ativo para cabelo, sempre são citados os métodos usados nas avaliações. Você poderá encontrar muitas coisas que podem servir de base para montar novos métodos de avaliação em seu laboratório. Isto é importante porque desenvolver e aprimorar a maneira de fazer a verificação da eficácia de produtos, mesmo quando não exigido pela Anvisa, deve ser uma meta a ser perseguida porque, em um mercado cada vez mais competitivo, isto é pré-requisito cada vez mais determinante do sucesso.


4. Aproveite os intervalos para interagir com o palestrante e com outros participantes, falando sobre o assunto. Você pode não ter percebido um ou outro detalhe importante de uma apresentação. Lembre-se também de se relacionar com o máximo de pessoas possível. Isto poderá abrir novos caminhos, inclusive para solucionar problemas futuros.


5. No próximo dia de trabalho, debata os assuntos abordados com os colegas que também assistiram às apresentações. Conte o que você viu aos que não puderam comparecer ao evento. Faça isto não somente para dar ciência aos outros, mas também para aumentar a sua retenção do assunto.


6. E claro, solicite sempre as apresentações aos palestrantes. Assim que recebê-las, reveja o seu conteúdo, juntamente com suas anotações, o mais rápido que puder. Faça novas anotações. Crie um banco ordenado com os arquivos das apresentações que você recebeu e com as ideias que teve. Faça uma revisão de tempos em tempos até extrair tudo o que for possível.


Se seguir estas recomendações, certamente você terá um melhor aproveitamento do conteúdo apresentado em palestras.


Mas não se esqueça: o mais importante é como irá utilizar o que viu. Como a apresentação acontece para várias pessoas, se você ‘copiar tal e qual’, o seu produto corre o risco de ser mais um. Será necessário ‘algo mais’, e isto não significa obrigatoriamente incluir um novo ingrediente na formulação. Aí é que deve ser usada sua capacidade de associar informações de fontes e tempos diferentes, além de sua própria percepção e sensibilidade. É o tal do background. Lembre-se: o sucesso é feito da soma de detalhes. Em palestras, os detalhes podem estar lá. E de graça. Desperdiçar isto não é uma boa ideia. Portanto, aproveite ao máximo. Boa palestra!

Antonio Celso da Silva
Embale Certo por Antonio Celso da Silva

Realidade aumentada, cosmético interativo

No mês passado, aconteceu o segundo Fórum de Embalagens para Cosméticos, organizado pela Associação Brasileira de Cosmetologia e por mim coordenado. A ideia era trazer o que de melhor pudesse ter em se tratando de palestrantes, mas a gente queria mais, queria mudar o formato tradicional desses eventos. Surgiu, então, a ideia de, além das palestras, fazer um talk show provocativo no palco. O modelo escolhido foi realmente um sucesso se considerarmos o grande número de inscritos e a procura por vagas, que já não existiam mais no dia anterior ao evento.


Além dos renomados e experientes palestrantes, tivemos a participação de grandes empresas de produto acabado, que enviaram seus profissionais para participar do talk show.


Ao fazer a escolha dos assuntos, tinha na cabeça que precisava ter na grade de palestras algo que fosse diferente e que pudesse realmente ser um diferencial, podendo também ser aproveitado pelo mercado após o evento.


Nessa procura pelo algo mais, me deparei com uma informação de um amigo: já tinha alguém no setor cosmético trabalhando com a realidade aumentada, tão comentada em outros segmentos, em parceria com uma empresa gráfica.


Feito o contato e devidamente apresentado ao assunto, percebi que era algo realmente inovador e que, diferentemente do que eu imaginava, era bem acessível para as pequenas empresas e seus produtos.


Colocamos, então, essa palestra na grade do Fórum. Por solicitação do palestrante, permitimos também a participação da gráfica parceira da sua empresa. A gráfica preparou um cartucho especialmente produzido para a demonstração durante a palestra. O palestrante explicou o que é a tal realidade aumentada, como funciona e as intermináveis aplicações num produto cosmético.


Feito isso, ele pediu para a plateia que baixasse no celular um aplicativo informado por ele e direcionasse para o frontal do cartucho, onde era possível fazer a leitura e visualizar diversos vídeos sobre o produto. Isso acabou transformando o Fórum num verdadeiro parque de diversão.


Para quem não conhece o que é a realidade aumentada, basicamente é a integração de informações virtuais com visualizações do mundo real. Sei que muitos já conhecem, mas, pelo que vi durante a apresentação, muitos também não conhecem.


Dentre as possibilidades apresentadas pelo palestrante, está a visualização de vídeos que explicam o modo de uso do produto, a ação dos princípios ativos, os canais de venda e o funcionamento da embalagem. Se for uma maquiagem, pode trazer também em forma de vídeo as diversas combinações de cores para os diferentes tipos e cores de pele.


A realidade aumentada pode eliminar folhetos e catálogos, pois traz de maneira visual e minuciosamente explicada qualquer informação que se deseja passar ao consumidor.


Outro fato relevante nesse sistema, segundo o palestrante, é que isso pode ser feito em todo tipo de embalagem - desde um cartucho, passando pelo rótulo de um shampoo, até numa gravação de um estojo de maquiagem ou na sua etiqueta de fundo.


Através do aplicativo, é possível fazer a leitura e visualizar o vídeo em qualquer uma dessas diferentes embalagens.


A realidade aumentada pode tornar o cosmético interativo e, embora ainda seja desconhecida para muitas pessoas e empresas, não tenho dúvida de que esse é o futuro da informação rápida e prática que se pode colocar num produto.


É incrível como a tecnologia vem mudando a velocidade e a maneira de informar. Cada vez mais, isso vai ser um diferencial e fator não de sucesso mas de sobrevivência das empresas no mercado.


Tenho ficado atento ao que vem acontecendo, mas percebo que a resistência a essas novas tecnologias é comum, principalmente nas empresas familiares e/ou comandadas por executivos que não se atualizam. O resultado disso é a morte de grandes marcas e não entendemos o porquê. Diria que sem dúvida passa pelo desconhecimento, ou o que é pior: pela falta de vontade de se atualizar.


Enquanto isso, pequenas empresas comandadas por mentes abertas atropelam e crescem num universo de crise.


Hoje isso pode ser novidade, mas em muito pouco tempo será mandatório, sob pena de ser atropelado pela tecnologia e acabar ficando pelo caminho.


Realidade aumentada é uma ferramenta que em muito pouco tempo será acessível a todos e passará a fazer parte da rotina dos departamentos de marketing e comercial das empresas.

Valcinir Bedin
Tricologia por Valcinir Bedin

Perguntas mais comuns sobre depilação

Segundo pesquisadores, a rainha Cleópatra já tirava os pelos indesejados com faixas de tecidos finos banhados em cera quente, técnica essa que ainda é utilizada nos atuais salões de beleza, com a chamada cera egípcia. Do mesmo modo, em 1500 a.C. os homens também já removiam os pelos com uma espécie de cera, feita com sangue de diversos animais, gordura de hipopótamo e carcaça de tartaruga.


Outros povos compartilhavam a técnica, entre eles os romanos, que criavam composições depilatórias em que a soda cáustica era o principal ingrediente.


As mulheres gregas, mais radicais em relação à conservação da beleza, arrancavam os pelos pubianos com as mãos e os queimavam.


Já as árabes preparavam um xarope espesso (feito de partes iguais de açúcar e suco de limão com água) e o passavam pelo corpo, deixando secar para depois extrair os pelos, por meio de uma técnica parecida com a da cera quente que foi inventada por Peronet, em 1742, na cidade de Paris.


Muito se fala sobre este hábito ocidental, muito arraigado na nossa sociedade, e são muitas as dúvidas a respeito dele. Para tentar ajudar, selecionamos as perguntas mais comuns e suas respostas.


Cortar o pelo faz com que ele engrosse?

Não! O que se vê após a depilação por este método é a porção mais inferior do pelo, e, portanto, mais espessa.


Cera quente “provoca” varizes?
Não! Isso é um mito. O calor da cera quente pode relaxar a musculatura por alguns instantes, mas não é suficiente para dilatar definitivamente as veias.


Cera reutilizada pode “transmitir” doenças?
Sim. Mesmo que se tenha cuidado com as temperaturas para tentar matar os seres vivos, sabe-se que existem organismos muito resistentes que podem sobreviver e, portanto, o uso de ceras reutilizáveis deve ser evitado.


Retirada por pinça antecipa a fase anágena?
Sim. O estímulo causado pelo trauma pode ser sentido pelo pelo como uma necessidade de antecipação da nova fase anágena.


Aparelhos de lâminas flutuantes são menos agressivos?
Sim. Aparelhos com lâminas flutuantes adaptam-se às curvas do corpo e evitam cortes.


Pelos étnicos provocam mais pseudofoliculite?
Sim. Este tipo de pelo, por conta do seu formato, tem mais chances de encravar do que um pelo liso, por exemplo.


Por que depois da depilação aparecem espinhas na pele?
Esses sinais que surgem na pele têm aparência de espinhas, mas na verdade são foliculites, inflamações na saída do pelo (folículo). Sua principal causa são os pelos encravados, que não conseguem romper a pele, causando inflamação.


Como livrar-se das foliculites?
É indicada a aplicação de um anti-inflamatório duas vezes ao dia. Em casos mais graves, sempre sob orientação médica, deve-se aplicar cremes com antibióticos. Quando nenhuma dessas medidas funciona, receitam-se antibióticos por via oral.


Foliculites podem se transformar em cistos?
Não. A formação de cistos é causada por alterações no funcionamento das glândulas sebáceas e não está relacionada com a depilação.


A depilação pode deixar manchas na pele?
Sim. Toda vez que ocorre uma infl amação na pele, há uma maior produção de pigmentos no local. É uma resposta natural do corpo. Essa mancha pode surgir quando há pelo encravado ou foliculite e a região é manipulada. Isso traumatiza a pele e estimula seu escurecimento.


Como eliminar essas manchas?
O mais indicado é o uso de cremes clareadores, à base de hidroquinona e/ou ácido kógico, receitados pelo médico. Também é importante evitar o sol no local da mancha. Em casos mais graves, o médico pode recomendar o peeling, que provoca uma renovação da pele e elimina os sinais.


Existem pessoas com mais tendência a esses sinais?
Sim. As pessoas de pele morena têm maior capacidade de pigmentação, o que aumenta a tendência para manchas. Gestantes também devem tomar cuidados redobrados pois os estímulos hormonais podem facilitar o aparecimento de manchas.


Passar desodorante nas axilas logo depois da depilação pode irritar a pele?
Sim. As substâncias químicas e o álcool presentes no desodorante podem agredir a pele que está sensível. O ideal é deixar a região sem nenhum cosmético por 12 horas.

Denise Steiner
Temas Dermatológicos por Denise Steiner

Depilação

A retirada de pelos de algumas regiões do corpo é um fator cultural de algumas populações. No Brasil, as mulheres têm o costume de realizar a depilação, sendo considerada estranha e inestética a permanência de pelos em locais como axilas, pernas e virilha.

O que se pode considerar mais moderno para remoção de pelos é a utilização do laser e da luz intensa pulsada (LIP), aparelhos que emitem uma luz especial, que causa fototermólise seletiva, destruindo o folículo piloso e retardando o aparecimento de uma nova haste capilar.

O alvo específico é o pigmento concentrado na raiz do folículo piloso. Para atingi-lo, a luz tem de atravessar as camadas mais superficiais da pele.

No trajeto, ela pode ter afinidade por outras estruturas pigmentadas, como é o caso da célula da pigmentação, denominada melanócito, que produz a melanina.

Esse fato explica por que é mais difícil a depilação definitiva em paciente de pele morena ou negra. Em contrapartida, quanto mais contraste houver entre a pele (branca) e o pelo (escuro), melhor será o resultado geral da depilação.

Peles muito claras, com pelos grossos e escuros, apresentam resultados mais satisfatórios. Quando a pele estiver bronzeada, é desaconselhável a depilação a laser/LIP. Isso ocorre porque esse método pode confundir o pigmento e irradiar calor para a pele bronzeada, causando queimaduras e cicatrizes definitivas.

Indivíduos com antecedente de queloide, vitiligo e em uso de isotretinoína oral devem ter bastante cautela, e o tratamento tem que ser sempre indicado e supervisionado pelo dermatologista.

Pessoas de pele escura não podem fazer o tratamento com qualquer tipo de aparelho, pois existe risco de queimaduras, cicatrizes e manchas. É fundamental que um médico avalie cada paciente e indique o tratamento mais adequado.

O termo “depilação definitiva” não é muito apropriado, pois pressupõe que, uma vez tratado, nunca mais existirá qualquer pelo.

Nenhum equipamento de laser ou luz intensa pulsada hoje disponível é capaz de realizar uma depilação definitiva de todos os pelos, mas muitos equipamentos conseguem uma depilação definitiva da maioria dos pelos e, com a manutenção adequada, pode-se chegar muito próximo do ideal.

A depilação a laser/LIP é um tratamento eficaz e duradouro. Existem diferentes aparelhos hoje disponíveis no mercado, alguns mais dolorosos, outros menos. A frequência e o número de sessões dependem do tipo de aparelho e das características do paciente e das áreas tratadas.

Na região da virilha e nas axilas, em geral, são necessárias de 4 a 5 sessões, com intervalos mensais. A região da perna pode necessitar de 4 a 6 sessões. A região do buço e a face são mais resistentes, precisando de 8 a 10 sessões.

Devido às características e ao custo desse procedimento, é fundamental a indicação e a supervisão de um médico habilitado.

Novos Produtos